Bodas do Cordeiro: O que é e Como será a Grande Ceia

As Bodas do Cordeiro será o encontro glorioso, já nos céus, entre Cristo e sua Igreja amada. Após galardoar seus servos fiéis, no seu Tribunal, Jesus conduzirá a Igreja às mansões celestiais, onde será servida a grande Ceia do Senhor.

João viu a multidão incalculável de remidos por Cristo que estarão com Ele nos céus (Apocalipse 5:11). A Noiva do Cordeiro (a Igreja) é composta dos cristãos verdadeiros e dos crentes de todas as épocas.

O que é a Ceia das Bodas do Cordeiro?

A ceia ou festa das Bodas do Cordeiro, é a celebração que ocorrerá em algum momento do fim dos tempos, quando aqueles que passarão a eternidade no Céu celebram a união com Jesus para sempre. Os crentes são simbolizados pela noiva e Jesus é o noivo. Depois de séculos, todo o céu celebrará Jesus e todos os que Ele morreu para salvar estando juntos e Seu reino legítimo sobre toda a terra. É um momento de emoção, pelo qual até o Senhor Jesus está ansioso, pois muitos estudiosos acreditam que é esse evento mencionado quando Jesus disse:

“Eu lhes digo que não beberei mais deste fruto da videira até que naquele dia em que a beberei nova convosco no reino de meu Pai”.

Mateus 26:29

Acredita-se que a Ceia do Senhor sirva ao duplo propósito de lembrar o sacrifício de Jesus, bem como olhar para este evento.

Onde a Bíblia menciona a Ceia das Bodas do Cordeiro? 

O último livro do cânon não é a revelação da Besta, do Anticristo ou das pragas. Embora essas coisas existam como visões do que está por vir, todo o livro é uma revelação completa de Jesus Cristo. 

A expressão final dessa revelação nos diz muito. Depois que Deus interrompe toda a violência e tirania, o anjo mostra isso a João: 

E ouvi como que a voz de uma grande multidão, e como que a voz de muitas águas, e como que a voz de grandes trovões, que dizia: Aleluia! pois já o Senhor Deus Todo-Poderoso reina.
Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.
E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.
E disse-me: Escreve: Bemaventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.

Apocalipse 19:6-9

Qual é o contexto de Apocalipse 19?

A descrição da grande festa de casamento vem no final de uma série de visões dadas ao Apóstolo João sobre os Últimos Dias.

A cidade maligna da Babilônia ganhou destaque durante o período da Tribulação, conforme documentado nos capítulos anteriores, e no capítulo 18, ela finalmente sucumbe ao julgamento legítimo, enquanto todos os que amaram, lucraram e adoraram a Babilônia estão de luto. Um anjo declara:

“Assim, Babilônia, a grande cidade, será derrubada com violência e não será mais encontrada… e todas as nações foram enganadas por sua feitiçaria. E nela foi achado o sangue dos profetas e dos santos e de todos os que foram mortos na terra” (Apocalipse 18:21 b, 23b-24).

O capítulo 19 começa com a reação no céu, regozijando-se e louvando a Deus por causa de Sua bondade, justiça e o colapso do mal. A próxima visão é a da Ceia das Bodas do Cordeiro.

João vê, todos os santos, as almas que residem no Céu dizendo:

“Aleluia! Pois o Senhor nosso Deus, o Todo-Poderoso reina. Regozijemo-nos e exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, e a sua Noiva já se aprontou; foi-lhe permitido vestir-se de linho fino, resplandecente e puro” (Apocalipse 19:6 b-8a).

Seguindo o convite dos santos para a ceia das bodas, João passa para a próxima visão, de Jesus Cristo – o noivo – montado em um cavalo branco vindo para afirmar seu domínio, finalmente derrotar seus inimigos a besta e o falso profeta, e começar o que é conhecido como o reinado milenar. Este período de tempo cobre mil anos, onde Jesus reinará como rei na terra por 1000 anos, enquanto o diabo está preso e incapaz de enganar; é discutido no capítulo 20.

Embora os teólogos discutam quando a ceia das bodas acontecerá na linha do tempo dos eventos, eles geralmente concordam com seu significado como um dos momentos chave no plano de Deus. É uma celebração da fé vista, dos reencontros e das promessas cumpridas. 

O que acontecerá na festa das bodas do Cordeiro

O que acontecerá na festa das bodas do Cordeiro?

A Bíblia descreve muitos casamentos. Ο próprio Deus celebrou o primeiro de todos os casamentos (Gn 2.18-25).

Dentre alguns casamentos célebres, podemos destacar o de Jacó e Lia (Gn 29.21-25), o de Rute e Boaz (Rt 4), o de Acabe e Jezabel (1 Rs 16.29-31), e o casamento em Caná, onde Jesus Cristo realizou seu primeiro milagre (Jo 2.1-11). No entanto, o mais maravilhoso dos casamentos ainda está por vir.

Jesus profetizou acerca dele por meio de parábolas (Mt 22.2; 25.1; Lc 12.35-36) e João descreveu o que Deus lhe mostrou em uma visão:

“Regozijemonos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória, porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou” (Apocalipse 19:7).

O ANFITRIÃO

O anfitrião deste casamento será Deus Pai.

Ele é descrito preparando a cerimônia e enviando seus servos para chamar os convidados (Lucas 14:16-23).

O NOIVO

O noivo é Jesus Cristo, o Filho amado do Pai (Mt 3.17; 17.5).

João Batista referiu-se a Jesus como “esposo” e a si mesmo como o “amigo do esposo” (João 3.27-30).

Em Lucas 5.32-35, Jesus, em uma alusão a sua morte, disse: “Dias virão, porém, em que o esposo lhes será tirado, e, então, naqueles dias, jejuarão”.

A IDENTIDADE DA NOIVA

O apóstolo Paulo, a respeito da Igreja, escreveu: “ […] porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo” (2 Co 11.2).

Posteriormente, aos efésios, ele escreveu: “Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela” (Ef 5.25).

O Novo Testamento retrata o relacionamento entre Cristo e a Igreja segundo as características de um típico casamento no Oriente Médio.

Tais casamentos consistiam em três estágios distintos.

O NOIVADO

No primeiro século, os acordos nupciais eram geralmente propostos pelo pai do noivo ainda com as partes muito jovens (algumas vezes até antes do nascimento).

Ele assinava um documento legal, perante um juiz, prometendo seu filho à menina escolhida. O pai, então, oferecia um dote que fosse adequado. Dessa forma, ainda que jamais tivesse visto o noivo, a moça era levada a casar-se com o rapaz.

Um exemplo neotestamentário deste primeiro passo é o noivado de Maria e José (Mt 1.18).

O estágio do casamento se formava por duas partes: a seleção da noiva e o pagamento do dote.

As Bodas do Cordeiro ainda estão na fase do noivado.

• A noiva já foi escolhida: “como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade” (Ef 1.4).

• O dote já foi pago: “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo” (1 Co 6.20; 1 Pe 1.18-19).

A APRESENTAÇÃO

No devido tempo, o pai do noivo enviava os seus servos, munidos do contrato anteriormente firmado, à casa da noiva.

Os servos então levavam a noiva para a casa do pai do noivo.

Quando tudo estava pronto, o pai da noiva passava a mão de sua filha ao pai do noivo, que, por sua vez, passava a mão da moça a seu filho.

Aplicando este contexto às Bodas do Cordeiro, a Igreja ainda espera por esta segunda fase, que acontecerá no arrebatamento.

“Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória, porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.” (Ap 19.7-8)

Semelhantemente ao noivado, a fase da apresentação também possui duas partes: a apresentação dos contratos anteriormente firmados e o cortejo da noiva até a casa do pai do noivo.

• Os contratos legais serão mostrados:

“[…] o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus” (2 T m 2.19).

• A noiva será levada à casa do Pai:

“Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vos teria dito, pois vou preparar-vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver, estejais vós também” (Jo 14-2-3).

A CELEBRAÇÃO DAS BODAS DO CORDEIRO

A celebração das Bodas do Cordeiro

Depois de realizada a parte privada do ritual, tinha início o banquete público. Então, muitos convidados eram chamados para a festa.

Foi durante um jantar assim que Jesus realizou o seu primeiro milagre (Jo 2.1-11).

Algum tempo depois, Ele referiu-se a este terceiro passo, quando disse:

“O Reino dos céus é semelhante a um certo rei que celebrou as bodas de seu filho. E enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas” (Mt 22.2-3).

Em que momento o casamento torna-se público?

Aparentemente, a cerimônia de casamento (a fase de apresentação) se realizará no céu em caráter privado, possivelmente logo após o julgamento de Cristo.

O banquete de casamento (a fase da celebração) será publicamente na terra, logo após a segunda vinda de Cristo.

Não é por acaso que a Bíblia descreve o Milênio como imediatamente após o início do banquete (Ap 19-20).

À época do Novo Testamento, a duração e o custo do banquete eram determinados pelos recursos financeiros do pai.

Quando, portanto, seu amado Filho contrair núpcias, o Pai de toda a graça (cuja riqueza não possui limites) dará aos
noivos uma festa que durará 1000 anos!

O banquete de casamento envolve Israel na terra e “é uma representação alegórica de toda a era do Milênio, para o qual Israel será convidado durante o período da Tribulação”.

Por que a festa das Bodas do Cordeiro é importante para nós hoje?

Este casamento será completamente diferente de todos já realizados sobre a terra.

Em primeiro lugar, em um casamento na terra, o noivo ou a noiva podem voltar atrás no último minuto.

Mas, isto não será possível no casamento celestial. Pois, o Noivo já expressou seu grande amor pela noiva (Ef 5.25) e Ele nunca volta atrás (Hb 13.8).

Quando chegar o casamento, a noiva celestial terá sido glorificada e será imaculada, não podendo ser tentada a mudar de ideia ou a perder seu amor pelo Noivo (Ef 5.27; Hb 10.14).

Em segundo lugar, em um casamento na terra podem surgir diversos problemas legais, como menoridade ou mesmo um casamento anterior, mas não no casamento celestial (Rm 8.33-39).

Em um casamento na terra, pode acontecer a tragédia da morte, mas não no casamento celestial. A noiva (Jo 11.26) e o Noivo (Ap 1.18) jamais morrerão.

Há muitos detalhes sobre os últimos dias que são um mistério, escondidos da vista. Deus forneceu o esboço geral para que os pecadores possam se arrepender antes que seja tarde demais, e os crentes tenham um vislumbre de seu futuro com Ele. 

Quando os tempos são difíceis para os crentes, saber que Deus cumprirá Suas promessas e alguns dos eventos maravilhosos que estão por vir pode ser encorajador. Quanto mais distante estiver da ressurreição no tempo, mais próxima estará a humanidade do cumprimento das profecias da Revelação.

Para aqueles que não sabem se são convidados para a ceia das bodas, há tempo para ir a Jesus, arrepender-se e ter fé. Deus quer todos nessa celebração, e está chamando aqueles que ainda não O conhecem para dar esse passo e aceitar o Seu convite.

Veja mais Estudos sobre Escatologia aqui.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!