Veja Deus Operar – Pregação em Mateus 14:13-21

Esboço de Pregação em Mateus 14:13-21 quando Jesus multiplica pães e peixes, com o tema “Veja Deus Operar”.

TÍTULO: Veja Deus Operar

TEXTO: Mateus 14:13-21

¹³ E Jesus, ouvindo isto, retirou-se dali num barco, para um lugar deserto, apartado; e, sabendo-o o povo, seguiu-o a pé desde as cidades.
¹⁴ E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.
¹⁵ E, sendo chegada a tarde, os seus discípulos aproximaram-se dele, dizendo: O lugar é deserto, e a hora é já avançada; despede a multidão, para que vão pelas aldeias, e comprem comida para si.
¹⁶ Jesus, porém, lhes disse: Não é mister que vão; dai-lhes vós de comer.
¹⁷ Então eles lhe disseram: Não temos aqui senão cinco pães e dois peixes.
¹⁸ E ele disse: Trazei-mos aqui.
¹⁹ E, tendo mandado que a multidão se assentasse sobre a erva, tomou os cinco pães e os dois peixes, e, erguendo os olhos ao céu, os abençoou, e, partindo os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos à multidão.
²⁰ E comeram todos, e saciaramse; e levantaram dos pedaços, que sobejaram, doze alcofas cheias.
²¹ E os que comeram foram quase cinco mil homens, além das mulheres e crianças.

INTRODUÇÃO

Como Deus opera em nossas vidas?

Deus opera em nossas vidas por intermédio de Jesus Cristo como provedor de nossas necessidades. E isso acontece porque:

I. Cristo se interessa por nossas necessidades

A. Ele tem compaixão de nós em nossas necessidades (v. 14) – O povo andou cerca de 8 km através do deserto para chegar a Betsaida (Lucas 9:10-17), em busca de cura. Jesus sabia disso e curou os enfermos.

B. Ele tem consideração por nós, enquanto os outros não se importam conosco (v. 15,16). Provavelmente os discípulos estavam preocupados com a hora e a falta de comida (recursos) e não com a dificuldade de retorno.

Cristo não só se interessa por nossas necessidades como também as supre todas, pois:

II. Cristo não se limita pelas circunstâncias, para suprir nossas necessidades.

A. Ele não se limita pela falta de recursos (v. 17) – parecia pouco, pois talvez fosse um lanche de um único menino (João 6:9).

B. Ele não se limita por qualquer outra dificuldade (v. 19). Não havia local para refeição, pediu que sentassem na relva em grupos de 50 pessoas.

Para Cristo não há limites, pois Deus criou tudo e para Ele tudo é possível, sendo assim:

III. Cristo Sabe a Medida Certa das Nossas Necessidades

A. Supre Nossas Necessidades com Abundância (v. 20) – Supriu a necessidade de mais de 5000 pessoas e ainda sobrou.

B. Provê Muito Mais do que o Suficiente (v. 20, 21) – Todos comeram e se fartaram.

Aplicação: Cristo não apenas atende às nossas necessidades, mas o faz de maneira abundante, mostrando seu poder e generosidade inigualáveis. Ele é capaz de suprir muito além do que imaginamos.

Diante desse entendimento sobre o cuidado abundante de Cristo, é importante refletir sobre como isso se aplica em nossas vidas cotidianas.

CONCLUSÃO

Ao reconhecermos que Cristo conhece e atende perfeitamente às nossas necessidades, somos convidados a confiar nele e a viver com gratidão, sabendo que Ele é capaz de prover abundantemente.

Desafio: O desafio é cultivar uma mentalidade de confiança em Cristo, reconhecendo Sua suficiência em todas as áreas de nossas vidas e compartilhando esse conhecimento com outros, para que também experimentem o Seu cuidado abundante.

Veja mais esboços de pregação.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Um Comentário

  1. A biblioteca do pregador tem sido para mim um instrumento importante e de grande ajuda na missão de levar o evangelho , sou missionário no interior do amazonas e os esboços e pregações contidos nessa ferramenta tem sido uma benção para mim! .

    Grato,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo