5 Razões pelas quais as Mães em tempo integral são Julgadas

Você já ouviu? A maternidade em tempo integral está sob julgamento! Está em todo o YouTube, Facebook, Instagram e até TikTok – as mulheres que escolhem ficar em casa com seus filhos estão sendo consideradas tolas e preguiçosas. Elas estão sendo mal faladas e culpadas por se curvarem desnecessariamente às exigências do patriarcado e deixarem para trás seus direitos tão lutados de ter filhos e uma carreira.

A premissa deste artigo pressupõe que as mães em tempo integral são julgadas. Se são, como assim? Se elas são julgadas, elas não são julgadas mais do que mães que trabalham. O que nos leva a criar ou clicar em artigos como este? Vamos explorar, em vez disso, por que as mães em tempo integral se sentem julgadas.

Essas são Portanto as 5 razões pelas quais as Mães em tempo integral são Julgadas

Razão nº 1: a Sociedade está “armada”

Temos que reconhecer que o diabo, que está constantemente procurando destruir o que Deus ama. Ele usará a sociedade para nos julgar, não importa quem somos ou o que fazemos. O inimigo usará qualquer ferramenta que puder para nos derrubar. 

Ele pode até usar um instinto maternal para causar caos. No mesmo ritmo, também precisamos reconhecer que nossa própria carne tentará nos puxar para a discórdia, e os poderes políticos do mundo costumam usar assuntos familiares como forragem de campanha. 

A maternidade é um empreendimento que está próximo do coração, tornando as paixões facilmente inflamadas. Bem sabemos que o funciona para uma pode não funcionar para a outra.

A maternidade combativa se manifesta discursivamente através da metáfora das guerras das mamães, que anteriormente descreveu antagonismos entre mães que trabalham e mães em tempo integral, mas mais recentemente mudou para descrever animus entre inúmeras filosofias e práticas parentais.

Para combater nossas paixões naturais, o diabo, e essa suposta contenção, precisamos olhar para o que a Bíblia tem a dizer sobre esse assunto.

Razão nº 2: Mães Cristãs querem ter o direito de discordar sobre o que é melhor

Nem todos são cristãos, mas para um cristão, tirar uma conclusão sobre se as mulheres devem ou não ficar em casa em tempo integral com seus filhos sem consultar a visão bíblica apenas promulgaria outra visão de mundo feita pelo homem. O mundo já está cheio de tais visões. 

1 Coríntios 3:18-19 lembra aos crentes: “Ninguém se engane. Se alguém entre vocês pensa que é sábio nesta época, torne-se um tolo para que se torne sábio. Pois a sabedoria deste mundo é loucura para Deus”. 

Só porque algo parece prático ou bíblico não significa que seja. Antes de qualquer cristão ter uma opinião sobre um assunto, eles devem primeiro recorrer à Bíblia para orientação e submeter-se à sua verdade antes de se curvar à sabedoria da época. 

Isso faz parte de seguir Jesus como Senhor. No entanto, algumas questões são o que os teólogos chamam de adiaforismo , uma situação que a Bíblia não dita ou restringe. 

Aprendendo pela Palavra de Deus

A Bíblia não aborda diretamente a questão de saber se as mulheres devem trabalhar fora de casa quando têm filhos, mas nos dá esta verdade:

“TODA mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos”. (Provérbios 14:1). 

A partir disso, concluímos que uma mulher deve se preocupar com sua casa. 

Mais adiante, em Provérbios 31, vemos que a mulher exemplar cuida de sua casa, ao mesmo tempo em que leva sabedoria e conhecimento de negócios para o mercado. 

Tito 2:3-5 “diz às mulheres mais velhas que ensinem as mulheres mais jovens a amarem seus maridos e filhos e a estarem ocupadas, ou trabalhando, em casa”. 

1 Timóteo 5:14 “diz às jovens viúvas que se casem, tenham filhos, cuidem de suas casas , e não dê ao adversário ocasião para calúnia”. 

Claramente nas escrituras, vemos que uma mulher deve cuidar dos assuntos domésticos. Enquanto se abstém de preguiça ou indiferença, mas não há nada que proíba uma mulher de trabalhar fora de casa.

Infelizmente, a sociedade leva as mães para esse caos quando nossa lealdade deveria estar com Cristo Rei acima de todas as outras coisas. 

Muitas vezes esquecemos que, embora a Bíblia possa não ser clara sobre a questão SE uma mãe deve trabalhar fora de casa, Paulo foi claro quando nos disse:

“Rogo a vocês, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos vocês concordem, e que não haja divisões entre vocês, mas que vocês estejam unidos na mesma mente e no mesmo julgamento”. (1 Coríntios 1:10)

Razão nº 3: Buscam a correção do “Reino” Autogovernado na Sociedade

Dar sua vida por outro é bíblico (1 João 3:16), e também é radicalmente contra-cultural. A paternidade vem com um custo, literal e figurativamente. E os custos para uma mãe geralmente superam os custos para um pai. 

Em uma pesquisa feita nos Estados Unidos em outubro de 2020, “cerca de oito em cada dez mães (78%) disseram que fizeram mais do que seu cônjuge ou parceiro, quando se tratava de gerenciar os horários e atividades de seus filhos – e 62 % dos pais concordaram que seu cônjuge ou parceira fez mais a esse respeito.” 

Embora a paternidade também venha com recompensas que muitos diriam que superam os custos, vivemos em uma cultura que prioriza um reino autogovernado, onde o que fazemos é quem somos; a evidência é incrivelmente clara. 

Os cristãos deveriam viver para o reino de Deus, mas há crença de que a vida ideal é aquela que desenvolve e governa um reino pessoal. 

Se nossa identidade está principalmente em nossa maternidade ou em nosso trabalho, qualquer ideia ou afirmação que contrarie o que acreditamos pode ser percebida como um ataque ou julgamento ao nosso eu mais profundo e verdadeiro.

Dividimos o mundo em “eles” e “nós” com base em um processo de categorização social ou seja, colocamos as pessoas em grupos sociais.

Queremos defender nossas paixões. Porque se não estamos totalmente enraizados no fato de que nossa identidade é recebida de Jesus; procuramos estabelecê-la e validá-la por meio de nossas escolhas e ações.

Razão nº 4: A polarização presente na Sociedade fazem as mães em tempo integral se sentirem julgadas

As pessoas têm fortes convicções sobre a ideia de que as mulheres devem ser mães em tempo integral ou mães que trabalham fora de casa. Quando essas convicções se transformam em julgamentos que se transformam em calúnias, em blogs, canais de mídia social ou em conversas com amigos que acreditam no mesmo, a questão cria uma mentalidade “nós” versus “eles”. Esse tipo de mentalidade está longe da unidade que Deus deseja para seu povo.

A quantidade de angústia que surge das mulheres questionando suas próprias escolhas e o veneno que pode vir da promoção de suas próprias agendas devem fazer com que os cristãos parem e lembrem do privilégio e do presente que é ser mãe.

Solução sugerida: criar comunidade e atender ao chamado para descansar

Goste ou não, a maternidade agrupa as mulheres em uma determinada categoria – biológica e socialmente. Se uma mulher se torna mãe durante a gravidez, isso literalmente muda seu cérebro . É um grupo que deve apoiar e edificar seus membros, não ser dividido em tribos briguentas. 

As mães precisam ajudar, ter empatia e encorajar umas às outras, mas as tentações de derrubar umas às outras para nos sentirmos melhor sobre nossas próprias decisões como mãe estão sempre presentes. Não precisamos nos sentir julgadas simplesmente porque alguém escolheu diferente de nós, ou cair na mentira de que devemos repudiá-lo ao justificar nossas próprias decisões.

Devemos nos mover em direção aos “outros” que não são como nós, e não nos preocupar com as preocupações de uma cultura esforçada cujos ideais mudam com o vento. 

Descansando em Deus

TODAS as mães precisam da verdade do evangelho, e todas devem ser convidadas para o relacionamento que mais importa, com Jesus. 

No entanto, Deus ama os seus filhos. Ele pode nos fortalecer quando os dias são longos; ele é aquele que pode atender a todas as necessidades e atender a todos os chamados. E quando nos sentimos julgadas por qualquer crença bíblica ou decisão que acreditamos que Deus nos levou a tomar, podemos descansar na certeza de que é a opinião Dele que mais importa.

Indiara Lourenço

Mãe, esposa e serva que ama fazer a obra de Deus. Contagia a todos com sua alegria está sempre incentivando com palavras motivadoras!
Botão Voltar ao topo