Por que os cristãos dizem “Maranata”?

O que é Maranata?

Quando nós cristãos ficamos animados com o retorno de Jesus, exclamamos: “Maranata!” Da mesma forma, quando lamentamos a maldade do mundo, nosso grito de guerra é “Maranata!” No primeiro sentido, esta palavra é uma resposta jubilosa à volta certa e iminente de Cristo. No segundo sentido, é um chamado para que Jesus venha nos salvar deste mundo pecaminoso.

Para os não crentes, Maranata é outro exemplo de cristianês  –  palavras familiares aos crentes, que às vezes supomos que todos deveriam saber. 

Mas, mesmo com boas intenções de compartilhar o evangelho, muitos não entendem o significado dessas palavras. 

Aqui está o que Maranata significa. 

O que Maranata e Anátema Maranata significam na Bíblia?

Maranata é uma palavra grega transliterada do aramaico, que significa: Nosso Senhor, Vem! ou nosso Senhor veio/está vindo (1 Coríntios 16:22). 

Esta frase expressa uma ânsia pelo retorno do Senhor (Ap 22:20).

O Dicionário Bíblico de Easton diz que Maranata “consiste em duas palavras aramaicas, Maran’athah, que significa “nosso Senhor vem”, ou está “vindo”. 

Se a última interpretação for adotada, o significado da frase é: “Nosso Senhor está vindo e julgará aqueles que o desprezaram”.

Anathema Maranata

Anathema Maranata é encontrada na mesma passagem contextual (1 Coríntios 16:22-24), que diz: “Se alguém não ama o Senhor, seja anátema. Nosso Senhor, vem! A graça do Senhor Jesus esteja convosco. Meu amor esteja com todos vocês em Cristo Jesus. Amém.” 

A tradução KJV do versículo 22 diz: “Se alguém não  ama o Senhor Jesus Cristo, seja Anátema Maranata.” (“Seja amaldiçoado. O Senhor vem”). 

Assim, isso parece indicar que quando o Senhor Jesus Cristo vier em julgamento, que Ele amaldiçoe o homem que não O ama. No entanto, Paulo afirmou sua autoridade apostólica pronunciando a maldição! 

Anteriormente, em 1 Coríntios 12:3, Paulo disse: “Portanto, quero que entendam que ninguém que fala no Espírito de Deus jamais diz: Jesus é amaldiçoado! e ninguém pode dizer Jesus é o Senhor a não ser no Espírito Santo.” 

Nisto, Paulo é enfático em sua oposição à moralidade/depravação de duas faces por alguns membros da igreja de Corinto. 

Em seu tempo, Corinto, onde moravam os destinatários desta carta, era sinônimo de maldade e corrupção. 

Não é à toa que Paulo teve que trazer uma forte advertência contra os membros da igreja que mergulharam na cultura da cidade (1 Coríntios 5:1) ao invés do amor por Jesus.

As seguintes passagens dão a mesma cautela sobre viver com amor e paz:

  • Filipenses 4:5 nos informa: “seja a vossa razoabilidade conhecida de todos. O Senhor está próximo”.
  • Tiago 5:8-9 nos orienta a “ser pacientes. Estabeleçam seus corações, pois a vinda do Senhor está próxima. Não murmureis uns contra os outros, irmãos, para que não sejais julgados; eis que o Juiz está à porta”.

Por que Paulo usaria Maranata em uma carta grega?

Antes de mais nada, devemos lembrar que Paulo foi treinado como fariseu e conhecia as Escrituras. Ele também era um cidadão romano que viajava muito, então estava bem informado sobre a cultura grega e romana. Ele era adepto do vernáculo da região do Mediterrâneo, e a maior parte do Novo Testamento foi escrita em grego koiné (a língua das pessoas comuns).

De acordo com Kenneth E. Bailey em seu livro, Paul Through Mediterranean Eyes, o súbito aparecimento de duas palavras aramaicas (maran e atha) é impressionante. 

A igreja primitiva empregou algumas palavras hebraico-aramaicas, incluindo abba, amém, aleluia, hosana e mamom. No entanto, a única outra ocorrência de Maranata está no Didache 10:6 (O Ensinamento).

Maranata é de origem aramaica, e este é o único lugar onde Paulo usa essa língua. 

Os judeus se referiam a Jesus como Mar, e Ele poderia ser chamado de Maran (“Nosso Senhor”). Paulo, fluente em hebraico e grego (e obviamente algum conhecimento de aramaico), empregou sua “linguagem do coração” nesta passagem para exclamar Maran. 

Bailey afirma: “o uso de Mar em conexão com Jesus é um antigo clamor aramaico-judaico do coração”.

Este grito de júbilo, ligado à maldição contra aqueles que não amam Jesus, é como ver políticos vermelhos e azuis na nomeação de um novo presidente. Aqueles com o candidato gritam afirmação. Por outro lado, aqueles contra o candidato tentam calá-lo. 

Paulo foi resoluto em seu ensino sobre a Ressurreição em 1 Coríntios 15, e ele foi igualmente forte em refutar as crenças e ações erradas da igreja errante. 

Em essência, Paulo lhes disse: “É o que é. Jesus é senhor. Ele está ressuscitado. Ele está voltando, e você não pode fazer nada sobre isso.”

Que esperança podemos tirar da Maranata?

Tito 1:11-15 oferece uma esperança segura do retorno do Senhor e como devemos viver (ocupar-nos) enquanto “esperamos”. 

Nesta passagem, aprendemos que a graça de Deus apareceu (Jesus), “trazendo salvação para todas as pessoas”. 

Devemos renunciar à impiedade e às paixões mundanas e, em vez disso, viver uma vida autocontrolada, reta e piedosa na era atual. E ao fazê-lo, devemos estar “aguardando nossa bem-aventurada esperança, o aparecimento da glória de nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo…”. 

Ele se deu por nós. Ele nos resgatou de toda iniquidade. Nos purificou para Si mesmo, e devemos ser “zelosos de boas obras”. Enquanto esperamos, devemos “declarar estas coisas; exorta e repreende com toda a autoridade”. 

Esses versículos descrevem as duas aparições de Jesus Cristo: Seu primeiro advento é referenciado como a graça de Deus. O segundo é a glória de nosso grande Deus e Salvador, Jesus Cristo. Graça e glória! 

Podemos olhar para trás em Sua primeira vinda e agradecê-Lo por tudo que Ele fez (e está fazendo). Podemos então aguardar a Sua glória, o que Ele fará. 

Hebreus 9:27-28 nos leva mais longe, conectando a graça passada com a esperança futura: muitos, aparecerão uma segunda vez, não para lidar com o pecado, mas para salvar aqueles que o esperam ansiosamente”.

Agora que conhecemos a Maranata, o que fazemos?

Tito 1:11-15 nos adverte a viver uma vida piedosa e não ser achado sem zelo ou vida santa, para que o Senhor não faça Sua gloriosa aparição e julgue uma vida pecaminosa.

Embora uma maldição esteja envolvida nesta passagem (1 Coríntios 16:22), ela é dirigida àqueles que escolhem não aceitar Jesus como Senhor. 

Outras passagens das Escrituras mencionam o julgamento contra os incrédulos (Mateus 25:41, 46; Gálatas 1:8-9; 2 Tessalonicenses 1:8-9, Judas 14-15).

É nosso privilégio e alegria deixar outros cristãos animados com o retorno do Senhor. É também um chamado urgente à ação para compartilhar o evangelho com os incrédulos. Ele poderia voltar a qualquer momento!

A Bíblia usa pontos de exclamação com escassez. Quando Paulo usa um após sua declaração: “Nosso Senhor, vem!” é melhor lembrarmos o que o levou a fazer uma declaração tão forte. Devemos viver nossas vidas à luz desta verdade, para andar de maneira digna de nosso chamado (Efésios 4:1). Portanto, Maranata!

Botão Voltar ao topo