Rute e Boaz: Uma bela história de amor com significado poderoso na Bíblia

O livro de Rute nem sempre recebe o respeito que merece. Escondido entre os livros de Juízes e 1 Samuel, pode se perder facilmente ao folhear o Antigo Testamento. Seus quatro capítulos não contam batalhas emocionantes ou milagres inspiradores. Em vez disso, Rute lê como uma história de amor inusitada. Quase parece fora do comum.

A história de Rute e Boaz é simples. Logo após sofrer a perda de seu marido e seus dois filhos, Noemi deve retornar para sua família em Belém. Rute, nora de Noemi, decide viajar com ela. É aqui que ela conhece Boaz, com quem acaba se casando. E por fim, o livro termina com um registro dos filhos, netos e bisnetos de Rute e Boaz. 

Embora este livro não contenha batalhas épicas ou demonstrações divinas de poder, Rute está repleta de significados. Além disso, tanto Rute quanto Boaz têm um impacto muito além dos quatro capítulos do livro. 

Rute e Boaz são pessoas importantes dentro do plano de salvação de Deus. Abaixo estão sete coisas que você deve saber sobre esses dois importantes personagens bíblicos.

Qual é a história de Rute e Boaz?

O livro de Rute começa com uma descrição da mudança de Noemi e Elimeleque para a nação de Moabe. Isto, devido a uma fome em Judá. Em Moabe, seus dois filhos, Malom e Quilion, casam-se com mulheres moabitas. Rute é uma dessas esposas. 

Os moabitas são rastreados até a linhagem de Ló, sobrinho de Abraão. Apesar desse vínculo familiar, porém, Moabe não fazia parte das 12 tribos de Israel. Eles eram uma nação separada. 

Assim, Israel e Moabe frequentemente brigavam por território. De fato, o livro de Juízes especificamente chama os moabitas de “inimigos” de Israel (Juízes 3:28). Isso ocorreu em parte porque Moabe adorava um Deus diferente dos israelitas. Enquanto Israel adorava a Deus, Moabe adorava a Quemós.

Isso significa que Rute era uma mulher estrangeira e não fazia parte do povo da aliança de Deus. Apesar disso, é por meio de Rute que a promessa da aliança de Deus se cumpre. 

Vemos este tema constantemente nas Escrituras. Deus escolhe “os loucos e os fracos” para abençoar o povo de Deus e estabelecer as promessas de Deus (1 Coríntios 1:27). Rute é um excelente exemplo disso.

Após a morte de Malom e Quilion, Noemi tenta liberar suas noras de qualquer obrigação com a família. Voltar para casa, argumenta Naomi, permitiria que elas se casassem novamente e começassem uma nova etapa em suas vidas. Orfa concorda e volta para sua família. Rute, no entanto, decide ficar com Noemi. 

Ela encontra uma maneira de sustentar sua sogra juntando sobras de grãos que os colhedores deixavam nos campos. Rute trabalhava incansavelmente do nascer ao pôr do sol coletando os grãos. Boaz era um homem rico que possuía os campos em que Rute colheu.

Deus no controle da história…

Boaz viu Rute e perguntou aos seus ceifeiros quem ela era e eles lhe contaram a história de Rute. Em sua bondade, Boaz disse a Rute que ela poderia trabalhar ao lado de seus ceifeiros. Boaz mostrou favor a Rute dando-lhe comida e proteção. 

Quando Boaz se casa com Rute, ele age como o “parente redentor” da família de Elimeleque. Esta era uma tradição profundamente arraigada em Israel. Se um homem morresse, deixando viúva e/ou filhos, cabia aos demais homens da família “resgatar” a viúva. Esta era uma forma de as famílias cuidarem da viúva e do órfão. 

Além disso, havia um forte incentivo econômico para isso. A sucessão de propriedades e posses dentro de uma família era crucial. A terra atribuída à tribo de Judá, por exemplo, não deveria ser dada à tribo de Zebulom. Assim, não só o ato de ser parente-redentor era importante para a proteção e cuidado da viúva, como também assegurava que a propriedade da terra não saísse da herança familiar tradicional.

Boaz reconhece que não está na linha de agir como um parente redentor. Boaz poderia ter ficado calado. Ele poderia simplesmente resgatar a propriedade, e Rute, sem interferência. 

Ele teria conquistado a mulher que amava e o benefício econômico da terra, sem ninguém saber. Em vez disso, ele escolhe permanecer honesto. 

Boaz procura o legítimo redentor e descreve a situação: “No dia em que você adquirir o campo das mãos de Noemi, você também estará adquirindo Rute, a moabita, a viúva do morto, para manter o nome do morto em sua herança” (4:5). 

O homem rejeita a alegação e então Boaz se casa com Rute. Em cada etapa dessa negociação, Boaz permanece franco e honesto, provando que é justo diante de Deus e dos outros.

O que mais sabemos sobre Boaz?

Boaz só recebe menção passageira fora do livro de Rute. Ele é descrito como “um homem rico proeminente, da família de Elimeleque” (Rt 2:1). 

Nada mais é mencionado sobre ele até lermos sua genealogia no final de Rute. Aqui lemos que o pai de Boaz se chamava Salmon. É no Evangelho de Mateus, no entanto, que ouvimos falar de sua mãe. Como parte da genealogia de Jesus, Mateus registra: “Salmom, pai de Boaz, de Raabe, e Boaz, pai de Obede, de Rute, e Obede, pai de Jessé” (Mateus 1:5). A Raabe mencionada é a mesma Raabe que escondeu os espiões israelitas em Jericó.

As genealogias bíblicas não necessariamente listam todos os nomes em sucessão. Assim, é possível que Raabe fosse avó ou mesmo bisavó de Boaz. 

O elemento importante, porém, é que Boaz é descendente direto dessa heroína da fé. Boaz testifica que Deus continua a trabalhar por meio de Raabe além da destruição de Jericó. 

Mais importante, isso mostra o grande arco do plano de salvação de Deus. Deus preparou o cenário para o nascimento do rei Davi gerações anteriores, no livro de Josué!

Rute e Boaz são os bisavós de Davi

Indiscutivelmente um dos maiores nomes do Antigo Testamento é o do Rei Davi

Davi é o maior dos reis, um estrategista militar incomparável e o autor de muitos dos Salmos. Mais do que tudo, Davi é descrito como “um homem segundo o coração de Deus” (1 Samuel 13:14).

Muitas das histórias famosas do Antigo Testamento detalham os altos e baixos da vida de Davi.

Davi é descendente de Rute e Boaz. Na verdade, o próprio livro termina com uma menção a Davi (4:21). 

Boaz e Rute desempenham um papel importante a este respeito. O casamento deles prepara o cenário para o grande rei de Israel e aquele de cuja linhagem viria o Messias. 

Isso significa que Rute e Boaz desempenham um papel fundamental na realização do amoroso plano de salvação de Deus.

Rute e Boaz são mencionados na linhagem de Jesus

O Evangelho de Mateus começa com uma genealogia. Mateus traça a linhagem terrena de Jesus até Adão. Muitos nomes são encontrados nesta genealogia, alguns bem conhecidos, outros menos. Surpreendentemente, Mateus faz questão de mencionar tanto Rute quanto Boaz.

Não podemos subestimar a importância disso. Jesus abraça continuamente aqueles que são considerados profanos ou impuros. Jesus toca aqueles que não deveria tocar e vai a lugares que nenhum judeu fiel iria. Ele oferece amor e perdão àqueles deixados de lado e considerados além do plano da sensibilidade religiosa.

Esse abraço do “outro” está enraizado não apenas em sua personalidade divina, mas também em sua personalidade terrena. 

Jesus nasceu da linhagem de Davi, o que significa que sua ascendência terrena inclui uma mulher moabita e uma prostituta de Jericó. 

Quão surpreendente é que a assunção da humanidade caída por Cristo vá até mesmo à linhagem familiar que ele adota na encarnação. Isso prova que não há nada que o amor e a graça de Deus não vença.

Vendo Deus na história de amor de Rute e Boaz

O livro de Rute não menciona nenhum ato aberto do Senhor. Deus é mencionado em cada capítulo, mas nunca parece falar ou agir. De fato, a única menção da ação do Senhor é encontrada no final do livro, onde se lê que “o Senhor permitiu que Rute concebesse” (4:13). Além disso, o Senhor parece um tanto ausente ao longo dos eventos do livro.

Uma das declarações mais provocativas do livro de Rute ocorre quando Rute vai colher um pouco de trigo. É aqui que ela conhece Boaz. A frase usada para descrever esse encontro casual é: “Como aconteceu” (2:3). Lê-se como uma ocorrência aleatória. Rute poderia ter conhecido qualquer pessoa nesse campo. No entanto, aconteceu que ela conheceu Boaz.

Esse encontro com Boaz pode ser facilmente descartado como mera coincidência. Quando consideramos as linhagens de Rute e Boaz, no entanto, e como seus descendentes preparam o caminho para os nascimentos de Davi e do Messias, isso dificilmente pode ser considerado um incidente aleatório. 

“Como aconteceu” é uma maneira maravilhosa de descrever a atividade de Deus, trabalhando nos bastidores para realizar os bons propósitos de Deus.

À primeira vista, o livro de Rute pode parecer nada mais do que um romance inusitado. Quando cavamos um pouco mais fundo, no entanto, encontramos uma história emocionante de Deus trabalhando para a salvação de seu povo. 

De maneiras criativas e emocionantes, Deus realiza os Seus propósitos por meio de circunstâncias e pessoas improváveis. 

O livro de Rute testifica que não há nada além da atividade redentora do Senhor. Mesmo quando pensamos que o Senhor está em silêncio, Deus está ativo. 

Que essas sete verdades, descritas acima, inspirem você a ler o livro de Rute e dessa forma, sinta sua fé encorajada.

Botão Voltar ao topo