Qual é o significado da história do filho pródigo em Lucas?

Jesus continuou: Havia um homem que tinha dois filhos. O mais novo disse ao pai: Pai, dê-me minha parte da propriedade. Então ele dividiu sua propriedade entre eles. Não muito tempo depois, o filho mais novo juntou tudo o que tinha, partiu para um país distante e ali desperdiçou sua riqueza em uma vida selvagem. – Lucas 15:11-13

História Bíblica do Filho Pródigo

Você acabou de ler o início de uma das parábolas mais famosas de toda a Bíblia, a história do Filho Pródigo. Certamente muitas pessoas sem sequer ler a história usaram ou pelo menos entenderam o que o termo “pródigo” significa.

Às vezes, quando as pessoas estão muito familiarizadas com uma história, elas podem lê-la e encobrir algumas coisas. 

Meu objetivo hoje é não encobrir, mas ajudá-lo a entender um pouco melhor qual é o significado da história do filho pródigo em Lucas 15:11-32:

Continuando a história do verso 14 ao 32

“…havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos… desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros.”

E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés; E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos; Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se.

“E o seu filho mais velho estava no campo; e quando veio, e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças… chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo. E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. Mas ele se indignou, e não queria entrar.”

“E saindo o pai, instava com ele. Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos; Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado. E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas; Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e achou-se.”

Duas importantes histórias bíblicas antes do filho pródigo

Ao olhar para esta história, você deve olhar para as histórias que Jesus contou antes. Pois, essas duas histórias podem esclarecer o significado da história do Filho Pródigo. 

Em Lucas 15:1-10 Jesus compartilha parábolas sobre coisas perdidas. Uma era uma ovelha perdida, a outra era uma moeda perdida. 

Se você ler esses versículos, os fariseus estavam murmurando porque Jesus estava comendo com pecadores. Aqui está então, o que eles disseram:

“Agora os cobradores de impostos e pecadores estavam todos reunidos para ouvir Jesus. Mas os fariseus e os mestres da lei murmuravam: Este homem recebe os pecadores e come com eles.” – Lucas 15:1-2

Em resposta ao seu murmúrio (eu amo essa palavra porque realmente pinta a imagem dos fariseus e mestres da lei), Jesus lhes conta as duas histórias mencionadas acima. Ao terminar cada um, ele menciona um pensamento ou “moral” semelhante à história.

… Alegra-te comigo; Encontrei minha ovelha perdida. Eu lhes digo que da mesma forma haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não precisam se arrepender. – Lucas 15:6-7

… Alegrai-vos comigo; Encontrei minha moeda perdida. Da mesma forma, eu lhes digo, há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende. – Lucas 15:9-10

Quando você entender essas duas histórias, então estará no caminho certo para entender o significado da parábola do filho pródigo. 

Eu amo a maneira como a Nova Tradução Viva de Lucas 15:11 posiciona Jesus contando esta história. Diz, “para ilustrar melhor o ponto…”

Isso significa que a história do Filho Pródigo é uma continuação do tema estabelecido nas parábolas anteriores.

3 Verdades Chave na Parábola do Filho Pródigo

Ao olharmos para esta história, quero destacar 3 postos-chave. Não vou recapitular a história em ordem, mas apenas retirar alguns postos-chave. Eu confio que você vai voltar e ler toda a história.

1. É sobre dois filhos, não um

Jesus começa a contar a história dizendo que um pai tinha dois filhos. Ao contar esta história, vemos a maestria e a sabedoria de Jesus. Pense nisso por um momento. Quem estava na sala quando Jesus estava contando essa história? 

Cobradores de impostos, pecadores, fariseus e mestres da lei. Quer as pessoas na sala reconhecessem ou não, os dois filhos representavam todos que estavam na sala.

O filho mais novo (o pródigo) representava os cobradores de impostos e pecadores. O filho mais velho representava os fariseus e os mestres da lei. Havia um filho perdido fora de casa e um filho perdido dentro de casa.

Vamos pular para o final da história apenas para mostrar meu ponto de vista sobre o filho perdido dentro de casa.

Enquanto isso, o filho mais velho estava no campo. Quando chegou perto da casa, ouviu música e dança. Então ele chamou um dos servos e perguntou o que estava acontecendo. Seu irmão veio, ele respondeu, e seu pai matou o bezerro gordo porque ele o trouxe de volta são e salvo.

O irmão mais velho ficou zangado e recusou-se a entrar. Então seu pai saiu e implorou com ele. Mas ele respondeu ao pai: Olha! Todos esses anos eu tenho sido escravo de você e nunca desobedeci às suas ordens. No entanto, você nunca me deu um cabrito para que eu pudesse comemorar com meus amigos. Mas quando esse seu filho que esbanjou sua propriedade com prostitutas voltar para casa, você mata o bezerro gordo para ele! – Lucas 15:25-30

Quando você lê isso, isso te lembra alguém? Parece muito com aqueles fariseus murmuradores e mestres da lei reclamando porque Jesus está comendo com pecadores e cobradores de impostos. Não sei se eles se viram na história, mas Jesus estava falando diretamente com eles.

2. O Pai Amou Ambos os Filhos

Quando a história é contada, esta é a imagem que muitas vezes lembramos,

…Mas estando ele ainda longe, seu pai o viu e se compadeceu dele; correu para o filho, abraçou-o e beijou-o. – Lucas 15:20

Vemos esse pai amoroso que corre com compaixão e grande amor pelo filho porque ele voltou. O pai não tinha compaixão apenas por aquele filho, ele também tinha compaixão pelo outro filho.

Lembre-se, o filho mais velho ficou com raiva e se recusou a comemorar o retorno de seu irmão. Mas observe a resposta do pai:

…Então seu pai saiu e implorou a ele. – Lucas 15:28

Nessas duas figuras, vemos o quão grande é o amor do pai. Aqui está outra maneira de ver isso. 

Deus não ama apenas a igreja, ele ama os sem igreja. Ele não ama apenas aqueles que se desviaram, ele ama aqueles que nunca entraram. Ele ama aqueles que ouviram o evangelho tanto quanto aqueles que não ouviram, e ele busca ambos com a mesma quantidade de amor. 

Então, ao ler esta história, lembre-se do grande amor do Pai. Ele amava os dois filhos.

3. O Pai teve que redimir os dois filhos

Grande parte da história se concentra na redenção do filho pródigo. No entanto, a verdade é que ambos os filhos tiveram que ser redimidos. 

A diferença é que os pecados do pródigo eram óbvios e evidentes. Os pecados do filho mais velho não eram óbvios. Novamente, muito semelhante ao que dissemos antes sobre os pecadores e os fariseus.

Os pecadores e cobradores de impostos sabiam que eram pecadores e provavelmente estavam plenamente conscientes de sua necessidade de arrependimento e redenção. No caso de eles esquecerem, os fariseus e mestres da lei estavam lá para lembrá-los.

Os fariseus e mestres da lei, por outro lado, estavam perdidos em sua própria justiça própria. Eles não queriam que Jesus acolhesse “estes tipos” de pessoas e não viam nenhum valor redentor nelas. Muito parecido com o filho mais velho.

Sua atitude fez com que eles perdessem sua necessidade de redenção porque sua opinião sobre si mesmos era como a do filho mais velho. 

Lembre-se de que ele disse: “Todos esses anos eu tenho sido escravo de você e nunca desobedeci às suas ordens”. (soa como algo que um fariseu diria).

Uma das coisas muito aparentes no filho mais velho é que embora ele passasse o tempo todo na casa do pai, ele nunca adquiriu o coração do pai, muito parecido com esses líderes religiosos. 

Eles podem ter sido especialistas na lei, mas não sabiam absolutamente nada sobre o amor de Deus ou o coração de Deus. 

Mesmo estando na casa, eles eram tão pródigos quanto o Filho Pródigo da história…

Às vezes, nas igrejas, quando estamos “em casa” por tanto tempo, podemos perder o coração do pai. É tão fácil se distrair com cultos e fazer o trabalho do ministério que esquecemos do que é o coração do ministério. 

Oro para que não apenas nos tornemos especialistas em Bíblia ou especialistas em adoração, mas que sempre tenhamos o amor do Pai derramando sobre aqueles ao nosso redor, porque é disso que eles precisam.

Se eu pudesse desafiá-lo com uma coisa hoje… não perca o coração do Pai.

Conclusão do filho pródigo

Tentei dar-lhe algumas dicas sobre o significado da história do filho pródigo em Lucas. Sempre que você ler esta história novamente, não se esqueça de como Jesus começa a história… um homem tinha dois filhos.

A beleza da história é que, eventualmente, os dois filhos acabam se regozijando com o pai. Este é o coração do pai.

Como 2 Pedro 3:9 nos lembra, Deus é paciente, não querendo que ninguém pereça. O mesmo amor e compaixão que ele mostrou com os dois filhos, ele mostra para você e para mim hoje. 

Que Deus maravilhoso nós servimos. Espero que você tenha gostado da minha opinião sobre a história do filho pródigo.

Então, continue alcançando as pessoas com o amor do Pai, nunca esquecendo o quanto Ele realmente ama as pessoas deste mundo.


Autor Clarence L. Haynes Jr. adaptado por Biblioteca do Pregador.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo