Mãe de primeira Viagem: 10 coisas que deveria ter aprendido

“Aqui está sua doce menina!” a enfermeira radiante disse para mim, mãe de primeira viagem; Enquanto se inclinava em direção à mesa de operação, para que eu pudesse ver minha filha recém-nascida.

Quando coloquei os olhos em seu rostinho pela primeira vez, lágrimas de alegria escorreram pelo meu rosto. Então uma onda de pânico se instalou.

O que eu Gostaria de ter Aprendido quando fui mãe de primeira de viagem? E se eu . . . falhar com ela?

Enquanto eu olhava em seus grandes olhos derretendo, em um momento, eu sabia que passaria o resto da minha vida tentando ser a melhor mãe que eu poderia ser. E eu tenho.

Alguns anos depois, quando ela era uma abelha em seu recital de dança – ora, eu era a mais orgulhosa lá.

Quando ela ganhou a bola do jogo no softball, fiquei sem fôlego, sem perceber que estava prendendo a respiração durante os comentários do treinador.

Eu pulei de alegria (literalmente) quando ela entrou para o time de líderes de torcida do ensino médio.

E no dia do seu casamento, cortei o tapete na pista de dança com os melhores momentos, comemorando com pura alegria, amando-a com todo o meu coração.

Mas não vou adoçar. Eu também cometi muitos erros.

Às vezes eu desmoronei, quando deveria ter sido forte. Quando ela enfrentava dificuldades, muitas vezes eu me culpava (estou trabalhando para não fazer isso). Às vezes, eu era muito dura com ela e, às vezes, muito fácil.

Não muito tempo depois que minha filha nasceu, meus gêmeos vieram (tenha piedade), e embora eu tentasse, acabei sendo uma mãe menos que perfeita para eles também.

Talvez você possa se relacionar.

Agora, meus filhos estão todos crescidos e — louvado seja o Senhor — estão indo muito bem. E apesar da minha maternidade imperfeita, compartilho um vínculo profundo e amoroso com cada criança.

Mas, às vezes, me pego desejando poder voltar para quando me tornei mãe e me dar uma boa conversa. Há tantas coisas que eu sei agora, que eu gostaria de ter aprendido quando fui mãe de primeira viagem. E se eu pudesse voltar no tempo, é isso que eu diria. . .

10 Coisa que eu deveria ter aprendido, quando fui mãe de primeira viagem

1. Uma mãe de primeira viagem, precisa de Deus muito mais do que imagina.

Há um espaço vazio e dolorido em seu coração que somente o Senhor pode preencher. No entanto, não tente preenchê-lo com atividades infantis ou ser a “melhor” mãe da vizinhança. Ocupação excessiva não vai preenchê-lo. Comprar mais coisas também não.

Só isso vai: passar tempo com o Senhor todos os dias. Lendo Sua palavra. Orar. Adorando de coração. Quando você está “muito ocupado” para passar tempo com Deus, sua alma passa fome. 

Certifique-se de preenchê-lo com Seu amor todos os dias. Contudo, saber que você é bem-amado permite que você ame bem seus filhos.

2. Seus filhos não são você; são pessoas separadas.

Seus filhos não são outdoors para mostrar quem você é (seus talentos, preferências e opiniões). Não, eles mostram quem são. Então, quando eles pensarem ou fizerem as coisas de forma diferente – e acredite, eles irão – não tente forçá-los a seguir o seu molde.

Cada criança deve viver de acordo com o plano de Deus, mas não necessariamente o seu. Dê a eles o espaço de que precisam para prosperar como indivíduos separados. Incentive-os a serem seguidores de Deus, mas não clones seus .

3. Uma mãe de primeira viagem não deve se culpar.

Às vezes, você não vai tomar a decisão certa. Haverá momentos em que você não terá bom senso. E você dirá coisas que gostaria de não ter dito. Assuma seus erros, em vez de tentar encobri-los. 

Peça desculpas aos seus filhos com frequência, mesmo que isso faça você se sentir desconfortável. Isso irá aliviá-lo de carregar uma carga pesada de culpa da mãe. 

Esperar a perfeição (mesmo em pequenos aspectos) é irreal, então dê um tempo. Se você errar – e você vai – perdoe a si mesmo e siga em frente, sabendo que Deus perdoa você também (Rm 8:34-38).

4. Lembre-se que o objetivo da maternidade é o amor, não o desempenho no trabalho.

Pare de tentar medir seu desempenho como mãe. Apenas. Pare. Isto. Recuse-se a se comparar com as mães sábias e mais experientes que você admira na igreja. 

Não compita com a “supermãe” da rua, que estuda em casa e cultiva vegetais orgânicos. Também não tente agir como uma mãe fictícia do Instagram – seja real. 

Concentrar-se em seu “desempenho no trabalho” faz com que você pense em si mesmo, em vez de em seus filhos. Esforce-se para amar bem seus filhos e você se sairá bem.

5. Responda mais, reaja menos.

Tenha como objetivo ser um pai responsivo, em vez de reativo. Uma resposta é deliberada e cuidadosa; uma reação é simplesmente um reflexo. Uma resposta bem pensada reflete seu conhecimento e suas crenças; uma reação reflete suas ansiedades e medos. 

Tanto quanto você puder, decida de antemão como você vai responder quando seus filhos não fizerem a lição de casa, ou quando eles “devem” ter telefones celulares, ou quando eles podem “ficar firmes” (ou qualquer que seja o jargão atual). 

Essas situações estão chegando. Antecipe-se e enfrente-os com uma resposta ponderada, em vez de uma reação automática.

6. Não entre em pânico. Provavelmente é apenas um palco.

Quando seus queridos gêmeos gritarem e baterem em você na fila do caixa, não pense que é porque você é uma mãe ruim. É apenas um palco. (Felizmente, os “terríveis 2’s” se transformam em “terríveis 3’s”). Quando sua filha de dez anos o apimentar com um milhão de perguntas, seja paciente e agradecido. 

Pois sua mente está crescendo e se desenvolvendo. Quando seus filhos se afastarem de repente, não os culpe ou leve para o lado pessoal. É apenas uma parte natural da maturidade, não o seu fracasso como mãe.

A infância é uma série de fases passageiras. Alguns estágios são divertidos, outros são difíceis e alguns são absolutamente dolorosos. 

Tente entender o que seus filhos estão passando, para que você não exagere. Ore por cada estágio, ajudando-os a trabalhar enquanto você confia no Senhor.

7. Promover a independência, em vez da dependência.

Promover a independência é crucial porque um dia você não estará por perto. Seu trabalho é preparar seus filhos para se manterem sozinhos – para não precisarem tanto de você – mesmo que isso possa parecer estranho, às vezes. Tente não pairar ; pairar torna as crianças carentes. 

Isso os impede de atingir todo o seu potencial. Ame seus filhos o suficiente para NÃO fazer coisas que eles são capazes de fazer sozinhos. Isso os ajuda a desenvolver habilidades de resolução de problemas e aumenta seu senso de auto-estima.

8. Vá a Deus como primeira resposta, não como último recurso.

Quando surgem problemas e você se sente sobrecarregada, pode ser difícil orar. Faça-o de qualquer maneira. Quando você estiver com raiva, dê a Deus um pouco de tempo para trabalhar, em vez de perder o controle. 

Quando estiver ferido, vá passar algum tempo com Deus, o mais rápido possível. Se você não fizer isso, o drama infantil pode sugar você e arrastá-lo para baixo com ele. Este versículo irá ajudá-lo durante as emergências dos pais:

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.” (Filipenses 4:6)

9. Encontre outras amigas-mães de primeira viagem, o mais rápido possível .

Não vá sozinho! Estenda a mão para outras mães de fé semelhante. Procure seus sábios conselhos. Ore com eles. Vá para o estudo bíblico com eles. 

Você precisa de amigas-mães piedosas para caminhar ao seu lado enquanto gerencia testes de líderes de torcida, jogos de beisebol e recitais de piano. Você precisa de amigos que lhe enviem textos bíblicos e orem por você e o apoiem de um milhão de pequenas maneiras. 

E lembre-se, suas amigas mães e seus filhos também precisam de você. Certifique-se de apoiá-los e amá-los de volta.

10. Você mãe de primeira viagem, pode fazer isso!

Acredite em Deus. Acredite em si mesmo. A descrença só o arrasta para baixo. Você vê, a falta de autoconfiança pode realmente prejudicar sua paternidade, fazendo com que você duvide de si mesmo e cuide de seus filhos. 

Então, quando você sentir que não tem o que é preciso para ser uma boa mãe, concentre-se em sua fé (estranhamente, fé e autoconfiança estão ligadas). 

Primeiro, escolha acreditar no poder de Deus e depois escolha acreditar que você pode fazer grandes coisas, não porque você é grande, mas porque você tem um grande Deus.

Conclusão: Essas foram as 10 coisas que eu Gostaria de ter Aprendido quando fui mãe de primeira viagem

Se você é uma nova mãe, ou apenas uma menos que perfeita, eu entendo como você se sente. Embora eu não possa voltar no tempo para compartilhar o que aprendi comigo mesmo, espero que minha experiência ajude você.

Ser mãe é maravilhoso, mas também pode ser um trabalho difícil, então relaxe. Aproveite a preciosa oportunidade que você tem para amar. Seja grato por seus filhos, diariamente. E ao confiar no Senhor, deixe que isso se torne sua prioridade: “Farei o meu melhor e confio em Deus com o resto”.

Publicado por Crosswalk
Adaptado por Biblioteca do Pregador

Indiara Lourenço

Mãe, esposa e serva que ama fazer a obra de Deus. Contagia a todos com sua alegria está sempre incentivando com palavras motivadoras!
Botão Voltar ao topo