Qual o significado da moeda na boca do peixe em Mateus 17:24-27

Em Mateus 17 há uma história de Jesus dizendo a Pedro para ir buscar dinheiro para o imposto do templo. Por alguma razão, Jesus não apenas fez dinheiro aparecer ou pediu a Pedro que pegasse algum de Judas Iscariotes (que cuidava da bolsa de dinheiro), ele pediu a Pedro que pegasse uma moeda da boca de um peixe.

24 E, chegando eles a Cafarnaum, aproximaram-se de Pedro os que cobravam as didracmas e disseram: O vosso mestre não paga as didracmas? 25 Disse ele: Sim. E, entrando em casa, Jesus se lhe antecipou, dizendo: Que te parece, Simão? De quem cobram os reis da terra os tributos ou os impostos? Dos seus filhos ou dos alheios? 26 Disse-lhe Pedro: Dos alheios. Disse-lhe Jesus: Logo, estão livres os filhos. 27 Mas, para que os não escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir e, abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o e dá-o por mim e por ti. – Mateus 17:24-27 (ARC)

O que Jesus quis dizer em Mateus 17:24-27?

O poder da resposta de Jesus está em sua pergunta inicial – quem paga os impostos, os filhos dos governantes ou seus servos/súditos? Ele não menciona que tipo de impostos, portanto podemos deduzir que são todos e quaisquer impostos, seja por templos ou governos. Ao fazer isso, Jesus está revelando um subtexto maior, a saber, que Seu Pai é o Único Verdadeiro Governante, de quem ele (Jesus) é o Filho e, portanto, não está sujeito a impostos.

No entanto, Jesus defende a mansidão e a humildade em vez de ofender e desonrar o Reino de Deus ao insistir em sua posição moral e espiritual. Nisso, ele instrui Pedro a fazer o mesmo e agir de todas as maneiras para defender os altos princípios do Reino de Deus. Jesus diz a ele para produzir a moeda de:

  • Um peixe – uma área na qual Pedro é habilidoso e trabalha para receber seu salário
  • Uma única linha em vez de uma rede inteira – fé de que tal peixe único será guiado pelo Divino para sua única linha
  • Boca de um peixe – uma zombaria gentil aos governantes do mundo – Jonas foi cuspido da boca de um peixe na costa de Nínive, para proclamar uma profecia contra um povo que ele não queria salvar – então talvez Deus esteja tossindo um moeda em provisão milagrosa para poupar todo o resto do dinheiro de Jesus e Pedro de ser usado pela praga deste mundo.

Que tipo de imposto era este?

Este tributo não era um imposto civil, mas um imposto religioso, também conhecido como imposto do templo. A quantia devida era uma moeda conhecida como didracma, o salário de cerca de dois dias de trabalho para um diarista. Baseava -se em Êxodo 30:11-16, que exigia que todo homem adulto pagasse meio siclo como dinheiro de resgate para a construção do tabernáculo. Não está claro no texto original se este seria um imposto anual ou, mais provavelmente, apenas um imposto único para a construção do tabernáculo (Ex 26:20-25; 38:25-31). Mais tarde, um imposto semelhante foi cobrado para a reconstrução do templo (Ne 10:32-33).

O que significa que Jesus paga o imposto?

A primeira coisa é garantir que temos uma tradução precisa. O assunto é o “Imposto do Templo” em vez de “Tributo” – que é como a KJV traduz isso. O imposto do Templo foi instituído em Êxodo (Ex. 30:11-16). O tributo, por outro lado, é o que um vassalo paga anualmente ao rei. Os Césares romanos cunhavam moedas de “tributo”. Se você prestar homenagem a César, você reconhece sua “realeza” em sua vida. Esse é o debate em Marcos 12

O “homenagem” foi pago em um denário e tinha uma imagem de César nele. A inscrição dizia:

“Tibério Césares, filho do Divino Augusto, Imperador”

e o anverso declarou Tibério

“Sumo sacerdote”

Então isso era considerado adoração a um deus falso aos olhos dos judeus.

Ponto 1: O imposto do Templo foi pago usando um Tyrian Shekel. Um problema com o Tyrian Shekel era que ele tinha um deus pagão – Melqarth-Herakles (Hércules no panteão romano). Os siclos de Tyrian tinham um teor de prata de alta pureza e eram, portanto, as únicas moedas autorizadas pelos líderes religiosos a pagar o imposto do templo. Parece também que quando a casa da moeda de Tyrian fechou – eles mudaram a operação de cunhagem para Jerusalém – e continuaram a cunhar o Shekel Tyrian com o deus Tyrian nele.

