O que é heresia? Significado na Bíblia e 4 exemplos

A maioria dos hereges vem de uma tentativa de unir paradoxos nas Escrituras.

Após a publicação de relatos de que Mark Twain havia morrido, o autor ainda vivo escreveu para o New York Journal com esta piada: “O relato da minha morte foi um exagero”. 

Eu me pergunto se poderíamos dizer o mesmo sobre algumas das primeiras heresias – porque elas ainda não estão completamente inativadas.

Definição de Heresia

De acordo com dictionary.com, temos 5 detalhamento da definição comum de “heresia”:

1. Opinião ou doutrina em desacordo com a doutrina ortodoxa ou aceita, especialmente de uma igreja ou sistema religioso.

2. Manutenção de tal opinião ou doutrina.

4. A rejeição voluntária e persistente de qualquer artigo de fé por um membro batizado da igreja.

5. Qualquer crença ou teoria que esteja fortemente em desacordo com crenças, costumes, etc.

Significado de heresia

Em primeiro lugar, heresia não é o mesmo que erro.

É portanto, a escolha de abandonar o ensino amplamente aceito sobre uma doutrina essencial e abraçar a própria visão.

Heresia é, antes de mais nada, “pregar outro evangelho”, como Paulo declarou em Gálatas 1:9:

“Como já dissemos, agora digo novamente: Se alguém vos pregar um evangelho diferente do que recebestes, seja anátema.”

Tecnicamente falando, algo não é uma heresia só porque a igreja assim o considerou. É herético porque é um ensinamento que abandonou o “padrão de ensino sadio”.

Aqui estão quatro heresias que ainda não estão completamente extintas:

1. A Heresia dos Judaizantes: “Boas ações ou esforços contribuem para a salvação.”

Um do primeiro grupo de hereges foram os judaizantes. A maioria dos hereges vem de uma tentativa de unir paradoxos nas Escrituras. Contudo, eles começam bem-intencionados, mas levam as coisas mais longe do que deveriam. 

Os judaizantes começaram fazendo a pergunta certa sobre a relação entre judaísmo e cristianismo. 

No entanto, quando os gentios incircuncisos começaram a seguir a Cristo, e reivindicar as promessas a Israel, esses judeus ao longo da vida se perguntaram, como as leis do Antigo Testamento se aplicavam aos seguidores não-judeus de Jesus. 

Sendo assim, eles tiveram que se circuncidar e seguir os costumes judaicos para serem membros iguais aos cristãos judeus?

Esta pergunta bem-intencionada foi abordada em Atos 15 pelo Concílio de Jerusalém. 

Contudo, a resposta foi que Cristo havia cumprido o Antigo Testamento e estava deixando de lado as velhas categorias. 

Como Paulo resumiu em Efésios 2:15, Deus estava “abolindo a lei dos mandamentos expressa em ordenanças, para criar em si mesmo um novo homem em lugar dos dois, fazendo assim a paz…”

Era união com Cristo e não obras do lei que qualificou uma pessoa para as promessas de Deus. 

Em contrapartida, os judaizantes não aceitaram essa resposta e deram problemas a Paulo em todas as suas viagens missionárias.

O problema fundamental desta heresia:

Seu problema fundamental, era que eles sustentavam que algo além da união com Cristo era necessário para a salvação. 

De acordo com recentes estudos americanos, 36% dos evangélicos auto-identificados acreditavam que “pelas boas ações que faço, contribuo em parte para ganhar meu lugar no céu”. 

Contudo, esta é a mesma crença que os judaizantes mantinham. Qualquer crença que sustenta que nossas boas ações ou esforços contribuem para a salvação está firmemente na mesma corrente dos judaizantes.

2. A Heresia do Docetismo/Gnosticismo: “Cristo apenas parecia ser humano”.

Outra heresia inicial foi o gnosticismo. Embora o gnosticismo tivesse várias formas, uma das mais perniciosas – e que ainda está presente hoje – é o docetismo. 

O docetismo foi portanto, uma heresia cristológica primitiva que ensinava que Cristo apenas parecia ser humano. 

O fundamento da filosofia gnóstica era que toda matéria física era má e todas as coisas espirituais eram boas. 

Portanto, era impensável que Deus realmente assumisse a carne humana. Essa crença também levou ao ascetismo severo (punindo a carne) ou à licenciosidade (já que o físico não tinha conexão com o eterno).

A maioria acredita que o apóstolo João tinha uma forma docética de gnosticismo em sua visão ao escrever 1 João

Todavia, a Bíblia é clara: “Nisto conheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus”.

Importância Espiritual e Física

Em nossos dias, provavelmente é mais comum as pessoas negarem a divindade de Jesus, do que sua humanidade. 

No entanto, o dualismo gnosticismo/docetismo está vivo e bem. A Ciência Cristã e a Nova Era têm uma forte inclinação para o docetismo, mas a verdade é que, sempre que exaltamos o espiritual acima do físico, também somos vítimas do dualismo dessas filosofias. 

Ou seja, nossos corpos importam, este mundo importa. Em outras palavras, negar isso é concordar mais com os primeiros gnósticos do que com a Bíblia .

3. Heresia do Evangelho da Prosperidade

O Evangelho da prosperidade, era a forma antiga desta heresia moderna que contudo, não tinha realmente um nome, mas aparece em 1 Coríntios 4:8-13

Neste texto, Paulo fala em tom de brincadeira sobre aqueles em Corinto que “já se tornaram reis”. 

Os coríntios acreditavam que estavam vivendo nas bênçãos que estão reservadas para o futuro. 

Contudo, para roubar uma frase popular, os coríntios acreditavam que deveriam começar a viver sua melhor vida, agora. 

Nesse sentido, eles acreditavam em coisas verdadeiras, mas as aplicavam na hora errada. Pois, eles desejavam adquirir na terra o que deveria ser buscado no céu.

Pensando que isso só é verdade na era por vir

Esta citação do professor do evangelho da prosperidade Kenneth Hagin teria ficado em casa com os coríntios:

“Creio que é o plano de Deus, nosso Pai , que nenhum crente jamais fique doente… e angústia. Não! É a vontade de Deus que sejamos curados”.

O problema, como Paulo ensinou aos coríntios, é que tal pensamento só é verdadeiro na era por vir. Pois, não há coroa sem cruz. 

Todavia, esta iteração moderna de uma antiga heresia é mortal. 

Afinal, prejudica aqueles que sofrem, prejudica o evangelho e gera cinismo quando promessas que Deus nunca fez, não se cumprem.

4. A Heresia do Pelagianismo: “Deus responde a nós e não o contrário”

“Olhe para aquele bebê inocente”? Duvido que percebamos que estamos afirmando a heresia quando dizemos tal coisa. 

Da mesma forma, quando 83% dos evangélicos afirmaram a afirmação: “Uma pessoa obtém paz com Deus tomando primeiro a iniciativa de buscar a Deus e depois Deus responde com graça”.

Duvido que eles pretendessem afirmar a heresia. Mas na verdade, sim. 

Porém, o pelagianismo é uma heresia do tempo de Agostinho (e é outra forma semipelagianismo) que se recusa a morrer.

Pelágio ficou incomodado com uma citação de Agostinho que dizia:

“Concede o que ordenas e comanda o que desejas”. 

Pelágio acreditava que tal ensino estava levando à imoralidade. Pois, ele acreditava que Agostinho estava tão exaltando a soberania divina que estava negando a responsabilidade humana.

A lógica falha de Pelágio

Sendo assim, a lógica de Pelágio era que, se Deus ordenou algo, então os humanos devem ter a capacidade de realizá-lo. 

Ele também ensinou que não existe pecado original. Nascemos com uma ficha limpa, de acordo com Pelágio.

Agostinho não negou que os humanos foram criados com o livre arbítrio. Os humanos podem fazer exatamente o que desejam. 

No entanto, por causa da queda da humanidade, à parte da graça, sempre desejará o mal. Agostinho voltou-se para Filipenses 2:12-13 para defender sua visão da graça

[…] “É Deus quem opera em nós “tanto o querer como o realizar”.

Não foi com a graça, por si só, que Pelágio teve dificuldade. Era uma graça necessária que ele não conseguia engolir. 

Portanto, Pelágio acreditava firmemente que Deus responde a nós e não o contrário. 

Afinal, aparentemente, 83% dos evangélicos professos, concordam.

Autor: Mike Leake. Adaptado por: Biblioteca do Pregador.

Botão Voltar ao topo