Qual o significado bíblico de Concupiscência?

A concupiscência é uma daquelas palavras que derivam seu significado do contexto, especificamente do objeto para o qual se dirige.

Em sua essência, a palavra grega “epithymia” significa desejo ou cobiça.

“Que diremos pois? É a lei pecado? De modo nenhum. Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás. Mas o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, operou em mim toda a concupiscência; porquanto sem a lei estava morto o pecado.” (Romanos 7:7-8)

“Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, a afeição desordenada, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria.” (Colossenses 3:5)

“Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus.” (1 Tessalonicenses 4:5)

Na versão KJV, o termo concupiscência significa um desejo pelo que é proibido.

A palavra usada na ESV para os três versículos acima é desejo, cobiça ou paixão da luxúria. A luxúria, como geralmente definimos o verbo, é um desejo pecaminoso e carnal.

O forte desejo sexual é um pecado?

Isso por si só não é um pecado. Por exemplo, um marido e sua esposa devem ter um forte desejo sexual um pelo outro (Efésios 5:21). Pois isso faz parte de um casamento saudável, mas não deve ser o único desejo mútuo.

Na maioria das vezes, os casamentos construídos exclusivamente sobre a areia movediça da luxúria e do desejo sexual, fracassam.

“Jesus disse: Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.” (Mateus 5:27-28)

A intenção lasciva é o que define o pecado do adultério sobre o qual nosso Senhor falou. Nossos corações, como sabemos, são enganosos “acima de todas as coisas” e “desesperadamente doentes.”

“Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá? Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração e provo os rins; e isto para dar a cada um segundo os seus caminhos e segundo o fruto das suas ações.” (Jeremias 17:9-10)

Os maus pensamentos do homem procedem do coração das pessoas (Mateus 15:18-20), de modo que os pensamentos pecaminosos se transformam em atos pecaminosos.

O forte desejo sexual, quando sai fora dos limites do casamento, se define como luxúria. É totalmente egoísta e leva a pessoa para longe da vida piedosa e causando destruição (Romanos 1:18, 24; Colossenses 3:5-6; 2 Pedro 2:9-10; 1 João 2:16-17).

Existe mais de um tipo de concupiscência?

Sim. Como dito acima, o contexto direto do uso da palavra grega “epithymia” muda seu significado. O Senhor Jesus Cristo usou o termo quando disse:

“E disse-lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça.” (Lucas 22:15)

Jesus usou a mesma palavra grega usada em Romanos 7:8, Colossenses 3:5 e 1 Tessalonicenses 4:5, porém, Ele tinha um objetivo direto para isso, e Seu desejo sempre foi piedoso.

Quando a concupiscência é usada sem objeto direto, ela assume o significado de luxúria como intenção pecaminosa.

Duas outras passagens da Escritura descrevem a concupiscência da mesma maneira.

“Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor.” (Filipenses 1:23)

“Nós, porém, irmãos, sendo privados de vós por um momento de tempo, de vista, mas não do coração, tanto mais procuramos com grande desejo ver o vosso rosto.” (1 Tessalonicenses 2:17)

Na passagem de Filipenses, Paulo se dirigiu à igreja de Filipos e enfatizou a humildade de Cristo, a submissão a Ele e a provisão de Cristo para os crentes. Ele falou de suas “cadeias” e disse que elas resultariam em sua libertação, e sua esperança era que Cristo fosse “magnificado” em seu corpo.

A conhecida citação: “Viver é Cristo, e morrer é lucro” precede seu processo mental de saber se seria melhor estar na terra ou no céu.

O objeto do desejo é “partir”, o objeto direto que torna sua concupiscência uma concupiscência piedosa.

Já em Tessalonicenses é falado para a igreja de Tessalônica, ao qual havia questionado por que os cristãos estavam morrendo antes do prometido retorno de Cristo. Contudo, novamente há um objeto direto que coordena com grande desejo, “ver você face a face”, onde o seu significado é divino.

O vasto uso do termo em toda a Bíblia Sagrada, no entanto, refere-se a um desejo proibido, especificamente, luxúria. Não se limita à lascívia, mas inclui a busca do coração e da vontade em direção ao que Deus não quer que possuamos ou sejamos.

Afinal, o nono mandamento é claro:

“Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.” (Êxodo 20:17)

Relatos bíblicos sobre a concupiscência do mal (carnal)

A seguir está uma seleção de relatos bíblicos que tratam da concupiscência do mal e suas consequências:

2 Samuel 13 relata a história de Amnon e seu desejo por sua irmã, Tamar (2 Samuel 13:11). Isso levou a todo tipo de conflito, incluindo assassinato.

O amor de Salomão por mulheres estrangeiras afastou seu coração do Senhor (1 Reis 11:1-3).

Siquém se obrigou a Diná, filha de Jacó (Gênesis 34), e as consequências foram terríveis, pois sua luxúria pecaminosa a levou à vergonha e ao assassinato, cometido por Simeão e Levi, aos homens cananeus.

Em outros lugares da Bíblia, há outros mandamentos para evitar a concupiscência, ou seja, a luxúria e o desejo pecaminoso:

“Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da prostituição; Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; Não na paixão da concupiscência, como os gentios, que não conhecem a Deus.” (1 Tessalonicenses 4:3-5)

“Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios, Os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem.” (Marcos 7:21-23)

“Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.” (1 Coríntios 9:27)

“Para que, no tempo que vos resta na carne, não vivais mais segundo as concupiscências dos homens, mas segundo a vontade de Deus. Porque é bastante que no tempo passado da vida fizéssemos a vontade dos gentios, andando em dissoluções, concupiscências, borrachices, glutonarias, bebedices e abomináveis idolatrias;” (1 Pedro 4:2-3)

“Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo. Mas quero lembrar-vos, como a quem já uma vez soube isto, que, havendo o Senhor salvo um povo, tirando-o da terra do Egito, destruiu depois os que não creram; E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia; Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.” (Judas 1: 4-7)

Embora esta lista não seja exaustiva, ela nos dá uma série de passagens que falam sobre o mandamento de evitar o pecado da luxúria e, em vez disso, se esforçar para ser santo.

“Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.” (1 Pedro 1:15-16).

Por que precisamos lutar contra a má concupiscência da carne?

Isso pode parecer simples demais, mas a resposta a essa pergunta é porque somos humanos e, portanto, pecadores.

“Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe.” (Sl 51:5)

Nossos corações são enganosamente ímpios, mesmo os corações dos crentes, porque não estaremos livres do pecado até a glória, quando os cristãos tiverem se rendido totalmente ao senhorio de Cristo.

“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” (2 Coríntios 3:18)

Nós cristãos não somos mais escravos do pecado, ou seja já abandonamos nossa vida de pecado. Não estamos mais presos ao poder do maligno. Não somos mais do mundo, e devemos glorificar a Deus em nosso corpo à medida que somos transformados pela renovação de nossas mentes (Romanos 12:2).

Nós sem a habitação do Espírito Santo, no entanto, somos escravos dos valores do mundo e sua falsa sabedoria (1 Coríntios 3:19, Gálatas 4:3). 

O diabo opera no mundo sob o disfarce de sentimentos divertidos e fantasiosos, com o desejo em primeiro lugar de coisas melhores. No entanto, as melhores coisas de uma visão mundana são as coisas que mantêm o homem e a mulher em escravidão ao pecado e ao mal. Isto é, a concupiscência ganhando destaque.

A única resposta para a questão de como vencer a luta contra a concupiscência do mal é Jesus, o Caminho, a Verdade e a Vida (João 14:6). 

A escravidão de um cristão em Jesus Cristo é algo que o mundo nunca entenderá, pois isto sim é liberdade. 

“Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” (1 Coríntios 2:12-14)

O melhor que podemos fazer como cristãos é mergulhar na Palavra de Deus e obedece-la, o que inclui alcançar os perdidos.

“Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” (Mateus 28:19-20).

Sendo assim, agradeça a Deus pela santificação, que é um processo para toda a vida.

O versículo 1 João 2:15-17 explicado

“Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo.” – A Bíblia adverte contra o amor excessivo pelo mundo material e suas seduções. O “mundo” neste contexto refere-se ao sistema de valores, desejos e prazeres mundanos que estão em desacordo com os princípios de Deus.

“Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele.” – Aqui, o autor enfatiza que é impossível amar profundamente tanto a Deus quanto as coisas do mundo ao mesmo tempo. Escolher amar o mundo é uma indicação de que o amor de Deus não está presente no coração da pessoa.

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo.” – Essa passagem descreve as três principais categorias de tentações que o mundo oferece:

“Concupiscência da carne”: refere-se aos desejos e impulsos físicos, como luxúria, indulgência em prazeres sensuais e comportamentos imorais.

“Concupiscência dos olhos”: indica a cobiça por coisas materiais e desejos que são atraentes aos olhos, como riquezas, poder, fama, entre outros.

“Soberba da vida”: representa o orgulho e a arrogância em relação à posição social, realizações pessoais e poder terreno.

“E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.” – A transitoriedade do mundo e suas seduções temporárias. Enquanto as coisas do mundo são passageiras e passageiras, aqueles que seguem a vontade de Deus e vivem em conformidade com Seus princípios têm uma perspectiva eterna. Eles permanecerão para sempre, desfrutando da comunhão com Deus e recebendo as recompensas da vida eterna.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo