Aprendendo com José a Lidar com a Adversidade

Esboço de Sermão em Gênesis 50 com o tema: Aprendendo com José a Lidar com a Adversidade. Esboço de pregação temática sobre José do Egito de como venceu as adversidades.

Tema: Aprendendo com José a Lidar com a Adversidade

Texto deste Sermão: Gênesis 50:20

Vós bem intentastes mal contra mim; porém Deus o intentou para bem, para fazer como se vê neste dia, para conservar muita gente com vida.

Introdução deste Sermão: Aprendendo com José a Lidar com a Adversidade

Há muitas lições que podem ser aprendidas ao observar a vida de vários personagens bíblicos. Neste sermão aprenderemos uma lição de como lidar com a adversidade.

Quando pensamos em um personagem bíblico que enfrentou adversidades, muitas vezes pensamos em Jó. Ele definitivamente foi atingido por muitas adversidades, mas para esse estudo quero falar de José.

Adversidade é um termo geral que inclui problemas, aflições, oposição, pressão, castigo, angústia, teste ou tribulação que é maior do que nossa capacidade de resolver. Quando a adversidade vem a nós, muitas vezes pensamos: “O que fiz de errado? Por que Deus está me punindo?”

Mas isso é um pensamento errado! A adversidade pode ser nossa maior motivação para o crescimento espiritual ou nosso meio mais mortal de desânimo.

A diferença depende de nossa compreensão dos propósitos de Deus através da adversidade.

I. Tristeza na adversidade

A. A reação inicial de José foi de tristeza.

1. Dos próprios lábios de seu irmão ouvimos falar de sua angústia.

2. Você pode imaginar o que ele deve ter pensado quando o estavam levantando da cova?

3. Seu coração sem dúvida se encheu de alívio, pensando que seus irmãos tinham acabado de pregar uma peça nele.

4. O que ele deve ter pensado quando percebeu que foi resgatado do poço apenas para ser vendido como escravo e levado embora?

5. Talvez ele tenha passado várias noites chorando por sua situação.

B. A tristeza é natural.

1. Jesus chorou ao lado do túmulo de Lázaro.

2. Os carregadores do caixão fizeram ‘grande lamentação’ enquanto levavam Estêvão para o túmulo. (Atos 8:2).

3. A Bíblia conta como as viúvas choraram alto em sua dor pela morte de Dorcas em Atos 9:39.

4. Tristeza e tristeza pela adversidade em nossas vidas é uma reação normal, mas deve dar lugar à aceitação do plano de Deus.

II. Aceitação do Plano de Deus na adversidade

A. Deus é soberano.

Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus. (1 Coríntios 6:20).

1. O que isso significa para nós?

2. Que Deus pode fazer qualquer coisa que Ele quiser conosco…

3. Somos uma posse adquirida e não temos o direito de questioná-lo.

4. Isso não é resignação… mas, é aceitar que Deus tem um plano para minha vida e Ele nunca permitiria nada em minha vida que não fosse para o Seu bem.

5. Muitas pessoas não entendem Romanos 8:28 que diz:

“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.”

B. Deus tem um propósito para nós.

1. A vida não é apenas uma coleção de eventos não relacionados.

2. Às vezes pensamos que nossas vidas são como o pinball que salta de um para-choque para o outro até cair fora de jogo.

3. Mas Deus nos assegurou que Ele tem um propósito para cada um de nós.

4. Esse propósito é bom, porque Deus é bom.

5. José passou a aceitar que Deus estava no comando de sua vida, e quando fizermos o mesmo fará toda a diferença no mundo!

C. Rejeite o pecado da amargura para com Deus.

1. Alguém disse que as provações nos tornarão melhores ou nos tornarão amargos.

2. Novamente a diferença é nossa visão de Deus.

3. Deus é um Deus bom… Ele é justo… Ele não é arbitrário… E Ele não é o autor de confusão.

4. Ele nos adverte sobre permitir que a amargura entre em nossas vidas após a adversidade.

Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo. (Efésios 4:31-32).

Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor; Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem. (Hebreus 12:14-15).

III. Faça o melhor na situação adversa

A. O que José fez?

1. José não ficou sentado e deprimido o dia todo. Em vez disso, ele procurou aprender por meio dessa experiência.

2. Ele escolheu ser trabalhador, diligente, obediente, confiável e consciencioso.

3. Como resultado, ele teve sucesso como servo de Potifar, como prisioneiro encarcerado e como primeiro-ministro do Faraó.

B. Recuse-se a se concentrar nas circunstâncias externas.

1. Muitas vezes, nossa primeira reação à adversidade é tentar removê-la.

2. Mas precisamos entender que Deus está trabalhando em nossas vidas.

3. Pode ser que Deus esteja…

a. Tentando chamar nossa atenção. Veja então em 1 Pedro 1:7 que diz:

“Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece, ainda que provado pelo fogo, redunde em louvor, honra e glória na manifestação de Jesus Cristo…’

b. Assegurando-nos do Seu amor. Veja Hebreus 12:6 que diz:

“Pois o Senhor corrige a quem ama, e açoita a todo filho a quem recebe.”

c. Chamando-nos para o autoexame. Então veja 1 Coríntios 11:31-32 que diz:

“Pois se quisermos julgar a nós mesmos, não seremos julgados. Mas quando somos julgados, somos castigados pelo Senhor, para que não sejamos condenados com o mundo.”

C. Podemos perder o propósito de Deus na adversidade se nosso foco estiver apenas no que está acontecendo conosco, e não no que Deus quer que aconteça dentro de nós.

Ora, o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas, Vos aperfeiçoe em toda a boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em vós o que perante ele é agradável por Cristo Jesus, ao qual seja glória para todo o sempre. Amém. (Hebreus 13:20-21).

D. Manter a integridade.

“Ainda que ele me mate, ainda assim confiarei nele; mas manterei meus próprios caminhos diante dele.” (Jó 13:15).

1. Não vamos esquecer quem somos, ou quem é Deus!

2. Que tipo de testemunho daremos se perdermos nossa fé e confiança Nele em meio à adversidade?

3. Jesus falou dos dois fundamentos em Mateus 7.

Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras, e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha; E desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e não caiu, porque estava edificada sobre a rocha. (Mateus 7:24-25).

Observe que a fundação não impediu que a chuva caísse ou que a enchente subisse. Mas evitou que a casa desmoronasse!

Conclusão deste sermão: Aprendendo com José a Lidar com a Adversidade

Como respondemos à adversidade quando ela vem?

Resistimos e lutamos contra isso ou permitimos que Deus faça o que quer em nossas vidas?

Botão Voltar ao topo