3 verdades que aprendemos com Samuel ungindo Davi

Samuel ungindo Davi como o futuro Rei de Israel é uma das histórias mais importantes do Antigo Testamento. Da história de quando Samuel unge Davi, podemos aprender 3 lições profundas sobre Deus e a maneira como Ele trabalha entre a humanidade.

O contexto da história de Samuel ungindo Davi

A história se encontra em 1 Samuel 16 e começa com o profeta Samuel lamentando a perda de relacionamento com Saul. 

O profeta sentiu um profundo arrependimento por ter ungido Saul como Rei porque Saul não mais seguia a Deus de todo o coração. 

O Senhor falou com Samuel para encher seu chifre com azeite e ir ungir um dos filhos de Jessé como o novo rei sobre Israel.

Quando Samuel chegou, Jessé trouxe cada um de seus filhos, começando pelo mais velho. Porém, nenhum deles o SENHOR escolheu. 

Finalmente, Samuel perguntou a Jessé se ele tinha outros filhos. Jessé hesitou e então disse a Samuel que ele tinha apenas mais um que estava cuidando das ovelhas. 

Davi era o mais novo dos filhos de Jessé. É como se Jessé estivesse pensando: “Certamente o mais novo não seria ungido para ser rei!” 

No entanto, quando Davi entrou, o Senhor falou com Samuel e disse-lhe para ungir o jovem como o próximo Rei de Israel.

Davi passou a ser o maior de todos os reis de Israel e, na verdade, estava na linhagem de Jesus. Os profetas previram que o Messias viria das raízes de Davi. 

Na verdade, às vezes, chamavam Jesus de “Filho de Davi”. Quando o cego Bartimeu, sentou-se à beira da estrada e gritou: “Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim”, ele provavelmente sabia que Jesus era o Messias prometido (Marcos 10:47). 

A palavra Messias significa “ungido”. Dessa forma, quando Samuel unge Davi, ele forneceu uma imagem do Messias vindouro.

Davi era um homem segundo o coração de Deus. Embora Ele não fosse perfeito como Jesus, Sua vida e mensagem apontavam para a vinda do Messias. Ele escreveu muitos dos Salmos, que eram imagens proféticas de Cristo (Salmo 22, Salmo 110).

Ao refletirmos sobre a história de quando Samuel unge Davi, aprendemos algumas verdades profundas sobre Deus e como Ele trabalha em nossas vidas. 

Aqui estão, portanto, 3 lições que podemos aprender sobre Deus quando Samuel ungiu Davi:

1. Aprendemos que Deus valoriza o pequeno e o insignificante

Particularmente, aqui no Ocidente, valorizamos, grandes e significativos. Nós tendemos a pensar que maior é sempre melhor. 

No entanto, Deus valoriza o que é aparentemente pequeno e insignificante. Quando Jessé alinhou seus filhos, os mais velhos e avançados não foram os que Deus escolheu. Eles provavelmente eram mais talentosos em liderança e tinham mais experiência. No entanto, Deus escolheu o mais jovem e o menos inexperiente.

Nossa tendência é acreditar que Deus valoriza os mais talentosos e aqueles com os maiores dons. No entanto, Deus valoriza o pequeno e o insignificante. Vemos isso em todos os ensinamentos de Jesus.

Jesus contou a história do grão de mostarda e comparou-o ao Seu reino (Mateus 13:31-32). Embora a semente de mostarda seja pequena, ela tem o potencial de crescer descontroladamente. Jesus disse que, mesmo que tenhamos fé tão pequena quanto um grão de mostarda, Ele honrará essa fé e por meio dela fará grandes coisas.

Outro exemplo é a história do menino dos 5 pães e 2 peixinhos. Quando uma multidão de mais de 5.000 pessoas se reuniu para ouvir Jesus pregar, os discípulos se perguntaram como poderiam alimentar todas aquelas pessoas. 

Jesus multiplicou o alimento de um menino, 5 pães e 2 peixes. Um lanche aparentemente minúsculo tornou-se um banquete quando colocado nas mãos poderosas de Jesus. 

Portanto, Deus valoriza o pequeno e o insignificante. Em Suas mãos, a multiplicação vai além do que podemos imaginar. Pouco se torna muito.

A próxima vez que você sentir que sua fé é insignificante ou seus dons inadequados, lembre-se de Samuel ungindo Davi. 

Embora ele fosse o mais jovem e aparentemente o mais insignificante, quando se rendeu a Deus ele se tornou um dos maiores e mais poderosos de todos os reis de Israel. 

Coloque seu pequeno nas mãos de Deus e observe como Ele o expande para Sua glória.

2. Aprendemos que Deus não apenas chama, ele também capacita

O azeite na Bíblia é muitas vezes um símbolo do Espírito Santo. Pois, é o Espírito Santo que nos santifica, nos separa e nos capacita para fazer a vontade do Pai. 

Em todo o Antigo Testamento, sacerdotes e reis foram ungidos com azeite para simbolizar a separação e o poder do Espírito Santo. 

Quando Samuel pega seu frasco de azeite e unge Davi para ser o futuro rei, é um símbolo do santo e honrado chamado de Deus para a vida de Davi. 

De Davi em diante, todo Rei de Israel foi ungido com azeite como símbolo do chamado de Deus em suas vidas. 

Também simbolizava o fato de que o Espírito Santo os capacitaria para fazer o trabalho para o qual Deus os chamou. De Davi em diante, todo rei de Israel foi ungido com azeite.

Samuel provavelmente ungiu Davi quando ele era apenas um adolescente. Imagine como Davi se sentiu? Provavelmente se sentiu inadequado para ser rei. 

No entanto, Deus não chamou apenas Davi, Ele prometeu capacitar Davi. A partir do momento em que Samuel ungiu Davi, o Espírito Santo deu poder a Davi (1 Samuel 16:13).

Às vezes, Deus nos chama para tarefas aparentemente impossíveis. Por exemplo, assumir uma posição de liderança onde nos sentimos incapacitados. Ou talvez, criar um filho com necessidades especiais. 

Deus muitas vezes nos chama para funções ou tarefas além de nossa capacidade. Nesses momentos, sentimentos de incapacidade podem dominar. No entanto, devemos lembrar que o que Deus nos chama para fazer, Ele nos capacita a fazer. 

Assim como Samuel ungiu Davi com azeite, para simbolizar o poder e a presença do Espírito Santo, Ele nos capacita com o Espírito Santo. 

Jesus prometeu que enviaria o advogado para nos ajudar em todas as áreas da vida (João 14:15-17). Podemos, portanto, confiar em Sua promessa mesmo quando a tarefa parece impossível.

3. Aprendemos que Deus nunca está com pressa

Davi provavelmente foi ungido quando adolescente, mas acabou esperando muitos anos para se tornar rei. 

A maioria dos estudiosos da Bíblia acredita que Davi esperou pelo menos 17 anos antes de se tornar rei. 

No Salmo 13, vemos Davi clamando a Deus em oração: “Até quando, ó Senhor, até quando?” (Salmo 13:1). No entanto, esses anos de espera foram cruciais para o desenvolvimento de Davi.

Vivemos em uma cultura impaciente. Consequentemente, para a maioria de nós, esperar é muito desafiador. 

No entanto, é parte do plano de Deus para nossas vidas. O autor, Andrew Murray, escreveu estas palavras profundas:

“Deus é paciência incansável” (Diariamente em Sua Presença). Eu amo isso! Somos um povo impaciente, porém, Deus é eternamente paciente e realiza o que nos diz respeito de acordo com o Seu tempo. Enquanto esperamos que Deus faça o que prometeu, Ele está desenvolvendo nosso caráter e preparando o cenário para Seu plano perfeito. 

Se Davi tivesse se tornado rei com apenas 17 anos, Ele poderia ter feito muitas escolhas tolas. Deus precisava trabalhar na vida de Davi para moldar seu caráter e preparar o cenário para Seu plano onipotente. 

Aprender a esperar o tempo de Deus enquanto simplesmente desfruta de Sua presença faz parte do nosso processo de amadurecimento.

Da próxima vez que parecer que Deus está demorando uma eternidade para cumprir Sua promessa, pare e reflita. Como Deus está moldando seu caráter? Como Ele pode estar preparando o cenário para o cumprimento perfeito de Seu plano? E, como você pode cooperar com o tempo Dele?

Conclusão sobre a história de Samuel ungindo Davi

A história de Samuel ungindo Davi como rei é uma das mais profundas da Bíblia. Davi nos aponta para Cristo que viria como o Ungido definitivo, o Messias. 

Ao estudarmos como Samuel unge Davi, somos lembrados de que Deus valoriza o pequeno e aparentemente insignificante, Deus nos chama para fazer obras desafiadoras, mas Ele também nos capacita para fazer essas obras. E, finalmente, Deus nunca tem pressa, Ele trabalha em Seu tempo.

Botão Voltar ao topo