4 lições que aprendemos com a proteção de Deus ao bebê Moisés

Você pode imaginar ser uma hebréia grávida vivendo no Egito durante a época de Moisés? Os egípcios não apenas “impiedosamente fizeram o povo de Israel trabalhar como escravos oprimindo suas vidas com serviço árduo”, mas também lemos no primeiro capítulo de Êxodo uma ordem para lançar no rio toda criança que nascesse menino.

Eles são escravizados sem esperança. Se houvesse alguma esperança, poderia ser ter um filho. Um jovem que pode perpetuar o nome de sua família, talvez um dia experimente a liberdade. Mas essa esperança agora seria frustrada. 

A gravidez tornou-se um momento de medo em vez de alegre esperança. Esta é uma situação horrenda e parece completamente contrária às promessas que Deus lhes fez em Gênesis 12:1-3. Eles não têm descanso, regra ou relacionamento. E não há indicação de que a situação deles se deva à sua própria rebelião. 

Talvez você esteja sentindo que sua situação é semelhante à do povo hebreu durante a escravidão egípcia. Onde você pode procurar esperança em uma circunstância tão terrível? Um lugar para se voltar é a história da proteção de Deus ao bebê Moisés. Nesta história, vemos as sementes de esperança que serão plenamente realizadas em Jesus Cristo e serão concretizadas no novo céu e na nova terra. 

Podemos aprender 4 lições na história da proteção de Deus ao bebê Moisés que podem nos ajudar hoje.

Qual é a história do bebê Moisés?

Após a morte de José, um novo faraó se levanta no Egito que não o conhecia. Na verdade, esse faraó em tinha medo do crescimento dos hebreus. Isso significa que quanto mais eles eram “frutíferos e se multiplicavam”, mais os egípcios os odiavam. Este faraó tem outra nação vivendo dentro de sua própria nação. Eles já haviam visto essas coisas levarem à revolta antes e, portanto, ele adota uma política para acabar com essa ameaça. Eles matariam crianças hebréias. 

Felizmente, “as parteiras hebréias temeram a Deus e não fizeram como o rei do Egito lhes ordenara, mas deixaram viver os meninos”. Isso apenas enfureceu o faraó, que intensificou sua política e a colocou nas mãos de todo o povo: “Todo filho que nascer dos hebreus lançarás no Nilo, mas deixarás viver toda filha”. E só para deixar claro, ele não está sendo gentil com as fêmeas – ele as mantém por perto para usá-las posteriormente. 

Em Êxodo 2, ouvimos falar de um jovem casal que decide esconder seu filho em vez de deixá-lo ser jogado no rio para morrer. Ela o coloca em um cesto e a envia rio abaixo. A criança flutua no rio abaixo e então, pela providência de Deus, a filha do Faraó avista o cesto. Ela pede a sua criada que verifique e descobre que na cesta tem uma criança. Com pena da criança que chora, ela a resgata. Mas ela não é capaz de amamentar esta criança e então eles chamam uma mulher hebréia para amamentar a criança. Pela graça de Deus, a própria mãe do bebê é a escolhida para cuidar desse bebê que seria adotado por essa poderosa família egípcia. 

Aquele bebê que descobrimos não é outro senão Moisés, aquele que se tornaria o salvador dos israelitas.

4 lições de Deus cuidando do bebê Moisés

Há muito que se pode aprender com esta história. Dentro da própria narrativa, devemos ler esta história de grande expectativa do resgate de Deus. 

Vemos na proteção de Deus ao bebê Moisés muito mais do que apenas o resgate de Moisés. É uma foto do nosso próprio resgate. Há quatro coisas que podemos aprender aqui com a proteção de Deus ao bebê Moisés. 

1. Existe um mal real no mundo e tem consequências dolorosas. 

Da perspectiva dos egípcios, suponho que os israelitas seriam os inimigos do mal. Era assim que o faraó teria enquadrado a situação. Como observa um comentarista, “joga com a tendência xenófoba universal dos povos de temer perder seus empregos, suas riquezas, suas terras e seu controle político para estrangeiros em seu meio”. 

Xenófobo significa simplesmente medo de outras nações, medo daqueles que não se parecem conosco, falam como nós e pensam como nós. E então o que o faraó faz é decretar uma política de escravidão e opressão em toda a dinastia contra esse grupo de pessoas. Caso precise ser declarado, esta é uma maneira perversa de pensar sobre outros portadores de imagem. 

A amarga escravidão que eles colocaram sobre as costas dos israelitas os teria separado de suas famílias por meses a fio. E quando isso não funcionou, eles começaram a matar seus filhos. Essas políticas são evidências do mal que os humanos podem perpetuar uns sobre os outros e dos sistemas malignos que eles podem criar. 

Mike Wilkerson disse bem: “O Egito foi um lugar de dor do berço ao túmulo. Eles se arrastaram por uma vida exaustiva que terminou em uma morte despercebida, apenas mais um corpo sem nome gasto e descartado.” Então ele traz para o nosso tempo dizendo: “Você também pode ter nascido em um lar inseguro ou disfuncional, ou treinado para acreditar em mentiras desde tenra idade”. 

Somos os israelitas ou os egípcios nesta história? De qualquer forma, existe um mal real neste mundo, mas felizmente Deus o está redimindo. 

2. Deus fará o que for necessário para cumprir Seu propósito de redenção.

Os egípcios queriam aniquilar o povo israelita. Deus já havia proposto redimir a humanidade por meio daquele que nasceria dos israelitas. O propósito de quem você acha que permanecerá? A história do Êxodo é sobre a poderosa mão de Deus na redenção de Seu povo. Vemos isso também na história do bebê Moisés sendo protegido. 

Um berço serve para proteger um bebê recém-nascido. Não foi criado exatamente para ser um barco (ou uma arca). Mas é assim que a Bíblia chama essa cesta. Eu aprecio como Ryken diz isso: “Em um momento da história, todo o plano de Deus para triunfar sobre o mal estava descendo o rio Nilo em uma pequena cesta de papiro”. 

A mão de Deus por trás do resgate de Moisés é inconfundível. O tempo para a cesta chegar exatamente no momento necessário para que essa jovem egípcia a descobrisse. A pessoa certa descobriu o bebê na hora exata e, em seguida, foi entregue à própria mãe do menino para amamentar. Essas coisas não são uma coincidência. Deus estava claramente trabalhando para salvar esta criança e colocá-la em uma posição instrumental dentro do Egito. Por quê? Porque Deus tinha o propósito de resgatar os israelitas. E ele propôs resgatar os israelitas porque havia proposto resgatar a humanidade por meio de Jesus Cristo. 

Podemos saber então, com certeza, que Deus vai cumprir Seu propósito de redimir todos aqueles que confiam em Cristo. Isso é uma certeza. E mesmo que haja momentos em que a esperança esteja por um fio, Deus ainda está trabalhando poderosamente. 

3. Deus usa meios/pessoas comuns para realizar Seus propósitos.

Certamente, Deus é o motor na história do Êxodo. Muitas vezes foi Deus, e somente Deus, quem agiu para resgatá-los. À medida que a história se desenrola, é claro que Deus, e somente Deus, é capaz de abrir o mar. Mas também é verdade que os israelitas tiveram que caminhar pelo mar. Da mesma forma, Deus está claramente trabalhando para preservar um bebê em uma cesta flutuando no Nilo. Mas há outros atores na história, pessoas comuns e anônimas que foram usadas para realizar o propósito de Deus. 

Um dos heróis dessa narrativa são as parteiras hebréias. Eles não impactaram diretamente a história de Moisés. Foi por causa de sua obediência e temor ao SENHOR que o perverso faraó intensificou seu plano ímpio e assassino. Mas foi por meio da obediência deles que Deus salvou muitas crianças israelitas. Ainda não sabemos seus nomes, mas são heróis. 

Da mesma forma hoje, Deus cumprirá Seu propósito na história. Mas ele chama nós, pessoas comuns, a fazer atos comuns de obediência para cumprir Seus propósitos. O resgate de Deus exigiu a fé de sua mãe para confiar este bebê à proteção do Senhor. Requeria a bondade da filha do faraó. Requeria a obediência de Miriam, bem como sua sabedoria. E mais uma vez exigiria a disposição das mães de Moisés em deixar seu bebê partir para o bem dele. 

4. O resgate de Moisés por Deus aponta para um resgate maior.

À medida que a história do Êxodo se desenrola, fica claro que Moisés é um  salvador, mas ele não é o Salvador. Ele não é aquele de quem foi dito que “esmagaria a cabeça da serpente”. O resgate de Moisés por Deus significou que o povo de Deus foi deixado para lutar outro dia. 

Mas ainda haveria muitas outras batalhas a serem travadas. Ainda haveria um deserto, uma geração de juízes e reis, uma miríade de profetas e falha após falha do povo em guardar a aliança de Deus. Haveria bezerros de ouro, reis adúlteros, vilões assassinos, falsos profetas e um exílio. Mas esse resgate de Moisés seria um precursor de outro filho que nasceria e seria “do Egito” que Deus chamaria Seu Filho. O resgate de Moisés levou ao nascimento de Jesus que levou ao resgate da humanidade. A obra de Deus neste resgate aponta para o Resgate Maior.

O que essa proteção significa em nossas vidas

Vamos olhar para esta história honestamente, no entanto. Houve algumas famílias que não conseguiram ver seu bebê salvo e depois criado pelos egípcios. Houve algumas gerações que viveram todos os dias de suas vidas em amarga escravidão. 

O mesmo é verdade hoje. As histórias da proteção de Deus não significam necessariamente que você terá proteção temporal hoje. Essas histórias apontam para algo muito maior no qual colocamos nossa esperança final. Às vezes não estamos “protegidos” pelo menos do ponto de vista desta vida. 

Então, como ainda podemos ter esperança? Se não podemos ter certeza de que a proteção de Deus para Moisés é uma promessa de que nós mesmos sempre estaremos seguros e protegidos, como podemos saber se podemos confiar em Deus? Porque, em última análise, nossa esperança não está no resgate temporário, mas no resgate eterno que Jesus garantiu em nosso lugar. Pequenas histórias de resgate – como a de Moisés, apontam para a proteção muito maior que temos. 

Deus é capaz de protegê-lo aqui e agora. Se for o propósito de Deus, você pode estar em uma situação tão perigosa quanto a do povo hebreu, cuja única esperança era um bebezinho boiando em uma cesta no Nilo. Se Deus pretende protegê-lo naquele momento, você será protegido. Mas se Deus tem um propósito diferente para o presente, ainda esperamos naquele dia em que toda a dor e tristeza desaparecerão e estaremos firme e finalmente protegidos por toda a eternidade. 

André Lourenço

Bacharel em Teologia, Graduado em Gestão da Qualidade e Pós Graduando em Psicologia nas Organizações, André possui mais de 17 anos de experiência na pregação e ensino da Bíblia. É Professor de cursos de Homilética e Hermenêutica. Já escreveu centenas de estudos bíblicos e ministra aulas na EBD. Se considera um eterno aprendiz e apaixonado por Compartilhar a Palavra de Deus!

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!