5 Curiosidades sobre Éfeso e as lições bíblicas de sua história

Éfeso é uma Cidade muito importante, que ganhou destaque no Novo Testamento. Atualmente, não existe mais a Cidade e nem mesmo a famosa igreja de Éfeso. Pois, essa antiga Cidade está parcialmente escavada e coberta de terra sob Selcuk, na Turquia.

Atualmente, quase toda a população da região segue a religião muçulmana, sendo uma das áreas com maior dificuldade de acesso.

Alguns missionários dizem que existe apenas uma pequena igreja de ex-muçulmanos nas proximidades.
Por vários anos, Éfeso ficou coberto de terra.

No final do século 19, os arqueólogos iniciaram a busca pelo Templo de Ártemis. Desde aquele momento, foram feitas escavações que revelaram uma parte significativa da cidade antiga.

Mas o que essa informação nos indica sobre Éfeso na bíblia?

Pois bem, vamos aqui descobrir as 5 coisas mais importantes sobre Éfeso.

1. Éfeso na história bíblica

Embora não apareça no Antigo Testamento, Éfeso recebeu destaque no Novo Testamento, principalmente no livro de atos dos apóstolos e nas cartas Paulinas. Em atos, a Cidade de Éfeso é vista como um centro do cristianismo primitivo, onde Paulo dedicou um bom tempo do seu ministério ali, para infundir o evangelho de Cristo a toda aquela região.

“E chegou a Éfeso, e deixou-os ali; mas ele, entrando na sinagoga, disputava com os judeus. E, rogando-lhe eles que ficasse por mais algum tempo, não conveio nisso. Antes se despediu deles, dizendo: É-me de todo preciso celebrar a solenidade que vem em Jerusalém; mas querendo Deus, outra vez voltarei a vós. E partiu de Éfeso.”

Efésios 18:19-21

Contudo, por conta de uma confusão criada por Demétrio, um ourives que vendia imagens de escultura, Paulo teve que deixar a Cidade de Éfeso.

“Cessado o tumulto, Paulo mandou chamar os discípulos, e, tendo-os confortado, despediu-se, e partiu para a Macedônia.”

Atos 20:1

A Carta aos Efésios, escrita por Paulo em meados de 62 d.C., também oferece insights sobre a história da cidade. Embora seja provavelmente uma carta cíclica, vemos um toque pessoal em Éfeso.

A ênfase em temas como unidade entre os crentes, santidade pessoal e organização da igreja mostra que eles enfrentavam questões semelhantes às nossas. Já o fato de a carta começar em Éfeso destaca seu papel eminente no cristianismo primitivo.

Éfeso aparece novamente no livro do Apocalipse, como uma das sete igrejas às quais Jesus se dirigeu.

“ESCREVE ao anjo da igreja que está em Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro: Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres. Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus.

Apocalipse 2:1-7

Jesus elogia seu trabalho árduo e perseverança, mas os anuncia por terem abandonado seu primeiro amor. Ele os encoraja a se arrependerem e voltarem ao fervor do início, avisando que, se não houver arrependimento, Ele retirará seu candelabro.

2. Éfeso e a igreja primitiva

Bem sabemos que a igreja de Éfeso, manteve sua grande importância durante as primeiras décadas da igreja primitiva. Contudo, em 431 d.C., o concílio condenou Nestório e afirmou Maria como mãe de Deus (Theotokos). Ela até conseguiu se manter durante o período bizantino, porém logo começou a declinar como Cidade.

No século XIV, Éfeso estava quase abandonada, com muitos se mudando para Selcuk. As invasões turcas terminaram com a cidade e com a igreja. Incrível, como o declínio da igreja acompanhou o da cidade.

Muitos problemas surgiram de desastres naturais. O maior deles foi o assoreamento do porto.

Você já tentou remar em águas rasas? Imagine isso com um grande navio comercial. O porto então tomado pelos sedimentos dificultou a atração dos mercadores, prejudicando a economia de Éfeso.

Sem uma economia forte, a cidade não resistiu aos terremotos devastadores nos séculos III e VII. Além disso, os ataques góticos no século III e os ataques árabes nos séculos VII e VIII foram fatais para Éfeso. O Cristianismo também teve um papel duplo em Éfeso.

Alguns estudiosos até comentam que foi a própria expansão da igreja que fez o templo de Armétrio perder a sua importância. Contudo, a expansão do cristianismo não conseguia manter uma das Sete maravilhas do mundo. antigo. Conforme, a Cidade foi se acabando a igreja de Éfeso também foi perdendo sua importância.

A pergunta que fica é: Será que é possível redescobrir a antiga grandeza de Éfeso? Desde o século XIX, os arqueólogos têm tentado fazer isso.

3. Achados arqueológicos da Cidade de Éfeso

Bem provável que se passasse algum turista por volto do Século 18, poderia questionar será que havia mesmo existido alguma cidade de extrema grandeza naquele local. Pois, embora houvesse alguns vestígios, o esplêndido gllamour havia desaparecido.

Em 1863, John Turtle Wood, financiado pelo Museu Britânico, iniciava uma escavação no Templo de Ártemis. Após seis anos, ele encontrou os fundamentos do templo em 1869. David George Hogarth continuou o trabalho, identificando diversas fases de construção.

As escavações revelaram a grandiosidade do templo. Esculturas e inscrições apresentaram seu significado cultural e religioso.

Isso explica o temor de Demétrio em Atos, de que o evangelho destruiria o templo e enfraqueceria a cidade. Também ilustra a oposição enfrentada pela igreja em Éfeso, mencionada em Apocalipse 2.

Uma outra descoberta importante foi a Harbour Street, ou Arcadian Way. Esta rua principal conectava o porto ao Grande Teatro, mostrando a importância comercial e cultural de Éfeso.

John Turtle Wood iniciou o trabalho de mapeamento, e o Instituto Arqueológico Austríaco descobriu colunas, lojas e edifícios públicos, confirmando as especificações bíblicas de Éfeso como uma cidade portuária próspera.

Já o Grande Teatro de Éfeso, com capacidade para 25.000 espectadores, também foi uma descoberta significativa. Wood e a equipe austríaca iniciaram as escavações, e mais recentemente, os Knoblauch focaram no papel do teatro na vida pública da cidade.

Atos 19:29-41 menciona o teatro como o local do motim contra Paulo. Dizem os historiadores que ele teria pregado o evangelho ali, com um público revelado a uma cruzada de Billy Graham. O impacto de suas palavras poderia ter sido imenso.

Outras descobertas além dessas, outras estruturas da época da igreja primitiva e bizantina foram desenterradas, lançando mais luz sobre a rica história de Éfeso.

4. Apóstolo João foi enterrado Éfeso

Dizem os historiadores que o local do sepultamento do apóstolo João é na Basílica de São João. Construída pelo imperador bizantino Justiano I, no séculoVI d.C., sendo projetada em forma de cruz. Com seu telhado todo abobadado, sustentado por colunas magníficas e com uma decoração feita com mosaicos e afrescos.

Essas ruínas tem sido escavadas desde o início do século XX, e arqueólogos já descobriram muitos mosaicos no chão, como restos das colunas originais e também do bastistério. A tradição diz que João passou seus últimos anos em Éfeso e foi sepultado na colina Ayasuluk, onde a basílica foi construída. Esta ligação tornou o local um importante destino de peregrinação.

5. Éfeso tem um significado histórico

A Cidade de Éfeso bem como suas ruínas hoje em dia, ainda são importantes para a igreja e para a história secular. A arqueologia começou aqui ao desenterrar o templo de Ártemis. Porém, logo se verá o impacto tanto de Ártemis quanto de Cristo nesta antiga cidade.

Éfeso teve uma participação importantíssima para o cristianismo primitivo e sediou uma importante decisão teológica em 431 d.C.

Hoje, Éfeso é uma cidade quem em si não tem muita importância, mas é um Patrimônio Mundial da UNESCO.

Isso destaca a importância de Éfeso ao nos conectar com o passado, tanto o religioso quanto o secular. A combinação de herança religiosa e cultural faz de Éfeso um local essencial para entender o desenvolvimento do pensamento cristão primitivo e seu impacto na civilização ocidental.

5 Lições que aprendemos com a história de Éfeso

lições da Cidade de Éfeso

Certamente podemos aprender muito com as referências bíblicas à cidade de Éfeso. Mas a própria cidade e sua rica história também podem nos ensinar lições valiosas. Veja a seguir o que a Cidade de Éfeso pode nos ensinar:

1. A igreja pode exercer uma grande influência na sociedade secular

Quando olhamos para a história da igreja primitiva, vamos ver que ela prosperou no meio de uma sociedade pagã e idólatra. Deixando um grande exemplo de que é possível influenciar o meio em que estamos inseridos, sem perder a sua identidade em Cristo (Atos 19:23-41). A queda de Éfeso e sua igreja destaca a importância dos cristãos trabalharem pela prosperidade local.

2. A igreja precisa perseverar em meio a oposição:

Os cristãos de Éfeso enfrentaram grande oposição de comerciantes e autoridades locais, como visto no motim incitado por Demétrio em Atos 19:23-41. Contudo, a igreja permaneceu firme, mesmo com uma oposição ferrenha e essa perseverança, embora mais tarde ela veio enfraquecer junto com a Cidade, nos deixou uma marca registrada. A própria carta escrita aos Éfesios que serve de ensinamento para nós até os dias de hoje, revela a importância de sermos perseverante mesmo frente as batalhas.

3. A igreja precisa ser estratégica:

Éfeso era um centro cultural e intelectual, com marcos como a Biblioteca de Celso. Paulo um grande missionário do Senhor, realizando a obra sempre dotado de muita sabedoria e estratégia, mirou no coração da cidade de Éfeso para realizar sua missão.

Hoje, da mesma forma que Paulo devemos orar e pedir para que Deus nos dê estratégias, seja para alcançar jovens e adolescentes na escola ou nas praças. Nossas missões podem ser realizadas através de um convite para um vizinho ou até mesmo algum noticiário em que tenham a oportunidade de dialogar e ao mesmo tempo falar do amor de Deus.

4. Papel do Patrimônio Religioso e Histórico:

O rico patrimônio religioso e histórico de Éfeso, incluindo locais como a Basílica de São João, sublinha a importância de preservar e honrar os legados históricos. Essas histórias inspiraram e testemunharam a realidade da firmeza do evangelho, fortalecendo nossa identidade e continuidade.

5. Importância das Decisões Teológicas:

Decisões teológicas tomadas em Éfeso, como no Concílio de Éfeso em 431 dC, moldaram a doutrina cristã. A afirmação de Maria como Theotokos ajudou a definir a definição sobre Cristo e Maria. Afinal, a teologia tem impacto duradouro, influenciando a fé por séculos. Aprender com Éfeso nos ajuda a entender como a igreja pode prosperar e influenciar o mundo ao seu redor, mantendo-se fiel às suas raízes e identidade.

Indiara Lourenço

Com mais de 20 anos atuando na Pregação e Ensino, Indiara possui experiência em ministério infantil, jovem e feminino. Estudante de Teologia e ministra aulas na EBD. Mãe, esposa e serva que ama fazer a obra de Deus. Contagia a todos com sua alegria e inspira com palavras motivadoras, deixando um impacto positivo por onde passa.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo