Por que Deus envia sol e chuva “sobre justos e injustos”?

Deus envia sol e chuva sobre justos e injustos, está certo isso? Quando você olha para sua vida, os bons e os maus momentos, você os vê pela perspectiva de Deus? Quando você vê aqueles que lhe causaram dor e angústia, você acredita que eles experimentam os mesmos altos e baixos, e também precisam do amor de Deus?

Para muitos, essas duas perguntas são difíceis de responder. Não gostamos particularmente de passar por momentos desafiadores, mas alguns assumem que Deus nos abençoará enquanto suportamos a dor. No entanto, se nossos inimigos passassem pela mesma situação, não seria certo dizer que eles deveriam ser abençoados com o mesmo resultado?

Em Mateus 5:45, Jesus declara: “para que vos torneis filhos de vosso Pai que está nos céus; porque Ele faz nascer o Seu sol sobre maus e bons, e derrama a chuva sobre justos e injustos”.

Jesus ensina que circunstâncias boas e ruins acontecerão àqueles que acreditam em Deus e àqueles que não acreditam. Deus não faz acepção de pessoas. Ele permitirá coisas em nossas vidas que devem nos aperfeiçoar.

Esperançosamente, com esse conhecimento que temos, podemos olhar uns para os outros como alguém que precisa do amor de Deus e demonstrá-lo, sejam eles amigos, familiares ou inimigos.

O que está acontecendo em Mateus 5?

A mentalidade geral em Mateus 5 é reconhecer que tempos ruins acontecerão, mas bênçãos virão por meio da luta.

Muitos lembram que Mateus 5 contém as bem-aventuranças de Jesus, que refletem sobre as bênçãos dadas por Deus àqueles que perseveram nas dificuldades. 

Desde os puros de coração até os que têm fome de justiça e os que sofrem perseguições, serão abençoados por Deus por permanecerem fortes na fé durante as provações.

Conforme o capítulo avança, Jesus instrui os ouvintes que aqueles que crêem em Deus são “o sal da terra… e a luz do mundo” (Mateus 5:13-14). 

Ele também aconselha os ouvintes que pensamentos de assassinato ou adultério no coração, já os tornam culpados de cometer os pecados. (Mt 5:21-30). 

Isso é para mostrar que, embora seja importante cumprir a Lei, os Dez Mandamentos, nós, como humanos imperfeitos, não podemos. Então Jesus morreu para cumprir a Lei. Por meio desse cumprimento, nosso coração muda para que desejemos cumprir os mandamentos o máximo que pudermos, sabendo que, mesmo que falhemos, não perderemos Deus.

A última parte de Mateus 5 se concentra mais no que os crentes devem fazer em suas vidas diárias. Jesus encoraja aqueles que ouvem a amar seus inimigos e ajudar os outros sem expectativa de retribuição (Mateus 5:38-48). 

Esta seção inclui Mateus 5:45. Jesus compartilha que, como todos nós experimentamos as mesmas bênçãos e desafios na vida, devemos estender o amor de Deus a todos ao nosso redor. Assim, devemos esperar a transformação espiritual para os outros como Deus fez em nós.

Assim, como afirma Mateus 5:45, quando vemos que todos estamos passando por momentos bons e ruins na vida, como na chuva e no nascer do sol, podemos fazer a escolha de amar e apoiar aqueles que estão passando pelas mesmas situações. Isso agrada a Deus, que abençoa aqueles que são misericordiosos com os outros (Mateus 5:7).

Crédito da foto: Unsplash/Alexis Brown

Por que Deus permite coisas boas tanto para os justos quanto para os injustos?

Muitos que leem Mateus 5:45 podem ter um problema com este versículo, bem como com a explicação de Jesus depois dele. Jesus afirma que, assim como um cobrador de impostos, uma das profissões mais desprezadas na época, ama e ajuda os outros, devemos fazer o mesmo. Devemos amar nossos irmãos e irmãs, mesmo que eles nos odeiem ou nos desrespeitem.

No entanto, alguns criticam isso. As pessoas que odeiam e prejudicam os outros devem ter o mesmo favor que nós, isso é realmente justo? Deus está recompensando a injustiça que nós, por nossa vez, temos que sofrer daqueles que chamamos de inimigos?

A resposta é não. Como Jesus menciona em Mateus 5:45, “porque faz nascer o seu sol sobre maus e bons”, Deus traz bênçãos para os injustos e para os justos porque todos são Seus filhos. Ele não tem favoritos ou tem prazer em ver uma pessoa sofrer, mas traz bênçãos porque faz parte do Seu plano.

Deus sabe que esperamos coisas boas para nós mesmos quando nos vemos como pessoas “boas”. Mas aos olhos de Deus as bênçãos não vêm até nós por causa de nossos esforços. 

Bênçãos são provisões dadas por Deus para crescermos em caráter piedoso e gratidão. Para que assim, possamos estender em amor a outros que não conhecem o amor de Deus. E sim, mostrar amor inclui aqueles que consideramos injustos e indignos do amor e das bênçãos de Deus.

Por que Deus permite que coisas ruins aconteçam a pessoas boas?

Especialmente hoje, esta pergunta tem sido comumente feita: por que coisas ruins acontecem a pessoas boas?

A resposta também está em Mateus 5:45, como Jesus afirma, “porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e desce chuva sobre justos e injustos”. Jesus aponta aqui que a chuva, as situações difíceis e as provações, cairão sobre os bons (justos) e maus (injustos). Como aprendemos acima, Deus não mostra favoritos, então os desafios serão enfrentados por todos, injustos ou não.

O propósito de Deus para esses desafios é lembrar aos que sabem, e aos que não sabem, que esta vida não é tudo. À medida que perseveramos nessa dificuldade, ganhamos uma perspectiva maior de que Deus é o provedor de tudo de que precisamos. 

As coisas ruins nos lembram especialmente que existe um lugar melhor após a morte. Se aceitarmos o sacrifício de Jesus, viveremos onde não haverá dor e o mal será corrigido por meio do amor e da misericórdia de Deus.

O que este versículo nos mostra sobre a paciência e o amor de Deus?

Assim, com esse conhecimento dado por Jesus em Mateus 5:45, aprendemos que Deus pode nos trazer bênçãos inacreditáveis ​​(o nascer do sol), bem como desafios que não sabemos como venceremos (a chuva). 

Também percebemos que as mesmas bênçãos e dificuldades vêm para aqueles que vemos como inimigos, pessoas que menosprezamos ou até mesmo aqueles que nos intimidam.

Mas o que Jesus quer que lembremos é que Deus é um Pai para todos. Ele vê que todos podem ser salvos por meio de Seu amor, misericórdia e provisão diária. 

Alguns podem entender imediatamente sua necessidade de Deus e ser obedientes para oferecer o amor aos outros. Mas alguns estão tão presos em seus caminhos que não conseguem mostrar o amor de Deus para as pessoas e acabam perdendo uma oportunidade de servir a Deus.

Jesus aponta este conceito em Mateus 5:46-47: “Porque, se amais os que vos amam, que recompensa tendes? Nem os cobradores de impostos fazem o mesmo? E se você cumprimenta apenas seus irmãos, o que você faz mais do que os outros? Nem mesmo os cobradores de impostos fazem isso?”

Ele nos lembra que devemos mostrar o amor de Deus pelos outros, pois aqueles que condenamos precisam do amor de Deus tanto quanto nós. 

Há, é claro, casos em que o mal é muito aparente e Deus lidará com essas situações e pessoas de maneira apropriada. Mas em todas as outras situações, amar como Deus ama nos beneficia e ajuda a redimir os outros.

Demonstre Amor a Todos

O capítulo 5 do livro de Mateus, Jesus nos ensina sobre as provações que enfrentamos e como precisamos manter uma vida piedosa, mesmo que Ele tenha cumprido a Lei por nós com Sua morte.

Quando se trata de Mateus 5:45, aprendemos a importância de amar não apenas aqueles que valorizamos, mas também aqueles de quem não gostamos. Percebemos que, assim como os bons e maus momentos caem sobre nós, aqueles com os quais lutamos também enfrentam altos e baixos semelhantes na vida.

E assim como Deus espera pacientemente que aceitemos Seu amor e provisão nos bons e maus momentos, quando mostramos o amor de Deus aos outros, mesmo que seja difícil, podemos experimentar o tesouro do amor infalível de Deus dado a alguém que mais precisa.

O sol e a chuva caem igualmente sobre todos nós, e podemos igualmente mostrar o amor de Deus uns pelos outros.

Seria fácil escolher a Deus motivados pelas bençãos, mas Ele nos prova quando na mesma condição dos injustos, permanecemos fiéis a Ele.

André Lourenço

Bacharel em Teologia, Graduado em Gestão da Qualidade e Pós Graduando em Psicologia nas Organizações, André possui mais de 17 anos de experiência na pregação e ensino da Bíblia. É Professor de cursos de Homilética e Hermenêutica. Já escreveu centenas de estudos bíblicos e ministra aulas na EBD. Se considera um eterno aprendiz e apaixonado por Compartilhar a Palavra de Deus!

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo