José perdoa seus irmãos – O poder do perdão

Esboço de Sermão sobre quando José perdoa seus irmãos em Gênesis 50:14-21. Tema do sermão: O poder do perdão.

TÍTULO deste Sermão de quando José perdoa seus irmãos: O poder do perdão

TEXTO deste Sermão de quando José perdoa seus irmãos: Gênesis 50:14-21

INTRODUÇÃO deste Sermão:

A amargura é uma força de destruição e escravidão. Destrói pessoas e relacionamentos, nos torna
prisioneiros de nossas mágoas e ódio. Jó descreveu assim:

“Um morre em toda a sua força, estando totalmente à vontade e quieto… E outro morre na tristeza de
sua alma, e nunca come com prazer.” (Jó 21:23, 25).

O perdão é uma fonte de saúde emocional e liberdade. Ela tem o poder de nos libertar das mágoas do
passado, quer estejamos falando de dez minutos ou de dez anos atrás.

I. O perdão nos liberta para amar aqueles que nos feriram. (Gênesis 50:14-21)

A. Os irmãos de José agiram por ódio. Versículo 20 “pensaste mal contra mim.”

1. José não negou a natureza pecaminosa das ações de seu irmão.
2. No entanto, José recusou-se a deixar suas ações transformá-lo em um homem amargo

B. José havia respondido às suas mágoas com perdão porque compreendia alguns princípios importantes:

1. Só Deus tem o direito de punir os outros pelos erros que cometem.
2. “Estou no lugar de Deus” v19

a. Seus irmãos pecaram contra ele.
b. Suas ações eram injustificáveis.
c. José não dá desculpas para o comportamento deles.
d. Ele entendeu que eles eram responsáveis perante Deus por suas ações, não a ele.

3. O perdão é um ato de nossa vontade em que abdicamos do direito de responsabilizar outra pessoa pelos erros que nos fez.
4. Significa liberar essa pessoa de qualquer obrigação de fazer as coisas certas para mim.
5. José compreendeu que Deus pode anular nossas mágoas, transformando até mesmo os momentos de dor em “bem”. “Deus quis isso para o bem.”

a. As ações de seus irmãos não foram boas.
b. Os resultados em sua vida não foram bons.
c. Mas a obra de Deus foi boa!

Porque José havia perdoado seus irmãos, ele podia “consolar” e falar “com bondade” com eles. (v21)

C. O perdão nos liberta para amar aqueles que nos feriram.

1. Não desculpamos seu comportamento nem negamos nossa mágoa.
2. Simplesmente escolhemos, por um ato de nossa vontade, abrir mão do direito de fazê-los nos pagar pelo mal que fizeram.
3. A alternativa é passar nossos dias em escravidão a hábitos destrutivos de amargura.

II. O perdão nos liberta dos hábitos destrutivos de uma alma amarga. (Efésios 4:26-32)

A. Ofensas não perdoadas dão a Satanás um “lugar” em nossas vidas.

1. A palavra ‘lugar’ significa uma pequena área de ocupação e jurisdição.
2. Quando Satanás ganha um lugar nas vidas, ele nos mantém em cativeiro, nos orientando:

a. Para agir egoisticamente. v28 Tentamos atender nossas necessidades da maneira errada.
b. Falar com ódio. v29 c. Viver carnalmente. v30

3. Muitos cristãos se ajoelharam no altar, pedindo a Deus que os perdoasse por suas ações amargas e odiosas, muitas vezes prometendo ser diferentes.
4. Mas eles não podem porque Satanás ainda tem um lugar em suas vidas que ele reivindica como seu por causa de ofensas passadas não perdoadas.

B. Os sintomas de um espírito implacável.

1. Sintomas emocionais:

a. Amargura – ressentimento profundamente sentido.
b. Ira – raiva extrema, raiva
c. Raiva – leve desagrado

2. Sintomas comportamentais:

a. Clamor – necessidade de falar sobre a pessoa ou ofensa; continue trazendo isso.
b. Falar mal – qualquer tipo de discurso de ódio; apontar falhas, criticar.
c. Malícia – para prejudicar intencionalmente, vingar-se.

3. Podemos pedir a Deus que perdoe essas coisas, e Ele o fará.
4. Mas até que perdoemos aqueles que nos feriram, Satanás ainda controlará uma parte de nossa vida e continuaremos escravizados a esses hábitos destrutivos de amargura.

III. Perdão: O Caminho de Deus para a Liberdade. v32

A. Podemos perdoar porque fomos perdoados.

1. A chave para o perdão é focar no que Deus fez por você.
2. Assim como Deus nos perdoou (gratuitamente, sem merecer), devemos perdoar aqueles que nos feriram.
3. Talvez você nunca tenha recebido o perdão dos pecados que Deus providenciou em Seu Filho, Jesus Cristo.

a. Nunca seremos capazes de perdoar aqueles que nos feriram, até que tenhamos experimentado o perdão de Deus.

b. Deus anseia que aceitemos Jesus Cristo como Salvador e conheçamos o perdão dos nossos pecados.
c. Jesus morreu em nosso lugar para que pudéssemos ser salvos.

B. Passos para a liberdade.

1. Busque o perdão de Deus.

a. Confesse nossa própria amargura; nossas ações egoístas, discurso de ódio, vida carnal.
b. Concorde com Deus que nossos sentimentos de amargura, ira, malícia, etc. não têm lugar em nossa vida como cristão.
c. Agradeça a Deus pelo sangue de Cristo que o purifica do nosso pecado.

2. Perdoe nossos ofensores.

a. Como um ato de nossa vontade de diante de Deus, esteja disposto a perdoá-los.
b. Liberte-os de qualquer obrigação de consertar as coisas, não guarde nada contra eles.
c. Estenda a eles a mesma graça que Deus nos deu.

3. Quando estamos dispostos a perdoar aqueles que nos ofenderam, não permitimos mais que Satanás tenha um lugar em nossas vidas.

Conclusão deste Sermão de quando José perdoa seus irmãos

  • O que dizer disso hoje? Você conhece o perdão de Deus?
  • Você colocou sua fé e confiança na obra consumada de Jesus Cristo no Calvário?
  • Se não, hoje é o dia que Deus preparou para você vir e receber o Seu perdão. Então, venha agora e seja salvo.
  • Talvez Deus tenha trazido à mente alguém a quem você precisa perdoar, com o propósito de fazê-lo agora.
  • Pode ser um membro da família ou uma pessoa do seu passado. Por que não vem hoje e escolha perdoar como Cristo nos perdoou?
  • Você pode dizer: “Mas aconteceu há tanto tempo, não importa mais”.
  • Se você consegue se lembrar disso e sabe que nunca perdoou biblicamente aquela pessoa, então você precisa fazer isso agora.

Veja mais esboços e sermões sobre José aqui.

Botão Voltar ao topo