O que Jesus quis dizer com “Aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra”

É tão maravilhoso quando palavras, frases ou histórias da Bíblia se tornam conhecidas lições de vida compartilhadas por ​​gerações. Palavras como “aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra” de João 8:7 oferecem imensa sabedoria para todas as idades.

Embora no modernismo ocidental não pratiquemos o atirar pedras em nossos tribunais, a imagem ainda ressoa. Porque atirar qualquer coisa em julgamento do outro está acontecendo o tempo todo. 

É um visual doloroso, ainda hoje, lançar sua raiva em alguém com um objeto destinado a ferir. E esse objeto pode ser insultos, mentiras, acusações ou qualquer número de opções difíceis.

O que é tão poderoso é que o que Jesus tinha a dizer sobre o julgamento ainda fala alto e claro hoje. Como se estivéssemos com os fariseus, pedra na mão, enfrentando nossa própria fragilidade. 

Vejamos o que estava acontecendo nesta história e o que levou Jesus a dizer “aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra” e como podemos continuar aprendendo com isso hoje.

Significado de “aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra”

Quando Jesus adverte os fariseus com esta instrução, ele está claramente indicando que Deus vê nosso pecado. Jesus sabia que o motivo pecaminoso deles era desprezar sua autoridade, não trazer algum tipo de justiça.

E sim, a lei afirmava que o adultério era um pecado punível com a morte do homem e da mulher. O fato de que o homem também não foi levado a julgamento junto com a mulher expõe seus corações pecaminosos. 

E porque eles não podem dizer que são testemunhas oculares como a lei exigia, Jesus não está violando a lei ao deixá-la ir sem condenação.

Em outras palavras, somente Jesus não cometeu os pecados de mentir sobre o incidente. Conspirar para desacreditar Deus ou pedir execução sem o número justo de testemunhas oculares (ou ambos os acusados).

Somente os sem pecado podem julgar corretamente neste caso, e é exatamente isso que Jesus faz.

Que eventos levaram Jesus a dizer “aquele que não tem pecado que atire a primeira pedra”?

Antes das famosas palavras sobre ser o primeiro a atirar uma pedra em João 8:7, Jesus está na Galiléia. E seus irmãos estão insistindo para que ele deixe a Galiléia e vá para a Judéia “para que seus discípulos vejam as obras que fazes” e, de fato, “mostrar-te ao mundo” (Jo 7:3).

Mas porque seus irmãos não acreditavam nele, Jesus opta por recuar, dizendo a eles para irem em frente à Festividade Judaica dos Tabernáculos porque sua hora ainda não havia chegado.

Jesus sobe a festa…

Depois que os irmãos vão para a Judéia, Jesus segue em segredo. Ele sabe que as multidões na Judéia estão falando sobre ele e, pior, muitos querem matá-lo. 

Quando Jesus entra em cena e começa a ensinar, perguntando por que as pessoas querem matá-lo, alguém arremessa uma pedra proverbial, respondendo “você está endemoninhado” (Jo 7:20). Ao que Jesus, no final de sua explicação, lhes pede: “Parem de julgar pelas meras aparências, mas julguem corretamente”.

Jesus esclarece consistentemente que ele fala sobre a autoridade de Deus. Os fariseus ficam cada vez mais irados. Eles odeiam que “esta multidão não sabe nada da lei” (João 7:49) está acreditando que Jesus é a água viva que ele está oferecendo.

Na manhã seguinte…

Assim, na manhã seguinte, quando Jesus apareceu no pátio do templo, os mestres da lei e os fariseus aproveitaram a oportunidade para fazer uma cena. 

Com a “multidão” reunida, eles trazem uma mulher diante de Jesus que eles alegam ter sido pega em adultério. Não importa que o adultério leve dois, estes eram os guardiões da Lei do Antigo Testamento… e eles se sentiram justificados em deixá-la como quisessem.

Na tentativa de prender Jesus, eles o lembram “na Lei, Moisés nos ordenou que apedrejássemos essas mulheres”. Mas Jesus, tendo vindo para cumprir a Lei com uma nova aliança eterna, gentilmente se abaixou e escreveu no chão com o dedo. Ele não está agitado.

Enquanto eles o atormentam, ele se levanta com sua instrução:

“Quem de vocês estiver sem pecado seja o primeiro a atirar uma pedra…” 

E voltou a escrever no chão.

Mas, notemos algo. Jesus não disse que ninguém era sem pecado. De fato, os fariseus são frequentemente chamados por Jesus como hipócritas (Mateus 23:27), assassinos (Mateus 23:34-35), impenitentes (Lucas 19:10-12), guias cegos e muito mais.

Alguns acreditam que Jesus escreveu os pecados dos fariseus no chão. Outros acreditam que ele escreveu alguns ou todos os Dez Mandamentos. No entanto, não temos certeza.

Veja, esse encontro com os fariseus é atipicamente civilizado. Os fariseus não tinham o hábito de se afastar silenciosamente de Jesus assim. Nas repreensões anteriores, eles permaneceram veementemente inabaláveis ​​e agressivos, mas neste caso, eles jogam suas pedras no que Jesus escreve.

É por isso que uma teoria sugere que Jesus sabe que eles estão dando falso testemunho, pois nunca trouxeram o adúltero junto com a adúltera. 

E em Deuteronômio 19:16-21, a Lei diz para “fazer à falsa testemunha o que aquela testemunha pretendia fazer à outra parte”.

É possível que Jesus estivesse mostrando aos fariseus em silêncio que eles mereciam ser executados.

De acordo com essa teoria, se Cristo tivesse falado isso em voz alta, o grupo os teria cercado. E como a lei em Deuteronômio exigia, eles não teriam mostrado misericórdia.

Além disso, de acordo com Deuteronômio 17:6, são necessárias duas ou três testemunhas oculares para matar alguém. 

Ao escrever isso no chão, a grande misericórdia de Jesus salva os fariseus (e a mulher) da execução pública. 

Porque não havia duas ou três testemunhas oculares, Jesus acalma a mulher assustada com: “Então, nem eu te condeno”. Ele amorosamente lhe ordena: “Vá agora e deixe sua vida de pecado”.

Como os cristãos podem parar de “lançar a primeira pedra” hoje?

Essa história é ao mesmo tempo assustadora e libertadora, pois nos dá uma visão de perto do coração de Jesus. Ele sabe que pecamos. Ele os mostrará para nós se estivermos dispostos. E ele nos convida à liberdade de deixar nossos pecados para segui-lo.

E esta não é a única vez que Jesus nos lembra. Nós tendemos a pegar pedras e ignorar nossos próprios erros. 

Não julgue, ou você também será julgado, pois da mesma forma que você julga os outros, você será julgado, e com a medida que você usar, será medido a você. Por que você olha para o cisco no olho do seu irmão e não presta atenção na trave que está no seu próprio olho? – Mateus 7:1-3

Mesmo que o que você queira lançar seja verdade, não cabe ao nosso tribunal condenar. Como seguidores de Cristo, somos chamados a:

Sede bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-vos uns aos outros, assim como Deus vos perdoou em Cristo. – Efésios 4:32

Falhamos nisso? Constantemente. Mas ainda vale a pena tentar, de novo. 

Então, para nos ajudar a evitar que atiremos a primeira pedra em nossas famílias, trabalho, igrejas, redes sociais ou em qualquer lugar, gostaria de sugerir três perguntas:

Será que vai ajudar? 

Pense se o resultado será para o bem. Sua acusação, sermão ou comentário resultará em: maior compreensão, uma oferta de paz ou uma ferramenta de reconciliação. 

Se você não consegue visualizar um bem maior para todos, e o que a pedra vai ajudar, largue-a.

Será que vai curar? 

Se você se perguntou se isso vai ajudar e acha que pode, porque sente que é “verdade”, vá em frente. 

O que quer que você esteja prestes a expor ou adicionar ou digitar ou dizer realmente será fundamental para curar uma ferida? 

Será uma verdade que pode plantar novas sementes de esperança? Ou é só porque você está muito bravo e acha que alguém deveria saber. 

Se a situação não tiver chance de cura pelo que você diz, então prefira deixar largar a pedra.

Vai machucar? 

Este é o teste mais verdadeiro. Pare imediatamente se o que você está prestes a dizer vai machucar alguém. 

E melhor ainda, se você disser algo que você não sabia que iria machucar, e isso é trazido à sua atenção, ofereça algo melhor do que pode ajudar ou curar.

Além dos paus e pedras que jogamos no convívio diário, algumas vezes podemos até ferir alguém sem saber. 

Mas, em vez de juntar pedras, podemos nos reunir em torno da palavra de Deus que melhor diz:

Não retribua a ninguém mal por mal. Tenha o cuidado de fazer o que é certo aos olhos de todos. Se for possível, no que depender de você, viva em paz com todos. Não se vinguem, meus caros amigos, mas deixem espaço para a ira de Deus, pois está escrito: É meu vingar; Eu retribuirei, diz o Senhor. – Romanos 12:17-19

E em Romanos 12:21, vemos o que Jesus estava tornando possível naquele dia: “Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem”.


Autora Lia Martin.

Botão Voltar ao topo