O que é a Festa dos Pães Asmos na Bíblia?

Preestabelecida como uma mensagem de esperança para oprimidos desesperados, a Festa dos Pães Asmos tornou-se um símbolo de libertação e misericórdia. 

“Este é um dia que você deve comemorar; para as gerações vindouras, você deve celebrá-lo como uma festa ao Senhor”. (Êxodo 12:14)

O que aconteceu durante a Festa dos Pães Asmos?

Deus ouviu os clamores de pessoas aflitas e as atendeu em suas necessidades. Agora, a libertação estava ao seu alcance. 

Forçado a trabalhar por mais de quatrocentos anos, Deus prometeu liberdade aos israelitas se eles cobrissem os batentes das portas com o sangue de um cordeiro. Oferecendo palavras de louvor e agradecimento da Torá, homens e mulheres seguravam crianças trêmulas em seus braços enquanto gritos irrompiam pela cidade. 

A princípio, Faraó, não queria libertar aqueles que contribuíram para seu conforto. Mas, finalmente cedeu com o falecimento de seu próprio filho. Então os escolhidos de Deus escaparam com “sua massa antes de ser levedada”. (Êxodo 12:34) 

Mais tarde, a lei do Antigo Testamento exigia uma celebração de uma semana que se concentrava em comer pão sem fermento. Até mesmo o fermento tinha que ser removido de casa, e se uma pessoa comia pão fermentado, era excomungada. 

Em ambos os dias da festa, as pessoas se reuniam para adoração. Em reconhecimento à festa, as pessoas não podiam trabalhar no primeiro ou último dia da Festa dos Pães Asmos.

Onde a Bíblia fala sobre a festa dos pães asmos?

A primeira menção da Festa dos Pães Asmos está em Êxodo, quando Deus providenciou um libertador para Israel (Êxodo 12). Moisés conduziu pessoas sobrecarregadas e escravizadas a uma vida de liberdade. 

Há várias referências à festa em Levítico, Números e Deuteronômio. Eles incluem lembretes sobre a duração da celebração, detalhes sobre os sacrifícios exigidos no templo e avisos sobre trabalho e adoração.

Êxodo 12:14 diz:

“Assim este dia vos será por memória, e o celebrareis por festa ao Senhor nas vossas gerações”. 

O Êxodo é um dos mais conhecidos de todos os milagres bíblicos. Mas a missão de resgate de Deus se estende muito além do conto de fé de uma criança.

Um mergulho na língua original revela que a palavra memorial vem da raiz hebraica, zakar

Usado frequentemente na Bíblia, zakar significa lembrar e sempre envolve ação. É também usado frequentemente em orações (Êxodo 32:13, 2 Reis 20:3 Jeremias 15:15).

Zakar é uma petição e uma palavra que expressa o amor e a proteção da aliança de Deus (Gênesis 9:15-16, Salmo 105:8, Ezequiel 16:60). 

Em vez de desejar uma lembrança casual do passado, Deus instituiu a Festa dos Pães Asmos para conectar mente e ação. 

Memória e adoração. A capacidade de Deus de libertar da escravidão e a confiança nEle estavam lindamente ligadas pelo consumo de matzá ou pão sem fermento.

O que as pessoas fizeram para a festa dos pães asmos?

Várias passagens bíblicas registram estas instruções: “No primeiro dia tereis uma santa convocação; não farás nenhum trabalho costumeiro nele”. (Levítico 23:17, Números 28:25, Deuteronômio 16:8)

Havia também ofertas e sacrifícios particulares para dar. Números 28:24 instrui:

“Assim oferecereis o alimento da oferta queimada todos os dias, durante sete dias, como cheiro suave ao Senhor”. 

A cada dia da festa, o sacerdote preparava sacrifícios especiais no templo de carneiros, bodes e cordeiros sem mácula. Os sacrifícios prefiguraram a capacidade de Cristo de continuamente cobrir nossos pecados como o santo e irrepreensível Filho de Deus. 

  • Carneiros, oferecidos pela primeira vez como sacrifício em Gênesis quando Deus providenciou um substituto para Isaque como uma imagem da eventual morte de Jesus na cruz, foram exigidos como ofertas pela culpa pelo pecado não intencional.
  • A cabra, usada em seus sacrifícios típicos, representava o pecado e a necessidade de que o pecado fosse levado por um bode expiatório. Ao mesmo tempo, um cordeiro sem mácula retratava a importância do puro e inocente morrer para que o culpado recebesse misericórdia.

Desordenado e perturbador, o sacrifício de animais demonstrou que os israelitas não podiam cumprir o padrão sagrado de Deus e os lembrava de sua necessidade do Messias.

Embora os judeus ortodoxos ainda celebrem a Festa dos Pães Asmos, ela foi negligenciada por muitos anos. 

Isso pode ser inferido de versículos bíblicos como 2 Reis 22:8 em que Hilquias, o sacerdote, um homem que deveria ter conhecido e estudado a palavra de Deus, anunciou: “Achei o Livro da Lei no templo do Senhor…” 

Embora possamos apontar o dedo, nossas vidas crescem cheias de distrações. Desvios. Caminhos diferentes. Talvez Deus esteja nos lembrando como fez com os israelitas:

“Passe tempo em minha presença. Criem espaço para mim em suas vidas. Pare de se esforçar, trabalhar, perseguir e descanse comigo.”

O Novo Testamento Menciona a Festa dos Pães Asmos?

A Festa dos Pães Asmos desempenhou um papel importante na igreja primitiva e na morte de Cristo. Um dos versículos mais significativos sobre a celebração é Marcos 14:1:

“Depois de dois dias, era a Páscoa e a Festa dos Pães Asmos. E os principais dos sacerdotes e os escribas procuravam como poderiam prendê-lo com astúcia e matá -lo”.

Jerusalém estava cheia de seguidores devotos que se reuniram para oferecer sacrifícios no templo. Jesus já havia incitado a ira entre os líderes religiosos. 

Como resultado, eles O crucificaram e cumpriram as belas imagens da Páscoa e da Festa dos Pães Asmos. 

Na noite da primeira Páscoa, o povo de Deus comeu cordeiro assado preparado com ervas amargas. Nenhum dos ossos do cordeiro foi quebrado. A refeição também incluía pão sem fermento. Cada um dos itens ilustra como Jesus cumpriu a profecia por meio de Sua morte:

  • Nenhum dos ossos de Cristo foi quebrado. Jesus cumpriu as profecias do Antigo Testamento (Salmo 34:20) e completou o quadro criado antes do Êxodo. 
  • O Cordeiro, em agonia na cruz, provou fel – ou ervas amargas misturadas com vinho. Depois de provar o que os romanos ofereciam, Jesus recusou e cumpriu as palavras do Salmo 69:21: “Também me deram fel como alimento; e na minha sede deram-me a beber vinagre”.
  • Como Isaías 53:9 declara, “não havia engano em sua boca”. Como um sacrifício santo e perfeito, Jesus se apropriou da liberdade para as pessoas sob o jugo da escravidão do pecado. 

Enquanto Moisés foi um libertador, Cristo é o Libertador. Qualquer um que sofre sob o peso da escravidão do pecado, pode encontrar liberdade em Jesus. O sacrifício final e o Pão da Vida. 

“Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a boca; foi levado como um cordeiro ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim não abriu a boca”. (Isaías 53:7)

Por que Paulo fala sobre o fermento?

Em 1 Coríntios 5:6-7, Paulo explica: “A sua jactância não é boa. Você não sabe que um pouco de fermento leveda toda a massa? Limpe o fermento velho, para que você seja uma nova massa”.

Por que o fermento desempenhou um papel tão significativo na festa? Desde o tempo do Êxodo, o fermento representava o pecado. Mas Israel, um povo santo separado de outras nações para ser uma bênção para os outros (Dt 14:2, Gn 13:6), deveria fugir do pecado da mesma forma que fugiram do Egito.

Paulo admoestou os membros da igreja de Corinto a fazerem o mesmo. Em vez de serem orgulhosos por causa de sua recém-descoberta liberdade em Jesus, os crentes permitiram o pecado entre seus membros. 

A alusão de Paulo à Festa dos Pães Asmos não apenas indica a familiaridade da igreja com a celebração, mas apresenta uma clara lição objetiva. Dar lado para o pecado convida a corrupção a se espalhar como fermento em um pão.

Botão Voltar ao topo