10 grandes coisas que Jesus disse que continuamos esquecendo

“E por que me chamais, SENHOR, Senhor, e não fazeis o que eu digo?” (Lucas 6:46)

“Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.” (João 13:17)

Peço desculpas pelo título. Tudo o que nosso Senhor disse era “grande”. É só que algumas de Suas declarações em particular parecem ter sido silenciadas nos últimos anos. Veja o que você pensa.

1. Continuamos esquecendo que: o segundo mandamento é um mandamento.

Queremos que nossa religião seja privada, apenas “eu e o Senhor”.

Jesus se recusa a jogar esse jogo. Depois de ser solicitado a identificar o “maior” mandamento, Ele disse: “E o segundo é semelhante a ele. Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39). 

Devemos notar que este é um mandamento, não uma opção, uma opinião, um desejo, um “curtir” no Facebook ou uma boa ideia. 

Amar fortemente o próximo é um componente chave do tipo de testemunho que Jesus imaginou que Seu povo estendesse ao mundo.

Então, por que não obedecemos? 

Resposta: Achamos isso inconveniente, difícil e exigente. Quando amamos as pessoas, elas podem precisar de nós, e isso interferiria em nossa agenda. 

É muito mais fácil amar o amável, cuidar do agradecido, dar ao merecedor e estender a mão àqueles que precisam de pouco ou nada.

2. Continuamos esquecendo duas coisas sobre alimentar os famintos: vestir os necessitados e visitar os doentes

Primeiro, esquecemos que este é um mandamento e não é opcional… algo que o Senhor espera que possamos encontrar tempo para fazer ao longo da vida enquanto cuidamos de assuntos importantes. 

Jesus honestamente espera que Seu povo faça isso. Fico feliz em relatar que muitas igrejas estão levando isso a sério e envolvendo seu povo em ministérios para os pobres e os esquecidos.

Em segundo lugar, quando fazemos essas coisas “aos mais pequeninos destes meus irmãos”, Ele leva para o lado pessoal. Devemos fazer o bem a todos, mas os irmãos e irmãs em Cristo têm prioridade sobre nossa assistência. Paulo disse:

“Enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé ” (Gálatas 6:10).

3. Esquecemos que: amar as pessoas e o Senhor tem tudo a ver com ação, não emoção.

Quando nosso Senhor nos disse para “amar seus inimigos” em Lucas 6:27, Ele imediatamente explicou que Ele está pedindo é ação. Devemos fazer o bem, abençoar, orar, dar, etc.

Ao longo do discurso no Cenáculo (João 13-16), Jesus enfatizou que quem o ama guarda seus mandamentos. 

As palavras são importantes, é claro, e as emoções também podem ser. Mas nada tem mais força do que ações. Ou seja, os trabalhos que fazemos. O Senhor disse:

“Quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como quem constrói a sua casa sobre a rocha” (Mateus 7:24).

4. Continuamos esquecendo que: o Senhor nos disse que seríamos odiados.

“Está chegando a hora de todo aquele que te matar pensar que está prestando serviço a Deus.” (João 16:2)

O povo de Deus continua esperando ser amado e apreciado por aqueles a quem ministramos e acaba sendo pego de surpresa por sua hostilidade. 

Nós reclamamos: “Por que eles estão nos tratando dessa maneira? Tudo o que eu estava fazendo era ajudar e abençoar. Onde está Deus? O que há de errado?”

Resposta: Nada está errado. Você está certo no tempo.

Esquecemos Mateus 10:16-22 e passagens semelhantes onde Jesus advertiu que seríamos odiados “por todos por causa do (Seu) nome”.

5. Continuamos esquecendo que: Ele nos disse para amar nossos inimigos.

Este ponto segue os passos anteriores por um bom motivo. Eles nos tratam mal e como devemos reagir? 

Devemos amá-los, não alimentar nossa raiva, guardar rancor ou proteger nosso ressentimento como se agora tivéssemos o direito de desprezá-los.

Qualquer um que gaste alguns minutos no Facebook lendo as postagens de cristãos professos sairá horrorizado com a hostilidade que alguns expressam em relação a outras religiões, amantes de prazeres mundanos e políticos equivocados. 

Chame a atenção deles e responderão: “Eu amo o pecador, mas odeio o pecado”. 

Mas tudo sobre seu comportamento e todas as suas palavras falam de ódio e malícia, não de comportamento cristão. 

Na cruz, morrendo, mesmo enquanto os algozes continuavam sua obra maligna, nosso Senhor disse: “Pai, perdoa-lhes. Eles não sabem o que fazem.”

6. Esquecemos que: fomos incumbidos de honrar os indignos e desprezados.

“Quando você der uma recepção (banquete), convide os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos, e você será abençoado, pois eles não têm como retribuir; pois você será recompensado na ressurreição dos justos”. (Lucas 14:13-14)

Essas pessoas têm o coração de nosso Senhor. Eles são especiais para Ele. “Quem dá ao pobre empresta ao Senhor”, diz a Bíblia em Provérbios. 

Quanto mais perto estivermos de Jesus, mais essas pessoas serão importantes para nós também. 

7. Nós convenientemente esquecemos que: “Jesus salva”.

Sabemos que Ele perdoa e adoramos cantar sobre isso. O que deixamos em segundo plano, porém, é o fato de que Ele veio para salvar os pecadores (veja Mateus 1:21 e Lucas 2:11).

Nós que nos dedicamos a alimentar os famintos e vestir os nus e assim por diante, pensamos que cumprimos nossa tarefa. 

No entanto, falhamos com as pessoas quando lhes damos pão, mas mantemos silêncio sobre o Salvador que pode suprir suas verdadeiras necessidades, saciar suas fomes mais profundas e curar suas maiores feridas.

8. Esquecemos que: com Jesus a mudança é contínua.

Lucas 5:36-39 apresenta odres novos como o padrão do Senhor para Seus discípulos: fortes, flexíveis, fiéis, crescentes, etc.

Na ciência, eles chamam isso de “inércia”, a tendência de um corpo continuar fazendo a mesma coisa sem mudança alguma.

No entanto, o Senhor está sempre nos chamando para fora de nossas zonas de conforto. Precisamos abandonar nossos métodos habituais que não agradam a Deus. 

Ninguém que não esteja disposto a mudar e adaptar-se constantemente pode seguir Jesus Cristo por muito tempo.

9. Continuamos esquecendo que: o objetivo não é manter regras.

O objetivo é a obediência ao Senhor, não a obediência servil às regras. 

“A letra da lei mata, o Espírito vivifica”. (2 Coríntios 3:6)

Qualquer um que exija uma demonstração dessa prova precisa apenas visitar uma igreja legalista por algumas semanas. Eles ficarão de coração partido pela maneira como os guardadores de regras “omitem os assuntos mais importantes” para “dizer o dízimo da hortelã, do endro e do cominho” (Mateus 23:23).

Para os legalistas que estavam torcendo as leis de Deus em algemas para seus vizinhos, nosso Senhor disse: “O homem não foi feito para o sábado, mas o sábado foi feito para o homem” (Marcos 2:27).

Suspeito que todas as igrejas do país tenham membros (e muitas vezes líderes) que precisam de lembretes constantes sobre isso.

10. Continuamos esquecendo que: não podemos ler a Palavra fora do contexto.

“Aqui um verso, ali um verso.” Estou diante de vocês hoje para confessar que sou tão culpado quanto qualquer um que conheço. Nós amamos nossos versos, não é? Eles se encaixam tão convenientemente em adesivos de para-choques.

Quantas pessoas conhecem e amam Jeremias 29:11 (“Eu sei os planos que tenho para vocês…”) e reivindicam como seus, mas não têm ideia do que está acontecendo naquele capítulo e para quem foi dado.

Aqui está outra: Em Lucas 9:3, Jesus disse aos discípulos: “Não leveis nada para o vosso caminho, nem cajados, nem alforjes, nem pão, nem dinheiro; e não tenham duas túnicas cada um”. Claro o suficiente, certo? Errado.

Ouvi um ilustre colunista cristão citando Lucas 9:3 como a base de Deus esperando a pobreza dos trabalhadores cristãos. No entanto, ele falhou em apontar que nosso Senhor reverteu essa ordem em Lucas 22:35-36.

É um erro fácil de cometer, a menos que você seja um estudante diligente da Palavra.

Tudo isso prova mais uma vez: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR.” (Isaías 55:8).

Gostamos de nossa religião fácil e prazerosa, confortável e pouco exigente, com recompensas instantâneas e sem espaço para estranhos, a menos que rapidamente se tornem como nós.

Agora, você lê isso e conclui que sua igreja é culpada de esquecer os ensinamentos do Senhor. O que fazer?

Aceite que você pode começar a reverter as coisas. Comece com você mesmo e sua própria obediência e fidelidade pessoal.

Mas você nunca deve ficar com raiva de seus companheiros e começar a pressioná-los por sua negligência. Incentive um ao outro.

Mantenha-se perto do Pai, ore constantemente por sua liderança e membros, e permaneça obediente.

O Senhor o abençoe e lhe dê grande alegria em servi-lo e abençoar outros em nome de Jesus.

Deixo você com um dos versículos mais poderosos e negligenciadas sobre este assunto: Jeremias 22:16.

“Julgou a causa do aflito e necessitado; então lhe sucedeu bem; porventura não é isto conhecer-me? diz o SENHOR.”

Botão Voltar ao topo