O que são os Manuscritos do Mar Morto e por que os cristãos dão tanta importância a eles?

Ouvimos versículos bíblicos citados na igreja desde pequenos. Talvez leiamos a Bíblia com nossa família ou façamos devoções bíblicas. Mas, você já se perguntou sobre a origem da grande coleção de escritos na Bíblia? Quem escreveu a história, poesia e Evangelhos nos tempos antigos? A descoberta dos Manuscritos do Mar Morto, encontrados pela primeira vez por um jovem pastor de ovelhas em 1947, respondeu a muitas dessas perguntas.

Antes de mais nada, encontrar esses Manuscritos foi uma profunda descoberta arqueológica e espiritual.

Textos de todos os livros da Bíblia, exceto um, foram encontrados nas línguas grega, hebraica e aramaica. O material contendo os pergaminhos foi datado por cientistas e envelhecido por volta de 2.000 anos, 1.000 anos mais velho do que as cópias das Escrituras encontradas anteriormente.

A descoberta desses pergaminhos do Mar Morto deu, portanto, credibilidade à autenticidade da Bíblia.

Ter cópias das Escrituras que datam tão longe no tempo apoia a crença dos cristãos de que a Bíblia Sagrada é um relato genuíno e um conjunto de instruções para povo de Deus. Algumas são registradas antes da vida de Jesus e mais próximas dos tempos da história do Antigo Testamento do que cópias anteriores das Escrituras.

Essas Escrituras antigas são, portanto, a base da Bíblia que os cristãos usam hoje como guia para viver a vida de fé.

O que são os Manuscritos do Mar Morto?

Os arqueólogos determinaram que uma comunidade chamada Essênios trabalhava como escriba para registrar textos mais antigos na coleção conhecida como Manuscritos do Mar Morto.

Esse grupo vivia sob um rígido código moral e comportamental. No entanto, o grupo trabalhava para registrar os textos bíblicos como sua missão.

Os essênios viviam em cavernas nas montanhas de Israel. Contudo, encontraram pergaminhos com as Escrituras e outros documentos perto dos alojamentos dos essênios.

O estudo de Joseph L. Trafton dos Manuscritos do Mar Morto descobriu que governavam a comunidade essênia com procedimentos rigorosos de entrada. Além disso, havia um código de conduta detalhado e uma hierarquia organizacional estrita sob a liderança de sacerdotes.

Os essênios viviam em um estilo de vida comunitário com propriedade e trabalho compartilhados. Nesse sentido, eles estudavam a Torá e se reuniam para discutir assuntos da comunidade e praticar cerimônias.

A adoração, incluindo uma refeição sagrada, era uma parte importante de suas vidas.

A partir de evidências arqueológicas de um grande incêndio e pontas de flechas e moedas romanas, parece que a cultura essênia desapareceu durante a revolta judaica em 66 a 70 EC (Era Comum). Provavelmente, as forças romanas venceram os essênios.

Um terço do material nos pergaminhos é bíblico. Ainda mais, possui seções de todos os livros da Bíblia, exceto Ester.

Há um rolo de Isaías de aproximadamente 7 metros. Salmos e Deuteronômio também estão quase completos nos pergaminhos. Não por coincidência, esses três livros da Bíblia são os mais citados no Novo Testamento.

Os pergaminhos também contêm milhares de fragmentos menores de livros da Bíblia e são compilados a partir de mais de 900 documentos escritos em hebraico, aramaico e grego.

Como esses Manuscritos foram descobertos?

Os primeiros Manuscritos foram descobertos por um jovem beduíno que cuidava de ovelhas e cabras perto da cidade de Qumran, às margens do Mar Morto.

Em seguida, o menino deixou seu grupo de pastores para procurar uma cabra perdida. Então, ele jogou uma pedra em uma caverna e ouviu a cerâmica se quebrar.

Quando entrou na caverna, ele descobriu alguns dos que ficariam conhecidos como os “Manuscritos do Mar Morto” em vasos.

O sítio arqueológico do Pergaminho do Mar Morto é conhecido hoje como Khirbet Qumran. O local foi escavado pela primeira vez entre 1951 e 1956.

