Ministério do Aconselhamento: 9 Aspectos Indispensáveis na Vida de um Conselheiro

O ministério do aconselhamento é fundamental para um crescimento saudável da igreja. E é por isso que cada vez mais pastores investem nesse trabalho de aconselhar pessoas.

Ninguém melhor do que o pastor para atuar como um conselheiro. O Senhor Jesus deu-lhe autoridade para presidir e admoestar o seu rebanho. Por essa razão, é necessário o ministro ocupar parte do seu tempo no trabalho do aconselhamento.

A Responsabilidade da Igreja com o Ministério de Aconselhamento

A Igreja é o centro do propósito divino e sua existência deve-se à soberana vontade de Deus. Pois, não existe nesse mundo uma organização semelhante à Igreja.

Visto que ela não é apenas uma organização social, mas também um organismo vivo. E, que tem como função ser, na pessoa de Cristo, o centro do propósito redentor do mundo.

Dentre as suas responsabilidades, está a evangelização do mundo. Além disso, desempenha o ministério de ajuda, alcançando as famílias. E, promove edificação proporcionando estabilidade social, emocional e espiritual.

A Necessidade do Ministério do Aconselhamento

O ministro evangélico precisa pregar a Palavra não apenas no púlpito, mas também no aconselhamento. Assim, ele ajuda as ovelhas machucadas, cansadas ou desviadas a serem reabilitadas.

É, portanto, fundamental a criação de um Departamento de Aconselhamento na igreja. Uma Clínica Pastoral que possa ajudar as pessoas individualmente ou então famílias que enfrentam problemas.

Quem pode ser conselheiro?

O Ministério do Aconselhamento é uma função legítima do pastor. Mas também pode ser exercido por outras pessoas que lidam habitualmente com problemas humanos, como: Psicólogos, assistentes sociais, líderes religiosos, professores e outros.

Ou por aqueles que possuem um mínimo de conhecimento sobre a personalidade, sentimentos e emoções humanas. Pessoas bem ajustadas, de uma personalidade equilibrada, pessoas, sobretudo, espirituais e de bom testemunho.

9 Aspectos indispensáveis na vida de um conselheiro:

1. Ter habilidade para aconselhar

É necessário ter experiência de vida e/ou algum treinamento. Não pode ser jovem demais para exercer esse ministério da ajuda.

2. Ter maturidade espiritual

Para exercer esse ministério do aconselhamento, precisa ser cheio do Espírito Santo e ter bom conhecimento bíblico.

3. Ter amor e interesse pelas pessoas

O terceiro aspecto é ser sincero, cordial e ter interesse pelo bem-estar do aconselhando.

4. Ter bom caráter

Não é só aconselhar, mas precisa ser exemplo e ter uma vida correta em todos os lugares.

5. Ser autêntico

Dar conselhos é fácil, mas não é só isso, pois, precisa viver o que prega. Suas atitudes devem ser coerentes com suas ações.

6. Ser honesto, franco e sensível

Nunca criticar, menosprezar, nem fazer comparações com seu aconselhando. Também não confidenciar assuntos delicados seus ou de outrem com quem está aconselhando. Portanto, seja vigilante como conselheiro.

7. Ter equilíbrio emocional

O conselheiro deve estar psicologicamente estável e não sofrer de algum transtorno psíquico sério que possa interferir na sua atividade.

8. Deve conhecer a si mesmo

O conselheiro deve saber lidar com as próprias inseguranças, para então compreender os outros e orientá-los nas suas dificuldades.

9. Saber guardar sigilo

Se quiser ser um bom conselheiro, então é preciso proteger a privacidade das pessoas. Pois, isso é fundamental para um ministério do aconselhamento.

Esses são, portanto, os aspectos indispensáveis na vida de um conselheiro. Então, comece a exercer o ministério do aconselhamento e ajudar pessoas.

Botão Voltar ao topo