Estudo sobre Davi: História de um pastor que se tornou rei

O rei Davi é um dos personagens mais conhecidos da Bíblia. Sua história repleta de emoções, oferece muitas lições de vida. Ele é conhecido por muitos títulos: conquistador, homem segundo o coração de Deus, músico, pastor e guerreiro. 

Foi mais escrito sobre Davi do que qualquer outro personagem bíblico. Sessenta e seis capítulos são dedicados a ele. Além disso, há cinquenta e nove referências a ele no Novo Testamento. 

Qual importância você acha que o rei Davi teve para Israel?

O rei Davi foi um importante líder bíblico, considerado o segundo rei de Israel e Judá, após Saul. Ele nasceu em Belém e foi ungido como rei por Samuel, o último dos juízes de Israel, ainda quando era jovem.

Davi também é conhecido por sua coragem, fé e habilidades militares, e por unir as tribos de Israel sob um governo centralizado. Durante seu reinado, que durou cerca de 40 anos, ele conquistou Jerusalém e a tornou a capital de seu reino, estabeleceu a adoração a Yahweh como a religião oficial do país, organizou o sacerdócio e os levitas, e deixou um vasto legado poético, incluindo muitos dos Salmos da Bíblia.

No entanto, Davi também teve falhas e cometeu graves pecados, como adultério e assassinato. Mesmo assim, ele é reverenciado como um dos mais importantes líderes da história de Israel e uma figura central do Antigo Testamento da Bíblia.

Dado esse resumo introdutório, agora vamos nos aprofundar nosso estudo na história de Davi e explorar algumas lições.

Quem foi Davi: 14 Fatos sobre o “homem segundo o coração de Deus

davi homem segndo o coração de Deus 1 samuel

A Bíblia nos dá muitas informações sobre o rei Davi. Entre 1 Samuel, 2 Samuel, Salmos e 1 Crônicas, você poderia praticamente escrever sua biografia! 

Uma curiosidade: Você sabia que “Davi” é o nome humano que mais aparece na Bíblia depois do Nome Jesus? Cerca de 901 vezes aparece seu nome na Bíblia.

Aqui estão algumas das coisas importantes sobre quem foi Davi e sua história na Bíblia.

1. Davi era da tribo de Judá

As 12 tribos de Israel descendem dos 12 filhos de Jacó e, com exceção de Levi, cada tribo controlava um território específico dentro da nação de Israel. Judá foi o filho que “prevaleceu sobre seus irmãos” (1 Crônicas 5:2), e enquanto Saul – o primeiro rei de Israel – era da tribo de Benjamim, Judá se tornou a tribo dos reis.

O território de Judá incluía a cidade de Jerusalém. Quando Davi se tornou rei, ele estabeleceu Jerusalém como capital da nação e sede de Deus, alterando permanentemente a importância de Judá na vida e cultura judaicas. 

A linhagem de Davi governou em Jerusalém por cerca de 400 anos, até que o rei Nabucodonosor capturou a cidade e quebrou a linhagem dos reis.

2. Davi era bisneto de Rute e Boaz

O Livro de Rute é uma história de amor e redenção. Ele usa os relacionamentos entre um homem chamado Boaz, uma mulher chamada Rute e sua sogra, Noemi, para pintar um quadro da compaixão de Deus por Israel.

Davi é descendente direto de Rute e Boaz. Várias passagens registram sua linhagem, e todas apontam que ele era filho de Jessé, que era filho de Obede, que era filho de Boaz e Rute – fazendo dele o bisneto desse casal significativo (1 Crônicas 2:12).

Ao longo de sua vida, Davi foi frequentemente o veículo que Deus usou para demonstrar sua compaixão e redimir seu povo. Após sua morte, ele se tornou um símbolo do relacionamento único de Deus com Israel e a redenção que ainda estava por vir.

3. Davi era o caçula de sete filhos (ou tinha sete irmãos)

Depois que ele terminou a obra da criação, Deus descansou no sétimo dia e o santificou (Gênesis 2:3). Como resultado, o número sete passou a representar completude e perfeição em todas as facetas da antiga cultura judaica. 

Vemos isso na Festa dos Tabernáculos, que ocorreu por sete dias no sétimo mês. O ano do Jubileu – quando as dívidas foram perdoadas e as propriedades devolvidas aos seus donos originais, entre outras coisas – ocorreu após sete ciclos de sete anos.

Os autores bíblicos apresentam representações ligeiramente diferentes da família imediata de Davi: ele era o sétimo filho de Jessé ou o oitavo (1 Crônicas 2:13-151 Samuel 16:10-11). Os estudiosos debatem se isso representa uma contradição ou se um dos irmãos de Davi foi simplesmente omitido, mas esse não é o foco. 

Davi não era o filho primogênito, posição privilegiada no judaísmo, e os autores pretendiam trabalhar no número sete, associando-o à santidade e ao plano perfeito de Deus para seu povo.

4. Davi era de Belém

Hoje, a maioria das pessoas associa a pequena cidade de Belém ao nascimento de Jesus. Mas séculos antes de Jesus, outro salvador veio desta cidade despretensiosa. O Evangelho de Lucas se refere a Belém como “a cidade de Davi” (Lucas 2:4), porque era bem conhecido que este era o antigo território de Davi, e foi onde Samuel o ungiu rei do povo de Deus.

Enquanto os leitores modernos geralmente foquem no nascimento de Jesus numa manjedoura, ponderar sobre as implicações dessa manjedoura estar localizada em Belém – uma cidade que o povo judeu se relacionava a um dos eventos mais significativos de sua história, onde o seu rei mais importante teve origens humildes.

5. Davi era o “ungido” de Deus

A pessoa ungida por Deus era aquela escolhida por Ele para liderar e salvar o Seu povo. Quando os israelitas queriam um rei humano, o profeta Samuel ungiu Saul para mostrar que Deus o havia separado para esse papel especial:

“ENTÃO tomou Samuel um vaso de azeite, e lho derramou sobre a cabeça, e beijou-o, e disse: Porventura não te ungiu o SENHOR por capitão sobre a sua herança? – 1 Samuel 10:1

Anos mais tarde, quando Saul desobedeceu a Deus, Deus o rejeitou como rei (1 Sm 15:26). E era hora de Deus escolher outra pessoa. Então ele enviou Samuel a Jessé de Belém, dizendo-lhe: “Eu escolhi um de seus filhos para ser rei” (1 Samuel 16:1).

Anteriormente, Samuel havia profetizado a Saul: “O Senhor buscou um homem segundo o seu coração e o constituiu chefe do seu povo, porque você não obedeceu ao mandamento do Senhor” (1 Samuel 13:14). E quando Samuel pôs os olhos no filho mais novo de Jessé, o pastor Davi, o Senhor disse: “Levanta-te e unge-o; é esse.”

Quando Samuel ungiu Davi, isso não o tornou rei instantaneamente, mas sinalizou que ele era o escolhido do Senhor, e “daquele dia em diante o Espírito do Senhor veio poderosamente sobre Davi” (1 Samuel 16:13).

como era o trabalho do pastor de ovelhas nos tempos bíblicos

6. Davi era um pastor

Antes de ser rei, Davi era pastor. Foi por isso que ele não estava com seus irmãos quando Samuel veio ungir o próximo rei (1 Samuel 16:11). E quando os filisteus (e Golias) invadiram, Davi ficou dividido entre seus deveres como músico de Saul e suas responsabilidades de cuidar das ovelhas de seu pai (1 Sm 17:15).

Como pastor, Davi não apenas alimentava e conduzia as ovelhas de seu pai. Embora um pastor possa parecer uma posição inconsequente, ainda assim era perigoso. Ele matou ursos e leões para defender as ovelhas de seu pai. De fato, Davi cita sua experiência como pastor para convencer Saul por que ele pode derrotar Golias (1 Samuel 17:34–37).

Em seu confronto com Golias, Davi cuidaria do rebanho de Yahweh – o povo de Israel – e mais uma vez defenderia “as ovelhas de seu pai” do mal. Desta vez, o Senhor o resgataria de um inimigo do qual Saul e todo o seu exército estavam aterrorizados (1 Sm 17:11).

Mais tarde, Davi usou sua experiência como pastor para criar um dos retratos mais poderosos do relacionamento de Deus com seu povo, prenunciando o “bom pastor” Jesus (João 10:11):

“O Senhor é meu pastor, nada me falta… (Salmo 23)

7. Ele era músico

Muitos anos antes de Samuel ungir Davi e o Espírito do Senhor descer sobre ele, Samuel ungiu Saul, e o Espírito do Senhor veio sobre Saul (1 Samuel 10:1–6). Quando ele foi ungido, o Espírito do Senhor deixou Saul, e um espírito maligno começou a atormentá-lo (1 Sm 16:14).

Os servos de Saul acreditavam que um músico ajudaria a acalmá-lo sempre que o espírito viesse atormentá-lo. E aconteceu que Davi era um músico talentoso. Então Saul o trouxe, e o fez um de seus escudeiros (1 Samuel 16:23).

Deste ponto em diante, os deveres de Davi foram divididos entre cuidar das ovelhas de seu pai e tocar música para o rei.

8. Ele venceu o gigante

Talvez a maior reivindicação de fama de Davi tenha sido seu lendário confronto com o gigante filisteu Golias. Os exércitos israelita e filisteu alinhados em colinas opostas, Golias insultou os israelitas e os desafiou a decidir a batalha com um duelo: ele contra um deles (1 Sm 17:8-11).

Ninguém queria aceitar a oferta. Mas Davi veio ao acampamento israelita para tocar música para Saul, e ele ouviu as provocações de Golias. Ele também ouviu os israelitas falando sobre o que Saul daria à pessoa que derrotasse Golias (1 Samuel 17:23-27).

Golias não estava apenas provocando os israelitas. Ele estava desafiando o próprio Deus no próprio território de Deus. Todos os dias Israel recusava o desafio de Golias, eles admitiam que seu Deus não era páreo para os deuses dos filisteus. Davi não ia deixar isso continuar. Depois de convencer Saul a deixá-lo desafiar Golias, ele escolheu cinco pedras e saiu ao seu encontro.

Golias zombou dele e o amaldiçoou. E então Davi respondeu corajosamente matando Golias com uma única pedra, arremessada de sua funda. Ele decapitou Golias e tomou suas armas como troféus. (1 Samuel 17:41-51)

A história de Davi e Golias foi contada tantas vezes através da literatura e da arte que o confronto se tornou símbolos clichês de desfavorecidos, antagonistas brutais e histórias de superação de probabilidades impossíveis.

Entretanto, na Bíblia, essa não é uma narrativa de desvantagem. É uma história de fé. A fé de Davi tornou-se uma de suas características distintivas e o impulsionou a vencer uma série de inimigos após o enfrentamento com Golias.

9. Davi foi um grande guerreiro

Derrotar Golias marcou o início da vida de Davi como guerreiro. Aonde quer que Saul enviasse Davi, Deus ia com ele, e ele era bem-sucedido. E quanto mais bem-sucedido Davi se tornava, mais responsabilidade Saul lhe dava (1 Samuel 18:5).

Mas então as pessoas começaram a ver Davi como maior que Saul. Depois que os israelitas derrotaram os filisteus, as mulheres dançaram e cantaram:

“Saul matou seus milhares, e Davi suas dezenas de milhares”. 

1 Samuel 18:7

Compreensivelmente, isso fez com que Saul se sentisse ameaçado por Davi. À medida que a fama de Davi como guerreiro crescia, Saul o temia cada vez mais. Esse medo levou Saul a expulsar seu maior patrimônio. Ele tentou matar Davi em várias ocasiões e se tornou seu inimigo constante.

Depois que Saul morreu em batalha com os filisteus, Davi guerreou contra o comandante de Saul, Abner, e o último filho de Saul, Is-Bosete, a quem Abner havia feito rei de Israel.

Eventualmente, Davi se tornou rei e continuou seu legado como um grande guerreiro.

10. Ele foi o maior rei de Israel

Apesar de ser ungido para governar o povo de Deus, Davi teve um longo e árduo caminho para a realeza. Mesmo depois que Saul morreu em combate, aqueles leais a ele não iriam apenas entregar o reino a Davi. Lembre-se, Saul também foi ungido. E Davi estava vivendo e lutando pelos filisteus – os israelitas inimigos jurados.

Quando Saul morreu, a tribo de Judá ungiu Davi como seu rei (2 Sm 2:4), mas Abner, filho de Ner, comandante do exército de Saul, fez de Is-Bosete, filho de Saul, rei sobre todo o Israel. Assim, havia dois reis e dois reinos: Is-Bosete tornou-se o segundo rei de Israel, e Davi governou Judá.

Infelizmente para Isbosete, seu reinado durou pouco. E enquanto ele e Abner estavam em guerra com Davi durante todo o tempo em que ele estava no poder, Is-Bosete não morreu pelas mãos de Davi. 

Ambos Is-Bosete e Abner foram assassinados. Abner foi assassinado por vingança, e Davi amaldiçoou seus assassinos e lamentou sua morte. Is-Bosete foi assassinado por israelitas que pareciam estar tentando ganhar o favor de Davi. Quando eles vieram a Davi com suas “boas novas”, ele os executou por seu crime.

Com a família de Saul fora de cena, os anciãos de Israel se reuniram com Davi e o ungiram rei sobre todo o Israel quando ele tinha trinta anos (2 Samuel 5:3-4).

Durante o reinado de Saul, Jerusalém foi capturada e a Arca da Aliança estava em Judá. Quando Davi se tornou rei, ele retomou a fortaleza de Sião (que ficou conhecida como a Cidade de Davi), conquistou Jerusalém e devolveu a Arca à cidade.

Como rei de Israel, Davi venceu inúmeras batalhas e fez de Israel uma nação formidável, expandindo seu território e poder militar, ao mesmo tempo em que apontava seu povo para Deus.

11. Davi era um homem segundo o coração de Deus

Antes de ungir Davi, o profeta Samuel repreendeu Saul e o advertiu que “o Senhor buscou um homem segundo o seu coração” (1 Samuel 13:14). Davi é a única pessoa mencionada desta forma na Bíblia. Mas a Bíblia não nos diz explicitamente o que Samuel quis dizer com isso. 

É possível que ele simplesmente quis dizer que Davi se importava com as coisas com as quais Deus se importava. Também é possível que aprendamos algo sobre o caráter de Deus através do caráter de Davi.

Parece que Samuel chamou Davi de “um homem segundo o coração de Deus” por causa de sua obediência.

12. Ele viveu por volta de 1.000 aC

A Bíblia não diz explicitamente quando Davi viveu, mas muitos estudiosos acreditam que ele existiu por volta de 1.000 aC. 

Uma inscrição em pedra conhecida como Tel Dan Stele data do final do século IX ou início do século VIII aC, e se refere à “Casa de Davi”. Outra inscrição de cerca de 840 aC (a Estela de Moab), também pode se referir a Davi. Partes de 1 e 2 Samuel foram escritas já nos séculos VII e VI aC, provavelmente usando relatos anteriores como fontes.

13. Davi teve (pelo menos) oito esposas

Davi teve inúmeras esposas e concubinas. A Bíblia menciona oito esposas, mas é possível que ele tenha tido mais. Elas são:

  1. Ainoan de Jezreel
  2. Abigail (a viúva de Nabal do Carmelo)
  3. Maaca filha de Talmai rei de Gesur
  4. Hagite
  5. Abital
  6. Eglah
  7. Mical (filha de Saul)
  8. Bate-Seba

A Bíblia não dá uma lista abrangente das esposas de Davi, mas 2 Samuel 3:2-5 nos diz os nomes de seus filhos, bem como seis de suas esposas, e ele se casa com Mical (1 Samuel 18:27) e Bate-Seba (2 Sm 11:27) em outras passagens.

14. Ele escreveu cerca de metade do Livro dos Salmos

Davi era um músico talentoso. Mas ele também colocou sua criatividade dada por Deus para trabalhar como compositor. Ao longo da narrativa do Antigo Testamento, vemos Davi escrever lamentos e canções para comemorar momentos importantes e expressar emoções profundas, como quando ele descobre que Saul e Jônatas morreram (2 Samuel 1:19-27).

De acordo com o Texto Massorético (baseado na antiga tradição judaica), Davi escreveu 73 do total de 150 Salmos. A Septuaginta (uma grande tradução inicial do Antigo Testamento) e a Vulgata Latina (uma tradução latina da Bíblia do século IV) incluem Salmos adicionais e aproximam o número atribuído a Davi de 85.

Embora Salmos seja muitas vezes (erroneamente) considerado o maior livro da Bíblia, Davi na verdade não escreveu muito da Bíblia em comparação com autores como Moisés, Esdras, Lucas, Jeremias e Paulo. Cada um deles escreveu pelo menos 32.000 palavras, e todo o livro de Salmos tem apenas 30.000!

História de Davi resumida

A Cidade de Belém na Bíblia - Cidade de Davi

O início da vida de Davi

Davi nasceu em Belém, na terra de Judá, por volta do ano de 2854 (907 A.C), na época dos profetas. Ele era o caçula de sete filhos, e apenas 10 gerações de Judá. Ele também era descendente de Rute, a famosa convertida moabita.

Um jovem ruivo, olhos brilhantes e bonito, ele costumava cuidar das ovelhas de seu pai, Jessé. Agora, o povo havia recentemente ungido Saul como o primeiro rei de Israel. Mas Saul logo pecou perdendo a graça divina.

Foi nesse contexto que o profeta Samuel, guiado por Deus, ungiu Davi como o futuro rei de Israel, marcando assim o início de sua jornada rumo ao trono.

A Ascensão e Queda de Saul

Saul, foi a escolha do povo para ser rei. Ele começou forte. Mas declinou lentamente até que sua vida terminou tragicamente e em desgraça.

“Então disse Samuel a Saul: Procedeste nesciamente, e não guardaste o mandamento que o SENHOR teu Deus te ordenou; porque agora o SENHOR teria confirmado o teu reino sobre Israel para sempre; Porém agora não subsistirá o teu reino; já tem buscado o SENHOR para si um homem segundo o seu coração, e já lhe tem ordenado o SENHOR, que seja capitão sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o SENHOR te ordenou.” 

1 Samuel 13:13-14

Deus rejeitou Saul como rei.

Era hora de Deus intervir. Era hora de Deus colocar um homem segundo seu coração no trono. E Ele usaria Samuel para ajudá-lo a fazer exatamente isso.

“Agora o Senhor disse a Samuel: Até quando você sofrerá por Saul, já que eu o rejeitei como rei de Israel? Encha seu chifre com óleo e vá; Enviar-te-ei a Jessé, o belemita, porque escolhi para mim um rei entre os seus filhos.”

1 Samuel 16:1
pastor de ovelhas

O “Campo de Treinamento” de Deus para Davi

O pai de Davi o havia enviado aos campos para cuidar do rebanho da família. No entanto, ali Deus o preparava para o futuro.

Ele passava horas sozinho cuidando de ovelhas. Ali ele aprendeu o significado de sobreviver na natureza. Ele dormiu sob o manto da escuridão. Aprendeu a suportar a mudança das estações e resistir aos elementos. Certamente, a solidão era sua companheira constante.

Sem dúvida, ele teve muitas conversas com Deus enquanto vivia sozinho na solidão. Podemos ver a prova disso em seus escritos nos Salmos.

Davi também viveu em completa anonimato.

Homens e mulheres de Deus, líderes em formação, são primeiramente desconhecidos, invisíveis, não apreciados e aplaudidos. Nas demandas implacáveis ​​do anonimato, o caráter é construído. Por mais estranho que pareça, aqueles que primeiro aceitam o silêncio do anonimato são os mais qualificados para lidar com os aplausos da popularidade. (Chuck Swindoll)

Chuck Swindoll descreve um dos métodos favoritos de treinamento de Deus como monotonia:

“Isso é ser fiel nas tarefas cotidianas, insignificantes, rotineiras, regulares, desinteressantes, monótonas da vida. Apenas a vida monótona e simples. Apenas horas constantes, imutáveis ​​e intermináveis ​​de monotonia cansada enquanto você aprende a ser um homem ou mulher de Deus… sem mais ninguém por perto, quando ninguém mais percebe, quando ninguém se importa. É assim que aprendemos a ‘reinar”.

Davi é ungido

Samuel seguiu as instruções do Senhor apesar de seus temores. Ele foi para a casa de Jessé. 

Primeiramente, Samuel viu seu filho Eliabe. Com base em sua aparência, ele pensou que certamente Eliabe seria a escolha do Senhor.

“Mas o Senhor disse a Samuel: Não olhe para a sua aparência nem para a altura da sua estatura, porque eu o rejeitei; porque Deus não vê como o homem vê, pois o homem vê a aparência, mas o SENHOR vê o coração.”  1 Samuel 16:7

Após indagar, Samuel descobre que Jessé tem mais um filho, o mais novo, que está cuidando das ovelhas.

“Então Samuel disse a Jessé: Envie e traga-o; pois não nos sentaremos até que ele venha aqui. Então ele o enviou e o trouxe… […] E o Senhor disse: Levanta-te, unge-o; pois este é ele.’” (1 Samuel 16:11b-12)

“Então Samuel tomou o chifre de óleo e ungiu-o no meio de seus irmãos; e o Espírito do Senhor desceu poderosamente sobre Davi daquele dia em diante. E Samuel se levantou e foi para Ramá”. (1 Samuel 16:13)

De acordo Josefo, o historiador: “Samuel, o idoso, sussurrou em seu ouvido [de Davi] o significado do símbolo: ‘Você será o próximo rei”.

Davi foi ungido rei enquanto Saul ainda estava no trono.

Davi e Golias

Davi e Golias

Naquela época, o rei Saul estava lutando contra os filisteus, inimigos de longa data de Israel.

No vale de Elah, os dois exércitos estavam prontos para a batalha, com nada além de uma colina separando-os. Os filisteus superavam em muito o exército de Saul.

Um gigante filisteu, Golias, apareceu na colina, e suas palavras vieram rugindo como um trovão:

E parou, e clamou às companhias de Israel, e disse-lhes: Para que saireis a ordenar a batalha? Não sou eu filisteu e vós servos de Saul? Escolhei dentre vós um homem que desça a mim. Se ele puder pelejar comigo, e me ferir, a vós seremos por servos; porém, se eu o vencer, e o ferir, então a nós sereis por servos, e nos servireis.

1 Samuel 17:8-9

A visão do gigante feroz, seis côvados e um palmo de altura, uma figura imponente na colina, vestido com armadura, ferro e bronze da cabeça aos pés, encheu os judeus de grande terror. Não havia um único homem no acampamento israelita que ousasse aceitar o desafio.

Dia após dia, durante 40 dias, este poderoso gigante apareceu na colina para repetir seu desafio, de manhã e à noite.

Então, o jovem Davi, cheio de coragem, aproximou-se do gigante com apenas um cajado, uma funda e cinco pedras. E com um tiro, ele matou o gigante onde estava. Ele começou a cortar sua cabeça e a apresentou ao rei Saul. Os filisteus que testemunharam este evento fugiram com medo. Então Davi se tornou um herói nacional. 

Para saber mais, veja nesse artigo a história de Davi e Golias.

As vitórias do rei Davi

Israel ainda estava cercado por muitas tribos hostis.

O rei Davi mantinha um exército permanente composto por 12 divisões, cada uma representando uma tribo de Israel. Cada divisão contava com 24.000 homens. Assim, o exército do rei Davi totalizou 288.000 homens. Davi sabia que antes que pudesse haver paz real para seu povo, ele teria que subjugar os inimigos vizinhos. Ele lutou e subjugou os filisteus, invadiu Moabe , matou a maioria de seus soldados e impôs um pesado tributo ao povo.

Então o rei Davi marchou contra Hadadezer, rei de Zoba na Síria, cujo império se estendia desde a vizinhança de Damasco para o leste até as fronteiras do Eufrates. Ele derrotou seus exércitos, submeteu seu povo e enviou o melhor de seus cavalos para Jerusalém.

Essa sucessão inigualável de vitórias não apenas estabeleceu o poder do rei Davi, mas também espalhou seu nome no exterior. Ele era considerado um dos governantes mais poderosos do Oriente.

O Grande Pecado do rei Davi

O Grande Pecado do rei Davi

“Então aconteceu na primavera, na época em que os reis  saem para a batalha… Mas Davi ficou em Jerusalém.” (2 Samuel 11:1)

A escolha de Davi de não ir para a batalha foi uma liderança fraca e não era sua prática habitual. Sua decisão foi uma escolha errada que preparou o terreno para sua devastadora queda.

E aconteceu que numa tarde Davi se levantou do seu leito, e andava passeando no terraço da casa real, e viu do terraço a uma mulher que se estava lavando; e era esta mulher mui formosa à vista.” (2 Samuel 11:2)

Primeiramente, ele a observou, depois perguntou sobre ela e por fim, a manda chamá-la.

“A mulher concebeu; e enviou e contou a Davi, e disse: Estou grávida. (2 Samuel 11:5)

Davi tramou para que seu marido fosse morto no campo de batalha para que ele pudesse tomar Bate-Seba como sua esposa.

Natã, o profeta, o repreendeu severamente. “Então Davi disse a Natã: Pequei contra o Senhor. E Natã disse a Davi: Também o Senhor tirou o teu pecado; não morrerás.” (2 Samuel 12:13)

Infelizmente, Davi e Bate-Seba perderam o filho que ela deu a Davi. 

“Então Davi consolou sua mulher Bate-Seba, e foi até ela e deitou-se com ela; e ela deu à luz um filho, e ele o chamou de Salomão. Agora o Senhor o amou e enviou uma mensagem por meio do profeta Natã, e ele o chamou de Jedidias [“Amado do Senhor”] por amor do Senhor”. (2 Samuel 12:24-25)

A Morte do Rei Davi

“Davi dormiu com seus pais e foi sepultado na cidade de Davi. Os dias em que Davi reinou sobre Israel foram quarenta anos; sete anos reinou em Hebrom e trinta e três anos reinou em Jerusalém.” (1 Reis 2:10-11)

“E Salomão sentou-se no trono de Davi, seu pai, e seu reino foi firmemente estabelecido.” (1 Reis 2:12)

Mais de 400 anos separaram os eventos finais e a profecia final registrada no Antigo Testamento das ações iniciais narradas no Novo Testamento.

Porque não havia palavra profética de Deus durante este tempo, esse período às vezes é chamado de “os quatrocentos anos silenciosos”. 

Embora, Deus estivesse em silêncio, a mão dEle estava dirigindo ativamente o curso dos eventos durante esses séculos.

“Assim, todas as gerações de Abraão a Davi são catorze gerações; de Davi à deportação para a Babilônia catorze gerações; e desde a deportação para a Babilônia até o Messias, catorze gerações”. (Mateus 1:17)

“Assim diz o Senhor dos Exércitos: A tua casa e o teu reino durarão para sempre diante de mim; seu trono será estabelecido para sempre. De acordo com todas essas palavras e toda essa visão, Natã falou a Davi”. (2 Samuel 7:16-17)

Qualidades de Davi: 5 Características Notáveis ​​na Bíblia

Quem foi davi na bíblia

1. Prontidão para Reconhecer Suas Falhas

Já se perguntou por que a Bíblia é repleta de narrativas? Uma razão fundamental é nos ajudar a compreender a interação de Deus com as pessoas. Os personagens bíblicos, embora tenham feito coisas boas, também cometeram erros significativos. Através de seus sucessos e fracassos, podemos extrair lições valiosas, pois “a história se repete”, como diz o ditado.

Davi, como qualquer ser humano, cometeu erros graves. Não foram apenas pequenas falhas cotidianas, mas escolhas de grande impacto. Ao ceder à tentativa ao ver Bate-Seba, Davi transgrediu quase metade dos Dez Mandamentos, incluindo o assassinato de Urias. Contudo, a história não parou por aí; Davi reconheceu seus erros, como expresso no Salmo 51:3 (NVI), onde declara:

“Porque conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim”.

Esse reconhecimento, vindo de alguém em posição elevada, destaca a disposição de Davi em mudar para melhor.

2. Coragem Diante de Desafios

Enquanto Saul e seu exército ficavam atemorizados diante do gigante Golias, Davi, ao ouvir o desafio, ofereceu-se calorosamente para enfrentar o gigante, como narrado em 1 Samuel 17. Davi tornou-se o maior matador de gigantes, destacando que os heróis enfrentavam situações difíceis sem hesitar.

3. Habilidade de liderança

A habilidade de liderança de Davi, conforme descrita na Bíblia, é exemplar e inspiradora. Sua trajetória como pastor de ovelhas, cuidando do rebanho de seu pai, Jessé, demonstrou seu comprometimento e responsabilidade desde tenra idade.

No entanto, é notável que a liderança de Davi vai além de suas habilidades e talentos. Sua unção como rei por meio do profeta Samuel (1 Samuel 16:13), destaca a importância da espiritualidade e da orientação divina em seu papel de líder.

Sua famosa vitória sobre Golias, sustentada pela confiança em Deus e sua destemida abordagem (1 Samuel 17), ressalta a coragem e a fé que permeavam sua liderança. E, sua capacidade estratégica e coragem inspiraram seus liderados, mostrando que liderança vai além da estatura física.

Ao longo de seu reinado, Davi desafiou desafios e erros, mas sua habilidade de se arrepender e buscar a orientação divina ilustra a humildade em sua liderança (2 Samuel 12:13). A capacidade de aprender com suas experiências, manter a conexão espiritual e liderança com integridade fazem de Davi um modelo de habilidade de liderança, enraizado na narrativa bíblica.

Além disso, Davi demonstrou paciência e respeito pela autoridade, mesmo quando Saul estava em decadência, conforme exemplificado em 1 Samuel 24:6, onde se decidiu a ferir o rei ungido por Deus. Essa atitude revela o equilíbrio entre coragem e respeito nas habilidades de liderança de Davi.

Seu reinado é marcado por sucessos e desafios, mas sua habilidade de liderança permanece uma fonte de inspiração e reflexão sobre qualidades cruciais para guiar e inspirar outros.

4. Paixão e Amor Profundo por Deus

Davi canalizou sua paixão por Deus desde jovem, enquanto cuidava das ovelhas. Sua fidelidade em cumprir essa tarefa simples foi a preparação de Deus para maiores desafios. Sua experiência com os desafios e ursos fortaleceu sua fé, evidenciando sua paixão e amor por Deus, que se tornaram frutíferos quando chamados para um propósito maior.

5. Força para Mudar

Consciente da mudança constante, Davi decidiu-se a aceitar menos. Apesar de seus erros, ele compreendeu que Deus ainda poderia usar para realizações notáveis. Sua humilde em Salmo 51:10 (NVI) — “Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito inabalável” — oração reflete a disposição de Davi para a mudança, tornando-se um homem segundo o coração de Deus.

3 Lições para aprender da Vida de Davi

maior rei de Israel - homem segundo coração de Deus

Aqui estão três lições importantes que podemos extrair da vida de Davi:

1. Dependência de Deus e humildade

Uma das características marcantes de Davi era a sua profunda dependência de Deus. Desde a sua juventude, quando enfrentou Golias, até o período em que se tornou rei, Davi frequentemente buscava orientação e força em Deus.

Sua humildade também é evidente quando ele reconheceu seus erros, como o caso de Bate-Seba e Urias, e buscou perdão. Essa lição nos lembra da importância de reconhecer nossa própria necessidade de orientação espiritual e sermos humildes em nossas ações.

2. Arrependimento e perdão

O episódio com Bate-Seba e Urias é um exemplo poderoso de arrependimento e perdão na vida de Davi. Quando confrontado com seu pecado, Davi demonstrou verdadeiro arrependimento e buscou a misericórdia de Deus.

A maneira como ele lidou com essa situação ilustra a importância de assumir a responsabilidade por nossas ações, arrepender-se sinceramente e buscar perdão. Essa lição nos ensina que todos cometemos erros, mas o verdadeiro caráter é revelado na maneira como lidamos com esses erros e buscamos reconciliação.

3. Perseverança através de desafios

A vida de Davi também foi marcada por diversos desafios e adversidades. Ele enfrentou a oposição de Saul, fugiu para o deserto e enfrentou batalhas contra inimigos. No entanto, ele não desistiu diante das dificuldades.

Mesmo quando enfrentou momentos difíceis, Davi continuou a confiar em Deus e buscar soluções. Essa perseverança nos lembra da importância de enfrentar os desafios da vida com determinação e fé, confiando que podemos superar as dificuldades com a ajuda de Deus.

Um versículo chave sobre Davi na Bíblia

Um dos versículos chave sobre Davi na Bíblia é encontrado em Atos 13:22 (NVI):

“Depois de tirá-lo [Saul] de seu meio, Deus fez Davi rei de Israel, sobre quem testemunhou: ‘Encontrei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração; ele fará tudo o que for da minha vontade’.”

Neste versículo, o apóstolo Paulo está falando em uma sinagoga em Antioquia da Pisídia, referindo-se à escolha de Deus de Davi como rei de Israel e destacando o fato de que Deus o descreveu como um homem segundo o Seu próprio coração. Isso enfatiza a relação especial que Davi tinha com Deus e como ele buscava fazer a vontade de Deus.

Esse versículo também sublinha a importância do coração em relação a Deus e como a disposição e a busca sincera por Deus podem impactar a maneira como somos vistos por Ele.

Estudo sobre a história do rei Davi

Estudos e Pregações sobre Davi

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo