Descoberto Navio de Marfim de 6.000 Anos em Israel

Um navio de marfim, feito de presa de elefante e datado do período calcolítico, foi descoberto numa escavação

Um achado notável descoberto nas escavações conduzidas pela Autoridade de Antiguidades Israelitas (AAI) próximo a Beer Sheva: um navio de marfim do período calcolítico, esculpido a partir da presa de elefante. Este artefato, identificado na pesquisa como “amphoriskos” – um frasco pequeno -, revela as antigas relações comerciais entre Israel e o Egito há seis mil anos.

Este marfim navio foi originalmente descoberto em fragmentos no ano de 2020. Após uma meticulosa restauração nos laboratórios da AAI, estará disponível ao público pela primeira durante a conferência anual da Sociedade Pré-Histórica Israel, em Jerusalém.

Durante a escavação em Horbat Raqiq, nas proximidades de Beer Sheva, realizada pela AAI, descobriu um antigo assentamento com espaços subterrâneos escavados no solo loess.

Ao final dos trabalhos, enquanto Emil Aladjem realizava suas últimas medições, ele avistou a borda de um navio esculpido em basalto.

Descoberta das embarcações

Esse avistamento levou à expansão da escavação, resultando na descoberta de três grandes e impressionantes embarcações. A disposição desses navios era tal que dois deles estavam sobrepostos, com o terceiro servindo como cobertura para ambos. Ao remover a placa superior, constatou-se que a inferior estava repleta de terra, dentro da qual estavam os fragmentos quebrados de um recipiente de marfim – um material notavelmente raro e valioso.

O Dr. Ianir Milevski, antigo chefe do ramo pré-histórico da AAI explicou:

“Da forma como as taças foram organizadas, o navio de marfim, que já estava quebrado na antiguidade, foi claramente enterrado de forma deliberada – o que parece atestar a importância que lhe foi atribuída”.

Os vasos estavam intencionalmente definidos de uma forma específica, com cuidadosa premeditação. Nos círculos acadêmicos é geralmente aceito que figuras e depósitos de vasos quebrados e enterros fazem parte das atividades cerimoniais de culto.

Acrescenta o Dr. Milevski:

“É lindo, e excepcional no seu design. As pequenas alças laterais estão simetricamente dispostas, com duas alças colocadas no pescoço do recipiente e duas alças adicionais verticalmente abaixo delas na sua base. “

Além disso, dizem os pesquisadores:

“Este achado aprofunda a nossa compreensão do período calcolítico e dos laços de intercâmbio cultural da nossa região com culturas vizinhas e distantes”

O recipiente exibe uma habilidade excepcional em sua confecção, aproveitando ao máximo a matéria-prima original da presa – um material de grande valor. Se produzido localmente, isso demonstra o alto padrão de habilidade dos artesãos que habitavam a região, os quais não apenas dominavam o manejo do marfim, mas também possuíam conhecimento detalhado da anatomia dos elefantes.

Fonte: facebook.com/AntiquitiesEN. Mais sobre arqueologia bíblica e achados.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!