5 razões pelas quais Jesus se submeteu ao batismo

João pregou e batizou perto do rio Jordão e convocou as pessoas ao arrependimento. Eles se reuniram no deserto para ouvir uma mensagem nova e revigorante. Sua pregação tocou seus corações e os trouxe ao conhecimento de que eles precisavam se afastar do pecado.

Então, por que Jesus se submeteu ao batismo? Ele não tinha pecado do qual se arrepender. Sua entrada no rio não diria à multidão que este Homem era apenas um deles? Isso não refletiria que Ele também tinha pecado?

Enquanto aqueles que estavam por perto não entendiam a identidade do que estava na água, John sim. Ele apontou para Seu primo em carne e osso e disse à multidão:

“Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo!” (João 1:29)

João não queria batizar aquele que ele sabia ser o Messias. Em vez disso, ele proclamou sua própria necessidade de ser batizado pelo Cordeiro (Mateus 3:14).

No entanto, esse profeta do deserto honrou o pedido e Jesus se submeteu ao batismo por essas 5 razões.

1. Para se identificar conosco

“O qual, sendo por natureza Deus, não considerou a igualdade com Deus algo a ser usado em proveito próprio; antes, ele se fez nada tomando a própria natureza de um servo, sendo feito à semelhança humana. E sendo encontrado na aparência de homem, ele se humilhou, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz!” (Filipenses 2:6-8)

Adão foi dado o domínio para governar e reinar sobre toda a criação (Gênesis 1:28). Mas ele foi enganado ao ceder esses direitos. Porque o Criador não viola Sua palavra, Ele não tinha o direito legal de simplesmente descer e expulsar Satanás. Para Jeová derrotar legalmente o governo de Satanás, Ele se tornou um de nós. Ele teve que substituir Adão (Gênesis 3:15).

Cristo veio à terra para derrotar as obras do diabo e nos mostrar como viver nessa vitória (1 João 3:8). Ele se batizou para se identificar conosco como humanos e para mostrar que tinha autoridade na terra.

O Verbo feito carne deixou de lado os benefícios da divindade e funcionou na terra como uma pessoa, embora em Seu Espírito Ele fosse parte da divindade. Ele fez isso para se identificar conosco e ser capaz de derrotar o diabo como um ser humano cheio do Espírito.

Jesus derramou sangue perfeito e sem pecado para comprar nossa redenção. Mas Ele venceu a tentação como um Homem cheio do Espírito. Se Ele tivesse feito o que fez como divindade, não teríamos a capacidade de seguir esse exemplo. Mas porque somos cheios do mesmo Espírito Santo, podemos resistir à tentação da mesma maneira.

2. Para validar o ministério de João

“Como está escrito no profeta Isaías: Enviarei à tua frente o meu mensageiro, que preparará o teu caminho, uma voz que clama no deserto: Preparai o caminho para o Senhor, endireitai as veredas para ele.” (Marcos 1:2-3)

Na época em que João apareceu em cena, Israel não tinha ouvido falar de um profeta por mais de 400 anos. João veio na qualidade de Elias proclamando que o reino estava próximo.

Enquanto os judeus odiavam os romanos, eles estavam sob esse domínio estrangeiro. Eles foram absorvidos pela cultura. Israel havia perdido sua aparência como nação. 

As sinagogas foram substituídas pela adoração no templo porque não tinham templo até que Herodes o reconstruísse. A língua hebraica quase não se usava mais. Em vez disso, eles falavam aramaico e grego.

Seguir a Lei tornou-se um ritual sem sentido.

Neles se cumpre a profecia de Isaías:

“Você sempre ouvirá, mas nunca entenderá; você sempre verá, mas nunca perceberá. Pois o coração deste povo tornou-se calejado; mal ouvem com os ouvidos e fecharam os olhos. Caso contrário, eles podem ver com os olhos, ouvir com os ouvidos, entender com o coração e se converter, e eu os curaria”. (Mateus 13:15-15)

Quando João pregou, eles ouviram vida, não obras mortas. Orelhas e olhos estavam começando a se abrir. Ele preparou o caminho para aqueles que quisessem ouvir conhecer o Salvador.

As ações do Filho confirmaram João como profeta (Mateus 11:14).

3. Reconhecer que Ele era o Filho Amado

“Este é meu Filho, a quem amo; com ele estou muito satisfeito.” (Mateus 3:17)

O anúncio do céu mostrou a João sobre quem ele estava pregando. Nem todos os que estavam por perto ouviram a mensagem, mas obviamente Satanás ouviu.

Até este momento, o diabo não conseguia encontrar o Messias. Satanás tentou matar pessoas desde o início em busca do redentor prefigurado no jardim. Ele tentou Caim para matar Abel. Talvez Abel fosse aquele porque o Senhor o via como justo. Talvez fosse uma das crianças hebréias. Ele matou centenas, talvez milhares de bebês, mas perdeu Moisés.

O anjo caído nunca soube quem era o redentor, mas ele sabia que um estava por vir. Ele tentou corromper a linhagem humana por toda a história de Israel, enganando Israel na adoração pagã. Se não havia uma virgem, não pode haver nascimento virginal.

Mesmo após a proclamação angélica do nascimento de Cristo, a profecia de Simeão e os sábios reconhecendo-O, o diabo era tão estúpido que não sabia quem era o Messias. Ele não sabia qual pegar, então matou todos os bebês na área de dois anos ou menos. Suas tentativas de matar o infante Rei dos Judeus falharam.

Quando o Filho estava no deserto, Satanás o tentou a questionar a identidade declarada recentemente pelo Pai. Agora o diabo tinha um alvo e tudo que ele tinha que fazer era derrubar este da mesma forma que ele derrubou o primeiro filho de Deus, Adão.

A voz do céu no rio Jordão confirmou que Jesus era o Filho unigênito do Pai.

4. Para representar sua futura morte, sepultamento e ressurreição

“Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo, e libertasse todos os que, por medo da morte, estavam sujeitos à escravidão.” (Hebreus 2:14-15)

O Messias adentrou as águas e se submeteu ao batismo de João, simbolizando sua submissão à morte. Ele foi sepultado nas águas da mesma forma que seu corpo seria sepultado na terra. E emergiu das águas como um prenúncio de sua ressurreição.

O Espírito Santo desceu sobre ele, e assim ele foi investido com o poder para realizar a vontade do Pai (Mateus 3:16).

Nosso Salvador foi tentado da mesma forma que nós, mas ele triunfou através da autoridade da Palavra. Ele nos exorta a fazer o mesmo: resistir ao diabo, e ele fugirá (Tiago 4:7). Embora fosse o amado Filho de Deus, ele superou a tentação como Filho do Homem, utilizando a Palavra.

Ele poderia ter convocado os anjos e feito o que Satanás insinuava que ele poderia fazer. No entanto, Jesus sabia que, para cumprir a vontade de seu Pai, ele tinha que vencer pelo poder da Palavra. Essa mesma Palavra está disponível para todo crente, para vencer as tentações que enfrentamos.

Para Cristo despojar Satanás de seu domínio, ele teve que morrer, ser sepultado e ressuscitar.

5. Para induzi-lo ao ofício do sacerdócio

“Mas Jesus, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça.” (Mateus 3:15)

Cristo guardou a Lei perfeitamente, o que ninguém mais poderia fazer. Ao nascer, Seus pais terrenos o levaram para se circuncidar para obedecer a essa ordem dos mandamentos. Ele satisfez os requisitos de Êxodo 29:4 e 7 através do batismo que O induziu ao ofício de Sumo Sacerdote.

Para cumprir toda a justiça, Cristo precisava seguir todas as ordenanças estabelecidas pelos santos mandamentos. Ele foi lavado em água no Jordão e ungido com o óleo do Espírito Santo, uma vez que Ele ressuscitou da imersão.

Todas as três pessoas da Trindade estavam presentes nesta ocasião. O Filho na água, a voz do Pai do céu e o Espírito descendo sobre Ele.

Ao contrário dos sacerdotes judeus que realizavam os rituais e cerimônias, nosso Salvador era o Sumo Sacerdote perfeito, bem como o sacrifício. Ele intercede por nós ao santo Juiz com Seu próprio sangue. Não são necessários mais sacerdotes ou sacrifícios (Hb 10:12).

Nossa experiência de batismo

Nossa experiência do batismo, quer já tenhamos seguido esse mandamento, quer ainda esteja no futuro, pode ser aprimorada ao refletirmos sobre as razões pelas quais nosso Salvador se submeteu a essa ordenança.

Podemos agradecer ao nosso Pai por enviar Seu Filho e agradecer ao Filho por Sua obediência. Quando entramos nas águas batismais, nossas ações representam o que fizemos em nossos corações – identificar-nos com a morte, sepultamento e ressurreição de Cristo.

“Vós, porém, sois geração eleita, sacerdócio real, nação santa, propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz. Antes você não era um povo, mas agora você é o povo de Deus; antes não recebestes misericórdia, mas agora recebestes misericórdia”. (1 Pedro 2:9-10)

Nosso Sumo Sacerdote se identificou conosco como Filho do Homem para que pudesse nos salvar como Filho de Deus.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo