Quem eram os amonitas na bíblia e o que aconteceu com eles?

Israel enfrentou ao longo de sua história uma série de adversários, e os amonitas se destacam entre eles. Em um período marcado por tribos guerreiras competindo pela supremacia global, os confrontos eram frequentes e decisivos para estabelecer poder.

Apesar de terem origens geográficas semelhantes às dos israelitas, as semelhanças param por aí. Os amonitas eram conhecidos pelas suas práticas pecaminosas, ou seja, eles adoravam deuses que exigiam sacrifícios humanos, prática que Deus instruiu os israelitas a repudiarem.

Desde os tempos de Abraão até a era dos reis, os amonitas aparecem repetidamente na história de Israel. Deixando vestígios de sua influência até os tempos mais recentes.

Neste artigo, exploraremos as origens dos amonitas, suas práticas religiosas e seu impacto histórico, revelando uma história rica em complexidades e significado.

Quem eram os descendentes dos amonitas?

Originados da linhagem de de maneira controversa, sua história remonta a um evento descrito em Gênesis. Após fugirem de Sodoma e Gomorra antes da destruição, as filhas de Ló, temerosas de que sua linhagem se extinguiria no deserto sem homens ao redor, tomaram uma decisão drástica. Embriagaram seu pai e deitaram-se com ele, resultando em gravidezes subsequentes e o nascimento de filhos.

Uma das filhas tem um filho chamado Ben-Ami, o primeiro dos amonitas.

Os descendentes de Ben-Ami, filho de Ló com sua filha mais nova, formaram uma nação vizinha de Israel a leste do rio Jordão. Ben-Ami, cujo nome significa “filho do meu povo”, deu origem a uma linhagem que se estabeleceu na região que posteriormente ficou conhecida como Amom.

Desde suas origens, os amonitas frequentemente entraram em conflito com os israelitas. A hostilidade entre essas duas nações remonta aos tempos bíblicos, quando os amonitas negaram passagem aos israelitas durante o êxodo do Egito. Além disso, eles eram conhecidos por suas práticas religiosas abomináveis, incluindo o sacrifício de crianças ao deus moloque, algo severamente condenado nas escrituras.

Os amonitas eram também um povo guerreiro. Por diversas vezes, enfrentaram Israel em batalhas, tentando subjugar e dominar seus territórios. Os juízes bíblicos, como Jefté, e os reis israelitas, como Saul e Davi, lideraram o povo de Israel em guerras contra os amonitas, que frequentemente resultavam em vitórias para Israel e submissão temporária dos amonitas.

Culturalmente, os amonitas eram semelhantes a outras tribos semíticas da região. Eles falavam uma língua próxima ao hebraico e tinham práticas sociais e econômicas que refletiam o ambiente desértico e semiárido em que viviam. A capital de seu reino era Rabá, a moderna Amã, capital da Jordânia.

Por que Deus advertiu os israelitas contra os casamentos com os amonitas?

Na narrativa bíblica, encontramos exemplos de casamentos interculturais, como Rute e Raabe, que inicialmente não eram israelitas. Embora esses casamentos tenham sido abençoados em alguns casos, notamos que tanto Rute quanto Raabe eventualmente adotaram a fé israelita, abandonando suas religiões anteriores em favor do caminho de Yahweh.

É importante destacar que a proibição divina não visa promover racismo, mas sim proteger a integridade espiritual. Deus compreende que o casamento une duas pessoas em um vínculo profundo, onde influências espirituais podem moldar a vida de ambos. Ao evitar uniões desiguais, como com os amonitas, Deus busca preservar a fidelidade espiritual dos israelitas.

Em uma sociedade tribal, onde as famílias se unem através do casamento e perpetuam tradições, a escolha de parceiros impactava diretamente na obediência aos mandamentos divinos. Os israelitas, ao desobedecerem essa orientação, enfrentaram consequências para suas futuras gerações.

Essa abordagem visa garantir que a fé e os valores do povo de Deus fossem preservados ao longo das gerações, destacando a importância do compromisso espiritual no casamento.

Salomão se casou com uma amonita?

Salomão, um notório líder israelita, desafiou as ordens de Deus ao tomar não apenas centenas de esposas, mas também ao se unir a Naamá, uma mulher amonita.

Ao se envolver com mulheres estrangeiras, Salomão foi introduzido aos deuses delas, incluindo Naamá, que o expôs a divindades como Moloch, resultando em práticas consideradas abomináveis dentro de Israel.

Por que ele escolheu seguir esse caminho? Essa pergunta é crucial.

Uma motivação evidente foi a pressão política exercida por outras nações. Líderes de reinos vizinhos frequentemente se casavam com várias esposas, e Salomão, buscando reforçar suas alianças políticas, seguiu esse exemplo.

Conforme documentado em Eclesiastes, Salomão posteriormente lamentou suas numerosas uniões, reconhecendo como essas escolhas minaram espiritualmente a integridade de Israel como um todo.

Qual foi o período em que os amonitas lutaram contra Israel?

amonitas

Durante diversos períodos históricos, os amonitas entraram em conflito com Israel, mas um dos embates mais significativos ocorreu durante o reinado de Jeoaquim, pouco antes da invasão babilônica. Nesse tempo, os amonitas se uniram aos babilônios e outras nações aliadas para atacar Israel, resultando na captura do reino do sul pelos babilônios (2 Reis 24). Este conflito acabou culminando no enfraquecimento de Israel diante de seus inimigos.

Outros registros bíblicos também mencionam confrontos entre amonitas e israelitas. Durante o reinado do juiz Jefté, os amonitas foram adversários de Israel (Juízes 11), como parte do ciclo recorrente dos juízes em que Israel enfrentava invasões, clamava por ajuda, e um juiz surgia para libertá-los.

Além disso, no século II a.C., durante o período intertestamentário, o general amonita Timóteo liderou suas forças contra os israelitas durante a revolta dos Macabeus, mas não obteve sucesso.

O que aconteceu com os amonitas e o que podemos aprender com eles?

Após o período dos reis, as menções aos amonitas na história se tornam escassas, persistindo até o tempo do Império Romano, conforme registrado por Justino, o Mártir, por volta do século II d.C. Contudo, não há registros subsequentes que esclareçam o destino final dessa nação. É um triste lembrete de como certas civilizações parecem desaparecer sem deixar rastros claros.

Apesar das incertezas sobre seu fim, há valiosas lições a extrair da história dos amonitas.

Inicialmente, sua origem turbulenta envolve relatos de fundação ligados a eventos controversos como o estupro e incesto. A forma como uma nação se estabelece é crucial; Israel, por exemplo, nasceu da promessa divina a Abraão, contrastando com o surgimento precipitado de nações guerreiras como a de Ismael.

Além disso, os amonitas são amaldiçoados por suas práticas malignas, especialmente o sacrifício de crianças ao deus moloque. Essa crueldade é profundamente condenada pelas Escrituras, que valorizam a inocência e a vulnerabilidade das crianças como um ensinamento sobre amor incondicional e proteção.

Por fim, apesar de seu período de influência, os amonitas não resistiram ao teste do tempo, desaparecendo após o período romano. Essa queda serve como um lembrete poderoso de que nenhuma nação, por mais poderosa que pareça, pode desafiar indefinidamente os desígnios de Deus.

Os amonitas ilustram, ao longo da história de Israel, os perigos de alianças ímpias e a importância de escolher relacionamentos e amizades que honrem princípios sagrados, evitando aqueles que buscam corromper ou destruir.

Indiara Lourenço

Com mais de 20 anos atuando na Pregação e Ensino, Indiara possui experiência em ministério infantil, jovem e feminino. Estudante de Teologia e ministra aulas na EBD. Mãe, esposa e serva que ama fazer a obra de Deus. Contagia a todos com sua alegria e inspira com palavras motivadoras, deixando um impacto positivo por onde passa.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo