É pecado beber vinho na Bíblia?

É pecado um evangélico beber vinho? O que Jesus nos ensinou sobre isso na Bíblia?

Muitos cristãos têm opiniões firmes sobre o consumo de vinho, variando amplamente entre diferentes tradições e denominações.

Alguns são abstêmios e proíbem o consumo de álcool, enquanto outros, como os monges beneditinos, fazem da produção de vinho uma parte importante do financiamento de seus mosteiros. A igreja tem diversas perspectivas sobre o assunto.

Agora, vamos examinar o que Jesus ensinou sobre o consumo de vinho.

Mas o que a Bíblia diz? 

Jesus estava muito envolvido com o vinho em seu ministério, seja em casamentos, refeições ou na celebração da Páscoa na noite anterior à sua morte. 

Em todos esses casos, apesar de muitas oportunidades para fazê-lo, Jesus nunca condenou ninguém por beber álcool ou vinho. 

Para o próprio Jesus, podemos olhar para duas escrituras que indicam que ele também bebia vinho. 

Primeiro, em Mateus 26:27-29, ele institui a nova aliança compartilhando um cálice de vinho com os doze apóstolos. Ele abençoou o vinho e instruiu os homens a beber dele. Então Jesus faz esta declaração interessante:

“E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai.” (Mateus 26:29)

Este fruto da vide significa vinho. A implicação é que ele bebeu antes, mas não beberia novamente até o cumprimento do reino. Ele não faz essa declaração para ter algo a ver com o álcool, bom ou ruim. 

Trata-se de celebrar e instituir uma Nova Aliança. O vinho simboliza o sangue e a analogia do casamento de que Jesus falou na Última Ceia também. 

Em seguida, Jesus observou que seus críticos o chamavam de glutão e bebedor de vinho (outro termo para bêbado) porque ele veio “comendo e bebendo” (Mateus 11:9, Lucas 7:34). Ele estava revelando o coração dos críticos, já que eles o atacavam, quer ele jejuasse ou saísse comendo com as pessoas (principalmente pecadores). 

Eles o chamaram de bêbado porque o viram bebendo vinho com pecadores. No entanto, como Jesus foi tentado, mas sem pecado (1 Pedro 2:22), ele bebeu vinho, mas nunca a ponto de ficar bêbado.

Quando Jesus Transformou Água em Vinho?

João dá grande importância ao primeiro milagre ministerial de Jesus. Convidado para um casamento em caná da Galiléia, Jesus aparece com sua mãe, Maria, e alguns de seus discípulos. 

A festa de casamento ainda não havia terminado e o vinho do anfitrião acabou. A festa ia acabar sem aquele vinho, pelo menos culturalmente. 

Maria de alguma forma sabe o que está acontecendo e tenta fazer com que Jesus ajude. Ele finalmente o faz, entrando em uma área de armazenamento onde havia grandes cisternas de água para lavagem, também culturalmente importantes para a limpeza da Lei da Antiga Aliança. 

Lá ele manda os servos encherem os recipientes com água e transformarem essa água em vinho. 

Novamente, o propósito do milagre não é fazer questão de beber álcool, de uma forma ou de outra. Ainda assim, Jesus não teria transformado água em vinho se fosse uma substância maligna. 

Como está claro que Jesus bebeu vinho e não teve nenhum problema com ele, alguns cristãos argumentam que o vinho não era alcoólico. Era apenas suco de uva. No entanto, quando o mestre da festa de casamento prova o vinho, fica surpreso ao ver que é o melhor vinho que já tomou. Por quê? 

As pessoas costumam trazer vinho ruim no final do casamento. A festa está acabando e talvez eles estejam tentando fazer com que as pessoas voltem para casa. Além disso, para as pessoas que bebem vinho há alguns dias, seus sentidos estão um pouco entorpecidos e não conseguem discernir um bom vinho com a mesma facilidade. 

O ponto principal do milagre era revelar a realidade da nova criação da nova aliança. Por meio de Cristo, nossa própria natureza pode ser redimida, e Deus guardou o melhor para o final, ou seja, Seu Filho e Seu reino. 

vinho

O que Jesus disse sobre o vinho?

A história também mostra que as bebidas fermentadas eram comuns na maioria das culturas antigas por uma simples razão: eles não podiam confiar na água. A água pode conter doenças e bactérias. 

As culturas antigas não tinham tecnologia ou informação para filtrar a água. As pessoas morriam rotineiramente de água ruim. Fermentar uma substância como o suco de uva mata essa bactéria e dá algo seguro para beber. Jesus teria sido criado em tal cultura.

No entanto, o vinho comum do dia-a-dia não teria um alto teor alcoólico. Isso não é muito prático. Mas teria um pouco de álcool, daí porque os críticos de Jesus poderiam chamá-lo de bêbado e se safar. 

A única outra passagem principal em que Jesus se refere ao vinho é quando ele o usa como uma metáfora, também para a Nova Aliança. 

“E ninguém põe vinho novo em odres velhos; do contrário, o vinho novo romperá os odres e se derramará, e os odres se estragarão. Mas vinho novo deve ser colocado em odres novos, e ambos se conservam. E ninguém, tendo bebido vinho velho, deseja imediatamente o novo; porque diz: ‘O velho é melhor.’” (Lucas 5:37-39)

Esta era uma prática comum o suficiente para que ele pudesse fazer disso um exemplo. “Ninguém” faz essas coisas com vinho novo e velho. O mesmo se aplica a esta nova aliança. 

A nova obra de Deus precisava de uma nova aliança e não poderia funcionar dentro da antiga (podemos ler Hebreus para um argumento mais detalhado sobre isso).

Curiosamente, em vários casos, Jesus usa o vinho para enfatizar a nova aliança e a obra de Deus. 

O que a Bíblia adverte sobre a embriaguez?

A Bíblia nunca dá uma proibição geral contra o álcool, mas a embriaguez é um problema. 

A embriaguez nunca é vista com bons olhos nas escrituras. Após o dilúvio, Noé cultiva uma vinha, faz vinho e fica bêbado. Sua nudez resultante precisa ser coberta, e a família de Cam é sumariamente amaldiçoada quando Cam olha para a vergonha de seu pai (Gênesis 9). 

Sodoma e Gomorra são destruídas, e Ló fica sozinho com suas filhas, que não têm filhos. Eles embebedaram Ló e tiveram filhos incestuosos (Gênesis 19:30-36).

Esses são apenas dois exemplos narrativos de quando as pessoas ficam bêbadas na Bíblia e ocorrem problemas. A escritura é consistente neste ponto. A embriaguez leva a más decisões com consequências desastrosas.

A Bíblia também afirma explicitamente que não devemos nos embriagar:

“Não vos embriagueis com vinho, mas enchei-vos do Espírito Santo” (Efésios 5:18). 

Isso não significa que ser cheio do Espírito é como estar bêbado e estúpido. Em vez disso, significa que devemos escolher o que é mais importante para nós: o que nos faz sentir bem por um tempo ou o que nos dá a vida eterna? O Espírito nos dá o que dura para sempre.

Ao mesmo tempo, a Bíblia nos diz para viver sobriamente (Tito 2:11-13) e ter autocontrole (Gálatas 5:22-23). Não podemos ficar bêbados e viver a vida para a qual Deus nos chamou, para tomar decisões sábias e sensatas, para manter nosso juízo sobre nós em um mundo perigoso e destruído. 

Já que parte do fruto do Espírito é o autocontrole, parte de ser cheio do Espírito será agir de acordo, não fora de controle.

Os cristãos devem beber vinho alcoólico?

A Escritura nos adverte para evitar a embriaguez, o perigo de viver para nosso próprio prazer em bebedeiras (Romanos 13:13-14). Mas Jesus não manteve a festa em um casamento com vinho? Ele não instruiu as pessoas na Páscoa a beber vinho? 

Nós festejamos de maneira diferente do mundo. O mundo bebe para se embriagar, esquecer seus problemas e satisfazer suas próprias concupiscências. Nós festejamos no reino, mas é diferente. 

Nós festejamos no reino por causa das coisas maravilhosas de Deus. Celebramos porque fomos libertos por Deus, que nos ama abundantemente. 

O casamento é um símbolo de Deus e sua igreja (Efésios 5:22-32), e o cumprimento de todas as coisas acontecerá com um tipo de casamento celestial (Apocalipse 19:6-9). 

Portanto, Jesus usa continuamente os casamentos para mostrar o novo relacionamento disponível com o Pai por meio do Filho e do Espírito, e devemos celebrar isso. 

As pessoas do reino também podem beber vinho na Páscoa como Jesus. Essa celebração está dentro do contexto de uma história de sofrimento e dor e da fidelidade, libertação e poder de Deus (o evento de Israel sendo libertado da escravidão do Egito). 

É exatamente o oposto de esquecer nossos problemas. Ele reconhece as dificuldades e a capacidade de Deus de nos levar a coisas boas. Essa é a festa para a qual devemos convidar outras pessoas (Lucas 15:1-10).

Como os cristãos podem apoiar as decisões uns dos outros em relação ao álcool?

À medida que navegamos em nossa atitude em relação ao álcool, devemos lembrar que nossa liberdade é importante. Em Cristo, somos completamente livres. 

Embora a Bíblia não proíba o álcool, nada deve ter poder sobre nós. Não somos livres se permitimos que qualquer substância, inclusive o álcool, tenha poder sobre nós. 

Todos nós lidamos com questões diferentes. Se não podemos estar no controle e ter autoridade sobre o consumo de álcool, não devemos. Cada pessoa é única e deve ser livre para ter suas próprias convicções sobre o assunto. 

Devemos ser sensíveis a diversas perspectivas, lembrando-nos de não julgar os servos de Deus se eles diferirem nos detalhes de comida e bebida (Romanos 14:17). 

A questão central é permanecer livre e sóbrio para fazer a vontade de Deus. 

Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm

10 Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. 11 E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus. 12 Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma. 13 Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos; Deus, porém, aniquilará tanto um como os outros. Mas o corpo não é para a fornicação, senão para o Senhor, e o Senhor para o corpo. 14 Ora, Deus, que também ressuscitou o Senhor, nos ressuscitará a nós pelo seu poder.

1 Coríntios 6:10-14

É melhor não beber do que escandalizar

Mas vede que essa liberdade não seja de alguma maneira escândalo para os fracos. 10 Porque, se alguém te vir a ti, que tens ciência, sentado à mesa no templo dos ídolos, não será a consciência do que é fraco induzida a comer das coisas sacrificadas aos ídolos? 11 E pela tua ciência perecerá o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. 12 Ora, pecando assim contra os irmãos, e ferindo a sua fraca consciência, pecais contra Cristo. 13 Por isso, se a comida escandalizar a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que meu irmão não se escandalize.

1 Coríntios 8:9-13

Para você, um cristão sábio que leu estas duas passagens, já pode responder: É pecado beber vinho?

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!