Quem era a Senhora eleita e seus filhos em 2 João?

A “senhora eleita” (em grego: ἐκλεκτῇ κυρίᾳ, transliterado como “Eklekte Kuria”) mencionada na Segunda Epístola de João 1, tem sido objeto de diversas interpretações e debates entre estudiosos bíblicos.

“O ancião à senhora eleita, e a seus filhos, aos quais eu amo em verdade, e não somente eu, mas também todos os que conhecem a verdade.”

2 João 1:1

Alguns estudiosos acreditam que a “senhora eleita” era uma cristã influente ou líder de uma casa-igreja. O termo “eleita” indicava sua posição escolhida por Deus, e o uso de “senhora” seria um título respeitoso, possivelmente sugerindo sua importância ou liderança dentro da comunidade cristã local. Nesse contexto, os “filhos” mencionados na epístola seriam seus filhos biológicos ou espirituais, isto é, membros de sua casa-igreja.

Contudo, existe também outra interpretação popular é que “senhora eleita” era uma igreja local. Nesse sentido, “senhora” seria uma metáfora para a igreja, e “eleita” significava que esta igreja era escolhida por Deus. Os “filhos” seriam, então, os membros da congregação.

É interessante observar que a temos também uma terceira interpretação, pois a palavra grega Kuria, traduzida por “senhora“, pode indicar um nome próprio.

Por que João escreveu esta carta a senhora eleita e seus filhos?

João, possívelmente escreveu esta carta para instruir uma determinada senhora sobre uma situação que ela enfrentava em seu próprio lar. Certamente, ela era uma mulher de excelente cárater, cuja influência tocou a vida das pessoas próximas e também a de seus filhos.

O império Romano mantinha uma extensa rede de estradas, permitindo aos seus cidadãos viajarem livre e extensamente. Existiam pousadas a cada 35 km ao longo das estradas, mas, em geral, eram sujas, barulhentas e frequentadas por ladrões. Por isso, os viajantes preferiam alojar-se na casa de conhecidos ou amigos de conhecidos.

Pelo fato, de o evangelho estar sendo difundido por missionários viajantes, a hospitalidade era considerada uma das principais manifestações de amor cristão.

Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;

Romanos 12:13

Mas não vos esqueçais de fazer o bem e de repartir com outros, porque com tais sacrifícios Deus se agrada.

Hebreus 13:16

Mas, infelizmente, quando a notícia de que cristãos alimentavam e hospedavam pessoas que diziam divulgar o evangelho se espalhou, muitos pseudo-missionários começaram a aproveitar disso. A senhora eleita talvez estivesse numa situação como essa.

João animou a senhora a continuar a oferecer a hospitalidade, mas a preveniu para que identificasse aproveitadores. Ele encorajou-a a equilibrar o imperativo cristão de amar com meios de proteção contra o abuso da comunhão cristã. Mesmo em meio à hospitalidade e outros serviços, a mulher deve andar na verdade e admoestar amorosamente seus filhos nos caminhos do Senhor.

Comentário de Matthew Henry sobre quem era a Senhora eleita e seus filhos de 2 João

senhora eleita e seus filhos

Matthew Henry, em seu comentário sobre a Segunda Epístola de João, enxerga a “senhora eleita” como uma nobre matrona cristã, possivelmente de elevada posição social, com boa educação e considerável patrimônio. O comentarista deixa claro a importância do evangelho alcançar pessoas de tais condições sociais. Destacando que, embora poucos nobres sejam chamados, é maravilhoso ver indivíduos de alta posição demonstrando sua eleição por Deus através de uma vida santa.

Henry sugere também que a “senhora eleita” provavelmente era viúva, e que seus filhos constituíam a parte principal de sua família. Ele acredita que esta carta possui um caráter familiar e doméstico, servindo como um modelo para outras famílias.

O respeito e o amor que ela e seus filhos recebiam do apóstolo João e de outros cristãos são temas centrais no comentário de Henry. João, conhecido como o discípulo amado, expressa um amor sincero e de coração por esta família. Da mesma forma, outros cristãos que conheciam a verdade também apreciavam e valorizavam sua devoção e prática religiosa.

Destacando que ele e outros cristãos amavam a “senhora eleita” não tanto por sua honra social, mas por sua santidade e sério compromisso com o cristianismo. Henry enfatiza que a religião não deve ser algo esporádico, mas deve residir constantemente nos corações e mentes dos cristãos, permanecendo para sempre.

Enfim, Matthew Henry vê a “senhora eleita” como um exemplo de uma nobre cristã que, juntamente com seus filhos, recebe grande respeito e amor da comunidade cristã por sua devoção e prática da verdade.

Conclusão de quem era a senhora eleita e seus filhos

Independentemente de sabermos ou não exatamente quem era a “senhora eleita”, a mensagem central de João é clara: a importância de uma vida de amor, verdade e discernimento na prática da hospitalidade cristã.

A “senhora eleita” e sua família, escolhidas por Deus, redimidas por Cristo e feitas parte da família de Deus, são um exemplo eterno de como a fé genuína deve ser vivida e compartilhada.

Indiara Lourenço

Com mais de 20 anos atuando na Pregação e Ensino, Indiara possui experiência em ministério infantil, jovem e feminino. Estudante de Teologia e ministra aulas na EBD. Mãe, esposa e serva que ama fazer a obra de Deus. Contagia a todos com sua alegria e inspira com palavras motivadoras, deixando um impacto positivo por onde passa.

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. Q Deus ilumine vcs q fazem parte da equipe da biblioteca do pregador essa pagina tem me ajudado mt em meus estudos biblicos glorias a Deus…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo