Quem eram os coatitas na Bíblia?

Os coatitas constituíam uma das quatro principais subdivisões dos levitas mencionadas no Antigo Testamento, sendo suas origens de Coate, filho de Levi. No período em que Israel vagou pelo deserto após o Êxodo do Egito, os coatitas desempenharam uma função crucial no culto e no serviço associado ao Tabernáculo.

A Linhagem Familiar de Coate

Para entender a origem dos coatitas, é fundamental explorar a sua linhagem familiar. Coate, um dos quatro filhos de Levi e descendente do patriarca Jacó (conforme registrado em Gênesis 46:11 e Êxodo 6:16), desempenha um papel central nesse contexto. Os irmãos de Coate eram Gérson, Merari e Joquebede.

Levi, uma das doze tribos de Israel, representava a tribo sacerdotal. Durante o Êxodo, os levitas foram designados por Deus para o serviço no Tabernáculo em detrimento das atividades militares, conforme descrito em Números 1:47-53. Essa distinção honorária derivada das ações de Levi contra a idolatria, conforme relatado em Êxodo 32.

Como descendentes de Levi, Coate e seus irmãos Gérson e Merari herdaram responsabilidades sacerdotais. Cada filho formou um clã correspondente, denominado coatitas, gersonitas e meraritas.

Entre os quatro filhos de Coate mencionados em Êxodo 6:18, Anrão destacou-se como o mais proeminente, tornando-se pai de Arão, Moisés e Miriam (Êxodo 6:20). Arão desempenhou o papel de primeiro sumo sacerdote, e seus descendentes, conhecidos como amramitas, lideraram a adoração em Israel.

Dessa forma, os coatitas atribuíram suas responsabilidades a Coate, filho de Levi, e a Anrão, pai de Arão, o sumo sacerdote. Essa linhagem sacerdotal moldou o papel dos coatitas em relação ao Tabernáculo ao longo das gerações.

Deveres e Serviço do Tabernáculo

Os coatitas desempenhavam funções especiais vinculadas ao lugar de culto de Israel, o Tabernáculo portátil erigido no Monte Sinai.

Durante o êxodo, quando o Tabernáculo foi desmontado para ser transportado, os coatitas tinham a responsabilidade crucial de carregar os elementos mais sagrados do Tabernáculo. Isso é descrito em Números 3:27-32.

A Arca da Aliança, símbolo do trono terreno e da presença de Deus entre Seu povo, era central em suas atribuições (Números 3:31).

Dada a extrema santidade associada à Arca, os coatitas a transportavam utilizando postes, evitando contato direto conforme prescrito em Êxodo 25:12-15. A manipulação desse objeto sagrado pode resultar em consequências graves, conforme ilustrado em 1 Crônicas 15:2, 13-15.

Além da Arca, os coatitas tinham a responsabilidade de cuidar de outros elementos do Tabernáculo, incluindo a menorá, o altar de incenso, a mesa para os pães da proposição. Além disso, as cortinas internas e o véu também faziam parte de suas atribuições (Números 3:31, 4:4-5).

Antes de iniciar suas jornadas, esses artefatos sagrados foram cuidadosamente protegidos por Arão, o sumo sacerdote, conforme mencionado em Números 4:5-6. Os coatitas observaram com meticulosidade as instruções divinas ao movimentar esses objetos sagrados.

Divisão de Trabalho

A distribuição de responsabilidades reflete o ordenamento divino para o transporte do Tabernáculo. Os coatitas assumiam a carga de móveis mais sagrados, enquanto os gersonitas eram encarregados das cortinas, coberturas e do pátio externo, conforme indicado nos Números 3:25-26.

Por sua vez, as meraritas tinham a responsabilidade de transportar a estrutura, os encaixes, os pilares e as estacas do Tabernáculo, conforme registrado em Números 3:36-37.

Manutenção e Montagem Contínua

Além do transporte, os coatitas desempenharam um papel crucial na manutenção do Tabernáculo. Realizamos inspeções regulares nos móveis sagrados, prevenindo o desenvolvimento de mofo e outros danos decorrentes do armazenamento, conforme indicado nos Números 4:4.

Durante a montagem do Tabernáculo, os coatitas assumiram a função de “guardiões da carga dos santuários” (Números 3:38), colaborando com os sumos sacerdotes para posicionar melhor os móveis no Lugar Santo e no Lugar Santíssimo.

Este papel distinto de zelar pelos objetos mais sagrados do Tabernáculo destaca a confiança especial que Deus depositou nos coatitas.

Principais eventos envolvendo coatitas

Além de suas responsabilidades cotidianas, os coatitas desempenharam papéis importantes em diversos eventos cruciais durante a peregrinação de Israel pelo deserto e na entrada em Canaã. Sua participação nestes acontecimentos ressalta sua contribuição fundamental na vida de adoração da nação da aliança de Deus.

1. Transportando a Arca através do Jordão:

No livro de Josué, capítulo 3, os coatitas desempenharam um papel vital ao transportar a Arca da Aliança à frente dos israelitas enquanto cruzavam o rio Jordão em direção à Terra Prometida. O milagre da divisão das águas (Josué 3:17) ecoou o ocorrido no Mar Vermelho durante o Êxodo.

O zeloso transporte da Arca pelos coatitas trafegou uma conexão entre o primeiro ato de liberação divina de Israel e sua entrada triunfal em Canaã.

2. Marchando ao redor de Jericó:

Em Josué, capítulo 6, os coatitas novamente desempenharam um papel crucial ao transportar a Arca da Aliança durante uma estratégia divinamente instruída de cercar silenciosamente Jericó.

A obediência dos coatitas à ordem de Deus, transportando a Arca à frente da procissão, foi essencial para a queda milagrosa dos muros da cidade (Josué 6:20).

3. Transferindo a Arca para Jerusalém:

Após a captura de Jerusalém por Rei Davi, a transferência da Arca da Aliança para a cidade foi uma prioridade. No entanto, uma tentativa inicial de imprópria de transporte, utilizando um carro de boi em vez de varas, comprovada na morte de Uzá devido à irreverência (1 Crônicas 13:6, 13:10).

Esse evento solene enfatizou a importância dos coatitas seguir as instruções divinas ao manusear o Arca.

4. Construção e Serviço do Templo:

Posteriormente, sob o reinado de Salomão, os coatitas desempenharam um papel crucial na construção do Templo em Jerusalém, que substituiu o Tabernáculo portátil (1 Crônicas 23:12; 2 Crônicas 34:12).

Continuando seus deveres desde a era do Tabernáculo, os coatitas forneceram músicos e cantores formados para liderar a inspiração no Templo (1 Crônicas 6:31-32).

Na dedicação do Templo, eles desempenharam alegremente seu papel nas celebrações enquanto transportavam a Arca para seu novo local no Lugar Santíssimo (2 Crônicas 5:4-6, 12-13).

O que podemos aprender com os Coatitas na Bíblia?

Os coatitas na Bíblia oferecem diversas lições valiosas para os leitores. Aqui estão alguns ensinamentos que podemos extrair de suas histórias e responsabilidades:

1. Obediência às Instruções Divinas: Os coatitas exemplificam a importância da obediência às instruções divinas. Seu papel no transporte da Arca da Aliança e outros objetos sagrados protegidos, precisão e estrita aderência aos comandos de Deus. Isso destaca a necessidade de obedecermos fielmente às orientações de Deus em nossas próprias vidas.

2. Respeito pela Santidade de Deus: O zelo dos coatitas ao manusear a Arca, evitando o contato direto e seguindo rigorosamente os protocolos divinos, demonstra um profundo respeito pela santidade de Deus. A reverência diante do sagrado é uma lição importante que podemos aplicar em nosso culto a Deus.

3. Fidelidade em Deveres Designados: Ao longo das diferentes fases da história de Israel, os coatitas foram fieis aos seus deveres designados. Seja no deserto durante o êxodo, nas conquistas de Canaã ou na construção do Templo em Jerusalém. Essa fidelidade ilustra a importância de cumprir nossas responsabilidades com diligência e constância.

4. Participação nos Planos Divinos: Os coatitas estiveram envolvidos em eventos significativos na história de Israel, como a travessia do Jordão, a queda de Jericó e a construção do Templo. Sua participação destaca que cada indivíduo tem um papel exclusivo nos planos divinos. Além disso, cada serviço, por menor que apareça, pode contribuir para a realização dos propósitos de Deus.

5. Adaptação a Mudanças: Os coatitas tiveram que se adaptar às diferentes fases da jornada de Israel, seja no deserto, na conquista de Canaã ou na transição do Tabernáculo para o Templo. Sua capacidade de se ajustar a diferentes situações destaca a importância da flexibilidade e adaptação em nossa própria vida espiritual.

André Lourenço

Bacharel em Teologia, Graduado em Gestão da Qualidade e Pós Graduando em Psicologia nas Organizações, André possui mais de 17 anos de experiência na pregação e ensino da Bíblia. É Professor de cursos de Homilética e Hermenêutica. Já escreveu centenas de estudos bíblicos e ministra aulas na EBD. Se considera um eterno aprendiz e apaixonado por Compartilhar a Palavra de Deus!

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!