O divórcio é realmente um pecado?

O divórcio é uma questão real e prevalente tanto dentro como fora da igreja. Quando se trata do tema do divórcio, isso pode ser um pouco como A Letra Escarlate. Se você não conhece a história, uma mulher que cometeu adultério foi forçada a andar com uma letra A escarlate costurada em suas roupas. Isso identificou a todos o pecado que ela havia cometido.

Quando se trata de divórcio, às vezes nos círculos cristãos é da mesma maneira. Existem várias razões pelas quais as pessoas se divorciam: adultério, abuso, finanças ou simplesmente desapaixonado. 

Mas a pergunta que muitos se perguntam é esta: o divórcio é pecado? Obviamente, o divórcio não é algo que Deus quer ou agrada a Ele, mas é realmente um pecado? O divórcio é um assunto complicado e controverso, mas não pode ser ignorado. 

O que torna algo, como o divórcio, pecaminoso?

A natureza deste tópico deve exigir que o abordemos com muita graça. Para as pessoas que não enfrentam essas situações desafiadoras, pode ser muito fácil chegar à conclusão de que o divórcio é um pecado. 

A resposta curta é sim, Paulo e Jesus falaram de fatores que podem permitir que o divórcio seja justificado e não pecaminoso. No entanto, a verdade da questão é que se o divórcio é um pecado é um pouco mais complicado do que isso.

Enquanto escrevo isso, estou escrevendo da perspectiva de uma criança cujos pais se divorciaram, então vi em primeira mão como isso pode ser devastador e prejudicial. 

Minha intenção hoje não é derrubar a mão pesada, que é fácil de fazer, mas trazer a mão da graça que nem sempre é fácil de fazer. 

Se o ato real de divórcio é um pecado, todo divórcio é um produto do pecado. Se não houvesse pecado no relacionamento conjugal, o divórcio não seria necessário. Certamente Jesus conhece nossas fraquezas e entende nossas necessidades. 

Vamos dar uma olhada no que a Bíblia nos ensina como base para divórcio e reconciliação. 

A Bíblia e Jesus falam sobre divórcio? 

casamento na bíblia

Nos evangelhos, Jesus fala sobre divórcio. Quando você começa a lê o que ele diz, ajuda a a moldar a resposta para a pergunta: divórcio é pecado.

“Foi dito: Todo aquele que se divorciar de sua esposa deve dar-lhe uma certidão de divórcio. Mas eu vos digo que quem se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, torna-a vítima de adultério, e quem se casa com a repudiada comete adultério” (Mateus 5:31-32).

Ele repetiu algo semelhante em Mateus 19 e Marcos 10.

“Digo-vos que quem se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, e casar com outra mulher, comete adultério” (Mateus 19:10).

“Quando estavam novamente em casa, os discípulos perguntaram a Jesus sobre isso. Ele respondeu: Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra mulher comete adultério contra ela. E se ela repudiar seu marido e se casar com outro homem, ela comete adultério” (Marcos 10:10-12).

Quando Deus criou o casamento, o plano era que fosse para toda a vida. No entanto, sabemos que isso nem sempre acontece. 

Nestas três partes da Escritura, Jesus está definindo motivos legítimos para o divórcio. Neste caso é infidelidade conjugal ou adultério. 

Durante o tempo de Jesus havia duas escolas de pensamento na cultura judaica em relação às razões para o divórcio. 

Um, que era muito liberal, dizia que você pode se divorciar pelo motivo que quiser. A outra era mais conservadora, limitando o divórcio ao caso de uma mulher cometer imoralidade sexual. 

É importante notar que na cultura judaica, apenas os homens podiam iniciar o divórcio. No entanto, na cultura romana, a mulher tinha o direito de iniciar o divórcio.

Claramente o que vemos é que o adultério é uma razão legítima e aceitável aos olhos de Deus para o divórcio. Neste caso, o divórcio não é um pecado, mas é causado por causa do pecado. 

Uma vez que você supera o adultério, que é um padrão muito fácil de julgar, isso leva a outra questão. O adultério é o único motivo para o divórcio? 

Na igreja hoje, quando as pessoas se divorciam, muitas vezes não é por motivos de adultério. Quais são alguns outros motivos em que o divórcio seria aceitável?

Existem momentos apropriados para o divórcio?

Existem momentos apropriados para o divórcio

Biblicamente, acredito que há dois outros motivos em que o divórcio seria aceitável aos olhos de Deus. Esses outros dois motivos são abandono e abuso.

Abandono

Eu gostaria de chamar sua atenção para uma parte das Escrituras.

“Aos casados ​​dou esta ordem (não eu, mas o Senhor): A esposa não deve separar-se do marido. Mas se o fizer, ela deve permanecer solteira ou então se reconciliar com o marido. E o marido não deve repudiar sua mulher” (1 Coríntios 7:10-11).

O que Paulo está afirmando claramente aqui é que os casamentos são projetados para serem para toda a vida. Isso não significa que não haverá momentos difíceis no casamento, mas para simplificar o que Paul está dizendo, ele diz para você fazer o seu melhor para resolver isso. Mesmo que haja um período de separação, isso não o isenta da responsabilidade do casamento

Felizmente, o objetivo da separação é ajudar a levar à reconciliação. Mas o que acontece se o cônjuge sair e não tiver vontade de voltar? Vamos continuar neste mesmo capítulo.

“Mas se o incrédulo for embora, que assim seja. O irmão ou a irmã não são obrigados em tais circunstâncias; Deus nos chamou para viver em paz. Como você sabe, esposa, se você salvará seu marido? Ou, como você sabe, marido, se você salvará sua esposa?” (1 Coríntios 7:15-16).

Aqui Paulo está dizendo que se o cônjuge incrédulo abandona ou deixa o casamento, então o cônjuge que fica não é obrigado a permanecer vinculado ao seu compromisso com o casamento. Eles são livres.

No entanto, isso me leva a fazer uma pergunta. E se um cônjuge crente deixar o casamento, o cônjuge remanescente ainda está vinculado à obrigação do casamento? 

Eu diria neste caso que o cônjuge remanescente também não está mais vinculado porque não é culpa dele que o cônjuge tenha deixado o casamento. 

Deus não nos responsabiliza pelas ações de outras pessoas que estão além do nosso controle. Nesse caso, para o cônjuge que sai, acredito que o divórcio é pecado, mas para o cônjuge que fica não é.

Abuso como base para o divórcio bíblico

Os outros motivos em que acredito que o divórcio não é pecado é quando há abuso da outra parte. Não sou psicóloga, mas sei que o abuso pode ser tanto físico quanto emocional. Nenhum desses tipos de situações é saudável para a pessoa que recebe o abuso. 

Quero destacar uma passagem bíblica que muitas vezes não é vista à luz de um relacionamento conjugal, mas acho que faz sentido.

“Mas observe isto: haverá tempos terríveis nos últimos dias. As pessoas serão amantes de si mesmas, amantes do dinheiro, jactanciosos, orgulhosos, abusivos, desobedientes aos pais, ingratos, profanos, sem amor, implacáveis, caluniadores, sem domínio próprio, brutais, não amantes do bem, traiçoeiros, imprudentes, vaidosos, mais amigos dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Não tenha nada a ver com tais pessoas” (2 Timóteo 3:1-5).

Observe o tipo de pessoa que Paulo está descrevendo aqui. Imagine por um momento estar casado com uma pessoa que é jactanciosa, orgulhosa, abusiva, ingrata, sem amor, implacável, sem autocontrole, brutal, traiçoeira, que parece um cristão por fora, mas os bastidores são totalmente diferentes. pessoa. 

Seria impossível conviver com esse tipo de pessoa. Observe o que Paulo diz. “Não tenha nada a ver com essas pessoas.”

A questão a considerar é: Deus lhe diria para não ter nada a ver com esse tipo de pessoa que está fora de sua casa, mas suportar esse tipo de pessoa dentro de sua casa? 

Eu não acredito que Deus exigiria que alguém suportasse isso. Neste caso, se esta for a realidade, então não acho que o divórcio seja um pecado.

Uma pessoa divorciada pode se casar novamente?

Uma pessoa divorciada pode se casar novamente

Como a pergunta inicial que estamos respondendo, se o divórcio é um pecado, com o novo casamento depende. 

Ao considerar isso, você deve perguntar quais foram as circunstâncias que levaram ao divórcio? 

Eu acho que outra pergunta que é apropriada não é apenas uma pessoa divorciada pode se casar novamente, mas uma pessoa divorciada deve se casar novamente? 

Acredito que uma pessoa que se divorciou, mesmo que seja por razões bíblicas, não deve se casar novamente. Eles devem dar algum tempo para as cicatrizes cicatrizarem. Esta é apenas a minha opinião, não existe uma regra ou lei que diga isso.

O que acontece se você decidir se divorciar e souber que não foi por razões bíblicas? O que uma pessoa deve fazer nesta situação?

1 – Conciliar

Se isso ainda for uma opção, o que significa que ambas as partes estão abertas a isso e nenhuma das partes se casou novamente, então isso é algo a ser explorado. 

Esta pode ou não ser a melhor opção e eu advertiria que aqueles que decidem fazer isso realmente examinam as questões que levaram ao divórcio em primeiro lugar.

2 – Arrependa-se

Se o seu divórcio não foi por razões bíblicas, então você pode dizer que o divórcio é um pecado. No entanto, este não é um pecado imperdoável, Deus perdoa. 

Se você se arrependeu e a reconciliação não é uma opção viável, então acredito que neste caso é possível um novo casamento.

Conclusão 

Como você pode ver, este não é um tema simples de discutir. Há muitas pessoas que estão lutando com esta pergunta “o divórcio é um pecado?” 

Muitos ficaram com cicatrizes ou machucados por causa do divórcio, e alguns por causa de como foram tratados após o divórcio.

Quero encorajá-lo com um pensamento final. Se você é divorciado, sua vida não acabou. Deus não se esqueceu nem abandonou você. 

Onde quer que você esteja, é hora de juntar os cacos e saber que você tem um Deus especializado em fazer coisas bonitas com pedaços quebrados. Deus ainda te ama. Deus ainda tem um plano para você. É hora de virar a página e começar a escrever o próximo capítulo.

Dicas para curar um casamento em dificuldades

O que você faz então se você está em um casamento em dificuldades? Para ser claro, não estou falando de um casamento abusivo, essa é uma categoria totalmente diferente da qual falamos anteriormente. 

Não existem fórmulas mágicas no casamento, é preciso 100% de compromisso de ambas as partes. Aqui estão algumas dicas a considerar se você está lutando.

1 – Lembre-se por que você se apaixonou em primeiro lugar.

Se possível, converse ou anote as coisas que fizeram você se apaixonar por seu cônjuge em primeiro lugar. Às vezes, olhar para trás nos ajuda a lembrar das coisas que realmente importam.

2 – Crescer juntos espiritualmente.

Muitas vezes, a discórdia surge quando as pessoas estão em lugares diferentes. Isso é especialmente verdade se um de vocês quer se aproximar de Deus e o outro é morno ou não está interessado na ideia. 

Da melhor forma possível, tentem estimular o crescimento juntos. Mas se o outro cônjuge estiver relutante, você continua crescendo. 

Se Jesus está fazendo a diferença em sua vida, certifique-se de demonstrar em seu comportamento e não apenas em suas palavras. Isso tem uma maneira de permitir que o outro cônjuge veja a mudança em você e isso pode ser o que os atrai.

3 – Faça as coisas que você fez no início.

Vou tornar este ponto muito simples. O que quer que você tenha feito para conquistar o coração de seu cônjuge, continue fazendo essas coisas. Não os tome como garantidos.

4 – Ore e se comprometa.

Você não pode sobreviver a um relacionamento difícil, a menos que ambas as partes estejam dispostas a trabalhar nele. 

O casamento é um compromisso de mão dupla, como todos os relacionamentos bem-sucedidos. Se ambos estão comprometidos, ore durante esses momentos difíceis, mas lembre-se do compromisso que vocês fizeram um com o outro.

5 – Peça ajuda.

A última coisa que eu diria é buscar ajuda. Não há vergonha em obter aconselhamento de alguém que é um profissional. Se você se preocupa com seu cônjuge e se preocupa com o casamento, o compromisso deve ser fazer tudo o que puder para que funcione. Às vezes, isso exigirá ajuda externa.


Autor Clarence L. Haynes Jr.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo