4 Lições de Fé sobre Paulo e Silas na Prisão

“E, perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam.”

Eles estavam na cárcere e poderiam ter escapado, mas não aproveitaram a oportunidade quando ela surgiu. 

Eles ficaram onde estavam, e essa decisão acabou salvando a vida de um homem. Isso não apenas salvou sua vida física, mas ele foi salvo espiritualmente junto com toda a sua família.

Qual é o contexto de Paulo e Silas na prisão?

Paulo e Silas acabaram presos porque estavam sendo seguidos por uma escrava possuída por um espírito. Ela ganhava dinheiro para seus donos com a adivinhação. 

Embora ela estivesse declarando a verdade sobre Paulo e Silas, e outros com eles, Paulo expulsou o espírito dela em nome de Jesus Cristo.

Seus donos ficaram zangados porque perderam a capacidade de ganhar dinheiro usando a mulher para prever o futuro.

Eles prenderam Paulo e Silas e os levaram perante as autoridades alegando que eram judeus e defendendo costumes ilegais para os romanos. 

Embora Paulo e Silas fossem ambos cidadãos romanos, eles não discutiram e tentaram usar um meio para escapar da prisão. Eles foram despidos, espancados e jogados na prisão.

4 lições que podemos aprender com Paulo e Silas na prisão

1. Eles louvaram a Deus enquanto estavam na prisão

Apesar de terem sido espancados e jogados na prisão com os pés algemados, eles cantaram hinos e oraram. 

Seus louvores em uma situação tão ruim fizeram com que aqueles ao seu redor os notassem e os ouvissem.

Por volta da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando e cantando hinos a Deus, e os outros prisioneiros os ouviam. (Atos 16:25).

2. A adoração deles não só os ajudaram, mas também aqueles que os ouviram

Um terremoto sacudiu a prisão e as portas se abriram. As correntes de todos se soltaram.

De repente, houve um terremoto tão violento que as fundações da prisão foram abaladas. Imediatamente todas as portas da prisão se abriram e as correntes de todos se soltaram. (Atos 16:26).

3. A atitude deles foi importante

A lei romana exigia que os carcereiros assumissem a responsabilidade pessoal pelos prisioneiros.

Se Paulo e Silas (e outros prisioneiros) tivessem fugido quando suas correntes se soltaram, o carcereiro possivelmente teria sido morto. 

É por isso que ele os colocou na prisão interna e prendeu seus pés em troncos. Ao não escapar, eles salvaram a vida do carcereiro.

O carcereiro acordou e, ao ver as portas da prisão abertas, desembainhou a espada e estava prestes a se matar, pois achava que os prisioneiros haviam fugido. Mas Paul gritou: “Não se machuque! Estamos todos aqui!” (Atos 16:27-28).

4. O exemplo deles mudou vidas eternamente

Paulo e Silas escolheram ficar na difícil circunstância em que estavam (prisão), quando poderiam facilmente escapar do sofrimento. 

Esse exemplo levou o carcereiro a perceber que havia algo diferente neles e ele queria tudo o que eles tinham.

O carcereiro pediu luzes, entrou correndo e caiu trêmulo diante de Paulo e Silas. Ele então os trouxe para fora e perguntou: “Senhores, o que devo fazer para ser salvo?” (Atos 16:29).

Em um incrível ato de discernimento, Paulo sabia que eles não deveriam correr quando as correntes se soltassem e as portas da prisão se abriram. 

Ele sabia que Deus estava trabalhando e usando a situação ruim para algo bom.

O carcereiro foi salvo junto com sua família.

Eles responderam: “Creia no Senhor Jesus, e você será salvo – você e sua casa”. Então eles falaram a palavra do Senhor para ele e para todos os outros em sua casa. A essa hora da noite o carcereiro os pegou e lavou suas feridas; logo ele e toda a sua casa foram batizados. O carcereiro os trouxe para sua casa e serviu-lhes uma refeição; ele estava cheio de alegria porque tinha acreditado em Deus – ele e toda a sua casa. (Atos 16:31-34).

Inscrição biblioteca do pregador-1

Como aplicar essas lições sobre Paulo e Silas em nossas vidas

Há muitas lições a aprender com Paulo e Silas na prisão e elas são aplicáveis ​​à nossa vida cristã hoje.

1. Adore independente da situação

Quando estamos sofrendo em uma situação ruim, nosso instinto é escapar. Não queremos sentir dor se pudermos sair dela.

Mas nosso louvor a Deus em tempos de angústia é genuíno. 

Porque estamos fazendo isso sabendo que Ele está permitindo o sofrimento para o nosso bem. Ou o bem dos outros.

É mais fácil louvar a Deus quando recebemos a promoção, proposta ou uma promessa cumprida há muito tempo. É muito mais difícil quando estamos sofrendo. 

Talvez estejamos em uma situação em que não vemos um bom final. Perdemos alguém que amamos. Ou estamos deixando de lado algo que queremos manter.

Eleve o louvor quando o problema entrar em nossas vidas porque está tudo bem.

E sabemos que em todas as coisas Deus opera para o bem daqueles que o amam, daqueles que foram chamados segundo o seu propósito. (Romanos 8:28).

2. A adoração autêntica é poderosa.

Como um terremoto sobrenatural na hora certa, Deus se move poderosamente em nossas vidas quando nossa adoração é autêntica. (Não pode ser mais verdadeiro do que quando estamos com dor).

Confiamos nEle de todo nosso coração e em todos os momentos.

Quando entregamos nosso sofrimento a Ele, sabendo que é parte de Seu plano, encontraremos descanso em Sua obra.

Deus nos liberta de nossas próprias prisões. Ele solta nossos pés das algemas mesmo quando não sabemos que estamos presos. Ele cura o que só pode ser curado por Ele.

Confiei no  Senhor  quando disse: “Estou muito aflito”. (Salmo 116:10).

3. O que não fazemos pode ser importante.

Nossa carne pode querer desesperadamente agir, mas quando somos paciente, podemos impactar a vida de outra pessoa.

Os cristãos são julgados pelo mundo. Eles olham para ver como vamos agir e o que vamos fazer quando estivermos em uma situação ruim. 

Vamos arrebentar a porta e sair reclamando quando os tempos ficarem difíceis? 

Ou buscaremos a Deus e Seu propósito nas circunstâncias em que nos encontramos?

O que não fazemos pode ser importante para uma pessoa perdida manter o controle sobre o comportamento cristão. 

Todos cometemos erros e pecamos, mas precisamos lembrar que somos chamados a um padrão diferente do mundo e o que não fazemos é importante.

4. Um bom exemplo pode mudar vidas.

Paulo e Silas deram um exemplo incrível de cristianismo ao permanecerem na prisão quando poderiam ter escapado facilmente de seu sofrimento.

Seu comportamento na prisão afetou outros presos e o carcereiro.

Considere o exemplo dado por Paulo e Silas na prisão e lembre-se de que nosso comportamento também pode afetar outras pessoas. 

O que os outros veem em nós em tempos de dificuldade pode ter um impacto profundo. 

Eles podem ver como lidamos com uma situação e nos usar como exemplo a seguir.

Joseph Campbell escreveu: “A caverna em que você tem medo de entrar contém o tesouro que você procura”.

Paulo não planejava ser preso, mas estava disposto a se submeter a Deus, continuando a louvá-lo mesmo com correntes. 

Sua vontade de sofrer e ainda encontrar alegria no momento é algo que todos podemos aplicar em nossas vidas.

Autora: Melinda Eye Cooper.

Botão Voltar ao topo