O que Deus quer dizer com Minha é a vingança em Deuteronômio 32:35?

“Minha é a vingança e a recompensa, ao tempo que resvalar o seu pé; porque o dia da sua ruína está próximo, e as coisas que lhes hão de suceder, se apressam a chegar.” (Deuteronômio 32:35)

O que Deus quer dizer com Minha é a vingança em Deuteronômio 32:35?

Nós existimos em um mundo de dualidade onde muitos aspectos da vida vêm em pares. O bem e o mal. Marido e esposa. Esperança e desespero. Jovem e velho. Deus e Satanás. 

Dentro dessa dualidade, também temos virtude e pecado. Um descreve o que fazemos bem, o outro, o que fazemos de errado.

A verdade, porém, é que possuímos atributos positivos e negativos. Os negativos são o que faz de cada um de nós um pecador (Romanos 3:23). 

Se todos pecaram, então todos cometemos erros contra Deus e outras pessoas.

Preguiça, calúnia, violência, mentira, roubo, estupro, assassinato, abuso, a lista de nossos pecados coletivos continua. 

O que devemos fazer depois que o pecado foi cometido? Como cristãos, somos rápidos em dizer perdoe. Isso é o que Cristo disse a Pedro quando abordou o assunto (Mateus 18:22). 

Isso é o que dizemos uns aos outros hoje, mas quantos de nós são tão rápidos em perdoar? E quantos de nós perdoamos tanto?

Vivemos em uma época em que a sociedade não está agindo por perdão, mas por vingança. 

Alguém pecou e nós queremos decretar as consequências por seus erros. Às vezes, quando as pessoas nos ofendem, queremos revidar. 

Talvez ignoremos o telefonema ou a mensagem de alguém, passemos por eles sem falar ou fiquemos irritados quando eles falam conosco, tudo em um esforço para se vingar.

À primeira vista, isso parece viável. Há consequências para nossas ações. Temos leis e um sistema de justiça para responsabilizar as pessoas. A lei não está se vingando de alguém por seus crimes? Por que não deveríamos?

Deus diz que a vingança é Dele, não nossa. 

Embora tenhamos um sistema de leis, qualquer sistema que não cumpra as Escrituras não é aprovado por Deus. E Deus não aprovou que nos vingássemos pessoalmente das pessoas.

O que torna a vingança de Deus tão diferente da nossa? O que as Escrituras querem dizer com a palavra vingança? Com um olhar mais profundo nas Escrituras, podemos chegar à raiz deste versículo.

Qual é o significado de Minha é a vingança em Deuteronômio 32:35?

O Livro de Deuteronômio foi de autoria de Moisés. 

Neste capítulo, ele retrata uma imagem de Deus que, segundo os padrões modernos, não é muito gentil. 

O profeta fala em nome do Senhor, apresentando uma mensagem aos judeus sobre a natureza inabalável, justa e poderosa de Deus. 

A mensagem não é uma profecia, mas sim um cântico e o caráter de Deus sobre o qual lemos é aquele que está descontente com o pecado. Mais especificamente, Ele se irritou com os pecados de Seu povo.

Deus não está apenas a par dos erros dos judeus, Ele os pagará por fazer coisas como adorar falsos ídolos. 

A mensagem de Deus

Moisés chama os judeus por seus pecados, considerando-os como uma “geração corrupta” e “povo insensato” (Deuteronômio 32:5-6). 

Ele continua a lembrá-los de que Deus é seu Pai e Criador. Quando eles pecaram, eles não estavam reconhecendo esses títulos. Em vez disso, eles acreditavam e promoviam falsos deuses.

Moisés quer lembrar ao seu povo que Deus cuidou de cada passo deles. Ele quer que eles acreditem nessa verdade. 

Ele consegue isso citando Jacó como exemplo. Jacó é representante dos judeus. 

Entre os versículos 10 e 14, lemos que Deus abençoou e providenciou para Jacó. 

Após essas linhas, Moisés segue fazendo referência a Jesurum, um nome poético para Israel, dizendo que a nação se rebelou contra Deus. 

A nação ficou gorda com as bênçãos de Deus e, apesar da bondade de Deus, eles se rebelaram. Eles provocaram Deus, o ignoraram e colocaram outros deuses falsos em primeiro lugar.

A rebelião levou Deus a ficar irado. Moisés cita o Senhor algumas vezes nesta passagem. As citações apresentam maneiras pelas quais Deus recompensará as pessoas por seus pecados. 

Como seria a vingança de Deus

É quando lemos sobre a vingança e retribuição de Deus no versículo 35. No entanto, a vingança que Deus está declarando não se limita aos judeus. 

Curiosamente, na próxima linha, lemos que Deus “vingará seu povo” e “se compadecerá de seus servos” (Deuteronômio 32:36). Este é o lado mais gentil de Deus, logo após lermos sobre sua vingança.

Na última estrofe do cântico, Moisés diz a Israel que eles são o “povo” de Deus (Deuteronômio 32:43). 

Deus se vingará de Seus adversários. 

Nesta canção, não ouvimos de Moisés que Deus quer que Seu povo tire quaisquer queixas pessoais. Ele está encarregado disso. Embora possamos ter um desejo de vingança, ostensivamente o Senhor também tem. 

Ele quer que deixemos que Ele esteja no comando. A razão pela qual sabemos disso, além desta passagem de Moisés, são os ensinamentos de Jesus sobre o perdão.

Inscrição biblioteca do pregador-1

O que a Bíblia diz sobre vingança?

Reconsiderando a ideia de dualidade, o pecado é observado de forma diferente no Antigo Testamento versus o Novo Testamento. 

Da primeira, extraímos a ideia de olho por olho. Então, no Novo Testamento, Jesus defende o perdão (Mateus 5:38-39). 

A canção de Moisés não menciona nenhum sentimento de olho por olho. A vingança pertence a Deus. 

Complementando essa ideia, no Novo Testamento aprendemos que a ira humana não pode alcançar o grau de justiça de Deus (Tiago 1:20).

Levando em conta tanto as ideias quanto o que Deus diz sobre o pecado, podemos concluir que a vingança não é errada, mas como encenamos nossas emoções pode ser. 

Deus sente raiva, mas Ele é bom. Nós sentimos raiva, mas temos uma natureza má.

Portanto, podemos nos sentir justificados em nossa raiva, mas, como o povo de Deus do passado, nossas emoções podem nos desviar. 

Já que somos pecadores, podemos usar nossa raiva de uma maneira que não agrada ao Senhor. 

A Bíblia apresenta vários exemplos. O próprio Moisés assassinou um homem depois de sentir raiva. Ele decidiu por si mesmo adquirir vingança e pecou no processo. 

Somente confiando em Deus podemos garantir que qualquer vingança infligida seja feita com justiça.

Como devemos aplicar Deuteronômio 32:35 em nossas vidas?

Confiar em Deus por vingança não significa que devemos abolir nosso sistema de leis. Ter leis e consequências é o que os judeus também tinham. 

Jesus nunca pediu que abolíssemos todas as leis. 

De fato, a América foi construída sobre valores judaico-cristãos que foram imbuídos em nosso sistema jurídico. 

Por exemplo, sabemos que assassinato, estupro e roubo são errados por causa da Bíblia, não por causa dos padrões sociais. 

Nem todas as sociedades consideram essas ações erradas. O que foi ensinado na Bíblia tornou-se lei, embora isso esteja mudando para pior em algumas partes do país.

No entanto, onde a lei e as Escrituras não concordam, nós, como cristãos, sabemos sempre escolher Deus em vez da lei. 

Com relação à vingança, a Palavra de Deus pode exigir que repensemos nossas posições sobre coisas como a pena de morte. 

Além disso, se Deus está encarregado da vingança, precisamos garantir que trabalhamos para perdoar os outros. 

Há consequências para o pecado, mas Deus está no comando delas, não nós. Não precisamos tentar devolver o troco às pessoas que nos ofendem.

Podemos usar a lei, mas fazer justiça com nossas próprias mãos para causar sofrimento a outras pessoas e nos levar à ruína. Vamos evitar isso confiando em Deus.

Conclusão sobre Minha é a vingança em Deuteronômio 32:35

A vingança é uma ideia com a qual a maioria de nós está familiarizada e até deseja uma vez ou outra. 

Nosso desejo de vingança é em parte porque olhamos para super-heróis fictícios como Batman com admiração. Ele e indivíduos semelhantes, fictícios ou não, operam fora da lei usando métodos “não convencionais” para fazer o trabalho e trazer justiça. 

Desejamos justiça, mas nem sempre queremos seguir o caminho de Deus para esse fim.

Mas a vingança não deve ser tomada por nossa própria vontade. Em vez disso, vamos confiar no Senhor de todo o coração e ver o que Ele quer que seja feito.

“Não retribua a ninguém mal por mal. Pense cuidadosamente em fazer o que é honroso aos olhos de todos.” (Romanos 12:17).

Autor: Aaron Brown

Botão Voltar ao topo