Por que o véu do templo se rasgou em dois quando Jesus morreu?

“E eis que o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo; e tremeu a terra, e fenderam-se as pedras” (Mateus 27:51)

Mateus, Marcos e Lucas registraram o rompimento do véu no templo após a morte de Jesus na cruz. 

  • “A cortina do templo se rasgou em duas de alto a baixo”, diz  Marcos 15:38. 
  • Lucas escreveu: “pois o sol parou de brilhar. E o véu do templo se rasgou em dois” (Lucas 23:45). 
  • João simplesmente registra as últimas palavras de Jesus: “Está consumado”, e “com isso, inclinou a cabeça e entregou o espírito” (João 19:30).

O apóstolo Mateus deixou um rastro histórico da morte de Jesus ao registrar os eventos que se seguiram imediatamente. 

João, talvez muito emocionado enquanto permanecia aos pés da cruz com a mãe de Jesus quando Ele morreu, só pode seguir em frente depois de mencionar o último suspiro terreno de Seu Salvador antes da crucificação. 

O que aconteceu quando Jesus morreu na cruz?

Antes de mais nada, Jesus, que é Deus Filho, foi à cruz por Sua própria vontade em submissão a Deus Pai. Além disso, Ele veio à terra para nos salvar do pecado que nos separava da presença de Deus. 

O rasgar da cortina que separava o povo pecador da santa presença de Deus significa o que aconteceu quando a carne de Jesus foi rasgada, ”John Piper pregou, “O rasgar da carne de Jesus garantiu a reconciliação entre Deus e seu povo pecador. Foi isso que significou o véu se rasgar.”  

O véu, ou cortina, no templo foi rasgado após a morte de Jesus. Chad Ashby, escreveu: “Seu grito penetrante final recebeu uma resposta ecoante do templo: Eis que o véu se rasgou, de alto a baixo. E a terra tremeu, e as rochas se partiram. Os túmulos também foram abertos. (Mateus 27:51)” 

Qual é o contexto e o significado do véu rasgado no templo?

Mateus, Marcos e Lucas, os três Evangelhos Sinóticos, todos mencionam o rompimento do véu. Mateus se referiu à cortina mais interna, explicada pelo professor Daniel M. Gurtner

Este véu, descrito primeiro e mais detalhadamente nas descrições do tabernáculo, era feito de fios azul, púrpura e escarlate e linho finamente torcido, com querubim trabalhado nele por um artesão habilidoso (Êxodo 26:31; 36:35). Deveria ser pendurado diante do santo dos santos, que era um cubo perfeito de dez côvados de lado. O véu foi pendurado por ganchos de ouro em uma moldura de madeira de acácia, que foi revestida de ouro (Êx 26:32-33), e a arca da aliança foi mantida atrás do véu (Êx 26:33).” 

A cortina simbolizava a separação de Deus e do homem. Somente o sumo sacerdote e descendente direto de Aarão poderia passar pela cortina no Dia da Expiação para aspergir o sangue do sacrifício expiatório. Por causa do nosso pecado, o homem não é digno de estar na presença do nosso Santo Deus. 

Somente um sumo sacerdote que fosse ritualmente puro e sem defeito poderia se aproximar de Deus sem ser morto”, escreveu o professor Daniel M. Gurtner, “Até mesmo Moisés foi proibido de ver a face do Senhor. (Êxodo 33:20)” 

O rasgar do véu no templo foi significativo não só porque aconteceu, mas também pela forma como aconteceu. 

Deus rasgou a cortina, de alto a baixo, em dois pedaços. Deus abriu um caminho para nós através de Jesus, e assim Ele rasgou o véu que nos separava Dele. 

Esta cortina era ornamentada, maciça e especificamente trabalhada. Mas nada feito pelo homem pode resistir ao poder de Deus. 

A cortina representava todas as leis que o povo de Deus seguia em um esforço para manter uma posição correta com Deus, e quando se rasgou significava como todos nós estamos destituídos da glória de Deus. 

A maneira como Deus fez através da morte de Cristo é a única maneira pela qual podemos estar na presença de Deus.

Nos dias de Jesus, quem teria achado esta ocorrência significativa?

“Portanto, irmãos e irmãs, uma vez que temos confiança para entrar no lugar santíssimo pelo sangue de Jesus, por um novo e vivo caminho aberto para nós através do véu, isto é, seu corpo, e visto que temos um grande sacerdote sobre o casa de Deus, aproximemo-nos de Deus com o coração sincero e com a plena certeza que a fé traz, tendo o coração aspergido para nos purificar da consciência culpada e lavado o corpo com água pura”. Hebreus 10:19-22

A cortina do templo, ou véu, era extremamente significativa para os judeus. O santo dos santos continha a Arca da Aliança, que Deus instruiu Moisés a construir para abrigar os Dez Mandamentos. 

A Lei de Deus, que nenhum homem era capaz de guardar, se guardava atrás de uma cortina que só o sumo sacerdote podia entrar uma vez por ano no Dia da Expiação. 

No livro de Levítico, abundam as leis sobre a maneira particular de o povo de Deus viver. Eles, sem dúvida, sabiam exatamente o que os apóstolos estavam comunicando nos evangelhos pela mera menção do véu no templo sendo rasgado. 

O que os cristãos devem se lembrar sobre isso hoje?

Jesus veio para que pudéssemos viver a vida ao máximo (João 10:10). Quando Ele deu Sua vida na cruz, Deus rasgou o véu do templo de alto a baixo para nos mostrar que não havia nada que pudéssemos ter feito para remover aquela cortina. 

O véu do pecado em nossas vidas e o engano de nosso inimigo não precisam mais nos impedir de viver uma vida plena. Deus preparou um caminho, através do sacrifício expiatório de Jesus, para que fôssemos a Ele. 

Os crentes podem aproximar-se de Deus com ousadia como filhos adotados por meio de Cristo. Jesus é o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por Ele. Ele é o sacrifício expiatório pelos nossos pecados. Por meio de Cristo, somos conduzidos à presença de Deus. 

O povo antigo de Deus seguia as leis religiosas em todos os aspectos de suas vidas, do pessoal ao social, até mesmo na maneira como adoravam a Deus! No entanto, quando a cortina, que representava essas leis, se rasgou em duas de alto a baixo, significava um novo Caminho… uma nova vida em Cristo para todos os crentes. 

Deus pegou nossa rebelião e a pregou na cruz ”, disse John Piper. E como resultado, a cortina se rasgou em duas. O véu foi removido. Agora podemos viver plenamente livres em Cristo. 

Mas temos que escolher andar com Ele. É nossa responsabilidade receber plenamente o dom da graça de Deus, diariamente, e tomar nossa própria cruz para seguir a Jesus. 

Nele, nossas vidas são agora um sacrifício vivo, destinado a trazer glória a Deus. Sofreremos nesta vida, mas teremos alegria e paz sustentadoras que excedem todo entendimento. Aleluia… Cristo ressuscitou!

Autora Meg.

Botão Voltar ao topo