Por que Ezequiel profetiza para um vale de ossos secos?

No capítulo 37, Deus conduz o profeta Ezequiel a um vale cheio de ossos. O Senhor instrui Ezequiel a profetizar para os ossos, dizendo-lhes que Deus “eis que farei entrar em vós o espírito, e vivereis. E porei nervos sobre vós e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele…” (Ezequiel 37:5-6).

Embora a Bíblia seja conhecida por algumas figuras estranhas, especialmente dentro do livro de Ezequiel, essa visão em particular tem uma das metáforas mais bizarras de toda a Escritura. 

Mas, o que os ossos secos simbolizam, qual é o contexto histórico dessa visão e por que isso importa para nós agora?

Entendendo o contexto histórico de Ezequiel e Israel

Antes de mais nada, temos que entender tudo o que precedeu o capítulo 37, especialmente Ezequiel 36. 

No capítulo anterior, Ezequiel proclama uma bênção para todo o Israel, que eles produzirão frutos, embora agora estejam em desolação. Que eles reabitem suas cidades e vejam suas ruínas reconstruídas.

Durante o tempo de Ezequiel, os babilônios devastaram Israel. Eles levaram vários de seu povo cativo (como Daniel e seus amigos). Além disso, arruinaram sua cidade e destruíram seu templo.

A restauração parecia impossível. Sob o pé do império mais poderoso da época e com os mais pobres vivendo na cidade, eles não viam uma possível renovação da nação israelita.

Em essência, eles eram como ossos secos: uma nação morta, sem absolutamente nenhum sinal de vida ou recuperação. Seria preciso, portanto, um milagre absoluto para eles reconstruírem.

O que significa a visão do Vale do Seco?

Ezequiel 37 é quando a visão acontece. Deus leva Ezequiel para o meio de um vale onde ele vê uma multidão de ossos secos. Ele pergunta a Ezequiel se os ossos poderiam viver.

Agora, Ezequiel havia testemunhado os babilônios destruindo Jerusalém. Ele sabia que era tão impossível ressuscitar Israel dos mortos quanto trazer vida aos ossos secos no vale. Então ele responde que só Deus sabe.

Em essência, somente Deus pode trazer de volta à vida o que está morto. Deus, através da profecia de Ezequiel sobre os ossos secos, ordena que se unam uns aos outros. Então, isso acontece, e pele, tendões e músculos cobrem os ossos. Mas eles ainda não têm vida neles.

Então Ezequiel profetiza: “Vem dos quatro ventos, ó espírito, e assopra sobre estes mortos, para que vivam. E profetizei como ele me deu ordem; então o espírito entrou neles, e viveram, e se puseram em pé, um exército grande em extremo.”

A palavra para respiração neste versículo é a mesma usada em Gênesis quando Deus sopra vida em Adão.

Onde vemos os ossos revivendo no Antigo Testamento

Esta é a promessa de Deus aos cativos na Babilônia e aos judeus espalhados pelo mundo na época. Ele os restauraria quando sentissem que seus ossos haviam secado.

Vemos a profecia cumprida de várias maneiras.

O primeiro cumprimento acontece quando Israel retorna à sua terra natal (Ed 1:1-4), mas eles voltam para uma terra cheia de ruínas. Em Neemias, eles reconstroem o muro ao redor da cidade e o templo dentro.

Desta forma, Deus cumpre a visão dada a Ezequiel, mas não para por aí.

Onde vemos os ossos revivendo no Novo Testamento 

Mesmo com sua pátria física restaurada, os israelitas (e todos os povos da terra) ainda tinham ossos secos. Mortos no pecado (Efésios 2:1), todos precisavam de um milagre para receber uma nova vida.

Jesus entra em cena e oferece nova vida aos ossos secos por meio de sua morte e ressurreição. 

Qualquer um que crê nele e o aceita como seu Senhor e Salvador pessoal será uma nova criação (2 Coríntios 5:17). Recebemos novos tendões e carne, e habitamos com o espírito de Deus, o sopro da vida.

O que o Vale dos Ossos Secos significa para nós hoje 

Podemos descobrir várias aplicações desta passagem em Ezequiel.

Primeira lição do vale de ossos secos:

Em primeiro lugar, Deus cumpre o que se propõe a fazer. Ele não apenas supre nossas necessidades físicas, mas todas as necessidades.

Deus reconhece que temos uma profunda necessidade espiritual que só pode ser satisfeita por ele. Não podemos respirar sem o sopro da vida, e não podemos viver sem que ele viva dentro de nós.

Segunda lição do vale de ossos secos:

Em segundo lugar, muitas vezes as profecias podem ser cumpridas mais de uma vez. Por exemplo, na passagem de Daniel 9, quando a abominação da desolação entra em cena, pode se referir a muitas pessoas. 

Antíoco Epifânio IV pareceu preencher os critérios, pois colocou uma estátua de Zeus no templo judaico e sacrificou um porco, ambas abominações de acordo com a lei judaica. 

Mas a passagem também parece estar se referindo ao anticristo que tentará mudar as datas e estabelecerá abominações para as pessoas adorarem.

Terceira lição do vale de ossos secos:

E por último, não importa o quanto erramos ou caímos em pecado. Não importa quão secos nossos ossos tenham se tornado, Deus pode restaurar todas as coisas. 

Se temos um amigo ou membro da família que rejeitou a Cristo e que não parece interessado no cristianismo, Deus pode trabalhar neles para trazê-los. 

Sempre que perdemos a esperança, nos desesperamos ou nos preocupamos com o amanhã, podemos ter certeza de que Deus promete restaurar todas as coisas, assim como fez com os cativos israelitas na Babilônia.

Uma oração após esta lição do vale de ossos secos

Oh Pai, nós esquecemos o poder que o Senhor colocou dentro de nós, e ainda mais, nós esquecemos que o Senhor nos equipou para usá-lo para Sua glória! Ajude-nos hoje a agitar os ossos secos dentro de nós, a chamar a nós mesmos para voltar à vida, para que possamos estar prontos para anunciar vida e ressurreição em Seu nome. Obrigado por confiar em nós e nos convidar para este trabalho incrível. Em Nome de Jesus, Amém.

Botão Voltar ao topo