2 Coríntios 3:6 Significado de Porque a letra mata mas o Espírito vivifica

2 Coríntios 3:6 – ACF

“O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica.”

Traduções Bíblicas de 2 Coríntios 3:6

NAA – 2 Coríntios 3:6

“O qual nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.”

NVI – 2 Coríntios 3:6

“Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o Espírito vivifica.”

NVT – 2 Coríntios 3:6

“Ele nos capacitou para sermos ministros da nova aliança, não da lei escrita, mas do Espírito. A lei escrita termina em morte, mas o Espírito dá vida.”

Explicação Porque a letra mata mas o Espírito vivifica

A graça de Deus permitiu que os ministros dos evangelhos pregassem os evangelhos, que são o caminho para a vida eterna.

Este versículo é uma comparação dos evangelhos (ou a lei de Jesus Cristo) e a lei de Moisés (no Antigo Testamento). É frequentemente mal interpretado como sendo uma comparação entre o significado literal das Escrituras e o significado espiritual das Escrituras.

Comentando e explicando 2 Coríntios 3:6 as partes do versículo

#1: “O qual nos fez também capazes…”
É pela graça de Deus que Seus apóstolos e outros são capazes de servir a Deus espalhando Sua Palavra. Paulo está reconhecendo que ele é apenas um vaso e é inútil sem Deus trabalhando através dele para espalhar a nova aliança.

#2: “…como ministros…”
“Ministros” significa servos, não pregadores, que estão fazendo ativamente a obra de Deus. Paulo também está indiretamente fazendo referência a falsos profetas que ensinam a importância da lei mosaica. Esses falsos profetas são falsos porque não estão agindo pela graça de Deus e por meio dela.

#3: “…de uma nova aliança…”
Isso se refere aos evangelhos. Os evangelhos registram a vida de Jesus Cristo e seus seguidores daquela época. Alguns comentaristas dizem que a “nova aliança” era uma referência ao Novo Testamento, mas outros argumentam que isso está incorreto porque muitos dos livros do Novo Testamento ainda não estavam escritos, e é improvável que o “Novo Testamento” como a coleção de livros como a conhecemos hoje foi contemplada naquela época.

A “nova aliança” contrasta com o Antigo Testamento, que são os primeiros 39 livros da Bíblia e corresponde aproximadamente à Bíblia hebraica. O Antigo Testamento registra a lei de Moisés, segundo a qual os antigos israelitas deveriam viver.

#4: “…não da letra…”
Não da lei mosaica. A lei mosaica é chamada de “carta” porque diz às pessoas o que devem e o que não devem fazer. É uma série de escritos que regulam as ações morais e civis. A lei mosaica não é um caminho para a vida eterna.
Alguns comentaristas interpretam “letra” como significando a interpretação literal das Escrituras (em oposição ao significado espiritual), mas esta não é a interpretação atualmente favorecida.

#5: “…mas do Espírito…”
Mas dos evangelhos. Alguns comentaristas apontaram que outros erraram ao interpretar “Espírito” como significando o Espírito Santo, e que “Espírito” não deve se capitalizar aqui, pois se refere aos evangelhos que penetram no coração dos cristãos. No entanto, outros comentaristas pensam que “Espírito” se refere ao significado espiritual (em oposição ao significado literal) das Escrituras, mas essa não é a visão dominante atual.

#6: “…porque a letra mata…”
A lei mosaica gera culpa e proíbe punições por violar a lei, incluindo sentenças de morte para os infratores. Outra interpretação desta parte do versículo é que aquelas pessoas que se apegam à lei mosaica e não seguem a lei de Jesus não receberão a vida eterna.

#7: “…mas o Espírito vivifica.”
Os evangelhos são de Deus. Eles têm o poder de Deus neles. Crentes e seguidores dos evangelhos recebem a Palavra de Deus em seus corações. Esses cristãos são salvos e terão a vida eterna com Jesus no céu.

Comentários sobre o que Significa 2 Coríntios 3:6

Comentários sobre o que Significa 2 Coríntios 3-6

Comentário de Wiersbe (Contexto)

Paulo apressa-se em dar glória a Deus, não a si mesmo. Depositava sua confiança em Deus, do qual provinha sua suficiência. Apesar de ser um homem brilhante e culto, o apóstolo não dependia da própria capacidade, mas sim do Senhor.

É claro que, de acordo com o discurso dos legalistas, qualquer um era capaz de obedecer à Lei e de se tornar espiritual. Um ministério legalista é uma forma de alimentar o ego das pessoas. Quando enfatizamos a graça de Deus, precisamos dizer às pessoas que são pecadoras e que não podem se salvar.

O testemunho de Paulo era: “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou” (1 Co 15:10). Ninguém é suficientemente capaz de ministrar ao coração de outros. Tal suficiência só vem de Deus.

Ao ler este capítulo, observam-se as designações diferentes que Paulo usa para a antiga e para a nova aliança ao contrastá-las. Em 2 Coríntios 3:6, “a letra” refere-se à Lei da antiga aliança, enquanto “o espírito” refere-se à mensagem de graça da nova aliança.

Paulo não contrasta duas abordagens à Bíblia, uma “interpretação literal” e outra “espiritual”. Lembra seus leitores de que a Lei da antiga aliança não é capaz de dar vida; é um ministério de morte.

Wiersbe comenta 2 Coríntios 3:6

O evangelho dá vida aos que creem por causa da obra de Jesus Cristo na cruz. Paulo não sugere que a Lei foi um erro ou que seu ministério não era importante. Pelo contrário! O apóstolo sabia que o pecador precisa ser condenado pela Lei e conscientizado de seu total desamparo antes de ser salvo pela graça de Deus.

João Batista proclamou uma mensagem de julgamento, preparando o caminho para Jesus e para sua mensagem de graça salvadora. Um ministério legalista traz morte. Os pregadores que se especializam em regras e em regulamentos mantêm sua congregação sob uma nuvem escura de culpa, que acaba com sua alegria e poder e também com a eficácia de seu testemunho para Cristo.

Os cristãos que estão sempre se medindo, comparando “resultados” e competindo uns com os outros logo descobrem que se tornaram dependentes da carne, não do poder do Espírito. Jamais existiu qualquer norma ou preceito capaz de transformar a vida de uma pessoa; nem mesmo os Dez Mandamentos têm esse poder.

Somente a graça de Deus, ministrada pelo Espírito de Deus, pode transformar pecadores em epístolas vivas que glorificam Jesus Cristo. Paulo não inventou a doutrina da nova aliança para essa ocasião.

Como estudioso perspicaz das Escrituras, o apóstolo certamente leu Jeremias 31:27-34, bem como Ezequiel 11:14-21: No Novo Testamento, Hebreus 8 a 10 é a passagem chave a se examinar. A Lei da antiga aliança, com sua ênfase sobre a obediência exterior, foi uma preparação para a mensagem da graça da nova aliança, com sua ênfase sobre a transformação interior do coração

Comentário de Clarke

Versículo 2 Coríntios 3:6. Quem nos tornou ministros capazes  Esta é uma resposta mais formal à pergunta: Quem é suficiente para essas coisas? Deus, diz o apóstolo, nos fez ministros capazesele nos fez suficientes para essas coisas; pois o leitor observará que ele usa a mesma palavra em ambos os lugares. Somos ministros da nova aliança; desta nova dispensação de verdade, luz e vida, por Cristo Jesus; um sistema que não apenas prova ter vindo de Deus, mas necessariamente implica que o próprio Deus, por seu próprio Espírito, é um agente contínuo nele, sempre realizando seus poderosos propósitos. 

Não da letra, mas do Espírito  O apóstolo não quer dizer aqui, como alguns imaginaram, que ele se declara ministro do Novo Testamento, em oposição ao Antigo; e que é o Velho Testamento que mata, e o Novo que dá vida; mas que o Novo Testamento dá o significado apropriado do Antigo; pois a antiga aliança tinha sua letra e seu espírito , seu significado literal e espiritual. A lei foi fundada na própria suposição do Evangelho; e todos os seus sacrifícios, tipos e cerimônias referem-se ao Evangelho. 

Os judeus descansaram na carta, que não só não oferecia meios de vida, mas matava, condenando todo transgressor à morte. Eles não olharam para o espírito; não se esforçou para descobrir o significado espiritual; e, portanto, eles rejeitaram a Cristo, que era o fim da lei para justificação; e assim para redenção da morte para todo aquele que crê. 

nova aliança colocou todas essas coisas espirituais de uma vez diante de seus olhos, e mostrou-lhes o fim, objetivo e desígnio da lei; e assim os apóstolos que o pregaram eram ministros daquele Espírito que dá vida.

Notas de Barnes sobre a Bíblia inteira

Quem também nos tornou ministros capazes… Parece implicar que Paulo considerava a si mesmo e seus companheiros de trabalho como pessoas de talentos e de notável habilidade; e que ele estava inclinado a se gabar disso. Mas este não é o significado. Refere-se adequadamente ao seu senso de responsabilidade e dificuldade do trabalho do ministério; e ao fato de que ele não se considerava suficiente para este trabalho em sua própria força.

Não há afirmação, portanto, aqui, de que eles eram pessoas de talentos ou habilidades especiais, mas apenas que Deus os qualificou para seu trabalho e os tornou por sua graça suficientes para enfrentar as labutas e responsabilidades desse árduo ofício.

