Quais livros da Bíblia são considerados proféticos?

Seu pastor diz que vai pregar uma série sobre os profetas. Quais livros você espera que façam parte da série? Se você é como a maioria, está antecipando um pouco de Jeremias ou Ezequiel ou Isaías e talvez alguns daqueles caras com nomes estranhos e livros curtos. Mas você ficaria chocado se ele incluísse Josué ou Samuel em sua série? 

Você esperaria que quaisquer livros do Novo Testamento fossem considerados livros proféticos da Bíblia e, portanto, fossem incluídos na série?

Quando tentamos responder à pergunta sobre quais livros são proféticos, a questão é um pouco mais complexa do que poderíamos supor inicialmente.

O que qualifica um livro bíblico como sendo profético?

Para responder a esta pergunta, devemos primeiro estabelecer o que se entende pelo termo profético. Uma das definições mais simples que já ouvi de profecia é “pronunciação inspirada pelo Espírito”. Mas se este for o caso, o que fazemos com 2 Timóteo 3:16?

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para ensinar, repreender, corrigir e treinar na justiça…

Isso não tornaria as Escrituras, pelo menos em algum sentido, proféticas? Quando a maioria das pessoas pensa em profecia, porém, pensa no que é profético – o que é preditivo e aponta para algo futuro. O que, então, fazemos com as palavras de Jesus em Lucas 24:27?

E começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o que foi dito em todas as Escrituras a respeito dele.

Então, em outro sentido, toda a Escritura está apontando para Jesus. Jesus é o cumprimento de toda a Escritura. 

Novamente, está começando a parecer que toda a Escritura é profecia. Mas observe, também, as palavras de Jesus em Lucas 24. Ele claramente faz uma divisão entre “Moisés e os Profetas”. 

O que está acontecendo lá? Esta foi uma abreviação para a forma como a Escritura foi dividida entre a Torá e os Profetas.

Compartilho tudo isso para dizer que não existe uma fórmula certa para determinar algo que seja um livro profético ou não. 

Como observado anteriormente, toda a Escritura é inspirada por Deus e tudo aponta para Jesus. Nesse sentido, tudo é profético e essas construções são um tanto arbitrárias. 

Mas há um gênero diferente que muitas vezes é rotulado como profético. Há uma diferença entre o estilo de um livro como Jeremias e um livro como Jó, Esdras ou Atos.

Pode ser útil, então, considerar quais livros são proféticos. Mas isso também não é tão simples como se poderia supor.

Quais livros são livros proféticos na Bíblia?

Para a maioria das Bíblias cristãs, o Antigo Testamento é ordenado em quatro divisões principais: Pentateuco, Livros Históricos, Literatura Poética e Sabedoria e os Profetas. 

Nesta divisão, os profetas se dividem na linha dos profetas maiores e dos profetas menores. Os Profetas Maiores são Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel. 

E o trabalho de Jeremias em Lamentações também se coloca nesta categoria. Os profetas menores são Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.

As Escrituras Hebraicas, porém, se dividem de maneira diferente. O TaNaK é o acrônimo usado para as três seções principais da Bíblia hebraica: Torá, Nevi’im, Ketuvim. 

Nevi’im significa profetas, mas você pode ficar um pouco chocado com o que aparece nesta categoria. Os Nevi’im são divididos em três categorias: os Antigos Profetas, os Últimos Profetas e os Profetas Menores. 

Os da categoria de Antigos Profetas são os que mais surpreenderão. Estes são Josué, Juízes, Samuel, Reis). E também faltará um profeta nesta seção da Bíblia hebraica; ou seja, Daniel. Daniel aparece na seção Ketuvim (Escritos) assim como Lamentações.

Então, Daniel é um livro profético? Se estivermos apenas seguindo essas divisões arbitrárias, na Bíblia hebraica isso não seria considerado profético. 

De fato, há um debate se Daniel deve ou não ser considerado um profeta. O Talmud afirma explicitamente que ele não é um profeta. No entanto, o livro de Daniel usa linguagem apocalíptica e fala do futuro. É semelhante a outros profetas. Então, é profético?

É aqui que eu acho que é melhor reconhecer que essas classificações são arbitrárias. Mesmo com a forma como Jesus se referiu a toda a Escritura, ele deixou de fora os Escritos. Não é porque ele não estava fazendo referência a eles apontando para Ele. Mas isso era apenas uma abreviação para dizer “toda a Escritura”. Novamente, é arbitrário.

É melhor, na minha opinião, permitir que cada seção das Escrituras fique por conta própria e considere o gênero de cada seção, em vez de tentar forçar livros inteiros em um gênero específico. 

Em outras palavras, há momentos em que o livro de Jeremias é um gênero profético de literatura. Há outros momentos em que é narrativa. 

Usamos ferramentas interpretativas diferentes para interpretar e aplicar uma narrativa do que fazemos na interpretação e aplicação de um pedaço de literatura profética ou apocalíptica.

Que ferramentas devemos usar para estudar uma obra de literatura profética?

Como devemos estudar esses livros proféticos da Bíblia?

Se você está pensando em estudar um livro inteiro da Bíblia que se enquadra na literatura profética, o primeiro passo é considerá-lo como um todo e colocá-lo dentro de seu contexto. 

Esses livros tendem a ser de natureza ocasional, o que significa que há alguma situação histórica que os motivou. 

Portanto, é importante, na medida do possível, considerar o material de base. Este livro foi escrito para o Reino do Norte durante a invasão assíria? Foi escrito antes do exílio babilônico? Foi escrito para as pessoas que voltaram do exílio? 

É importante ler toda a Bíblia como uma história unificada que aponta para Jesus. Mas o primeiro passo para fazer isso é deixar o texto falar em seu contexto original.

Uma das características da literatura profética é que ela é tipicamente altamente figurativa. É uma boa ideia esperar esse tipo de linguagem. Robert Plummer aponta a importância de ler a literatura como o autor pretendia:

O uso da métrica poética pelo profeta é mais uma indicação de que se deve esperar expressões figurativas, poéticas e simbolismo. Se o autor pretendia que se entendesse sua linguagem literalmente, devemos entendê-la literalmente. Se ele pretendia que se entendesse suas palavras figurativamente, da mesma forma, devemos entendê-las dessa maneira. 

Ao estudarmos o texto, buscamos a intenção consciente do autor divinamente inspirado. A maioria dos americanos modernos são propensos a ler todas as línguas literalmente. 

Sem dúvida, é muito mais provável que a língua hebraica das Escrituras contenha hipérboles e linguagem figurada do que o tipo de literatura que a maioria dos americanos modernos lê regularmente (por exemplo, jornais, revistas).

Talvez você já tenha ouvido dizer que é sábio ler com a Bíblia em uma mão e o jornal na outra. Esse tipo de declaração geralmente é feita quando se considera livros proféticos da Bíblia. 

Na verdade, acho que tal afirmação é mal informada. Por um lado, o jornal é um gênero diferente da literatura profética. E é sempre uma tentação ler nossa situação atual na Bíblia, em vez de ler a Bíblia em nossa atual turbulência.

Também é importante ao considerar a profecia preditiva que façamos uma distinção entre o que já foi cumprido em Cristo e o que aguarda cumprimento. Parte da literatura é condicional e muito confinada ao seu tempo. 

Considere a mensagem de Jonas de que em quarenta dias Nínive será destruída. Isso não aconteceu porque era condicional. 

Seria desinformado fornecer o nome de seu inimigo no lugar de Nínive e presumir que Deus lhe deu “uma palavra” de que seu inimigo seria derrotado em quarenta dias. Mas seria uma exegese sólida estabelecer a partir deste texto que quando nos arrependemos Deus perdoa.

Conclusão

O ponto chave dos profetas é “assim diz o Senhor”. Destina-se a nos mostrar que quando Deus fala é verdade. Ele quer dizer o que diz e faz o que diz que vai fazer. 

Os profetas, em última análise, nos apontam para Cristo. É em Cristo que todas as promessas de Deus encontram o seu “sim”. 

Se a sua interpretação de uma profecia tem mais a ver com a sua própria situação de vida do que com a obra consumada de Jesus Cristo, então ela provavelmente foi estabelecida com base em falhas. 

Sim, as Escrituras nos falam e nos exortam e nos encorajam. Mas eles não são fundamentalmente sobre nós ou nossas situações históricas. 

Os profetas não são dar às pessoas uma bola de cristal para o futuro, para que pudessem fazer planos e economizar seus investimentos. O principal chamado profético era arrepender-se e confiar em Deus.

Botão Voltar ao topo