Qual é o significado da coroa de espinhos de Jesus?

Na manhã da crucificação de Jesus, os soldados romanos teceram uma coroa de espinhos e a colocaram na cabeça de Jesus, zombando e ridicularizando abertamente Jesus como o “Rei dos Judeus” (Mateus 27:29).

Além da imensa agonia causada por longos espinhos sendo pressionados no crânio de um Jesus já ensanguentado e espancado, a coroa que carregava nos lembra do desprezo e humilhação que o Rei dos reis suportou por aqueles que Ele veio salvar. Pois, Ele abandonou Sua legítima coroa de glória por uma coroa de sofrimento e vergonha.

O que era a coroa de espinhos?

A coroa de espinhos é sem dúvida uma das imagens mais emblemáticas da crucificação de Cristo. Talvez mais do que qualquer forma de sofrimento físico que Ele suportou. A coroa que Jesus carregava significa a humildade suprema de Cristo em trocar Sua coroa celestial por uma humilde coroa de sofrimento e vergonha.

É também a personificação perfeita do que Cristo veio à terra para cumprir. Pois, na coroa de espinhos e na cruz que carregou, Jesus suportou o peso do pecado e da morte, pagando a pena por nossos pecados para que fôssemos perdoados, reconciliados e redimidos, como profetizado pelo profeta Isaías:

Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. (Isaías 53:5)

A coroa de espinhos pode ter sido moldada pelos soldados romanos como uma coroação para um prisioneiro político humilde (aos seus olhos). No entanto, a rejeição de Jesus como rei veio muito antes.

Nas horas que antecederam a Sua crucificação, Jesus passaria por duas provações. Uma religiosa judaica e a outra política romana. Vejamos, então cada uma delas.

A provação religiosa judaica

Em primeiro lugar, os fariseus e líderes religiosos levaram Jesus diante do sumo sacerdote e do Sinédrio. Como eles não encontraram nada no ensino ou ministério de Jesus para incriminá-lo, os fariseus recorreram de “falsas testemunhas” (Mateus 26:57-68Marcos 14:53-65; Lucas 22:66-71; João 18:12-24).

Foi quando Caifás, o sumo sacerdote, perguntou diretamente a Jesus: “Você é o Cristo, o Filho do Abençoado?” que Jesus respondeu: “Eu o sou, e vereis o Filho do homem assentado à direita do poder de Deus, e vindo sobre as nuvens do céu. (Marcos 14:61-62Lucas 22:67-70).

A partir daqui, as Escrituras nos dizem que “o sumo sacerdote rasgou suas vestes e disse: “Ele blasfemou!” A isso, os fariseus e líderes religiosos responderam: “Ele merece a morte!” (Mateus 26:65-66).

Os líderes judeus então começaram a cuspir, bater e zombar de Jesus.

A provação política romana

Apelando para a morte de Jesus, os fariseus e o sumo sacerdote entregaram Jesus ao governador romano, Pôncio Pilatos. Já que a execução da pena capital era reservada aos romanos.

Em várias ocasiões, Pilatos então descobriu que Jesus não merecia a morte. Os fariseus e a multidão, no entanto, eram insistentes, exigindo a crucificação (Mateus 27:23).

Pilatos perguntou a Jesus se ele era realmente o “Rei dos Judeus” (Marcos 15:2). Então Jesus respondeu: “É como você diz” (v. 2).

Para apaziguar a multidão, Pilatos deu permissão para Jesus ser açoitado e espancado. Aqui, os soldados romanos o vestiram com uma túnica roxa, cuspiram nele e zombaram dele, gritando: “Salve! rei dos judeus!” Eles então formaram uma coroa de espinhos e a colocaram na cabeça de Jesus (João 19:2-3).

Ao contrário dos espinhos que podemos encontrar em uma roseira, os usados ​​para moldar a coroa de Jesus em Sua crucificação provavelmente eram da tamareira. Esses espinhos eram muito grossos e duros, chegando a atingir 30 centímetros em alguns casos.

Sabe-se que os espinhos de uma tamareira possuem toxinas que podem causar, além de dor excruciante, inflamação, hematomas e danos nos tecidos.

Somado ao que Jesus já havia sofrido quando espancado e açoitado, a coroa de espinhos teria causado uma dor quase indescritível enquanto Ele carregava a pesada cruz nas costas pelas ruas de Jerusalém até o lugar onde Ele foi finalmente crucificado.

O que a coroa de espinhos simboliza?

Poucos dias antes de Sua crucificação, Jesus entrou em Jerusalém. Então, a multidão o recebeu gritando: “Hosana ao Filho de Davi; Bendito o que vem em nome do Senhor; Hosana nas alturas!” (Mateus 21:9).

“Uma grande multidão estendeu suas túnicas no caminho e cortou galhos das árvores e os espalhou pelo caminho” (Mateus 21:8).

Esta foi uma recepção real digna do verdadeiro Rei de Israel!

No entanto, a ironia de ramos de palmeiras ​​para receber Jesus como o Rei de Israel em Jerusalém no domingo, posta com espinhos de palmeiras ​​para moldar uma coroa falsa que Cristo usaria quando levado para fora da cidade na sexta-feira, é surpreendente!

Além disso, é bem possível que muitos que acolheram Jesus com gritos de “Hosana” também gritaram “Crucifica!” a Pilatos dias depois.

No Jardim do Éden, um dos primeiros símbolos da maldição trazida sobre a humanidade por causa do pecado de Adão foi a presença de “espinhos e abrolhos” para representar a dor e a labuta ligada ao trabalho do homem a partir de então (Gênesis 3:18).

Em outras partes da Bíblia, “espinhos” representam o caminho daqueles que escolhem o pecado ao invés do caminho do Senhor (Provérbios 22:5).

Mal sabiam os soldados romanos, sua cruel coroa de espinhos, para zombar de Jesus, na verdade apontava para a maldição e penalidade do pecado que Jesus usou em nosso lugar.

Como Paulo escreveu: “Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós, para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21).

Como a coroa de espinhos representa a coroa eterna de Cristo?

O Messias era a promessa do verdadeiro rei de Israel, da linhagem de Davi, que se sentaria no trono e cujo reino duraria para sempre (Isaías 9:7Jeremias 30:92 Samuel 7:12-13).

Infelizmente, muitos em Israel, ou seja, os fariseus e líderes religiosos, não reconheceram Jesus como o Messias prometido. Como está escrito: “Veio para os seus e os seus não o receberam” (João 1:11).

Portanto, a maioria das referências a Jesus como o “Rei dos Judeus” nos evangelhos vem de gentios.

Por exemplo, logo após o nascimento de Jesus, magos do oriente chegaram a Jerusalém em busca do Messias, perguntando ao rei Herodes: “Onde está aquele que nasceu rei dos judeus?” (Mateus 2:2).

Os evangelhos falam de uma mulher que derramou perfume caro sobre a cabeça de Jesus para ungi-Lo (Mateus 26:6-13).

Este ato de adoração não apenas apontou para a morte e sepultamento de Jesus, mas também refletiu Sua natureza como o rei escolhido de Deus.

E quando Pilatos trouxe Jesus diante dos fariseus e do povo mais uma vez, os judeus novamente gritaram para Pilatos crucificá-lo! Pilatos então perguntou: “Devo crucificar seu rei?”. A isso, os judeus responderam: “Não temos rei senão César” (João 19:14-15).

Então, conforme profetizado, Jesus morreu entre ladrões. No entanto, por meio de Seu sacrifício, Jesus abriu um caminho para a redenção.

Ao fazer isso, Jesus se estabeleceu como o Rei dos judeus, o Rei dos reis, o Rei das nações para sempre.

Um dia, aqueles que rejeitaram Jesus como Messias e Rei, saberão que Ele é o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Apocalipse 17:14). 

Então, “Todo joelho se dobrará a mim, e toda língua dará louvor a Deus” (Romanos 14:11Filipenses 2:10).


Autor: Joel Ryan do site Crosswalk.

Botão Voltar ao topo