Por que Deus criou o mundo em 7 dias?

Deus realmente criou o mundo em 7 Dias? Primeiramente, vamos mergulhar nos 7 dias da criação.

“Os céus proclamam a glória do Senhor” (Salmo 19:1). Toda a criação aponta para a glória e majestade do nosso grande Deus. 

O que aconteceu durante os 7 dias da criação?

Acima de tudo, os sete dias da criação registrados em Gênesis revelam as próprias origens do universo pelas mãos de nosso magnífico Criador.

O primeiro dia da criação. 

Em primeiro lugar, Deus criou o tempo, o espaço e a matéria. Ele também criou a luz e separou a luz das trevas. Ele chamou a luz de dia e as trevas de noite (Gênesis 1:1-5).

O segundo dia da criação. 

Tem havido muita discussão sobre a natureza exata do que Deus fez no segundo dia. Durante este dia, Deus criou uma expansão (também traduzida como firmamento) para separar “as águas das águas” (Gênesis 1:7). 

As águas mencionadas são aquelas presentes desde o princípio (Gn 1:2), e a expansão é um espaço que Deus coloca entre a água preexistente para separá-la em duas camadas ou níveis. As águas acima do firmamento e as águas abaixo do firmamento (Gênesis 1:7). 

Mas, o que isso significa? Alguns propuseram que a expansão se refere à atmosfera ao redor da Terra, caso em que as “águas acima da expansão” se referem ao vapor de água na atmosfera que forma as nuvens, ou se refere a uma camada de água que pairou acima da terra durante o período antediluviano (pré-diluviano). 

As águas abaixo da expansão seriam as águas da face da terra. No entanto, um estudo cuidadoso do segundo dia e de todo o relato da criação parece revelar que a passagem comunica algo diferente. 

De acordo com os estudos de Terry Mortenson, a extensão refere-se a tudo o que chamaríamos de espaço sideral. 

As águas abaixo da expansão são de fato as águas na superfície da terra, mas as águas acima da expansão referem-se a um dossel de água que envolve todo o nosso universo. 

Mas, independentemente da posição que você ocupa, o que todos podem concordar é que Deus organizou o espaço que circunda a Terra no segundo dia.

O terceiro dia da criação. 

No terceiro dia, Deus ordenou a paisagem da Terra reunindo toda a água em um só lugar e permitindo que a terra seca aparecesse. Deus chamou a terra seca de terra, e a água chamou de mares. Deus então criou a vida vegetal na Terra (Gênesis 1:9-13).

O quarto dia da criação. 

Deus criou os corpos celestes do nosso universo. Ele criou o sol para governar o dia, a lua para governar a noite e também criou todas as estrelas (e planetas). 

Então, Ele organizou as estrelas, o sol e a lua de tal maneira que podemos acompanhar as estações, dias e anos (Gênesis 1:14-19).

O quinto dia da criação. 

Deus criou todas as aves e criaturas que habitam no mar (Gênesis 1:20-23).

O sexto dia da criação. 

Deus criou todas as criaturas que habitam a terra e então criou a humanidade à Sua própria imagem. 

Deus instruiu a humanidade (Adão e Eva) a ser frutífera e se multiplicar. Ele também lhes deu domínio sobre a Terra (Gênesis 1:24-31).

O sétimo dia da criação. 

Deus descansou no sétimo dia porque Sua obra de criação estava completa (Gênesis 2:1-3).

Importa se os 7 dias da criação são dias literais ou metafóricos?

Os sete dias da criação geraram um debate muito acalorado, mas realmente importa se um cristão acredita que os sete dias são literais ou metafóricos? 

Sim, isso importa. O que a Palavra de Deus diz e o que isso significa importa porque a Palavra de Deus é a autoridade suprema sobre todas as coisas sobre as quais fala (Isaías 40:8; João 10:35). 

Embora a salvação de um cristão não depende da maneira como eles interpretam o relato da Criação, este tópico gira em torno de uma questão essencial: Quem tem a autoridade final? Homem ou Deus? 

As visões comuns mantidas por cientistas seculares sobre as origens do Universo influenciam fortemente os cristãos na maneira como eles interpretam o relato da Criação. 

Em vez de aceitar o significado direto do relato que ensina claramente que Deus criou todo o Universo em seis dias literais de 24 horas, muitos cristãos reinterpretaram o significado do relato da Criação. 

Certamente, isso é feito por causa da aparência para satisfazer as críticas dos cientistas seculares. Existem três conceitos primários que alguns cristãos forçaram no relato de Gênesis para harmonizar as Escrituras com a ciência secular. Mas, todos eles são falsos.

1° – Tempo profundo. 

Existem duas maneiras pelas quais esse conceito é aplicado à Criação. A primeira é a afirmação de que cada dia representa um longo período. A segunda maneira pela qual o tempo profundo é imposto ao texto pertence a Gênesis 1:1. 

Cada dia representa um longo período. 

Há estudiosos que tentam separar este versículo do resto do relato da Criação. Eles afirmam que faz referência a uma era que precedeu o primeiro dia, que pode ter incluído a queda de Satanás.

Resposta. A palavra usada para “dia” no relato da Criação é a palavra hebraica yom. Alguns foram rápidos em apontar que há exemplos de quando essa palavra se refere a um período não especificado, em oposição a um dia de 24 horas. 

Embora isso seja verdade, no Antigo Testamento, toda vez que a palavra yom é precedida por um número ou acompanhada pela frase “tarde e manhã”, refere-se a um dia literal de 24 horas. 

No relato da Criação, a palavra yom é acompanhada por um número e pela frase “tarde e manhã”. É claro que o significado pretendido que o autor de Gênesis quer comunicar ao leitor é que Deus fez tudo em seis dias de 24 horas.

Intervalo de tempo que alguns afirmam existir entre Gênesis 1:1 e Gênesis 1:2

Com relação ao suposto intervalo de tempo que alguns afirmam existir entre Gênesis 1:1 e Gênesis 1:2, deve-se inicialmente, notar que não há indicadores de tempo nos dois primeiros versículos para sugerir isso. 

Tal noção é especulativa e deve ser lida no texto. Além disso, Jesus deu a implicação que Gênesis 1:1 está incluído nos seis dias da criação. 

Quando perguntado sobre a legalidade do divórcio, Jesus responde: “Vocês não leram que aquele que os criou desde o princípio os fez homem e mulher” (Mateus 19:4). 

A frase desde o início não é apenas uma referência ao início da humanidade, mas é uma referência a toda a própria criação. 

Além disso, Jesus conecta o sexto dia da criação ao princípio. Isso faz todo o sentido se todo o relato da criação em Gênesis 1 aconteceu em seis dias literais. 

Por outro lado, esta frase não faz sentido se houvesse um enorme intervalo de tempo entre Gênesis 1:1 e Gênesis 1:2, já que Adão e Eva estariam muito distantes desde o início.

Evolução teísta. 

Esta é a crença de que Deus usou a evolução darwiniana para guiar o desenvolvimento da vida. Mas, será isso correto?

Resposta. A evolução darwiniana não é compatível com o relato de Gênesis sobre a criação.

Primeiro, diz-se que o processo de evolução contém morte e sofrimento à medida que as várias formas de vida evoluíram ao longo do tempo. 

As espécies que eram aptas para a sobrevivência continuaram sua existência e continuaram a evoluir, enquanto as espécies impróprias para a sobrevivência morreram. 

Se isso fosse verdade, não faria sentido para Deus ver tudo o que Ele fez como “bom” durante o processo de criação (Gênesis 1:12, 18, 21, 25). Nem faz sentido que Ele a chame de “muito boa” quando terminou (Gênesis 1:31). 

Toda morte é o resultado do pecado de Adão, não entrou no mundo até a Queda no Jardim do Éden (Romanos 5:12). 

As Escrituras ensinam claramente que a natureza volátil da criação que testemunhamos hoje é o resultado do pecado da humanidade; não era assim quando Deus o criou (Romanos 8:20-22).

Segundo, o próprio conceito de uma forma de vida evoluindo para um “tipo” diferente não é bíblico nem científico. 

Gênesis revela que Deus criou todas as formas de vida para reproduzir conforme sua espécie (Gênesis 1:11, 21, 24). A evolução darwiniana ensina o oposto; um tipo de forma de vida dá origem a muitos tipos diferentes. 

Todos os dias observamos a demonstração do princípio bíblico da reprodução; pessoas produzem pessoas, cachorros produzem cachorros, macieiras produzem outras macieiras, etc. outro.

 A abordagem poética/alegórica. 

A terceira abordagem comum para reinterpretar o Gênesis é afirmar que o relato da Criação é poesia e nunca teve a intenção de ser interpretado literalmente. Em vez disso, o autor supostamente pretendia comunicar várias verdades teológicas por meio da poesia. O recurso poético, o Paralelismo Hebraico, é frequentemente citado em apoio a essa visão.

Mas, então, isso é certo?

Resposta. Moisés, que escreveu os primeiros cinco livros da Bíblia, não tratou o relato da Criação como poesia. 

Quando Deus deu o mandamento aos israelitas sobre sua semana de trabalho (Êxodo 20:8-10), Ele referiu o relato da Criação como o motivo, afirmando: “Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que está neles e ao sétimo dia descansou” (Êxodo 20:11). 

Observe que Deus não está se referindo a um cronograma vago para os israelitas modelarem sua semana de trabalho. A mesma palavra hebraica, yom,que é usado para os dias da semana dos israelitas, também é usado para descrever a obra de Deus durante a criação. 

O contexto deixa claro. Deus ordenou aos israelitas que trabalhassem dentro do mesmo prazo que Ele fez durante a criação.

Acima de tudo, a palavra de Deus é mais importante

Vale a pena reservar um momento para dizer que sempre que essa discussão for feita, todos os cristãos devem estar preparados para discutir esses assuntos com amor, graça e paciência uns para com os outros. 

Amar uns aos outros é mais importante do que defender um ponto ou ganhar uma discussão, mas não à custa da verdade. 

Podemos amar uns aos outros enquanto permanecemos firmes na autoridade da Palavra de Deus. Há muitos cristãos bem-intencionados que tentam reinterpretar Gênesis porque acreditam que a Palavra de Deus tem autoridade, mas também acreditam que as afirmações seculares de que as origens do Universo são fatos irrefutáveis. 

Infelizmente, quando tentamos estender um ramo de oliveira para ambos os lados, apenas comprometemos a autoridade da Palavra de Deus e cedemos à palavra de pessoas pecadoras e falíveis. Isso é evidente no fato de que apenas tentamos adaptar a Palavra de Deus às reivindicações da ciência secular.

As afirmações da “ciência” não são tão autorizadas quanto somos levados a acreditar, especialmente no que diz respeito às origens do nosso universo. 

Ninguém refuta as observações científicas registradas nas condições atuais de nosso mundo. A questão de nossas origens, no entanto, não é uma ciência que possa responder. 

Deus criou nosso universo sob condições sobrenaturais que não refletem suas condições atuais. 

O autor de Hebreus deixa claro que Deus criou tudo pelo poder de Sua palavra para que “o que se vê não foi feito do que é visível ” (Hebreus 11:3). 

As pessoas são falíveis, mas Deus não. Sempre que houver um conflito entre a Palavra de Deus e a palavra do homem, a escolha sábia é tomar a palavra de Deus sobre a do homem (Provérbios 3:5-6). 

Autor Stephen Baker do site Crosswalk.

Botão Voltar ao topo