Quem foi Azazel e qual seu significado na Bíblia?

Azazel é um termo mencionado na Bíblia, mais especificamente no Antigo Testamento, mas há debates sobre o que ele realmente significa. No Livro de Levítico, em Levítico 16, que fala sobre os rituais do Yom Kippur, o Dia da Expiação, encontramos referências a Azazel.

Em Levítico 16:8-10 (NVI), está escrito:

⁸ E tirará sortes quanto aos dois bodes: uma para o Senhor e a outra para Azazel.
⁹ Arão trará o bode cuja sorte caiu para o Senhor e o sacrificará como oferta pelo pecado.
¹⁰ Mas o bode sobre o qual caiu a sorte para Azazel será apresentado vivo ao Senhor para se fazer propiciação e será enviado para Azazel no deserto.

Azazel aqui é “bode expiatório“, e o sumo sacerdote usava sorteio para decidir qual bode era para o Senhor e qual era para Azazel.

Quanto à identidade de Azazel, há diversas interpretações. Alguns pensam que ele pode ser um demônio ou um anjo caído, enquanto outros acham que representa o deserto ou um lugar desolado. O termo é ambíguo e aberto a interpretações.

É importante observar que a Bíblia oferece poucas informações sobre Azazel, e a maioria das interpretações vem de fontes externas à Bíblia. Ele também aparece na literatura apócrifa como um ser sobrenatural que lidera anjos rebeldes e simboliza impurezas.

O que sabemos sobre Azazel e como ele se encaixa em Levítico 16? Por que é relevante conhecer esse nome obscuro? Vamos explorar essas perguntas e mais neste artigo.

O que sabemos sobre Azazel pelas Escrituras

O que podemos aprender sobre Azazel nas Escrituras, excluindo a literatura apócrifa? A passagem em Levítico 16 nos dá algumas pistas.

Azazel está relacionado ao Dia da Expiação. Aarão lança sortes sobre dois bodes; um é para Yahweh, e o outro é para Azazel. O bode para Yahweh é sacrificado como oferta pelo pecado, enquanto o bode para Azazel é enviado vivo para o deserto como parte da expiação.

A passagem destaca que aquele que solta o bode para Azazel deve lavar suas vestes e banhar sua carne em água. Antes disso, em Levítico 16:21, menciona-se que Arão colocava suas mãos sobre o bode, confessava os pecados do povo, e o bode levava esses pecados para um lugar deserto.

Azazel, nesse contexto, parece ser similar ao termo “bode expiatório”, usado para descrever a prática de atribuir a culpa a alguém que não cometeu erros, libertando assim os verdadeiros culpados.

A compreensão judaica desse conceito envolvia o sumo sacerdote depositando simbolicamente os pecados do povo sobre o bode e enviando-o para o deserto, afastando simbolicamente os pecados do povo.

Essa prática do Antigo Testamento pode se conectar à morte de Jesus na cruz, onde os pecados das pessoas foram simbolicamente colocados sobre Ele, afastando-os delas.

A relação de Azazel com um anjo caído e as diferentes representações na literatura apocalíptica e nas Escrituras permanecem como questões intrigantes e merecem uma análise mais aprofundada.

De onde vem Azazel, o demônio?

A origem de Azazel, o demônio, se encontra nos Apócrifos, especialmente no Livro de Enoque. Nesse texto, Azazel é como o líder de anjos rebeldes, governando civilizações pré-diluvianas de homens e possivelmente gigantes (talvez Nefilim), destacando-se em assuntos de guerra e bruxaria.

Antigamente belo, Azazel é descrito na literatura hebraica como uma serpente caída ou ave carniceira. Ele tentou corromper a humanidade, sendo frequentemente representado como um demônio de aparência vermelha, olhos amarelos e utilizando caveiras de cabra.

De acordo com a mitologia judaica, Azazel também está associado à acusação de ter relações com mulheres mortais, resultando em filhos meio divinos e meio humanos, conhecidos como Nefilim.

O aspecto intrigante de Azazel é que ele corrompeu tanto a humanidade que a literatura judaica incentiva atribuir a ele todos os pecados. Em outras palavras, ele é como um bode expiatório, carregando os pecados antes de ser expulso para o deserto. Isso pode explicar por que vemos a palavra “Azazel” no lugar de “bode expiatório” no original hebraico em Levítico 16.

Por que isso é importante?

Embora qualquer obra literária fora do cânon bíblico deva ser lida com discernimento e cautela, ela pode proporcionar insights sobre antigas práticas judaicas. Isso é significativo porque a prática do bode expiatório na cruz de Jesus tem um papel importante.

Enquanto os cristãos podem debater sobre a natureza dos Nephilim ou se Azazel, um anjo caído, liderou a criação de gigantes, reconhecemos que mesmo na mitologia e nos apócrifos há elementos de verdade.

A prática judaica do bode expiatório ensina que, como Azazel na mitologia, nos corrompemos e nos afastamos da bondade de Deus. Entretanto, Jesus atua como nosso bode expiatório, afastando nossos pecados de nós (Salmo 103:12). Isso é o porquê de ser importante.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo