2 Coríntios 3:18 Significado de “refletindo como um espelho a glória do Senhor”

2 Coríntios 3:18 – ACF

“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.”

Traduções Bíblicas de 2 Coríntios 3:18

NAA – 2 Coríntios 3:18

“E todos nós, com o rosto descoberto, contemplando a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, que é o Espírito.”

NVI – 2 Coríntios 3:18

“E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito.”

NVT – 2 Coríntios 3:18

“Portanto, todos nós, dos quais o véu foi removido, podemos ver e refletir a glória do Senhor, e o Senhor, que é o Espírito, nos transforma gradativamente à sua imagem gloriosa, deixando-nos cada vez mais parecidos com ele.”

Explicação e Comentário sobre 2 Coríntios 3:18

Os verdadeiros cristãos ascendem através de vários estágios de glória ao lerem a Palavra de Deus devido ao poder transformador do evangelho.

A passagem de 2 Coríntios 3:12-18 contrasta os seguidores de Jesus que viviam de acordo com a lei de Jesus com os judeus que viviam sob a lei mosaica

Os cristãos têm liberdade espiritual, em oposição aos judeus que estão sob a escravidão prescritiva da lei mosaica. 

Os cristãos têm uma relação direta com Jesus, ao contrário dos judeus da época que se comunicavam com Deus por meio de Moisés

Neste versículo, Paulo está concluindo o capítulo 3 com talvez a vantagem mais importante de viver sob a lei de Jesus.

Interpretação de 2 Coríntios 3:18, as partes chave do versículo:

“Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.”

“Mas todos nós”

Uma interpretação popular desta parte do versículo é que significa todos os cristãos, sejam de origem judaica ou gentia, sejam fortes ou fracos em sua fé. Outros comentaristas pensam que se refere apenas aos apóstolos

A visão mais comum é que esse conceito se aplica apenas aos cristãos genuinamente santificados, pois um cristão que não está santificado não experimentaria uma transformação “com glória cada vez maior”.

Um cristão não santificado estaria trabalhando para se tornar santo em primeiro lugar, o que seria o primeiro passo para a glória. Não seria de uma glória para outra, ou um grau de glória para outro.

“Com rosto descoberto”

Moisés usou um véu por pelo menos parte de sua vida, removendo o véu quando falava com o Senhor e então transmitia mensagens do Antigo Testamento aos israelitas. Depois que ele transmitia sua mensagem a eles, ele colocava o véu de volta sobre o rosto até que ele fosse falar com o Senhor novamente (Êxodo 34:34-35).

Os cristãos não cobrem fisicamente seus rostos com véus como Moisés. E espiritualmente, diferentemente dos israelitas que usaram Moisés como canal para Deus, os cristãos podem falar diretamente com Jesus. Em certo sentido, Jesus tirou os véus físicos e espirituais dos cristãos.

“Refletindo como um espelho a glória do Senhor”

Isso significa ler os evangelhos. E assim, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, a qualidade da sua vida cristã está no processo de ser transformada na mesma imagem.

Pois assim como um espelho revela as características físicas para que alguém possa arrumar-se corretamente, também a constante visão de Cristo pela fé revela os defeitos do caráter cristão e inspira a sua correção. A transformação que resulta é uma transformação de glória em glória, isto é, à semelhança de Cristo (Ef 4:13).

“transformados à sua imagem…”

Os cristãos são transformados à imagem de Jesus por seu acesso direto a Ele. Alguns comentaristas pensam que esta parte do versículo é uma alusão a como a pele do rosto de Moisés foi transformada depois que ele desceu do Monte Sinai, onde recebeu os dez mandamentos do Senhor (Êxodo 34:29-35). 

Dizia-se que seu rosto brilhava com raios de luz que pareciam vir de dentro dele, e ser o efeito do tempo que ele passou com o Senhor.

“…com glória cada vez maior…”

A maioria dos comentaristas interpreta isso como significando de um grau de glória ou graça para outro até alcançarmos a glória plena na segunda vinda de Jesus. Outros acreditam que significa ser santificado na terra para se transfigurar física, mental e espiritualmente à medida que ascendemos ao céu.

“…que vem do Senhor, que é o Espírito.”

O Senhor é o espírito de Deus. Isso não significa que o Senhor é o Espírito Santo. Eles são membros diferentes da Santíssima Trindade.

Comentários sobre o que Significa 2 Coríntios 3:18

Comentários com explicação do versículo

Comentário de Wiersbe (Contexto)

Onde quer que encontremos algo genuíno, também encontraremos alguém promovendo falsificações.

Henry Ward Beecher estava certo quando disse:

“Uma mentira sempre precisa de uma verdade à qual se apegar”.

Assim que o evangelho da graça de Deus começou a se espalhar entre os gentios, também surgiu um “evangelho” falsificado, uma mistura de Lei e graça. Essas ideias equivocadas eram propagadas por um grupo de pessoas zelosas conhecidas com o “judaizantes”.

Paulo escreveu sua Epístola aos Gálatas para refutar suas doutrinas, e o vemos fazer referência a eles em várias ocasiões em 2 Coríntios.

A principal ênfase dos judaizantes era a fé em Cristo mais a observância da Lei (ver At 15:1). Também ensinavam que o cristão é aperfeiçoado em sua fé ao obedecer à Lei de Moisés.

Seu “evangelho de legalismo” granjeou muitos adeptos, uma vez que a natureza humana prefere esforçar-se para alcançar ideais religiosos em lugar de simplesmente crer em Jesus Cristo e permitir que o Espírito Santo opere. É muito mais fácil medir a “religião” do que a verdadeira retidão.

Paulo considerava esses falsos mestres “mercadores” da Palavra de Deus (ver 2 Co 2:17), “charlatães religiosos” que se aproveitavam de pessoas ignorantes. Rejeitava seus métodos distorcidos de ensinar a Bíblia (2 Co 4:2) e desprezava sua tendência de se vangloriar dos convertidos (2 Co 10:12-18).

Um dos motivos pelos quais os coríntios não haviam cumprido o compromisso que assumiram com a oferta especial era o fato de os judaizantes terem “roubado” a igreja (2 Co 11:7-12, 20; 12:14).

De que maneira Paulo refuta as doutrinas e práticas desses falsos mestres legalistas? Mostrando a glória insuperável do ministério do evangelho da graça de Deus. Em 2 Coríntios 3, Paulo compara o ministério da antiga aliança (a Lei) e o ministério da nova aliança (a graça) e comprova a superioridade do ministério da nova aliança.

Vejamos os contrastes que o apóstolo apresenta:

1. Tábuas de Pedra – Corações humanos (2 Coríntios 3:1-3)

2. Morte – Vida (2 Coríntios 3:4-6)

3. Glória desvanecedora – Glória crescente (2 Coríntios 3:7-11)

4. Ocultação – Revelação (2 Coríntios 3:12-18)

Comentário de Beacon

Paulo culmina o seu contraste entre o ministério de Moisés do antigo concerto e o seu próprio ministério do novo, à medida que ele reflete sobre os privilégios de todos os cristãos.

Todos os que estão em Cristo têm a seguinte bênção: …com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (18).

No Antigo Pacto, somente Moisés poderia ver a glória do Senhor, pois um véu escondia do povo de Israel até mesmo o seu reflexo transitório, simbolizando a condição daqueles que estavam sob a lei (13-15). Mas o véu se remove dos corações de todos aqueles que se voltam ao Senhor e que são capazes, pela fé, de ver Cristo, “que é a imagem de Deus”.

Esta transformação penetra na vida interior do homem e não terminará até o dia em que nós o vejamos “face a face” (1 Co 13:12). Então nós “seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos” (1 Jo 3:2; cf. Rm 8:18).

A liberdade do novo concerto do Espírito inclui não apenas os momentos cruciais do perdão dos pecados e da purificação do coração, mas também enfatiza a contínua santificação de toda a vida. Este processo só atinge a plenitude na glorificação em completa conformidade com a imagem do Filho de Deus (Rm 8:28-30).

Comentário Bíblico Jamieson F. Brown

Mas todos nós. Cristãos, em contraste com os judeus que têm um véu em seus corações, respondendo ao véu de Moisés em seu rosto. Ele não retoma a referência aos ministros até 2 Co 4:1.

Com rosto descoberto” (o véu sendo removido na conversão): contrastado com “escondido” (2 Co 4:3).

Como em um espelho – em um espelho, ou seja, o Evangelho que reflete a glória de Deus e Cristo (2 Co 4:4; 1 Co 13:12; Tg 1:23-25).

São transformados na mesma imagem. Ou seja, a imagem da glória de Cristo, espiritualmente agora (Rm 8:29; 1 Jo 3:3); um penhor da mudança corporal no futuro (Fp 3:21). Por mais que sejam, todos os crentes refletem mais ou menos a mesma imagem de Cristo: uma prova da verdade do cristianismo.

De glória em glória. De um grau de glória para outro. Assim como o rosto de Moisés captou um reflexo da glória de Deus por estar em Sua presença, os crentes são transformados à Sua imagem ao contemplá-Lo.

Notas de Barnes sobre a Bíblia

2 Coríntios 3:18 – Mas todos nós. Todos os cristãos. A discussão no capítulo está relacionada principalmente aos apóstolos; mas esta declaração parece evidentemente se referir a todos os cristãos, distintos dos judeus.

Com o rosto descoberto. Compare a nota em 1 Coríntios 13:12. Tyndale traduz isso: “e agora a glória do Senhor aparece em todos nós como em um espelho”. 

O sentido é “com o rosto descoberto”, referindo-se ao verso 2 Coríntios 3:13, que descreve como o rosto de Moisés estava coberto com véu para que os filhos de Israel não pudessem olhá-lo firmemente.

Em contraste com isso, Paulo diz que os cristãos são capazes de olhar para a glória do Senhor no evangelho sem véu – sem qualquer meio obscuro intermediário.

Contemplando como em um espelho. Significa propriamente olhar no espelho. Os espelhos dos antigos eram feitos de metal polido e refletiam imagens com grande brilho e nitidez. E o significado é que o evangelho refletiu a glória do Senhor. Era, por assim dizer, o espelho, a substância polida na qual a glória do Senhor brilhava e onde essa glória era irradiada e refletida para que pudesse ser vista pelos cristãos. 

Não havia véu sobre ela; nenhuma obscuridade; nada para quebrar seu esplendor deslumbrante, ou para impedir seu encontro com os olhos. Os cristãos, olhando para o evangelho, podiam ver as perfeições gloriosas e os planos de Deus tão brilhantes, claros e brilhantes quanto podiam ver a luz refletida na superfície polida do espelho. Esta passagem é de grande beleza, e foi projetada para apresentar o evangelho como sendo “o reflexo” das infinitas glórias de Deus para as mentes e corações das pessoas.

A glória do Senhor. O esplendor, majestade e santidade de Deus, conforme manifestado no evangelho, ou do Senhor como encarnado. A idéia é que Deus foi visto clara e distintamente no evangelho. Não havia obscuridade, nem véu, como no caso de Moisés. No evangelho, eles foram autorizados a olhar para todo o esplendor das perfeições divinas – a justiça, bondade, misericórdia e benevolência de Deus – para vê-lo como ele é com glória não ofuscada e revelada. A idéia é que as perfeições de Deus brilhem com esplendor e beleza no evangelho, e que nos seja permitido olhá-las clara e abertamente.

São transformados na mesma imagem. Essa passagem pode estar fazendo uma alusão ao olhar para um espelho antigo. Os espelhos antigos feitos de metal polido refletiam uma imagem intensa. Se uma luz forte fosse direcionada para eles, os raios seriam refletidos no rosto de quem olhasse, iluminando-o intensamente. A ideia aqui é que a glória de Deus, as perfeições divinas, foram lançadas sobre o evangelho como uma luz brilhante em um espelho polido. Essa glória é então refletida do evangelho para aquele que o contempla, transformando-o na mesma imagem.

Comentário de Ellicott 2 Coríntios 3:18

E todos nós, de rosto descoberto. A relação desta frase com a anterior é de sequência e não de contraste, e obviamente é importante manter no inglês, como no grego, a continuidade do pensamento alusivo envolvido no uso das mesmas palavras que em 2 Coríntios 3:14. “Nós”, diz o Apóstolo, após os parênteses de 2 Coríntios 3:17, “somos livres e, portanto, não precisamos cobrir nossos rostos, como os escravos fazem diante da presença de um grande rei. 

Não há véu sobre nossos corações e, portanto, nenhum sobre os olhos com os quais exercitamos nossa faculdade de visão espiritual. Somos como Moisés era quando ele estava diante do Senhor com o véu retirado”. 

Se o Talith estavam em uso neste momento nas sinagogas dos judeus, também pode haver uma referência ao contraste entre esse uso cerimonial e a prática de assembleias cristãs. 

Contemplando como por um espelho a glória do Senhor. A palavra não é uma palavra comum, e Paulo obviamente tinha alguma razão especial para escolhê-la, em vez das palavras mais familiares, “vendo”, “contemplando”, “contemplando firmemente”; e, portanto, é importante verificar seu significado. Não há dúvida de que a voz ativa significa “fazer um reflexo no espelho”. Há pouca dúvida de que a voz do meio significa olhar para si mesmo no espelho.

Estudo em vídeo de 2 Coríntios

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.
Botão Voltar ao topo