Escavações arqueológicas nas antigas cavernas dos essênios produziram dez pergaminhos, além do encontrado pelo pastor beduíno, nos nove anos seguintes.

Essa grande coleção de escritos ficou conhecida como os “Manuscritos do Mar Morto“, porque foram encontrados em cavernas a um ou dois quilômetros da costa noroeste do Mar Morto.

Por que os Manuscritos do Mar Morto desempenham um papel tão importante em apoiar a verdade da Bíblia?

Os documentos desses Manuscritos são quase idênticos aos do Texto Massorético da Idade Média, que os estudiosos usaram para traduzir a Bíblia. Estudiosos judeus completaram o texto massorético entre 500 e 950 EC.

As traduções do Antigo Testamento que usamos atualmente derivam do trabalho dos escribas desses estudiosos massoretas.

No entanto, estima-se que os Manuscritos do Mar Morto sejam pelo menos 1.000 anos mais antigos que o texto massorético.

A datação por carbono dos Manuscritos coloca essas obras da comunidade essênia como originárias dos últimos dois séculos aC até o primeiro século EC.

Os Manuscritos do Mar Morto foram cuidadosamente copiados e armazenados pela comunidade monástica essênia.

Desde sua descoberta, estudiosos da Bíblia os reconheceram como as cópias mais antigas da Bíblia disponíveis para o mundo.

Seu texto valida grande parte da precisão das traduções atuais. Além disso, esses Manuscritos também ajudaram os estudiosos a traduzir versões modernas da Bíblia.

A literatura bíblica é uma pedra angular da fé cristã. Os Manuscritos do Mar Morto tornam, portanto, mais real a Palavra de Deus.

Embora, a existência de cópias das escrituras registradas perto e durante o tempo bíblico possa não mudar a fé de ninguém, ela acrescenta uma certeza à autenticidade da Bíblia.

O fato desses Manuscritos terem sido descobertos no século 20, e terem sido datados como originados no primeiro século EC, conecta nosso mundo cristão ao da época de Jesus.

Esses Manuscritos também têm um alcance mais próximo ao tempo do Antigo Testamento. Além disso, os arqueólogos estabeleceram o que os cristãos sempre acreditaram sobre a Bíblia, que é a verdadeira palavra de Deus.

10 curiosidades sobre os Manuscritos do Mar Morto

  1. Os essênios que viviam em cavernas perto de Qumran, Israel, copiaram as Escrituras quando Jesus estava vivo.
  2. O sítio arqueológico dos Manuscritos do Mar Morto, chamado Khirbet Qumran, fica na Cisjordânia de Israel e é administrado pelo Parque Nacional Qumran de Israel .
  3. Milhares de fragmentos dos Manuscritos do Mar Morto ainda precisam ser reunidos e lidos.
  4. Um terço dos Manuscritos do Mar Morto contém Escrituras Bíblicas; um terceiro contém comentários e um terceiro contém regras e regulamentos para a comunidade monástica essênia.
  5. Vários tinteiros e elementos de gesso que podem ter sido tabletes foram encontrados quando os arqueólogos escavaram Khirbet Qumran.
  6. A seção dos Manuscritos do Mar Morto descreve a lavagem ritual do povo judeu, o que pode explicar como o batismo surgiu como um sacramento da igreja cristã.
  7. Os Manuscritos do Mar Morto contêm expectativas para os Messias de Deus — um rei guerreiro, um sacerdote e um profeta.
  8. Os Manuscritos do Mar Morto explicam o contexto das Escrituras do Novo Testamento, especialmente o Evangelho de João.
  9. E os Manuscritos do Mar Morto contêm treze canções litúrgicas, uma para cada sábado no primeiro trimestre do ano.
  10. Por último, os Manuscritos do Mar Morto são de propriedade de Israel e estão guardados no Santuário do Livro no Museu de Israel. Peças da coleção de pergaminhos ocasionalmente viajam como uma exposição.

A grama murcha e as flores caem, mas a palavra do nosso Deus dura para sempre. Isaías 40:8

Autora Betty DunnBetty Dunn.

Botão Voltar ao topo