Atitudes geradas pelo chamado

Quais são as atitudes geradas pelo chamado? Quando respondemos com obediência a vocação que o Senhor nos entregou, quais sentimentos o Espírito Santo produz em nosso coração para seguirmos com perseverança a nossa missão? Vamos falar sobre isso?

Definindo o chamado

Chamado e vocação são palavras similares na Bíblia e são derivadas do termo kaleo que quer dizer chamar ou convocar.

O chamado é o ato onde Deus nos separa e convoca para uma missão em seu Reino. Antes de qualquer coisa o Senhor Deus nos chamou para ELE. O propósito de Deus para nós é desde a eternidade (Ef 1:4), mas só podemos viver esse plano se nos entregarmos a Ele.

Para viver o sonho do Reino e ser usado nas mãos do Espírito Santo é preciso reconhecer o chamado de Deus. Dentre muitas coisas, quando reconhecemos o chamado, o Senhor nos revela os dons espirituais, com os quais seremos bênçãos na edificação do Corpo de Cristo. (Ef 4.7).

A pessoa que vive pelo chamado de Deus terá as seguintes atitudes:

Atitudes geradas pelo chamado

Convicção 

É fundamental ter a plena certeza de que Deus nos chamou para o ministério e isto é a motivação para perseverar sempre em Seu propósito. Não é um sentimento, é uma questão de fé. A convicção não é um sentimento humano, mas, com relação ao chamado de Deus, é a certeza que nos envolve por completo e testifica que fomos separados por Deus para um propósito especial.  (At 26. 16,19) 

Comprometimento e renúncia 

O chamado vai gerar em nós compromisso ainda maior com o Senhor. Dedicar-se, envolver- se, buscar conhecer mais a Deus. Ao entender o que o Senhor espera de nós, ainda que não tenhamos essa visão totalmente clara, pois isso vai se construindo, daremos os passos em direção ao propósito, por fé, confiando no Senhor. Renunciando velhas práticas, buscando desenvolver a nossa salvação. (Lc 5:11) 

Quebrantamento gerado pelo chamado

A vida quebrantada tem dois aspectos profundos. Primeiro, é sincera e aberta ao mover de Deus, ou seja, enquanto permanecemos quebrantados somos moldáveis nas mãos do Oleiro (Jr 18.1- 6). Deus, constantemente, está retirando de nós coisas que não lhe agradam. Segundo, ficamos desprovidos de excessivo cuidado com a nossa própria vida, sabendo que a realização do viver está no fato de cumprirmos os propósitos divinos. Buscar o Reino de Deus em primeiro lugar e tudo o mais nos será acrescentado (Mt 6:33). (At 20.24) 

Unção 

O mesmo Deus que chama se encarrega de dar a unção necessária para que o propósito do chamado se efetive. A unção de Deus é a própria presença transbordante da vida de Cristo em nós, que será refletida em nossos pensamentos, palavras, valores e atitudes. Deus nos dá de Sua unção para que façamos o Seu querer. (1Jo 2.20)

Sujeição

O chamado de Deus vai gerar em nosso coração sujeição ao Seu direcionamento. O próprio apóstolo Paulo sujeitou-se e esperou o momento certo para sua missão. Em seguida, a Igreja de Antioquia enviou o apóstolo como missionário (At 13.2-3)

Frutificação gerada pelo chamado

Através das células e dos diversos ministérios da igreja todos podem desenvolver seu potencial e dar muitos frutos para Deus. Mais ainda, na nossa família, vizinhança, trabalho, estudo. Aquele que possui um chamado não precisa ir para as nações para evangelizar, tudo o que ele faz é com a finalidade de glorificar a Deus e tornar o Senhor conhecido. (Jo 15.8)

Realização

Só nos sentiremos completos estando onde Deus nos criou para estar e fazendo aquilo que Ele nos criou para fazer. Nada na terra produz uma sensação tão prazerosa do que estar fazendo a obra de Deus. A prova de que isso é verdade, observe a sensação de gozo que seu coração sente toda vez que você ganha uma alma para Jesus (Mt 5.7).

Se gostou, então veja mais:

Qual é o meu Chamado e Missão?

O ministério: Um chamado para servir

4 razões para não ficar obcecado com o seu “chamado”

Giovanni Bruno

Formado em Comunicação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), acadêmico de Teologia, pela FATIPI, e pós-graduando em Docência no Ensino Superior, pela UniCesumar e autor do livro “O Carpinteiro de Betel”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo