As mulheres são realmente salvas “dando à luz filhos”?

Houve mais tinta derramada sobre a interpretação doutrinária de 1 Timóteo 2:11 do que qualquer outra passagem. Além de ser uma passagem controversa, provoca respostas e reações emocionais muito fortes, particularmente nos dias de hoje. E o versículo 15 é um dos textos da Bíblia mais difíceis de interpretar. Por causa disso, muitos pastores simplesmente evitam ensinar sobre ele. 

Para aqueles que não estão familiarizados com o texto bíblico, 1 Timóteo 2:11-15 diz:  

“Que a mulher aprenda calmamente com toda a submissão. Não permito que a mulher ensine ou exerça autoridade sobre o homem; antes, ela fique quieta. Porque primeiro Adão foi formado, depois Eva; e Adão não foi enganado, mas a mulher foi enganada e tornou-se transgressora. No entanto, ela será salva por ter filhos, se eles continuarem na fé, no amor e na santidade, com domínio próprio”. (1 Timóteo 2:11, NVI). 

Agora, essa não é a passagem que você quer ensinar se estiver tentando agradar! Soa extremamente machismo ao ouvido moderno. E a frase “salvar-se-á, porém, dando à luz filhos” parece sem sentido. 

Uma iluminação de Deus sobre 1 Timóteo 2

Tentar entender o versículo 15 me lembrou de minhas próprias lutas com essa passagem ao longo dos anos. A última vez que a estudei em profundidade, faz tempo.

É interessante como podemos ler uma passagem cem vezes e ainda notar algo novo nela. Estava estudando Gênesis imerso no conceito do simbolismo tipológico de Adão e Eva. (Adão é tipo de Cristo, Eva é tipo da Igreja), quando voltei minha atenção para 1 Timóteo 2.  

Foi então que tive uma iluminação que pareceu resolver muitas das dificuldades de interpretação do texto. 

Surpreendeu-me que a passagem harmonizasse tipologicamente muitas das questões que surgiram ao abordá-la de um ponto de vista ontológico (doutrina do ser), que tem sido a forma normativa de ver este texto.  

Para aqueles que não estão familiarizados com a terminologia teológica, não desista. Mas, tenha paciência comigo… e continue lendo. Teologia é divertido!

Uma Abordagem Tipológica para 1 Timóteo 2:11-15  

Para começar, então deixe-me explicar o que o termo teológico “tipo” significa. 

Um “tipo” é uma pessoa, coisa ou evento que prenuncia ou aponta para algo ou outra pessoa (o antítipo). 

O tipo tem uma camada de significado pretendido que é revelado pelo antítipo. Por exemplo, Jesus disse a Nicodemos: “Assim como Moisés levantou a serpente no deserto” (o tipo), “assim importa que o Filho do Homem seja levantado” (o antítipo). (João 3:14; Números 21:9). 

O Cordeiro Pascal e a rocha da qual Israel bebeu no deserto também eram tipos de Cristo (Êxodo 12:1-49; 17:6; 1 Coríntios 1:7). Os tipos mais frequentemente apontam para Jesus e a história do evangelho.  

Paulo era um grande pensador tipológico. Ele ensinou, por exemplo, que Adão era um tipo de Cristo, e que o casamento era um tipo de relacionamento entre Cristo e a Igreja. 

Ele teria concordado com o escritor de Hebreus que as realidades terrenas e físicas são apenas sombras, tipos, de realidades verdadeiras e celestiais. (Hebreus 8:5Hebreus 9:24). O físico e o temporal existem para nos apontar para o espiritual e o eterno.  

Agora, antes de continuarmos, vou lhe ensinar outra palavra grande e assustadora: “ontologia”. Ontologia significa “relacionado a ser ou existência.” Tem a ver com a essência de quem somos. 

Mulher é tipo de igreja

Como eu disse antes, 1 Timóteo 2:11-15 faz muito mais sentido quando o entendemos tipologicamente ao invés de ontologicamente. Isto é, da perspectiva do que a mulher representa (tipologia) ao invés de apenas quem a mulher é (ontologia). E pode ser que isso seja exatamente o que Paulo tinha em mente.  

Com certeza Paulo via Adão como um tipo de Cristo. Também sabemos com certeza que ele via o casamento como um tipo de relacionamento entre Cristo e a igreja. No qual o papel do marido é um tipo de Cristo e o da esposa, um tipo da Igreja. Assim, podemos justificar que Paulo também via Eva como um tipo da Igreja.  

Assumindo que Paulo tem tipologia em mente, vamos dar uma olhada na passagem novamente. 

Primeiro, Paulo fala sobre como as mulheres e os homens devem se comportar na igreja: “Que a mulher aprenda em silêncio, com toda a submissão. Não permito que a mulher ensine ou exerça autoridade sobre o homem; antes, fique quieta.” 

Não se prenda ao que isso significa e como o aplicamos hoje. É uma discussão para outra hora. Por enquanto, só quero que considere como uma abordagem tipológica. Pois, isso ajuda a explicar este e os próximos versículos.  

Se Paulo estava de fato pensando tipologicamente, isso dá uma reviravolta totalmente diferente nos versículos seguintes. Paulo não está argumentando que as mulheres são mais ingênuas ou que as mulheres precisam ter filhos para serem salvas. Não. Ele está tentando apontar que os papéis masculino-feminino na igreja existem para dar testemunho tipológico do evangelho.  

Adão (tipo de Cristo) foi formado primeiro, depois Eva (tipo de Igreja). E, Adão (tipo de Cristo) não foi enganado, mas a mulher (tipo de Igreja) foi enganada e tornou-se transgressora.  

No entanto, ela (a Igreja) será salva por meio da geração de filhos (produzindo frutos em Cristo) – se eles (homem e mulher) continuarem na fé, no amor e na santidade.  

Então, as mulheres são salvas “dando à luz filhos”?

Isso resolve o enigma de pensar que Paulo está dizendo que as mulheres são salvas ao dar à luz filhos biológicos. Se Paulo está realmente pensando tipologicamente, então ele está dizendo que a ontologia da mulher (sua capacidade de gerar filhos) se relaciona com sua tipologia (a capacidade da Igreja de ser frutífera em Jesus). 

Ela (a Igreja) é salva através da gravidez. Paulo reforça aqui a profunda mutualidade de homens e mulheres. Ambos são igreja. Ambos são salvos pelo tipo de união que resulta em filhos espirituais – a união com nosso marido, Cristo. E, ambos devem continuar na fé, no amor e na santidade, com domínio próprio. 

Não é sobre nós

Sim, Paulo dá algumas instruções bastante duras sobre os papéis masculinos e femininos na Igreja. Mas então ele eleva a discussão para um nível totalmente diferente. 

Em seu raciocínio, ele mistura as imagens de Adão e Eva e mulher e homem juntos. Isso, para mostrar que, no final, como nos comportamos na igreja tem muito mais a ver com o que (tipologicamente) representamos do que quem nós (ontologicamente) estão. E isso torna suas diretrizes sobre os papéis masculino/feminino na igreja muito mais fáceis de entender e engolir.  

Em última análise, isso não é sobre nós. Não é sobre o homem. Não é sobre mulher. Trata-se de mostrar a glória da história de Cristo.  

Uma abordagem tipológica de 1 Timóteo 2:11 faz muito sentido para mim, e eu gostaria de colocá-la na mesa para meus colegas teólogos considerarem e discutirem. 

Não podemos dizer com absoluta certeza o que Paulo tinha em mente no versículo 15, mas podemos estar absolutamente certos de que há verdade e liberdade aqui se estivermos dispostos a procurá-las.  

Autora Mary Kassian.

Botão Voltar ao topo