Qual é o significado de INRI na cruz de Jesus?

O que significa INRI e como se aplica aos cristãos de hoje? O significado e a aplicação de Jesus como Messias estão intrinsecamente ligados ao plano que Deus estabeleceu desde a eternidade para redimir Seu povo. Enquanto os fariseus e saduceus esperavam por um rei terreno que os levasse à vitória sobre seus inimigos, Jesus não correspondeu às suas expectativas. Sua mensagem e missão transcendiam as aspirações terrenas e apontavam para algo muito maior.

Os líderes religiosos da época consideraram Jesus um blasfemador e o crucificaram, pois não reconheceram nele o Messias esperado. Eles não compreenderam que os planos de Deus ultrapassavam em muito a ideia de um reino terreno que venceria os inimigos do mundo. Em vez disso, Deus enviou Seu Filho Unigênito para derrotar o pecado e a morte, abrindo assim um reino eterno para todos os que o aceitam.

O que significa a sigla INRI?

INRI é a abreviação da expressão latina “Iesus Nazarenus Rex Iudaeorum“, que se traduz como “Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus”.

Durante sua crucificação, Pôncio Pilatos mandou escrever essa frase em uma placa e colocar sobre a cabeça de Jesus.

Na cultura romana da época, toda pessoa executada tinha uma placa indicando o crime pelo qual estava sendo punida, com o propósito de proporcionar um aviso público e aumentar a vergonha dos condenados.

Apesar de fazerem o título “Rei dos Judeus” e a coroa de espinhos para zombar de Jesus, Deus os utilizou para proclamar Jesus como Rei.

Por que a mensagem INRI está escrita em latim?

A mensagem INRI está escrita em latim porque, durante a época de Jesus, o latim era a língua oficial do Império Romano, que exercia controle sobre a região onde crucificaram Jesus.

Pôncio Pilatos, o prefeito romano responsável pela condenação de Jesus, ordenou que se escrevesse a acusação em latim, grego e hebraico, garantindo assim que todos os presentes pudessem compreender o motivo da punição.

Essa prática era comum na época para garantir a compreensão pública das sentenças e reforçar a autoridade do império.

Por que os líderes religiosos se opuseram a que Pilatos escrevesse INRI na cruz?

Os líderes religiosos se opuseram a que Pilatos escrevesse “INRI” na cruz porque o título “Rei dos Judeus” tinha implicações políticas e proféticas significativas.

De acordo com a crença judaica, o título de Rei dos Judeus não era apenas uma questão de liderança terrena, mas também estava ligado às profecias messiânicas do Antigo Testamento.

No Antigo Testamento, os líderes de Israel haviam clamado por um rei humano para governá-los, apesar da advertência de Samuel sobre as consequências desse desejo. Deus concedeu-lhes um rei humano, mas também prometeu enviar o Messias, que governaria eternamente sobre o trono de Davi.

Pilatos, embora não tenha encontrado fundamentos legais para acusar Jesus de crimes merecedores de crucificação, cedeu às pressões políticas e religiosas ao permitir sua execução. No entanto, ao ordenar a inscrição da placa acima da cruz, ele causou indignação entre os líderes religiosos.

Eles argumentaram que a placa deveria indicar que Jesus afirmava ser o Rei dos Judeus, insinuando blasfêmia. No entanto, Pilatos optou por manter a inscrição conforme estava, interpretando-a mais como um título do que uma confissão de Jesus.

Essa decisão exacerbou a irritação dos líderes religiosos, que viam a inscrição como uma afronta à sua autoridade e uma tentativa de Pilatos de evitar conflitos adicionais.

Assim, quando Pilatos inscreveu “INRI” na cruz de Jesus, os líderes religiosos judaicos interpretaram isso como uma tentativa de afirmar a autoridade de Jesus como Rei dos Judeus, o Messias prometido. No entanto, eles rejeitaram essa ideia porque não reconheciam Jesus como o Messias e temiam que sua proclamação como Rei pudesse desafiar o domínio político e religioso deles sobre o povo. Em vez disso, eles viram isso como uma ameaça à sua própria autoridade e influência.

O que o significado de INRI nos ensina sobre Jesus?

O plano divino para a humanidade teve seu início na eternidade. Ao examinarmos a Bíblia como um todo, podemos perceber que o Antigo Testamento (aliança) prefigura o Novo Testamento (aliança), que trouxe a salvação ao mundo. Vamos observar mais de perto as alianças, começando com a aliança entre Deus e Abraão no Antigo Testamento.

Na aliança de Deus com Abraão, vemos a promessa de uma aliança eterna, onde Deus seria o Deus de Abraão e de sua descendência (Gênesis 17:7). Essa aliança eterna prenunciou a Nova Aliança que Jesus estabeleceria, como ele mesmo mencionou na Última Ceia (Marcos 14:23-24).

O propósito das antigas e novas alianças era estabelecer um relacionamento entre Deus e o homem, proporcionando um meio de redimir o homem do pecado. Paulo, em Romanos 4, explica a conexão entre a aliança de Deus com Abraão e nós, destacando que somos salvos pela fé, não pelas obras.

Além de seu papel como Messias ou Salvador, Jesus desempenha também o papel de Rei dos Judeus. No Antigo Testamento, os israelitas eram liderados por profetas, sacerdotes e reis separadamente. No entanto, Jesus é descrito como sendo todos esses em um, como revelado no Apocalipse, onde Ele é chamado de “o soberano dos reis da terra” (Apocalipse 1:5 -NVI). Ele não é apenas o Rei dos Judeus, mas também o governante de todos os reis da terra, tornando-se assim nosso rei. Jesus é profeta, sacerdote e rei para todos que o seguem.

Desde o princípio dos tempos, Deus tinha um plano para trazer salvação a toda a terra. O título INRI faz parte desse plano maior, trazendo redenção e salvação para todos que acreditam. Jesus é o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores por toda a eternidade.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo