Dependência de jogos e aparelhos eletrônicos: 3 Dicas para combater esse vício

Lucas é um jovem de 13 anos, filho mais velho em uma família cristã. Ele possui apenas um irmão de 7 anos, sua mãe trabalha meio período em um escritório de advocacia e seu pai trabalha integralmente em uma construtora.

A cerca de um ano e meio, a mãe de Lucas percebeu uma mudança em seu comportamento. Ele passou a diminuir gradativamente a saída do apartamento. Não se interessava por caminhada ou algum esporte, e ficava horas no quarto.

A mãe de Lucas procurou compreender o que seu filho fazia naquelas horas, e descobriu que ele ficava jogando online.

No começo, a mãe sentiu-se mais tranquila, porque era mais seguro o filho estar dentro do apartamento, do que estar em locais mais perigosos na companhia de pessoas estranhas. Contudo, de uns meses para cá, a situação ficou bem complicada.

Lucas passou a jogar durante toda a tarde, noite e madrugada. Dorme de duas a três horas e não consegue acordar para ir à escola.

A mãe contou ao pai sobre a situação. O pai disse que havia percebido a mudança de humor de Lucas, mas pensava que tivesse alguma relação com a fase da adolescência.

Pai e mãe, tentaram convencer Lucas a diminuir o tempo junto aos jogos. Mas Lucas começou a chorar, disse que não pode fazer isso, pois o jogo online é tudo para ele.

Os pais pensaram em marcar um psicólogo para Lucas, antes, porém, conversaram com o líder da igreja que frequentam, sobre a situação que estão enfrentando com Lucas.

O líder da igreja local, ficou assustado e surpreso. Ele disse aos pais de Lucas, que mais duas famílias da comunidade havia mencionado um problema semelhante com seus filhos, o que levou o líder pensar em uma estratégia para esta demanda emergencial na comunidade.

O líder da igreja local, decidiu fazer um encontro com todos os adolescentes da igreja, entre 11 e 16 anos, para tratar do tema de dependência de jogos e aparelhos eletrônicos. Para isto, o líder teve que se preparar o encontro com este grupo da igreja.

Vamos entender melhor o assunto.

Quais os possíveis motivos que levam a dependência em jogos/aparelhos eletrônicos?

Carência, baixa estima, bullying, família disfuncional, ausências emocionais, ansiedades e fobias, perda do corpo infantil, afirmação da sexualidade, podem levar a necessidade de apoiar-se a mecanismos que abafem e submergem e escondam em prisões e vícios a realidade e noções de liberdade que um
adolescente possa ter.

Liberdade é hoje em dia essencial ao ser humano. Só que ela faz sentido se usada com critério e responsabilidade… nesse sentido a Internet pode ser uma manifestação de uma das possíveis atitudes
negativas dos seres humanos: adiantar o futuro antes que estejamos maduros para isso.

Além de questões relativas aos sentimentos e questões neurais, temos o fator maturidade e desenvolvimento humano, que devido a fatores de amadurecimento o cérebro dos adolescentes recebe a influência de jogos, redes sociais e telas afins, sem a capacidade de discernimento necessário para isso.

Quais as consequências emocionais/psicológicas/sociais da dependência em jogos/aparelhos eletrônicos?

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estabeleceu a partir de janeiro de 2022 que o comportamento caracterizado como perda do controle sobre o tempo de uso de jogos e a prioridade das telas em detrimento das demais atividades da vida, podem ser considerados sinais de alerta para buscar ajuda e tratamento.

O vício e dependência por telas são considerados patologia psicológica. São relatados estudos pelo mundo onde adolescentes deixaram de tomar banho, comer, deixaram de ir à escola, afastam- se de amigos, não querem sair de casa e/ou seus quartos, mudança de hábitos de sono, trocando o período noturno por algumas horas de descanso a tarde.

A situação de fato é de dependência, vício e patológico em alguns casos.

Como você poderá auxiliar no processo de comunhão e intimidade com Deus quando se trata, por exemplo, de um grupo de adolescentes?

Aqui estão 3 Dicas para combater esse vício da dependência de jogos e aparelhos eletrônicos:

1. Use a Bíblia

Pesquise um versículo ou passagem bíblica que trate sobre o tema do vício/dependência, explique a passagem e a partir dela mostre as consequências espirituais da dependência em jogos/aparelhos eletrônicos.

1 Coríntios 7:23 – Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens.

Gálatas 5:1 – Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão.

Estar atrelado a um vício é perder a vida abundante, a possibilidade de viver a plenitude da graça e a liberdade dada por Cristo, é ter a consciência transformada em pedra e ser levado a um lugar de deserto, sequidão, solidão, crises, ansiedades, reclamações, falta de entendimento e completa frustração.

Há em nós um vazio (as necessidades) do tamanho preenchido por Deus e deixar vícios tomar o lugar Dele, gera a servidão e jugo como consequência espiritual dessa dependência de jogos e aparelhos eletrônicos.

2. Dê para o grupo de adolescentes um Conselho Teórico:

Sintetize o que foi pesquisado, mais o texto/passagem bíblica escolhida, em uma frase curta, clara e objetiva.

Seja forte, consciente do seu alto valor, e da liberdade que foi dada a você. Seja inteligente e saiba que homem ou coisa alguma não pode ou tem o poder de ti dominar.

Grito de guerra: “Firmes, Comprados, Libertos – Cristo já nos Libertou”

3. Dê para o grupo de adolescentes um Conselho Prático:

Crie um evento semanal na igreja para atender aos adolescentes, para que eles possuam um momento de convívio social e lazer.

  • Inicio:
  • Encontro semanal com 1h30min de duração.
  • Combinar com os adolescentes que tragam exemplares da bíblia somente impressos.
  • Na chegada para as reuniões de maneira descontraída deveram deixar os celulares, caso tragam, em um local preparado previamente e só poderão ter contato com ele na saída.
  • Durante os encontros teremos:
  • Palavras de orientação e aconselhamento bíblico em grupo, 30min – 40min.
  • Dinâmicas.
  • Competições bíblicas.
  • Momento de ministração, louvor, adoração, oração incentivando o contato com Deus e exercitando o hábito de orar 20min – 30min.
  • Incentivar a fala por parte dos adolescentes: um testemunho, uma ministração de louvor, compartilhar alguma experiência 10 min.
  • Finalização:
  • Oração: poderá ser realizada por um adolescente ou pela liderança.
  • Confraternização e bate – papo: reservar e combinar com o grupo que terão de 10min – 15min no final da reunião para conversarem, confraternizarem e bater papo, obviamente sem seus respectivos aparelhos.

Botão Voltar ao topo