O que significa que “Deus amou o mundo de tal maneira” em João 3:16

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” – João 3:16

João 3:16 pode facilmente passar por nossos cérebros sem muito pensamento consciente. Mas, já fizemos uma pausa para considerar o que realmente significa? Já contemplamos a profundidade das verdades contidas neste versículo, preservadas pelo próprio Deus, ao longo de incontáveis ​​gerações? 

Mais importante ainda, como vivemos na realidade que João 3:16 apresenta: que Deus, que é amor, demonstrou ativamente Seu amor por meio de Jesus Cristo, Seu Filho unigênito, e por meio Dele ofereceu salvação a toda a humanidade.

O Contexto Bíblico de João 3:16

Vamos dar uma olhada nesse versículo agora. Diz: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira”, ou, como diz a NLT, “Foi assim que Deus amou o mundo: deu o seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” 

Há muito o que extrair nessas palavras, mas primeiro precisamos entender o contexto histórico e literário que as cerca. 

Encontramos João 3:16, talvez uma das apresentações mais claras do evangelho, inserida em uma conversa entre Jesus e um governante religioso de prestígio. Você pode estar familiarizado com a história. 

Uma noite, presumivelmente depois que muitos de seus colegas estavam em casa na cama, um fariseu chamado Nicodemos, do conselho governante judaico, veio a Jesus. “Rabi”, disse ele, “sabemos que Tu és um professor que vem de Deus. Pois ninguém poderia realizar os sinais que Tu fazes, se Deus não estivesse com ele” (João 3:2). 

Esta declaração sugere algumas coisas: Nicodemos estava familiarizado com Jesus, provavelmente o respeitava e reconheceu que Ele realmente veio de Deus, assim como João 3:16. 

Nicodemos obviamente sabia dos milagres que Jesus havia realizado. Ele provavelmente também ouviu muitas verdades que Jesus falou, todas as quais pareciam ter desencadeado uma pergunta: Quem é você?

Sob suas palavras de afirmação, de admiração, Nicodemos parece estar investigando a identidade de Jesus. Ao que Jesus respondeu: “Em verdade vos digo que ninguém pode ver o reino de Deus se não nascer de novo” (João 3:6).

Inicialmente, pode-se chamar Suas palavras de redirecionamento, mas Jesus estava sondando algo mais profundo. 

Veja, devemos lembrar com quem Cristo estava falando, que tipo de vida ele viveu e como Nicodemos estava acostumado a se relacionar com Deus por meio de obras religiosas. 

Você pode imaginar como a declaração de Jesus deve ter sido confusa? Não estou falando apenas de toda a analogia do renascimento, mas considere também a mensagem transmitida a esse homem bem-educado, bem treinado e presumivelmente “justo”. 

Jesus, em essência, disse a Nicodemos que todos os seus anos progredindo no judaísmo, todo o tempo que ele passou recitando orações e participando de festivais, não contava nada. 

Eles lançaram o fundamento para as verdades que Jesus estava apresentando. Mas eles não tiveram forças para levar Nicodemos à salvação.

Por que Jesus usou uma referência do Antigo Testamento para explicar seu ponto de vista?

“Assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que crê tenha nele a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna, porque Deus não enviou seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para salvar o mundo por meio dele. …Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, porque não crê no nome do Filho unigênito de Deus” (João 3:14-18). 

Para ilustrar ainda mais o ponto a Nicodemos, Jesus fez referência à serpente de bronze que Moisés levantou no deserto, quando os israelitas vagavam no deserto vacilando entre rebelião e arrependimento (Números 21: 4-9). 

Conforme registrado em Números, um livro com o qual Nicodemos estaria extremamente familiarizado, os israelitas escolheram a rebelião e foram punidos por isso na forma de picadas de cobras venenosas. 

Para receber a cura, eles tinham que olhar para uma cobra de bronze em um poste. Olhar para a cobra no poste foi um ato de fé, e quando eles olharam foram curados por Deus. Os israelitas sabiam que essa era a única maneira de serem salvos dessa morte certa pelo veneno. 

Para obter toda a extensão desse quadro, precisamos nos lembrar do padrão de Israel quando eles deixaram o Egito: o povo se rebelaria, o julgamento do Senhor viria, Moisés intercederia por eles e o Senhor respondeu misericordiosamente. 

Nos dias terrenos de Jesus, o povo de Israel ainda estava se rebelando, mas desta vez havia um intercessor diferente… desta vez, Jesus era Aquele a quem o Senhor levantaria e por meio dele concederia misericórdia. 

No entanto, esta misericórdia que vem por meio de Jesus, o Filho, nosso Salvador, é uma misericórdia eterna. 

Quando Nicodemos ouviu falar da morte de Jesus na cruz, você pode imaginar sua memória dessas palavras. Assim como os israelitas rebeldes no deserto, Nicodemos precisava de um intercessor para que pudesse ter a salvação e “nascer de novo“. 

É uma ilustração que provavelmente ficou com Nicodemos pelo resto de sua vida terrena. 

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira” é um retrato do amor

João 3:16 segue esta explicação rica e teologicamente densa do pecado e da salvação. “Isto”, disse Jesus, “é o quanto Deus ama você. Ele me enviou” (parafraseado). 

Em Cristo, vemos um amor tão intenso, tão sacrificial, tão incompreensível, que faz todas as expressões humanas parecerem frívolas em comparação. 

As palavras que Jesus falou provavelmente não fizeram muito mais sentido para Nicodemos do que a conversa de Jesus sobre renascimento. Afinal, ele provavelmente não tinha ideia de que Jesus estava planejando morrer por ele (e por nós). 

Ele não entendia que Cristo seria, literalmente, erguido em um poste, assim como a cobra tinha sido, e que a morte e ressurreição de Cristo, não orações ou boas ações, trariam vida. Mas nós temos esse conhecimento, graças às Escrituras.

Agora, considerando tudo o que Jesus sofreu, tudo o que Deus O viu sofrer, por você e eu, avalie o início de João 3:16 novamente: “Assim Deus amou o mundo” e todos nele. “Ele deu Seu único Filho.

Por meio de Sua morte, Cristo revelou como é o amor puro e insondável. Mas Ele fez mais do que isso. Através da cruz, Deus provou a profundidade do Seu amor, porque “Quando ainda éramos pecadores, Cristo morreu por nós” (Romanos 5:8). 

Um ato tão apaixonado e abnegado é difícil para minha mente compreender. Deus estendeu a mão, sem esperar nada em troca, e esvaziou-se completamente, por aqueles que O desprezaram. Incluindo você e eu.

Deus sabia como éramos impossibilitados. Observando nossos pecados, Deus poderia ter nos deixado para destruição. Ele poderia ter nos rejeitado. Em vez disso, Ele se aproximou. 

Falando de Jesus, Filipenses 2:6-8 diz: “sendo por natureza Deus, [Ele] não considerou o ser igual a Deus como algo que lhe convém; antes, Ele se fez nada tomando a própria natureza de um servo, sendo feito à semelhança do homem. E sendo encontrado em aparência de homem, Ele se humilhou, tornando-se obediente até a morte – e morte de cruz.” 

Deus agiu desde o início dos tempos, desde aquele primeiro pecado no Jardim do Éden. A primeira coisa que Deus fez foi remover a árvore da vida, para que não fiquemos presos em uma vida de pecado para sempre. 

Ele agiu ao longo da história, tecendo um plano e cumprindo Sua promessa de salvar Seu povo. Ele agiu quando Ele enviou Seu Filho através do Espírito Santo para nascer encarnado da virgem, Maria. E Ele agiu quando Seu Filho foi colocado na cruz, oferecendo um sacrifício de Sua vida perfeita por nossas vidas manchadas, que foi o pagamento pelo pecado. 

Sempre que penso na cruz, lembro-me do preço que Cristo pagou para que eu pudesse ser livre. Mas também me lembro do quanto eu precisava dessa liberdade. 

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira” é a primeira parte do plano de resgate de Deus

Jesus veio para que, embora fôssemos culpados e manchados pelo pecado, pudéssemos receber perdão por tudo o que fizemos ou faremos. 

Por causa de Jesus, podemos ter paz com Deus Pai, ser adotados como Seu filho e capacitados pelo Espírito Santo para viver plenamente em Sua liberdade. 

A vida e a morte de Cristo foram profetizadas e o dom da salvação prometido, desde o início dos tempos. 

Adão e Eva se rebelaram contra seu bom, atencioso e fiel Pai. Eles escolheram o prazer do momento em vez da paz e alegria de um relacionamento com Deus. Eles escolheram sua vontade e seus desejos, em vez de confiar e obedecer ao seu Deus, e nisso, eles tentaram se elevar acima do próprio Criador que os amou tão fielmente.

Jesus não se surpreende com o pecado. Ele estava lá no princípio, a segunda pessoa da Trindade, e depois que Ele nasceu encarnado da virgem, Maria, Ele aprendeu a Palavra de Deus desde cedo e a guardou em Seu coração. Em Gênesis 3:15, Ele disse: “Porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a descendência dela; ele te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar”.

Nisto, Deus prometeu que o pecado não venceria. Embora uma batalha fosse travada entre a luz e as trevas, entre o bem e o mal, Cristo finalmente prevaleceria, e Ele prevaleceu. Ele garantiu Sua vitória por meio de Sua morte na cruz. 

Colossenses 2:15 coloca desta forma: “Ele desarmou os principados e potestades” das trevas “e os expôs à vergonha, triunfando sobre eles”. 

Isso permite que todos os que creem em Cristo digam: “A morte foi tragada pela vitória. Onde, ó morte, está sua vitória? Onde, ó morte, está seu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e o poder do pecado é a lei. Mas graças a Deus! Ele nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Cor. 15:55-57).

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira” Ele enviou seu único filho para salvar

Deus enviou Cristo por uma única razão, e aqui está o porquê: “Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. 

Recebemos o dom gratuito de Deus da vida eterna através da fé, crendo que Jesus é quem Ele diz que é – o Filho de Deus sem pecado que pagou pelos pecados do mundo – e fez o que Ele disse que fez – morreu em nosso lugar para nos conceder entrada na eternidade com Ele. 

Mas para receber esse presente precioso, devemos reconhecer que precisamos dele. Isso é difícil porque fere nosso orgulho. Muitas vezes temos grande satisfação em nossas realizações e sabendo que progredimos apenas por nossos próprios méritos. Mas o Espírito Santo nos ajuda a perceber a futilidade de nossos esforços. Não podemos ganhar a graça, mas podemos aceitá-la pelo poder do Espírito Santo.

Paulo declarou: “Quem me livrará deste corpo de morte? Graças a Deus por Jesus Cristo nosso Senhor!” (Romanos 7:24-25). 

Esta foi a oferta que Jesus fez a Nicodemos naquela noite escura há muito tempo. A oferta era gratuita. Nicodemos não precisava merecer, ele simplesmente precisava aceitar. 

Sair das trevas e entrar na luz, sair da morte e entrar na vida. Não sabemos como essa conversa terminou naquela noite. Talvez o coração de Nicodemos tenha saltado de esperança e ele tenha abraçado a graça que Cristo ofereceu. Ou talvez ele tenha recuado e lutado com seu pecado e orgulho, antes de finalmente encontrar coragem para se render. 

Independentemente disso, sabemos que Cristo revelou uma bela imagem de amor, de graça e a liberdade da absolvição completa. Não há mais culpa. Não há mais vergonha. Condenação zero. 

Apenas liberdade, luz e vida, e tudo porque Deus amou tanto este mundo.

Botão Voltar ao topo