O que é o livro dos gigantes e é bíblico?

O que vem à sua mente quando você pensa em gigantes? Imagino um ser extraordinariamente grande com um rosto distorcido e maldade em seus olhos. Os gigantes são considerados criaturas místicas que são invenções da imaginação. Eu diria que a maioria de nós não acredita que tais coisas existam, ou sim?

O Livro dos Gigantes é uma das muitas obras literárias que afirmam que os gigantes andaram nesta terra antes de Noé construir a arca. Ele contém conexões com pessoas bíblicas como Enoque. Esse conhecimento despertou meu interesse e questionou o que eu pensava ser verdade.

Então, o que é o Livro dos Gigantes e tem verdade bíblica? Por que não está incluído em nosso cânon sagrado?

Sem mais delongas, vamos descobrir!

O que é o Livro dos Gigantes?

O Livro dos Gigantes é um livro pseudoepigráfico escrito em tempos antediluvianos. Em linguagem simples, é um livro não incluído no cânon e foi escrito antes do Dilúvio. Tem um enredo semelhante a outro livro pseudoepígrafo, 1 Enoque.

Os estudiosos reconhecem este livro como uma verdadeira peça da literatura antiga. Fragmentos do Livro dos Gigantes foram encontrados em Qumran em 1947 entre os Manuscritos do Mar Morto. Não há dúvida de que este livro foi escrito e compartilhado antes e depois do dilúvio. O que é difícil de juntar é o enredo porque só temos fragmentos.

Sobre o que é o Livro dos Gigantes?

Como dito anteriormente, o enredo deste livro é um pouco difícil de montar porque não temos a versão completa. Estudiosos usaram os fragmentos encontrados com os Manuscritos do Mar Morto para chegar a um resumo sugerido.

O que os estudiosos aprenderam é que existem duas versões do Livro dos Gigantes. Junto com a versão do Pergaminho do Mar Morto está a versão maniqueísta.

Versão do Pergaminho do Mar Morto

Esta versão foi escrita em aramaico e é uma expansão da história escrita em 1 Enoque. Nesta versão, Deus envia os “Vigilantes” à terra com o propósito de nutrir a humanidade. Como os Vigilantes eram seres angelicais do céu, eles deveriam ensinar os humanos a realizar rituais adequados e ter conduta ética.

Os Vigilantes se desviam de seu propósito pretendido e começam a seduzir e ser seduzidos por mulheres mortais. Quando os Vigilantes se deitam com mulheres mortais, eles criam descendentes que parecem diferentes dos outros descendentes humanos. Esses descendentes são chamados de gigantes e passam suas vidas causando estragos na terra. O profeta Enoque tenta sem sucesso interceder em favor dos gigantes e Deus envia o dilúvio.

A versão maniqueísta

O fundador da religião maniqueísta foi um apóstolo chamado Mani. Ele recebe o crédito por escrever O Livro dos Gigantes. Mani foi criado no sul da Mesopotâmia em uma seita judaico-cristã chamada Elkesaites. Quando tinha doze anos, Mani começou a ter visões. Suas visões o excomungaram e então ele fundou sua própria religião.

Na versão de Mani, encontramos uma história semelhante à da versão dos Manuscritos do Mar Morto. Foi escrito em siríaco, um dialeto aramaico oriental e conta a história de demônios que escapam do reino celestial para viver na Terra. Enquanto na Terra, os demônios causam caos e destruição. A totalidade desta versão fala das batalhas entre a luz e as trevas com forças lideradas pelos arcanjos Miguel, Gabriel, Rafael e Uriel.

O Livro dos Gigantes faz parte da Bíblia?

O Livro dos Gigantes não está incluído na Bíblia. Quando a Bíblia como a conhecemos hoje estava se reunindo, um conjunto de requisitos para a canonização foi desenvolvido. Se um livro não atendesse a todos os requisitos, ele não seria incluído. Esses requisitos foram os seguintes.

  • O autor tinha que ser um apóstolo ou estar em estreita relação com um apóstolo
  • Aceito pelo corpo de Cristo em geral
  • Conter doutrina consistente e ensino ortodoxo
  • Ter evidência de alto valor moral e espiritual

Os estudiosos e teólogos reunidos para completar a tarefa de criar um cânon não acreditavam que o Livro dos Gigantes atendesse a esses requisitos e, portanto, não deveria ser incluído.

Embora o Livro de Gigantes não esteja em nossas Bíblias hoje, podemos encontrar algumas conexões das Escrituras com este livro. Em Gênesis 6:4 diz “Os Nefilins estavam na terra naqueles dias – e também depois – quando os filhos de Deus foram para as filhas dos homens e tiveram filhos com elas…. Mais adiante no livro de Números, no capítulo 13, lemos o versículo 33. Ele diz: “Vimos os Nefilins ali. Parecíamos gafanhotos aos nossos próprios olhos, e parecíamos iguais para eles.”

Esses versículos nos dizem que a cultura judaica acreditava no que o Livro dos Gigantes estava falando. Nefilim era o nome dado à descendência dos seres celestiais e mulheres mortais. Eles eram grandes e as pessoas os temiam. Por causa de suas ações, Deus teve que enviar um dilúvio para acabar com o mundo.

Não podemos saber com certeza como eram as pessoas chamadas Nefilim. Não podemos conhecer seus comportamentos específicos. O Livro dos Gigantes foi escrito em uma época da história em que o politeísmo e a mitologia eram sistemas de crenças proeminentes. Havia um deus para tudo, e as pessoas eram muito supersticiosas. A cultura judaica e mesopotâmica permitiu que essa história tivesse fragmentos de verdade que levariam as pessoas a acreditar na história.

O Livro dos Gigantes não é considerado uma obra inspirada ou inerrante de Deus. É uma história fantástica ligada a outro livro apócrifo que antecede o Livro dos Gigantes. É uma das muitas explicações para o dilúvio no tempo de Noé. Hoje, chamamos isso de ficção histórica. Os seres humanos são notórios por querer uma resposta para todas as perguntas. Somos um povo curioso. O Livro dos Gigantes deixa uma porta aberta para nossas curiosidades.

Estudiosos e teólogos concordam que o Livro dos Gigantes não deve ser incluído na Bíblia. Eles acham que essa história pode nos dizer muito sobre as culturas daquela época. O Livro dos Gigantes tem mérito historicamente.

O que aprendemos?

Depois de muita pesquisa sobre o Livro dos Gigantes, aprendemos que é uma tentativa de compartilhar como era a vida antes de Deus enviar o dilúvio. Diz-nos que havia tradições judaicas misturadas com criaturas mitológicas e civilizações politeístas. A história era uma maneira de explicar os eventos que levaram Deus a enviar um dilúvio para acabar com a humanidade.  

O Livro dos Gigantes não está incluído no cânon pela simples razão de que não é uma palavra inspirada de Deus. Isso não significa que jogamos fora. Devemos ver esta peça de literatura como uma fonte de aprendizado de como era a vida durante o tempo em que foi escrita.

Por sermos pessoas curiosas, sentimos que devemos questionar coisas que não entendemos. A lição importante a aprender com esses livros apócrifos é que, se Deus quisesse que soubéssemos alguma coisa, Ele nos diria. 

Às vezes é melhor que não saibamos todas as respostas. O tempo todo, é melhor confiar no Senhor e ter certeza de que, se houver uma resposta que você precisa saber, Ele a fornecerá.


Por Ashley Hooker.

Equipe Redação BP

Nossa equipe editorial especializada da Biblioteca do Pregador é formada por pessoas apaixonadas pela Bíblia. São profissionais capacitados, envolvidos, dedicados a entregar conteúdo de qualidade, relevante e significativo.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo