7 coisas que os cristãos hoje podem aprender com André na Bíblia

Na Bíblia, André era discípulo de Jesus Cristo, pescador de profissão e irmão de Simão Pedro. Embora não se escreva muito sobre ele, várias histórias nos evangelhos retratam André como um líder atencioso e humilde. Além disso, tinha outras boas qualidades, como desejo para seguir a Jesus e fiel em trazer outros a Cristo ao longo de Seu ministério.

Não há como negar que Jesus escolheu um grupo eclético de jovens para seguir Seus passos. Antes de seu encontro com o Messias, os discípulos eram tão comuns quanto nós. Eram irmãos, filhos, pescadores, cobrador de impostos e dedicados. Eles eram pecadores que precisavam de um salvador como todos nós. Eles não eram elite e não eram altamente educados. E, não eram proeminentes ou influentes aos olhos do mundo na época de seu chamado. E, no entanto, Cristo escolheu cada um deles para serem Seus discípulos e mais tarde construir Sua igreja.

André, no entanto, é um discípulo cujo nome não aparece com frequência nos evangelhos. Então, o que realmente sabemos sobre ele e o que podemos aprender com seu caráter, seu ministério e a maneira como Cristo o usou para promover o reino de Deus?

Quem foi André na Bíblia e o que sabemos sobre ele?

André, cujo nome em grego significa “viril”, nasceu em um lugar chamado Betsaida, na costa noroeste do Mar da Galiléia (Jo 1:44). Ele, junto com seu irmão Pedro, cresceu na cidade vizinha de Cafarnaum (Marcos 1:29). Ambos eram pescadores de profissão e provavelmente amigos íntimos de outros pescadores e discípulos, Tiago e João, filhos de Zebedeu, e possivelmente também Filipe e Natanael.

Embora André não fosse nem de longe tão agitado ou impulsivo quanto seu irmão mais velho Pedro ou os Filhos do Trovão (Tiago e João), é importante que não criemos uma imagem falsa dele como de alguma forma o irmão “mais fraco”. 

Suas personalidades, como seus chamados, eram muito diferentes, mas não se engane, os rigores de seu ofício teriam dado a André (como a maioria dos pescadores) força física e durabilidade para combinar com seu nome.

Além disso, o zelo espiritual de André e a resolução de trazer outros a Cristo não são qualidades que alguém encontraria em um indivíduo passivo ou tímido. Além de sua vocação, André e Pedro (e possivelmente Tiago e João) também se interessaram por assuntos espirituais, tornando-se discípulos de João Batista (Jo 1:35-42). 

João, porém, havia preparado tanto André quanto Pedro para a chegada de Jesus Cristo, prometendo que viria alguém maior do que ele, “cujas sandálias dos pés não sou digno de desamarrar”. (Atos 13:25).

Mesmo André aparecendo pouco na Bíblia, ele teve um papel importante?

De fato, depois que João batizou Jesus no rio Jordão e o anunciou como o “Cordeiro de Deus (Jo 1:29-36), André foi o primeiro dos doze a ser apresentado a Jesus.

As Escrituras então nos dizem que, imediatamente ele encontrou seu irmão Pedro, dizendo “encontramos o Messias!” (João 1:41-42). André e Pedro ali se tornaram discípulos de Jesus e O seguiram durante todo o Seu ministério.

Na Bíblia, porém, André raramente aparece além de seu irmão e outros discípulos. Ele às vezes é incluído com os três principais (Pedro, Tiago e João). 

Em outras ocasiões, ele é excluído do trio, que frequentemente ia com Jesus para orar, receber ensinamentos específicos ou testemunhar certos milagres. Por que André ficou de fora? Nós não sabemos. Como o resto dos discípulos, ele tinha um relacionamento pessoal com Jesus. Os detalhes dessa relação, no entanto, nem sempre estão na Bíblia.

Como irmão de Simão Pedro, André também tende a ser ofuscado por seu irmão mais franco e dominante. Isto é esperado. No entanto, embora André não apareça tão proeminente nos Evangelhos quanto Pedro nem tenha um ministério tão público quanto seu irmão, de forma alguma André foi esquecido por Jesus.

André conhecia seus dons, seu chamado e o papel que Deus lhe pedira para desempenhar na edificação de Seu reino. Ele o fez fielmente sem precisar receber crédito por suas ações.

Onde André aparece nos Evangelhos?

João registra três histórias onde André aparece pelo nome fora de qualquer lista e até mesmo seu irmão. Lendo juntos, um padrão no caráter de André começa a surgir.  

André leva seu irmão para conhecer Jesus

Como mencionado anteriormente, a primeira história com André envolve-o encontrando e contando a seu irmão sobre Jesus (João 1:35-42).

Pedro, como sabemos pelos evangelhos, era naturalmente extrovertido, impetuoso e muitas vezes impulsivo. Ele era um buscador de atenção que prosperava no centro delas, mas também era um líder natural. Dito isto, havia muitas coisas sobre o caráter de Pedro que Jesus procurou refinar.

Compreensivelmente, André viveu a maior parte de sua vida na sombra de seu irmão.

Em André, porém, não encontramos o típico ressentimento ou amargura que muitas vezes existe entre irmãos, mesmo na Bíblia. Em vez disso, André foi imediatamente procurar seu irmão e compartilhar as boas novas. Ele então trouxe Pedro para encontrar o Messias. 

André leva o menino com 5 pães e 2 peixes a Jesus

Na história de Jesus alimentando os cinco mil (João 6:1-14), André também aparece de maneira semelhante.

Quando uma grande multidão se reuniu para ouvir Jesus, Ele olhou para Seus discípulos, a saber, Filipe, e perguntou: “onde vamos comprar pão para que essas pessoas comam?” (João 6:5). Filipe respondeu: “duzentos denários de pão não são suficientes para eles, para que cada um receba um pouco”. (João 6:7).

Em termos puramente monetários, Filipe estava correto. Os discípulos não tinham dinheiro ou comida suficiente para alimentar uma multidão tão grande.

André, porém, deu um passo à frente com uma oferenda: “há um menino aqui que mal tem cinco pães e dois peixes; mas o que são isso para tantas pessoas?” (João 6:9).

André não era estúpido. Ele sabia que cinco pães e dois peixes não eram suficientes para alimentar a multidão, muito menos os doze. Ele trouxe o menino com sua pequena oferenda a Jesus de qualquer maneira.

André leva gregos curiosos a Jesus

Em outra ocasião, um grupo de gregos curiosos procurou uma audiência com Jesus (Jo 12:20-26). Sem saber o que fazer, Filipe disse a André, que rapidamente contou a Jesus.

John MacArthur novamente conclui: “André não ficava confuso quando alguém queria ver Jesus. Ele simplesmente os trazia a Ele. Ele entendeu que Jesus gosta de conhecer qualquer um que deseja conhecê-lo.” 

Portanto, o padrão que vemos no caráter de André envolve a disposição de ser usado por Jesus, não importa quão pequena seja a tarefa, e o desejo de levar indivíduos a Jesus sem hesitação.

7 coisas que os cristãos de hoje podem aprender com André

Jesus Cristo está no centro do evangelho e deve ser entendido como o herói da história, agora e sempre. No entanto, há coisas que podemos aprender com o caráter de Seus discípulos, tanto boas quanto ruins, particularmente as qualidades que Cristo transformou para Sua glória. André não é exceção. 

1. Cristo não chama os qualificados

As vidas notavelmente comuns e as ocupações comuns dos discípulos foram notadas. No entanto, o que é importante lembrarmos é que Jesus não chamou os discípulos por sua ocupação, influência ou qualificações. Mas, por Sua graça Ele chamou homens comuns. Ele desejou qualificar e equipar para o evangelho, demonstrando como: 

Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir os sábios, e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir os sábios. as coisas que são fortes.

1 Coríntios 1:27

2. Indivíduos são frequentemente apresentados a Cristo por meio de outros

Como cristãos, esperamos oradores talentosos, evangelistas e pastores proeminentes para levar outros a Cristo do púlpito. Eles podem serem usados por Deus. Mas, como vemos por meio de André, as pessoas também são e muitas vezes levadas a Jesus por aqueles que conhecem. 

A transformação pessoal e o poder do relacionamento às vezes são tão eficazes, se não mais eficazes, do que qualquer sermão ou chamada de altar.

Isso não quer dizer que sermões e evangelismo público não sejam essenciais. Eles certamente são. No entanto, este não foi o dom ou chamado de André. 

Nada na Bíblia nos leva a acreditar que André falou na frente de grandes multidões, escreveu cartas ou fundou igrejas como Pedro fez. Isso não importava. André tinha um papel a desempenhar no reino, e Deus encheu André com o Espírito Santo para trazer indivíduos a Cristo. 

3. Nenhum dom é pequeno demais para Deus usar

Nos eventos que levaram Jesus a alimentar os cinco mil, os discípulos se concentraram no impossível. Eles viram cinco mil bocas para alimentar e recursos limitados para circular. André viu Jesus e uma oportunidade para um milagre. 

Onde os outros viram uma multidão enorme, André viu um menino pequeno com uma pequena dádiva que poderia ser usado de maneiras poderosas. Nenhum dom, portanto, é pequeno demais para Cristo usar para Sua glória.

4. Até os discípulos precisam de perdão

Embora os evangelhos apresentem André em uma luz principalmente positiva, é importante lembrar que ele, como seu irmão e o resto dos discípulos, abandonou Jesus na noite em que foi preso e crucificado. 

Dito isto, nenhum pecado ou traição era grande demais para Cristo perdoar. O mesmo é verdade para os discípulos de Cristo hoje. 

5. Boas notícias devem ser compartilhadas

Embora André tenha sido o primeiro a encontrar Jesus, a notícia da chegada de Cristo era simplesmente boa demais para ele guardar para si mesmo. Ele tinha que contar a quem amava, ou seja, seu irmão mais velho.

Levar pessoas a Jesus era uma característica que André exibiria em mais de uma ocasião. Como o apóstolo Paulo escreve:

Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? …como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.

Romanos 10:14-15

André aparentemente entendeu isso mesmo antes da Grande Comissão de Jesus (Mateus 28:16-20).

6. Há um custo para seguir a Jesus

Durante Seu ministério, Jesus advertiu Seus pretensos discípulos que, “se alguém quiser vir após Mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz diariamente e siga-me”. (Lucas 9:23)

Como o resto dos apóstolos, André aceitou o custo do discipulado e sofreu muito por causa do evangelho.

Depois que Jesus ascendeu ao céu, André se tornaria um líder na igreja primitiva ao lado de seu irmão e outros apóstolos. 

A história nos diz que ele levou o evangelho a partes da Grécia e da Ásia Menor. O historiador do século VII, Eusébio, também escreve sobre André viajando até o norte da Cítia, ao norte do Mar Negro.

Acredita-se que André foi martirizado na Acaia por crucificação em forma de X.

7. Proeminência não é tão importante quanto fidelidade

Apóstolos como Pedro e mais tarde Paulo teriam ministérios públicos e muito proeminentes. Este era o seu chamado. Eles falariam na frente de multidões e levariam milhares a Cristo. No entanto, muitos outros ministros do evangelho trabalharam no anonimato, mas também receberam uma coroa de glória por sua fidelidade. André foi um desses discípulos.

Seu nome pode não ser muito conhecido. As histórias escritas sobre ele podem ser poucas. Mas ao servir sem buscar reconhecimento, levando indivíduos (não multidões) a Cristo e permitindo que Deus use Seus dons como Lhe agradasse, André demonstrou humildade, compaixão e confiança em Cristo que os cristãos de hoje seriam sábios em imitar.


Por Joel Ryan, do site CrossWalk.com

Botão Voltar ao topo