Do Novo Testamento – Da nova aliança, em contraste com a antiga aliança, estabelecida por meio de Moisés. Eles foram designados para sair e tornar as provisões desse novo pacto conhecidas a um mundo moribundo.

Não da letra – Não do significado literal ou verbal, em contraste com o Espírito. Isto é dito, sem dúvida, em oposição aos judeus e professores judeus. Eles insistiram muito na letra da Lei, mas pouco entraram em seu real significado. Eles não buscaram o verdadeiro sentido espiritual do Antigo Testamento; e, portanto, eles se baseavam na mera observância literal dos ritos e cerimônias da religião sem entender sua verdadeira natureza e desígnio. 

Seu serviço, embora em muitos aspectos conforme à letra da Lei, tornou-se frio, formal e hipócrita; abundante em meras cerimônias, e onde o coração tinha pouco a fazer. Portanto, havia pouca adoração espiritual pura oferecida a Deus. E, portanto, eles também rejeitaram o Messias a quem a antiga aliança prefigurava e foi projetado para estabelecer.

Para a letra mata – A mera letra da Lei de Moisés. O efeito disso foi meramente produzir condenação; para produzir um sentimento de culpa e perigo, e não para produzir perdão, alívio e alegria. A Lei denunciava a morte; condenou o pecado em todas as formas; e o efeito disso foi produzir um sentimento de culpa e condenação.

Mas o espírito dá vida – O espírito, em contraste com a mera interpretação literal das Escrituras. O espírito aqui significa aquele novo sistema espiritual, o evangelho. O Espírito de Deus falando em nós. O espírito aqui parece se referir ao Novo Testamento, ou a nova dispensação em contraste com a antiga. 

Isso ficou caracterizado principalmente por seu rigor da Lei, e por seus ritos onerosos, e pelo tom severo de sua denúncia do pecado. Não fornecia em si um meio de perdão e paz. A lei condena; não fala de perdão. Pelo contrário, o evangelho, um sistema espiritual, está projetado para dar vida e conforto à alma. 

É chamado de “espírito”, provavelmente porque seus consolos são transmitidos e garantidos pelo Espírito de Deus, a fonte de toda vida verdadeira para a alma. 

Comentário de Calvino sobre a Bíblia

O qual nos fez também capazes. Ele se reconheceu totalmente inútil. Agora ele declara que, pela graça de Deus, ele foi qualificado para um cargo, para o qual ele não era qualificado anteriormente. Disso inferimos sua magnitude e dificuldade, pois não pode se empreender por ninguém não previamente preparado e moldado por Deus. É intenção do Apóstolo, também, exaltar a dignidade do evangelho. Ao mesmo tempo, não há dúvida de que ele expõe indiretamente a pobreza daqueles que se gabavam em termos elevados de seus dotes, enquanto não fornecidos com uma única gota de graça celestial.

Não da letra, mas do espírito. Ele agora segue a comparação entre a lei e o evangelho, que ele havia mencionado anteriormente. É incerto, no entanto, se ele foi levado a essa discussão, ao ver que havia em Corinto certos devotos perversos da lei, ou se ele aproveitou outra coisa para entrar nela. 

Comentário de Ellicott (Estudo 2 Coríntios 3:6)

Ministros capazes do novo testamento. Melhor, talvez, como manter a ênfase na palavra que havia sido usada em 2 Coríntios 2:16, no inglês como no grego, ministros suficientes. O substantivo é usado para realizar o pensamento implícito no “ministrado por nós” em 2 Coríntios 3:3. Na “nova aliança” nova, como implicando frescor de vida e energia, temos uma referência direta, tanto às palavras de nosso Senhor, como citadas em 1 Coríntios 11:25, quanto na narrativa evangélica da Última Ceia (ver Notas em Mateus 26:28), e em Jeremias 31:31. O grego omite o artigo antes de todas as três palavras, “de uma nova aliança, não de uma letra escrita, mas de espírito”. A ideia de “espírito” vem de Ezequiel 11:19; Ezequiel 36:26-27.

Pois a letra mata, mas o espírito vivifica. A palavra “letra” (gramma) representa, não o que chamamos de significado literal das Escrituras, em contraste com um que é alegórico ou espiritual, mas todo o código escrito ou lei do judaísmo. São Paulo não contrasta o significado literal desse código com a chamada exposição mística dele (uma visão que muitas vezes levou a interpretações selvagens e fantásticas), mas fala do código escrito como tal.

Visão geral de especialistas de 2 Coríntios

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Você precisa desativar o Adblock para continuar navegando em nosso site!