O que a Bíblia diz sobre a Rússia moderna?

Nos últimos anos, o presidente russo, Vladimir Putin, buscou agressivamente a reunificação do bloco soviético. Ele anexou a Crimeia, se infiltrou no leste da Ucrânia e penetrou na república da Geórgia.

Ele não está apenas provocando o povo da Eurásia, mas também suas políticas fortes estão causando preocupação em todo o mundo. 

De acordo com uma pesquisa da Gallup, o público sempre classificou a Rússia como o segundo maior inimigo dos Estados Unidos desde 2015. 

Os feeds de notícias rodopiam com perguntas sobre suas intenções, mas talvez devêssemos nos perguntar: o que a Bíblia diz sobre a Rússia moderna?

As intenções da Rússia

Aproximadamente 2.500 anos atrás, Ezequiel previu eventos específicos que ocorreriam no futuro da Rússia. O capítulo 38 de seu livro autointitulado começa com uma longa lista de nações que atacarão Israel. 

Nenhuma dessas nações se chama Rússia. Esse nome não se encontra em nenhum lugar da Bíblia. No entanto, a referência a Rosh no versículo 2 é uma versão abreviada da palavra Rússia. Isso pode ser determinado linguística e geograficamente. A Bíblia descreve Rosh como estando distante ao norte de Israel, que era o ponto de referência para a audiência original de Ezequiel.

Círculo Interno da Rússia

Um nome na lista de Ezequiel, Gogue, é o nome de um líder nacional. Encontramos isso em Ezequiel 38:1-2

“Agora veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: Filho do homem, vire o rosto contra Gogue, da terra de Magogue, príncipe de Rosh, Meseque e Tubal.”

Então, Gogue é o príncipe de Rosh, ou diríamos o líder da Rússia.

Uma outra palavra que precisamos entender é Magogue. Essa palavra não se encontra em nenhum lugar, exceto na Bíblia, e Ezequiel nos diz que esse nome se refere a uma aliança de nações. 

Se você o rastrear na história, notará que Magogue é uma terra ao redor da Rússia, repleta de muitos lugares com sons diferentes. 

Na Bíblia de Estudo de Jeremias, há uma nota sobre essas nações sendo chamadas de nações “stan” – Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Tadjiquistão e, talvez, até mesmo o Afeganistão. Estas são todas as nações que costumavam fazer parte da União Soviética. 

No Fim dos Tempos, o livro de Ezequiel profetiza que o rei da Rússia vai unir essa aliança.

A Bíblia lista muitas outras nações que formarão uma aliança com a Rússia, e dirijo-me a elas no Livro dos Sinais. Por enquanto, vamos nos concentrar na Rússia e nas nações da antiga União Soviética. 

Basta saber que essa coalizão é maior que o antigo bloco: engloba várias nações do Oriente Médio e norte da África. Isso soa ameaçador, e é.

Mas observe o que o Senhor diz em Ezequiel 38:3: “Assim diz o Senhor Deus: Eis que estou contra ti, ó Gogue, príncipe de Rosh.”

O versículo 16 nos diz que Deus não apenas antecipa essa agressão, mas Ele também o orquestrará:

“Eu os trarei contra a Minha terra”. 

Mas, por que ele faria isso? 

“Para que as nações me conheçam, quando eu for santificado em ti, ó Gogue, diante de seus olhos”.

Mesmo as nações rebeldes estão sob a autoridade do Deus Todo-Poderoso e servem aos Seus propósitos.

A invasão da Rússia

Antes que a Rússia ataque Israel, três requisitos terão que ser atendidos. Compreender esses requisitos nos ajuda a antecipar o momento do ataque.

Primeiro, Israel deve estar presente em sua terra.

Por mais de dois mil anos, o povo judeu foi disperso por todo o mundo, vivendo entre os gentios, porque não havia uma nação judaica. 

Em 1948 isso mudou. A nação de Israel renasceu, e muitos judeus retornaram à sua terra natal. Assim, o primeiro pré-requisito para a invasão da Rússia já foi cumprido. Israel ocupa sua terra.

Segundo, Israel não deve estar presente apenas em sua terra; ela deve ser próspera em sua terra.

Ezequiel profetizou que quando o povo judeu retornar à sua terra natal, Deus os abençoará além de qualquer coisa que tenham conhecido em sua história. 

Ezequiel 36:11 descreve a riqueza de Israel desta forma: “Multiplicarei sobre vós homens e animais; e eles crescerão e darão crias; Eu te farei habitar como antigamente, e te farei melhor do que no teu princípio”. 

O cumprimento moderno dessa profecia é evidente na próspera economia de Israel, que foi classificada como a terceira mais inovadora do mundo, atrás da Finlândia e da Suíça e logo à frente do Japão e dos Estados Unidos. 

O Israel moderno é um centro de inovação e empreendedorismo, o que significa que o segundo pré-requisito para a invasão da Rússia foi cumprido.

Terceiro, Israel deve estar em paz em sua terra.

Se você visitar Israel hoje, verá pessoas com armas penduradas nos ombros em todos os lugares que você for. Eles estão sempre em alerta porque sabem que podem ser atacados por seus vizinhos a qualquer momento. 

Ezequiel 38:11 descreve um Israel marcadamente diferente, “[Gogue] subirá contra uma terra de aldeias não muradas. [Gogue] irá para um povo pacífico, que habita em segurança, todos eles morando sem muros, sem grades nem portões”. 

Quando a Rússia atacar Israel, a nação será desarmada! Isso é difícil de imaginar.

Essa mudança radical em Israel, quando ela baixar suas defesas, ocorrerá no início da Tribulação ou logo antes dela. 

Na época do Arrebatamento, o Anticristo fará um acordo de sete anos com Israel no qual prometerá proteger a nação. Israel se tornará dependente do Anticristo, desarmará seu exército e dedicará toda sua energia para aumentar sua riqueza. A nação estará indefesa contra a coalizão do norte.

Não sabemos quando Israel fará esse pacto com o Anticristo porque não sabemos quando ocorrerá o arrebatamento. 

Mateus 24:36 deixa isso claro. No entanto, podemos ter certeza de que esse exército virá contra Israel quando a nação estiver presente, próspera e pacífica em sua terra.

A invasão de Israel pelo Norte não acontecerá no futuro imediato, mas talvez mais cedo do que pensamos.

Botão Voltar ao topo