Como observa Gordon Franz:

“Os rabinos decidiram que o mandamento de dar o imposto de meio siclo ao Templo, com seu devido peso e pureza, era mais importante do que a proibição de quem ou qual imagem estava na moeda.”

Ponto 2: O “mar” no antigo Oriente Próximo (tanto no Antigo Testamento quanto no Novo) era uma imagem de julgamento.

Dane Ortlund escreve em seu artigo de jornal O que significa lançar uma montanha ao mar? Outra olhada em Marcos 11:23 no Bulletin for Biblical Research:

O “mar” também tem um significado consistente na Bíblia além da mera referência a uma grande massa de água salgada. Ao longo da Bíblia, o mar frequentemente simboliza escuridão, separação de Deus, julgamento divino

Portanto, uma possível interpretação é que Jesus está fazendo uma declaração sobre o fato de que as autoridades do templo estavam usando uma moeda que violava o mandamento de não ter imagem esculpida para pagar pelo funcionamento do templo. O fato de a moeda estar “no mar” – o local do julgamento divino – seria uma forma simbólica de mostrar o que você pensa sobre a moeda aprovada para uso no templo.

Uma parte significativa da mensagem dos Evangelhos – particularmente de Marcos – é que o julgamento de Deus está chegando ao Templo e aos líderes religiosos. Seguindo as palavras de Malaquias 3:

Então, de repente, o Senhor que você está procurando virá ao seu templo (Mal. 3:1)

E

Então eu irei para colocá-lo em julgamento (Malaquias 3:5)

Jesus é continuamente obediente aos mandamentos de Deus. Ele paga o imposto. Mas o faz de forma simbólica para mostrar o que pensa sobre a moeda e a hipocrisia das autoridades do templo.

O que aprendemos de Jesus pagando o tributo?

1. Jesus paga seus impostos. 

Embora Jesus argumente que está isento de pagar o imposto do Templo, no entanto, para evitar ofender aqueles que notam que Jesus não pagou tais impostos, o filho de Deus paga seu imposto. (A esse respeito, ele escolheu voluntariamente não praticar o que tinha o direito de fazer para evitar ocasiões de tropeço. Compare a conduta de Paulo em 1 Coríntios 9:1-16 e as discussões gerais em 1 Coríntios 8-10 e Romanos 14.)

Jesus envia Pedro ao mar da Galiléia com instruções sobre como garantir os fundos para pagar seus impostos.

Aquele que era o Filho de Deus realmente se tornou pobre para que pudéssemos nos tornar ricos (2 Co 8:9) Mais tarde, ele disse: “As raposas têm tocas, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Lucas 9:58).

2. Jesus, o Filho de Deus, está isento de tais impostos. 

Quando Pedro abordou Jesus sobre o imposto, Jesus perguntou-lhe sobre os impostos em geral. Ele perguntou a quem os reis costumavam tributar. As coisas eram um pouco diferentes em Roma do que em nosso país. O governo romano geralmente isentava seus próprios cidadãos e cobrava seus impostos daqueles estrangeiros que haviam sido derrotados na guerra (designados aqui como “estranhos”). Sabendo da situação, Pedro respondeu que os impostos geralmente são pagos por estranhos, não pelos próprios filhos.

Jesus afirmou sua isenção de tais impostos com base em quem ele era. O imposto do Templo era recolhido para Deus. Como o Filho de Deus, como Pedro confessou que Jesus estava em Cesaréia de Filipe apenas alguns dias antes, conforme registrado em Mateus 16:16 (“Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”), Jesus estava isento de tal taxação. Sua alegação de isenção de impostos é uma afirmação de sua divindade, sua filiação. Ele era “filho de Deus” não por adoção, como nós, mas pela essência de sua natureza. Particularmente a Pedro, ele afirma sua divindade. 

O versículo afirma a autoconsciência de Jesus sobre sua filiação sobrenatural. De fato, alguém maior do que o Templo está presente (Mateus 12:6) e justamente não deve nenhum imposto do Templo. 

O que significa a moeda na boca do peixe?

A questão aqui em Mateus 17:24-27 não é sobre por que ou quem cobrava esse imposto do templo (veja Êx 30:12-16). A pergunta é por que Jesus, tendo decidido pagar o imposto para evitar ofensas, decidiu pagá-lo com dinheiro de uma fonte tão incomum – a boca de um peixe! As razões não são indicadas, mas aqui estão algumas sugestões.

  • Jesus estava, como Ele apontou, isento desse imposto do templo precisamente porque Ele era o governante para o qual apontava todo o seu simbolismo. (Ele era a luz do mundo, a água da vida, o pão da vida, o cordeiro pascal, etc, etc). Ele também era o Rei do reino celestial para o qual o templo também apontava. Então, Jesus estava definitivamente isento! Jesus realizou um milagre para enfatizar a Pedro o que ele evidentemente havia acabado de esquecer, que Jesus era o Rei, o Messias e o Senhor do templo e tudo mais.
  • Embora Jesus tivesse poder ilimitado disponível para Ele, ele frequentemente realizava milagres em conjunto com as pessoas. Por exemplo, Ele poderia ter rolado a pedra na ressurreição de Lázaro, mas pediu que as pessoas o fizessem; Ele poderia ter curado os olhos do cego instantaneamente sem usar lama de saliva, mas pediu ao homem que fosse se lavar; Ele poderia ter criado instantaneamente vinho para o casamento, mas pediu aos servos que enchessem grandes jarros e o retirassem; Ele poderia ter criado uma grande quantidade de peixes no barco, mas, em vez disso, instruiu os discípulos a lançar a rede e puxar a pesca; Ele poderia apenas converter as pessoas, mas pede aos cristãos que preguem e ensinem os outros (Mt 28:19); etc. Nesses casos, o envolvimento de pessoas como parte integrante do milagre serve para enfatizar novamente que Jesus, e não pessoas, é a fonte do poder divino.
  • Se Jesus tivesse simplesmente criado dinheiro para o imposto do templo, poderia facilmente ter sido mal interpretado que Jesus cria dinheiro sob demanda! No entanto, Jesus realizou um milagre de uma forma que impediu engenhosamente essa conclusão e serviu para repreender Pedro sem ofender os funcionários.
  • Esta história sobre o dinheiro na boca de um peixe teria facilmente chegado aos oficiais que cobravam o imposto do templo e servido como uma repreensão para eles também – eles deveriam saber, mas se recusaram a reconhecer, que Jesus era Rei e, portanto, isentar.

4 Lições sobre a moeda na boca do peixe

O milagre da moeda na boca do peixe aconteceu nos últimos seis meses do ministério de Cristo na terra. Iluminado pelo Espírito de Deus, Pedro havia acabado de confessar que Cristo era o Filho de Deus (16:16) – uma confissão gloriosa. No entanto, ele ainda tinha muito a aprender, tanto sobre si mesmo quanto sobre o Salvador. Vamos estudar quatro lições que vemos Pedro aprendendo nesta passagem do próximo milagre que Jesus realizou.

Um Profeta Onisciente

Enquanto eles estavam em Cafarnaum, aqueles que coletavam o dinheiro do tributo aproximaram-se de Pedro e perguntaram: “Seu senhor não paga tributo?” (v. 24). 

Pedro, sem pensar muito, ao que parece, respondeu afirmativamente à pergunta (v. 25). Mas quando ele foi contar ao seu Mestre, que devia estar em outra parte da casa, Jesus “o impediu” ou “o antecipou”, mostrando assim sua onisciência. Onde quer que estejamos, Cristo é de fato a testemunha silenciosa de todas as nossas palavras e pensamentos. Jesus colocou a questão a Pedro sucintamente:

O que você pensa, Simão? De quem cobram os reis da terra impostos ou tributos? De seus próprios filhos ou de estranhos? Mateus 17:25

Em outras palavras: “Os reis não cobram imposto de sua família, mas de seus súditos. Quem sou eu?”

Esta questão é ainda mais pungente à luz do capítulo anterior, quando Pedro confessou tão lindamente: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (16:16). Agora a vida de Pedro fica atrás de sua confissão. 

Os discípulos do Senhor ainda hoje muitas vezes vivem de maneira tão diferente de sua confissão sem pensar duas vezes sobre isso. Talvez você se lembre de uma situação em que seguiu descuidadamente as expectativas ou o exemplo de outras pessoas, sem considerar se estava de acordo com as Escrituras. Mais tarde você percebeu que tolo você era (Sl 73:22). Não é sem razão que Jesus usa o antigo nome de Pedro, “Simão” (v. 25). Pedro agiu com tanta facilidade e rapidez de acordo com sua velha natureza. O povo de Deus não pode se conformar com este mundo (Rm 12:2). Cristo diz a Pedro: “O que você pensa?” ou, “O que você está pensando?” Ainda bem que Jesus é um Mestre paciente.

Observe aqui que, como Pedro, se professarmos o nome de Cristo, todas as nossas ações testificam de nosso Senhor e Mestre. Com seu rápido “sim”, Pedro deu uma impressão errada de Seu Mestre aos cobradores de impostos. Em essência, ele aumentou Sua humilhação fazendo-o parecer menos do que realmente era. Devemos pensar nisso da próxima vez que agirmos de uma maneira que faça Cristo parecer pequeno. O que dizemos ou fazemos engrandece o Senhor ou diminui Sua glória. 

Um servo humilde

Notavelmente, Cristo estava disposto a se submeter a uma ordenança que o fazia parecer mais um súdito do que o Filho que realmente era. É claro que Ele permaneceu como Senhor de todos, até mesmo do templo, mas estava disposto a “esvaziar-se e tomar sobre si a forma de servo” (Fl 2:7). De acordo com Suas próprias palavras, Ele era ainda “maior que o templo” (Mt 12:6); ainda assim Ele se humilhou para pagar o imposto como todos os outros fizeram.

Mas Ele não pagou pela razão que Pedro queria. Ele o fez “para que não os escandalizemos” (v. 27). Duas pessoas podem fazer as mesmas coisas por razões diferentes, e uma estaria certa enquanto a outra estaria errada. O coração de Cristo era tal que renunciaria a seus próprios direitos a fim de servir ao bem dos outros, como Paulo mais tarde instruiu os cristãos a fazer (Rm 14:21; 1 Co 8:13; Gl 5:13). Ele veio não para fazer a Sua própria vontade, mas a vontade de Seu Pai (João 6:38) e para buscar e salvar o perdido (Lucas 19:10).

A lição para nós é óbvia. Se o Filho de Deus não insistiu em seus direitos, mas abriu mão deles para evitar colocar uma pedra de tropeço diante dos pecadores ignorantes, como podemos não fazer o mesmo? “A ninguém devais coisa alguma, senão que vos ameis uns aos outros” (Rm 13:8). Em vez de ostentar nossos direitos reais perante o mundo, dando motivo para que o evangelho seja mal falado, sigamos o Mestre em humildade de espírito, considerando os outros superiores a nós mesmos (Fl 2:3).

Um Senhor Onipotente

Apenas para mostrar a Pedro novamente o glorioso Senhor que Ele era, Jesus ordenou-lhe que fosse “ao mar, e lançasse o anzol, e apanhasse o primeiro peixe que subir; e, abrindo-lhe a boca, acharás um pedaço de dinheiro” (v. 27). 

Esse milagre provou a onisciência do Senhor, pois Ele sabia desse peixe no mar com uma moeda na boca. Além disso, provou a onipotência do Senhor, pois Ele a fez chegar ao anzol de Pedro. Cristo fala com Pedro com uma confiança tão calma. Ele é o Filho e o próprio Criador. Ele é Aquele de quem os Salmos cantam: “Em suas mãos estão as profundezas da terra… O mar é dele e ele o fez” (Sl 95:4-5).

Se o Senhor pode discernir o dinheiro do peixe no mar, Ele não poderia discernir a sua necessidade de seus filhos? E se o Senhor pode suprir essa necessidade, Ele não saberia como suprir a sua necessidade? Ele não se importa em suprir nossas necessidades, temporais ou eternas, já que nada é difícil demais para o Senhor (Gn 18:14).

Um Salvador redentor

Há ainda mais neste milagre. A moeda que Pedro encontrou no peixe valia o dobro do necessário. A palavra grega para a moeda é um stater, que é o dobro do valor da didracma. Assim, Cristo diz: “Tomai e dai-lhes por mim e por ti” (v. 27).

Cristo pagaria por Pedro, agora e para sempre. Pedro poderia pagar esse imposto sozinho, mas Cristo queria que ele soubesse que, como o Senhor do céu, Ele se rebaixou para pagar pelos pecados de pessoas como Pedro, para que suas dívidas espirituais pudessem ser pagas integralmente. Cristo se tornaria pobre, para que por meio de Sua pobreza Pedro pudesse se tornar rico.

Pedro veio a entender isso; vemos a prova disso quando ele escreve em sua primeira epístola: “Visto que sabeis que não fostes resgatados com coisas corruptíveis, como prata e ouro de vossa vã conversa, recebidos por tradição de vossos pais; mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e sem mácula” (1 Pe 1:18-19).

Diante de Deus, Pedro nunca poderia ter pago seu próprio preço de resgate, muito menos o de qualquer outra pessoa. O Salmo 49:7 explica: “Nenhum deles pode de modo algum remir a seu irmão, nem dar a Deus o resgate dele.” No entanto, como Aquele que é maior que o Templo, Cristo podia, pois Ele veio “para dar a sua vida em resgate por muitos” (Mateus 20:28). 

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.
Botão Voltar ao topo