Praga de gafanhotos, qual o significado bíblico?

A primeira vez que vemos uma praga de gafanhotos é em Êxodo, a oitava praga enviada por Deus ao Egito.

Moisés avisou a faraó que se ele não libertasse os israelitas, Deus traria um enorme enxame de gafanhotos sobre o Egito. Faraó, no entanto, não cedeu, e todos nós sabemos o resultado dessa desobediência.

“E vieram os gafanhotos sobre toda a terra do Egito, e assentaram-se sobre todos os termos do Egito; tão numerosos foram que, antes destes nunca houve tantos, nem depois deles haverá. Porque cobriram a face de toda a terra, de modo que a terra se escureceu; e comeram toda a erva da terra, e todo o fruto das árvores, que deixara a saraiva; e não ficou verde algum nas árvores, nem na erva do campo, em toda a terra do Egito.” (Êxodo 10:14-15)

Há outra praga devastadora de gafanhotos que encontramos é no livro do Profeta Joel. Alguns questionam se isso foi realmente uma praga de gafanhotos ou se o profeta Joel estava se referindo à vindoura invasão assíria.

Pessoalmente, acho que é um pouco dos dois. Existe uma verdadeira praga de gafanhotos, que aponta para a invasão dos assírios, que aponta também para o julgamento de Deus. 

 “PALAVRA do SENHOR, que foi dirigida a Joel, filho de Petuel. Ouvi isto, vós anciãos, e escutai, todos os moradores da terra: Porventura isto aconteceu em vossos dias, ou nos dias de vossos pais? Fazei sobre isto uma narração a vossos filhos, e vossos filhos a seus filhos, e os filhos destes à outra geração. O que ficou da lagarta, o gafanhoto o comeu, e o que ficou do gafanhoto, a locusta o comeu, e o que ficou da locusta, o pulgão o comeu.” (Joel 1:1-4)

Há uma imagem semelhante dada em Jeremias de gafanhotos como uma metáfora para uma tribo invasora. Os gafanhotos servem como uma imagem adequada de um exército, um grupo fortemente unido que enxameia com o propósito de devastação.

É uma imagem semelhante que temos em Apocalipse 9. Embora haja alguma diferença, o simbolismo aponta para algo semelhante.

Cada uma dessas pragas conta uma história e aponta para algo ainda maior do que uma praga de gafanhotos. 

Quão destrutivos são os gafanhotos?

O gafanhoto do deserto, que provavelmente é o tipo de gafanhoto sobre o qual lemos na Bíblia, consome seu próprio peso corporal (2g) a cada dia.

Isso não parece muito, mas quando você percebe que eles vêm em grandes enxames, esses números começam a aumentar. Sabe-se que os enxames cobrem mais de 400 milhas quadradas. E cada enxame pode conter até 100 milhões de gafanhotos por quilômetro quadrado.

Faça um pouco de matemática. Cem milhões multiplicados por 400 milhas quadradas dão 40 bilhões de gafanhotos comendo 2 gramas por dia. Isso é cerca de 176 quilos que eles consomem todos os dias.

Se fossem comedores de gente em vez de consumidores de vegetação, comeriam 1,7 milhão de pessoas por dia. E se isso não bastasse, seus excrementos são tóxicos e destroem tudo o que não comem.

Os gafanhotos são realmente devastadores.

Quando olhamos para Joel 2:3 devemos considerar que “A terra é como o jardim do Éden diante deles tão bonito, rico, abundante, glorioso. Mas um deserto desolado atrás deles, o que significa que esta devastação é tão grande que tudo está exposto. 

Essa devastação, porém, muitas vezes aponta para algo ainda maior.

Lições encontradas com as pragas de gafanhotos citadas na bíblia

Em Êxodo

No livro de Êxodo, Deus está mostrando seu poder tanto para os egípcios quanto para os israelitas. O que acontece na praga é uma reversão das bênçãos da criação. Deus pode dar beleza e riquezas, mas também pode retirá-las.

Uma demonstração de sua soberania. 

Então, o que temos na praga de gafanhotos é apenas uma entre muitas imagens que mostram o desvendamento de tudo o que os egípcios prezam. Deus está se fazendo conhecido.

Eu aprecio o que diz Ligon Duncan:

“O que está acontecendo em Êxodo, capítulo 10, é que Deus agora está removendo aquela provisão e bênção da criação do Egito. Ele está descriando e desconstruindo o Egito. No julgamento de Deus, todas as bênçãos da criação são revertidas.”

Em Joel

Alguns dirão que a praga de gafanhotos no Livro de Joel não é uma praga de gafanhotos, mas sim que Deus está usando algo que eles conhecem para avisá-los de algo que nunca viram antes, uma invasão devastadora do exército assírio.

Há alguma verdade nisso. Acredito que a praga de gafanhotos seja real, mas também aponta para uma devastação muito maior que acontecerá na Assíria. Contudo, esse não é o ponto principal. Os gafanhotos e os assírios apontam para algo ainda maior.

O foco principal é encontrado em Joel 1:15:

“Ai do dia! Porque o dia do SENHOR está perto, e virá como uma assolação do Todo-Poderoso.”

Este é um jogo de palavras que o profeta Joel construiu nos primeiros 15 versículos. Ele vai a todas as classes de pessoas em toda a terra e mostra a elas a devastação causada pelos gafanhotos.

E ele diz algo como: “Veja como esses pequenos insetos o deixaram de joelhos? Você não pode suportar uma praga de gafanhotos. O que aconteceria se o Todo-Poderoso estivesse decidido a destruir?”

A palavra hebraica para destruição é shadad, enquanto a palavra hebraica para o Todo-Poderoso é El Shaddai. Quando El-Shaddai se inclinar para shadad, o que acontecerá? Quão destrutivo El Shaddai pode ser?

O ponto que Joel está enfatizando é que no grande e terrível dia do Senhor, ninguém será salvo.

Será mais devastador do que gafanhotos. Será mais devastador do que a próxima invasão assíria. O único refúgio é encontrar segurança em Deus, o todo poderoso. E somente através do arrependimento é que virá a restauração.

O que isto significa para nós nos dias atuais?

Joel estava apontando para o grande dia do Senhor. Ele faz uma pergunta penetrante: “Porque o dia do Senhor é grande e terrível; quem pode suportá-lo?” 

A resposta é simples: Ninguém! 

Contudo, a história da Bíblia, felizmente, não para por aí. A devastação de uma praga de gafanhotos tem o objetivo de nos levar a buscar resgate.

Não suportaremos esse dia, nossa única esperança é o Senhor.

“E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Pois no monte Sião e em Jerusalém haverá aqueles que escaparem, como o Senhor disse, e entre os sobreviventes estarão aqueles a quem o Senhor chamar.” (Joel 2:32)

Há um pouco mais de boas notícias escondidas em Joel 2:25. 

Deus diz:

“Restituir-te-ei os anos que os gafanhotos comeram”. Deus pode restaurar os anos que o gafanhoto comeu.

É aqui que Deus está nos levando. Uma praga de gafanhotos é um quadro de devastação e descriação. Mas a boa notícia do evangelho é que Deus destrói isso e nos restaura ao Éden, um paraíso ainda maior do que o original.

O significado, então, para uma praga de gafanhotos, ou qualquer praga que seja, é reconhecer nossa fraqueza, fragilidade e dependência. Onde o arrependimento é necessário, vamos nos arrepender. E vamos voar para Jesus como nosso refúgio.

Se não podemos resistir à devastação das coisas criadas – o que nos faz pensar que poderíamos resistir ao nosso Criador? Ao invés de fugir dEle, corramos para Ele.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo