Quem foi Susannah Spurgeon? 5 coisas importantes que você precisa saber sobre seu legado na história

“Já ouvi falar de Susannah Spurgeon, mas realmente não sei muito sobre ela.” Esse é um comentário de muitas pessoas sobre Susannah. Seu marido, Charles, é uma das personalidades mais proeminentes da história cristã, frequentemente considerado em inúmeras biografias e artigos. Por que então poucos conhecem Susannah?

A Notável Susannah Spurgeon

Pode ser que Charles Spurgeon fosse uma figura grande que lançasse uma sombra gigante. 

Ele escreveu 135 livros e mais de 63 volumes de sermões. Editava uma revista mensal, pastoreava o que hoje chamaríamos de mega igreja. Supervisionava mais de 60 instituições benevolentes e pregava até dez vezes por semana. Além disso, ele continua sendo um dos autores mais lidos da literatura cristã em nossos dias.

Outra razão para a relativa obscuridade de Susannah está na cultura da época. 

Susannah viveu de 1832 a 1903, coincidindo com o reinado da rainha Vitória de 1837 a 1901. Na era vitoriana, as mulheres eram mais conhecidas em conexão com seus maridos. 

Portanto, quando os biógrafos de Spurgeon apresentam Susannah, normalmente se referem junto com Charles.

No entanto, Susannah Thompson Spurgeon era uma mulher notável por si só. Aqui estão várias coisas fascinantes para saber sobre Susannah.

1. Susannah foi uma autora prolífica

Susannah coeditou Smooth Stones Taken From Ancient Brooks em 1855 com Charles, e em 1886 ela escreveu Dez Anos de Minha Vida a Serviço do Fundo do Livro

Ela teve uma temporada de seus escritos mais prolíficos de 1886 a 1901. Seu filho Thomas Spurgeon se lembrava de sua mãe como tendo “raros dons literários”.

Os tesouros escritos de Susannah foram em sua maioria obscurecidos sob a montanha de material por e sobre seu famoso marido. 

Sua própria prolificidade literária foi cultivada por seu sério compromisso com a Bíblia, sua leitura devocional e sua exposição de 38 anos ao exemplo de Charles.

Seus leitores, em parte por causa de seu estilo pessoal de escrita, gostavam dos livros de Susannah. Sua escrita era descritiva, até mesmo florida e poética. Um estilo normalmente não visto hoje, mas abraçado por seus leitores. Ela escreveu: “Somos tão velhos amigos agora, meus queridos leitores e eu”.

A escrita de Susannah é mais lembrada hoje através da Autobiografia de CH Spurgeon. Este trabalho colossal, coeditado e contribuído por Susannah, foi originalmente produzido em quatro volumes. 

É um repositório de narrativa biográfica e essencial para digerir não só a vida e a personagem de Charles Spurgeon, mas também a de Susannah. 

O primeiro volume apareceu em 1897 e publicaram o quarto em 1900.

2. Susannah perseverou nas provações pela fé em Cristo.

O casamento com Charles trouxe desafios únicos devido à sua popularidade, seus críticos e suas frequentes viagens para longe de casa relacionadas ao ministério. 

No entanto, Susannah enfrentou o que muitos considerariam seus próprios desafios intransponíveis. 

Susannah teve problemas de saúde recorrentes há muitos anos. Por volta de 1868-1869, ela precisou de cirurgia, e o famoso ginecologista James Y. Simpson a operou. 

As especificidades de sua aflição são desconhecidas, mas sabemos que ela sofria de problemas ginecológicos.

Sua dor nessa época difícil causou episódios durante os quais ela não conseguia levantar a mão ou a cabeça. Mesmo quando sua dor diminuía, era raro que ela pudesse viajar até uma milha de casa sem sofrer por dias depois. 

No entanto, Susannah não via sua casa como uma prisão, nem cedeu à tentação de se resignar a uma vida de inatividade devido à doença. 

Não há evidência de que ela fosse uma queixosa nem culpava a Deus por seus sofrimentos. Ela escreveu:

“Se confiássemos nEle para guardar, como confiamos para salvar, nossas vidas seriam muito mais santas e felizes do que são”.

3. Susannah Cuidava de Pastores Pobres e Suas Famílias

Tão graves eram as aflições de saúde de longa data de Susannah que ninguém a culparia se ela tivesse escolhido cuidar de suas doenças em casa e não se esforçar no ministério. No entanto, ela colocou as mãos para trabalhar no serviço de seu Senhor. 

1875 foi um ano crucial para Susannah. Charles havia entregado a ela um rascunho de seu novo livro, Palestras para meus alunos. Susannah declarou animadamente que desejava que todos os pastores da Inglaterra pudessem ter uma cópia. 

Charles gentilmente a exortou a tornar seu desejo uma realidade. Suas simples palavras de encorajamento lançaram Susannah para seu compromisso vitalício de ministrar a pastores pobres e suas famílias.

O Fundo de Livros da Sra. Spurgeon colocou Susannah em contato com pastores necessitados nas Ilhas Britânicas. 

Ela descobriu a profundidade da pobreza que muitos deles enfrentavam: alguns careciam de cuidados médicos suficientes para sua família; outros mal conseguiam vestir seus filhos e muito menos eles mesmos; a comida era muitas vezes escassa, e a desnutrição assolava os lares de alguns pastores. 

Em meio a circunstâncias tão terríveis, esses ministros não podiam pensar em gastar suas poucas moedas em livros. Portanto, junto com seus armários, suas estantes estavam vazias e suas igrejas estavam desnutridas espiritualmente. Susannah estava sobrecarregada com isso.

Quando ela morreu em 1903, por meio do Book Fund e do Pastor’s Aid Fund, Susannah havia arrecadado dinheiro suficiente para doar mais de 200.000 livros para pastores pobres. 

Ela também forneceu fundos, roupas, artigos de papelaria e outros itens necessários para eles. Ela exortou os cristãos a se levantarem e ajudarem a aliviar as circunstâncias patéticas que assolam os lares de muitos servos fiéis que lutaram para sobreviver.

4. Susannah era uma plantadora de igrejas

Susannah plantou uma igreja batista. Um trabalho surpreendente, principalmente por causa de sua situação de vida, idade e fragilidade física. 

Em 1895, Susannah, aos 63 anos, ficou viúva e ainda estava incomodada com os contínuos problemas de saúde. No entanto, ela estava determinada a permanecer tão ativa quanto possível no serviço de seu Senhor. E sua saúde, de fato, havia melhorado o suficiente para ela viajar um pouco.

Enquanto sua casa em Londres estava passando por reparos, Susannah visitou a comunidade de praia de Bexhill-on-Sea. Enquanto estava lá, ela descobriu que não existia nenhuma igreja batista e então decidiu fazer algo. 

Primeiramente, Susannah buscou a vontade de Deus em oração. Ela determinou que seu amigo de longa data Pastor JS Hockey, junto com sua esposa, foi a escolha de Deus para ir para Bexhill

Quando ela propôs a ideia ao pastor e à Sra. Hockey, ela não lhes ofereceu uma empreitada fácil. “Não foi um caminho de rosas no qual proponho que meus amigos viajem. Não é fácil ir a um lugar estranho, onde você não conhece uma única alma, e se apresentar como um provável pastor de uma igreja inexistente!”

Incrementalmente, a Capela Batista Beulah passou a existir como um memorial a Charles Spurgeon. Em 1898, abriu as suas portas sem dívidas, sem recorrer a campanhas de angariação de fundos e com o objetivo de pregar o evangelho. 

Após a morte de Susannah, a igreja erigiu uma placa em sua homenagem, incluindo estas palavras: “Através da iniciativa de [Susannah] sob Deus, esta igreja foi fundada e em grande parte por sua liberalidade, esses edifícios foram erguidos”. 

Como Susannah, com seus sofrimentos e limitações, encontrou e ergueu os prédios de Beulah? Ela confiava firmemente em Deus para prover. Ela acreditava que era impossível não ver “Sua mão em tudo”.

5. Susannah solidificou o legado de seu marido

Susannah diria que seu maior legado não foi o Fundo do Livro, nem foi sua plantação de igrejas, nem suas ofertas literárias, nem sua perseverança em vários sofrimentos. Seu maior legado foi seu ministério de companheira de seu amado Charles. 

Susannah resolveu: “Sempre foi o propósito estabelecido de minha vida de casada que eu nunca deveria impedi-lo em seu trabalho para o Senhor, nunca tentar impedi-lo de cumprir compromissos, nunca alegar minha própria doença como uma razão pela qual ele deveria permanecer em casa comigo.” 

Susannah nunca se arrependeu de seu “propósito estabelecido”, embora às vezes sentisse intensa solidão devido às inúmeras ausências de Charles.

Até 1868, Susannah serviu ativamente ao lado de Charles na igreja, às vezes viajava com ele pelo continente (ela até caminhava pelos Alpes) e oferecia um lar acolhedor e hospitaleiro para seus amigos. 

Ela orou por ele, ajudou-o a estudar para os sermões nas noites de sábado, leu para ele em tempos de depressão, chorou com ele em suas provações e escreveu fielmente para ele quando estava longe de casa. 

Embora Susannah tivesse razão em pedir que Charles reduzisse sua agenda lotada, ela o encorajou a cumprir seu ministério. 

O casamento de Susannah com Charles foi romântico e difícil. Charles não poderia ter atendido às demandas de seu ministério, escrito de forma tão prolífica, ou deixado uma marca tão duradoura na história sem o apoio dela. 

O encorajamento de Susannah foi um investimento em Charles, mas também um investimento na propagação do evangelho, autobiografia e através da tradução e divulgação mundial de seus livros e sermões.

O único biógrafo anterior de Susannah, Charles Ray, supôs:

“Se a grandeza depende da quantidade de bem que se faz no mundo, se é apenas outro nome para devoção altruísta a serviço dos outros – e certamente grandeza é tudo isso – então a Sra. CH Spurgeon ficará para a posteridade como uma das maiores mulheres de seu tempo”. 

Susannah esteve com Charles em Mentone, França, durante os últimos três meses de sua vida. Charles e Susannah se referiram a essa época como “sua lua de mel de novo”, e mais tarde ela descreveu esses meses como “perfeita felicidade terrena”. 

Ao refletir sobre sua vida com Charles, ela falou de “dois peregrinos trilhando juntos esta estrada da vida, de mãos dadas, coração ligado ao coração”. 

Suas mãos terrenas foram separadas em 31 de janeiro de 1892, mas em outubro de 1903, eles se reuniram no trono de Deus onde louvaram a Deus juntos.

No túmulo de Susannah Spurgeon, o pastor Archibald Brown declarou:

“Adeus, irmã! Louvamos a Deus por ti. Pela ajuda que você trouxe a seu marido em sua labuta incessante e batalha árdua, somos gratos. Além disso, lembrou-se de seu ministério aos pastores e do legado deixado em seus filhos gêmeos, Charles e Thomas. “Teus filhos sobrevivem a ti; eles seguem as pegadas sagradas deixadas; e, com um coração, oramos: Tu, Deus de pai e mãe, sê a Sua gloriosa suficiência, e deixa Tua bênção descer sobre seus filhos, e os filhos de seus filhos, até que Jesus venha, e todos nós estejamos reunidos no Lar Eterno.”

Seus caminhos, ó Senhor, estão além de serem descobertos, mas são muito graciosos e ternos; e essa transformação do mal aparente em bem, de fazer com que as provações de seus filhos se transformem em triunfos, e suas dores em prazeres, é uma prova maravilhosa tanto de sua piedade quanto de seu poder. – Susannah Spurgeon

Botão Voltar ao topo