7 Lições sobre a História de Daniel na Cova dos Leões

Quando pensamos no personagem bíblico Daniel, muitas vezes imaginamos ao lado de leões. Por que é isso? Quem era Daniel e por que foi jogado na cova dos leões? 

A história de Daniel é composta de doze capítulos cheios de suspense, caráter piedoso e belas evidências da presença fiel de Deus mesmo em circunstâncias difíceis. 

Vamos então, mergulhar em uma das histórias mais famosas da Bíblia: Daniel na cova dos leões.

Qual é a história de Daniel na cova dos leões?

Daniel era um jovem judeu que serviu como oficial de alto escalão na corte do rei, mas seus colegas se ressentiram de seu sucesso e favor diante do rei.

E assim está registrado em Daniel 6 que eles criaram uma trama contra Daniel.

Quando Daniel foi jogado na cova de leões, Deus não permitiu nenhum mal lhe acontecer.

Este é um resumo do que aconteceu com Daniel na cova dos leões, mas há muitos detalhes do livro de Daniel que aumentam nossa compreensão de sua história.

7 Lições sobre Daniel e a cova dos leões

1. O nome de Daniel significa “Deus é meu juiz”.

O nome Daniel vem do hebraico “Deus é meu juiz”. O significado do nome de Daniel se encaixa bem para quem escolheu agradar a Deus e não ao homem. 

Sua atitude é semelhante à do apóstolo Paulo, que disse: “Pois busco agora a aprovação do homem, ou de Deus? Ou estou tentando agradar o homem? Se ainda procurasse agradar aos homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:6). 

Os crentes podem aprender com esses exemplos e dizer junto com os pais que deram o nome de Daniel: “Deus é meu juiz”.

2. Daniel nasceu em Jerusalém, mas foi levado cativo para a Babilônia ainda jovem.

Daniel era de família nobre em Jerusalém, mas ainda jovem, foi levado cativo para a Babilônia. 

Ele e seus amigos foram selecionado como “Jovens em quem não houvesse defeito algum, de boa aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e doutos em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para assistirem no palácio do rei…” (Daniel 1:4). E foram treinados por três anos antes de começar oficialmente seus trabalhos como servos do rei.

3. Daniel e seus amigos foram fiéis em seu trabalho e fiéis a Deus.

Desde seus primeiros dias na Babilônia, Daniel e seus companheiros Hananias, Misael e Azarias foram caracterizados por uma fidelidade simultânea em seus deveres e fidelidade a Deus. 

Embora eles tenham se destacado em seu treinamento e serviço e até renomeados, Daniel se tornou Beltessazar, Misael se tornou Sadraque, Misael se tornou Mesaque e Azarias se tornou Abednego, sua identidade primária como servos devotados de Deus permaneceu inalterada.

Deus deu a esses quatro jovens conhecimento e entendimento em todo tipo de literatura e sabedoria… Então eles começaram a servir na corte do rei. Em todas as questões de sabedoria e entendimento sobre as quais o rei os consultava, ele os achava 10 vezes melhores do que todos os sacerdotes e médiuns adivinhos em todo o seu reino. (Daniel 1:17-20).

Os companheiros de Daniel tiveram sua fidelidade a Deus provada quando recusaram a idolatria. Eles foram lançados numa fornalha como punição, mas saíram ilesos (Daniel 3:1-30). 

Muitos anos se passaram, e Daniel continuou servindo a cada rei em sucessão e subindo na hierarquia. 

Eventualmente, ele foi nomeado para um alto cargo administrativo no reino junto com outros dois. Mas “Daniel se distinguiu acima dos administradores e sátrapas porque ele tinha um espírito extraordinário, então o rei planejou colocá-lo sobre todo o reino” (Daniel 6:3).

4. Daniel estava acima de reprovação em seu trabalho.

Os outros administradores ficaram ressentidos com o sucesso de Daniel, e assim tramaram para derrubá-lo de alguma forma, “ mas não podiam achar ocasião ou culpa alguma; porque ele era fiel, e não se achava nele nenhum erro nem culpa. (Daniel 6: 4). 

E os conspiradores perceberam que teriam que descobrir uma maneira de fazer o rei penalizar Daniel por sua fé.

5. Daniel foi alvo e penalizado por sua fé.

Os conspiradores foram até o rei e propuseram uma nova lei (que não poderia ser mudada).

A lei era a seguinte: ninguém poderia orar a nenhum deus exceto o próprio rei. E, qualquer que a violasse seria lançado na cova dos leões. 

O rei assinou a lei, e Daniel continuou fielmente com seu hábito de orar três vezes ao dia em frente às janelas de sua casa, de frente para Jerusalém. 

Os administradores o pegaram em flagrante, então foram ao rei para relatar a nova atividade “ilegal” de Daniel. 

O rei ficou aflito porque se importava e respeitava Daniel, mas nem mesmo ele conseguiu revogar uma lei que já havia entrado em vigor. 

Então Daniel foi para a cova dos leões, todos pensavam que seria a morte certa.

6. Daniel experimentou a fidelidade de Deus em um resgate improvável.

Embora de uma perspectiva terrena, a situação de Daniel parecia desesperadora. 

Mas ele confiou em Deus que o livrou. 

Depois de uma noite vivo na cova dos leões, Daniel saiu ileso, dizendo ao rei: “Meu Deus enviou o seu anjo e fechou a boca dos leões, e eles não me fizeram mal, porque fui considerado irrepreensível diante dele” (Daniel 6: 22).

7. A libertação de Daniel resultou em pessoas de todo o reino ouvindo sobre o Deus de Daniel.

O rei ficou muito feliz por Daniel estar ileso. Ele percebeu que os outros administradores o enganaram para fazer uma lei que prejudicaria Daniel, então ele colocou em prática outra lei dizendo às pessoas para temerem o Deus de Daniel, dizendo:

“Eu promulgo um decreto que em todo o meu domínio real, as pessoas devem tremer de medo diante do Deus de Daniel:

Pois ele é o Deus vivo,
e permanece para sempre;
Seu reino nunca será destruído,
E Seu domínio não tem fim.

Ele resgata e entrega;
Ele faz sinais e maravilhas
nos céus e na terra,
pois livrou Daniel
do poder dos leões” (Daniel 6:26-27).

Qual é a principal lição de Daniel na cova dos leões?

Sua história encoraja aqueles que seguem a Deus a se concentrarem mais no que dizem sobre eles do que no que os outros dizem sobre eles. 

Sua libertação mostra aos crentes que Deus é capaz de nos resgatar mesmo das circunstâncias mais impossíveis. 

E devemos confiar em Deus em todas as circunstâncias! Pois, elas podem ser um meio pelo qual Deus se revela a muitos.

Há muitas outras coisas para saber da história de Daniel, que está registrada em doze capítulos. 

O livro é uma leitura edificante para quem deseja crescer em fidelidade e confiança para com Deus e seus líderes.

Por Jessica Udall

Botão Voltar ao topo